Editor

.

Linha Editorial

  • "Mídia Construtiva é também lançar o olhar crítico sobre problemas, apontar falhas, denunciar. Contribuindo para a corrente que tenta transformar o negativo em positivo."

    Leia mais ...
Blog

Faz tempo que acompanho, via redes sociais, a história de Matias, contada por seus pais, Marcelo Cartaxo e Paula Laranjeira. Matias é um menino especial, nascido em uma família especial, que luta para proporcionar-lhe os tratamentos adequados para superar as deficiências consequentes de uma paralisia cerebral. Neste momento, seus pais, que moram no Recife, estão promovendo uma campanha, chamada Inclusão é Atitude, para arrecadar os recursos para que ele possa continuar um tratamento de fisioterapia intensiva que vem fazendo no Chile.
Participar da campanha é fácil. É só adquirir a camisa MAT MAT, feita pelo designer Rafa Mattos. Os pais também convidam a divulgar a campanha. para isso, tire uma foto ou selfie com a camisa, publique no facebook e convide a todos a participar. A camisa, produzida pela marca MENTOR, custa R$ 30,00 e está à venda na loja da MENTOR, no Shopping Parnamirim. Contatos podem ser feitos através do telefone (81) 3267.3511.


A experiência desta família pode ser acompanhada através do blog Matias Presente de Deus - http://matiaspresentededeus.blogspot.com.br. Abaixo reproduzo o texto do blog que resume um pouquinho desta história de superação:
MATIAS LARANJEIRA CARTAXO nasceu no Recife (PE), em 7 de dezembro de 2009, e Deus lhe reservou uma forma diferente de começar a vida. Com uma paralisia cerebral, lisencefalia e agenesia de corpo caloso diagnósticadas - fato que acarreta atraso motor e não lhe dá prognóstico clínico de suas possibilidades de andar, falar e de como se desenvolverá sua inteligência - Matias tem tido uma vida bastante agitada e abençoada. Sua rotina semanal inclui sessões de fisioterapia, terapia ocupacional, natação e fonoaudiologia, além de muitos exercícios e estímulos em casa. Mas o pequeno Matias vem surpreendendo a todos com sua personalidade tranquila e alegre, bem como o seu jeito curioso e meigo de ser! Acompanhe um pouco mais da sua linda trajetória de vida e as reflexões de mamãe e papai nesse blog especial !

Voluntários da Ação da Cidadania Pernambuco Solidário realizarão um Ato Ecumênico de Oração pela Paz diante de uma mesa gigante de 300 metros, no Parque Treze de Maio, bairro da Boa Vista, centro do Recife, na tarde deste domingo (07), a partir das 15h.

A mobilização tem o objetivo de convidar a população a doar alimentos para a campanha Natal Sem Fome dos Sonhos, e deverá reunir lideranças religiosas, grupos de capoeira, artistas e representantes de comunidades carentes da Região Metropolitana e do Interior do Estado. Uma caravana da Ação da Cidadania participará da festa em Pernambuco.

Até o momento já foram arrecadadas 20 toneladas de alimentos. A mobilização prossegue até o final do ano com postos de arrecadação na Estação Recife do Metrô (segunda a sexta das 9h às 16h); no Parque da Jaqueira (sábados e domingos das 9h às 15h); e na sede da Ação da Cidadania Pernambuco Solidário, no Parque de Exposições do Cordeiro (segunda a sábado das 9h às 17h).

A campanha Natal Sem Fome dos Sonhos surgiu em 1993, no Rio de Janeiro, criada pelo sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, e logo se espalhou por todo o Brasil, recebendo apoio imediato em Pernambuco do arcebispo da época Dom Helder Câmara.

A Caravana Natal Sem Fome da Ação da Cidadania passará por Olinda (dia 12), Águas Belas (13) e Bom Jardim (21 de dezembro). As mobilizações de 2014 começaram em Poção, depois seguiu para Bayeux e Campina Grande, na Paraíba, sempre realizando o Ato Ecumênico de Oração pela Paz e a grande mesa com pães e frutas.

Imagens das mobilizações estão disponíveis no Facebook: Ação da Cidadania Pernambuco Solidário.

Mais informações pelo telefone (81) 3226 0063 ou com o coordenador Anselmo Monteiro, pelos telefones (81) 9979 9716 e (81) 9114 9716.

Sábado, 06 Dezembro 2014 23:48

Seja um anjo multiplicador!

Escrito por

Aqui no Blog Viva Pernambuco tento multiplicar notícias que, de algum amaneira, possam ser inspiradoras.
Desta vez, chamo a atenção para o trabalho realizado pelos Anjos Multiplicadores, do Recife, um grupo de amigos que desde 2006 se reúne anualmente para coletar alimentos e brinquedos a serem doados no Sertão Pernambucano.
No ano passado, eles entregaram 1.800 cestas básicas, 1.500 lanches e um caminhão cheio de brinquedos e a meta para 2014 é superar esse número e beneficiar mais famílias. As doações desta edição podemser feitas até dia 19 de dezembro serão entregues no dia 21.
As doações podem ser entregues a Carol, uma das integrantes do grupo, que pode ser contatada através do telefone (81) 8191.3230, ou a qualquer um dos Anjos Multiplicadores - PE.
Quem preferir, pode optar por depositar a doação na conta dos Anjos. O valor da cesta básica (2kg de cada alimento) é de R$ 35.
Os Anjos Multiplicadores pedem que a mensagem seja repassada e compartilhada ao máximo. Seja você também um anjo multiplicador!

CEDEC/ANJOS MULTIPLICADORES
Banco do Brasil
Ag: 068-X
CC: 38759-2
CNPJ CEDEC: 04.428.863/0001-15
Ainda com dúvidas sobre o projeto?
Acesse: https://www.facebook.com/anjosmultiplicadorespe

O Centro Raja Yoga Brahma kumaris, em Olinda, realiza no próximo domingo, 23 de novembro, o Festival Diwali – originário da Índia que significa "fileira de luzes”. O evento, que tem início às 17h, contará com a participação de Ida Meirelles, professora da Universidade Espiritual Mundial Brahma Kumaris, que coordena cursos de meditação e qualidade de vida, projetos, conferências e palestras tendo como principal tema o autoconhecimento para uma vida melhor, abordando a paz interior e exterior, usando a metodologia  Raja Yoga, como instrumento de educação.
“Estão convidados a participar todos aqueles interessados em abrir os horizontes para uma vida equilibrada, objetivando a melhoria de intercâmbio entre as pessoas”, explica Eliane Rangel, coordenadora do Centro Raja Yoga de Olinda, localizado na Avenida Luiz Gomes, 144, no bairro do Farol, na Cidade Alta.
Diwali - A celebração acontece na noite mais escura do outono, de Lua Nova, marcando a passagem das trevas para a luz. Tradicionalmente pequenas lâmpadas de argila com óleo são acesas para representar o triunfo do bem sobre o mal, lembrando que a centelha de luz divina habita em todos os nossos corações.
As filas de lâmpadas ensinam mais outra importante lição de união. A luz que brilha no Sol, na lua, nas estrelas, e no fogo são todas as mesmas. Ver e reconhecer aquela luz, a luz da Consciência, que se manifesta e pulsa em e por toda criação é a meta da vida. Assim, reconhecendo toda criação como uma expressão do seu Verdadeiro Ser, espalhe a luz de amor e compaixão.
As luzes de Diwali são exibidas nas portas de entrada, pelas paredes das casas, nas ruas e alamedas. Isso significa que a luz espiritual interior do indivíduo deve ser refletida do lado de fora. Deve beneficiar a sociedade. Assim, um transeunte pode ser ajudado a prevenir de tropeçar no caminho de alcançar seu destino.
Alimentar os estômagos vazios de quem tem fome, acender diyas de festança e trazer à luz àqueles que vivem na escuridão é o verdadeiro espírito de Diwali.

A peça Na Floresta a Noite é Mais Escura, que estreou no último dia 15 de novembro, no espaço O Poste, no Recife, está causando um feito inusitado no Recife em tempos de teatros fechados e público reduzido. Desde a primeira apresentação, quando ficou gente de fora por falta de espaço - onde cabem 60 pessoas -, vem tendo casa cheia. 

A peça foi criada a partir do curso Método Chekhov com Samuel Santos e segue uma narrativa baseada nos contos de fadas tradicionais: o Patinho Feio, Cinderela, João e Maria e Chapeuzinho Vermelho, trazendo como proposta uma nova perspectiva, um novo olhar. E é uma mistura do lúdico dos contos com a realidade cotidiana da sociedade, conseguida através de personagens que são elementos de fundição, que mesclam o mundo do imaginário e real, mostrando como essa linha aparentemente divisória é absolutamente tênue. 


Na montagem, a encenação tem como essência a origem de quando eles foram criados.Eram contos que não eram pensados originalmente para crianças. A peça trabalha dentro de uma visão para adultos onde o espectador é conduzido na trama e ao mesmo que é inserido nela. Plateia se enveredará numa jornada de amadurecimento tanto dos personagens clássicos ao mesmo tempo ele como homem, como ser humano. Os contos clássicos sob um prisma humanizado..

O tempo/espaço criado pela encenação é um lugar lúdico, longe do qual estamos inseridos (permite um distanciamento do espectador para análise). “Obtivemos a essência dos questionamentos e realizações do interior do homem transcritos pela linguagem simbólica e arquétipos dos contos. Buscamos a semelhança entre as dúvidas, realizações, amadurecimentos ancestrais e contemporâneos. A floresta aqui é apresentada como o inconsciente. Na Floresta a Noite é Mais Escura é uma intensa viagem ao território onde reside a profundidade dos sentimentos humanos, oscilando entre perversão e compaixão, amor e selvageria, confiança e abandono, tristeza e esperança!Um convite a um mundo desconhecido.


A entrada custa R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia) para estudantes, terceira idade e classe artística. O espaço O Poste fica na Rua da Aurora, 529, loja 1 (Prédio amarelo de esquina). Informações: (81) 8835. 6304

Quinta, 20 Novembro 2014 20:49

Museu da Abolição ganha ludoteca

Escrito por

O Museu da Abolição, no bairro da Madalena, no Recife, inaugura o novo espaço da Ludoteca, neste sábado (22), a partir das 15h. Haverá uma programação especial, que inclui jogos,oficinas de contação de histórias e de penteados afro, além de apresentações culturais do grupo de Ogans e bailarinos do balé afro Majê Mole. A abertura reverência as comemorações da Semana da Consciência Negra. O projeto é pioneiro em museus em Pernambuco e funcionará de forma permanente visando otimizar o espaço cultural do museu para oferecer à população um ambiente de práticas lúdicas e educativas, onde serão tratadas várias questões e temáticas ligadas à cultura afrobrasileira.

A Ludoteca será um espaço acessível, com acesso gratuito, para atrair e integrar todos os públicos, inclusive as pessoas com deficiência. O projeto de implantação se deu através de recursos do Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura (Funcultura) com produção executiva do Bureau de Cultura.

A ambientação do novo local é assinada pelas arquitetas Kate Saraiva e Graciely Nery que fizeram uma verdadeira reestruturação no intuito de abrigar objetos, brinquedos e jogos que irão compor o acervo da Ludoteca. “O museu já tinha disponível um espaço físico para tal, porém encontrava-se em desuso. E o projeto visou justamente aproveitar esse espaço de modo que ele esteja permanentemente oferecendo aos visitantes, sobretudo crianças e adolescentes, atividades lúdicas e de lazer a fim de preservar a memória do lugar, aproximando-os da sua história, identidade e manifestações culturais” pontua a turismóloga e produtora, Clarisse Fraga, diretora do Bureau de Cultura.

Outro ponto que ela destaca como positivo no projeto é que ele contempla a acessibilidade na adequação do espaço e acesso gratuito, na tentativa de atrair e integrar todos os públicos, inclusive as pessoas com deficiência. Além disso, a originalidade e inovação da Ludoteca refletem-se na própria constituição do espaço, já que será o primeiro existente nos museus do Estado, como também, na dinâmica de funcionamento, já que a mesma se consolidará como um espaço interativo, lúdico, recreativo e educativo onde a criança ou jovem terá a oportunidade de desenvolver a iniciativa e autonomia, enriquecendo as suas interações sociais e exercendo a cidadania.

A primeira etapa do projeto, iniciada em junho passado, culminou com a pesquisa elaborada por uma equipe de historiadores e antropólogos sobre cultura afro-brasileira com foco em brinquedos e brincadeiras. Depois, foi a vez dos brinquedistas (profissionais da área de recreação e lazer) que entraram em ação para selecionar e criar as brincadeiras baseadas nas pesquisas desenvolvidas pelos historiadores e antropólogos.
A partir de agora, um sábado por mês haverá uma programação especial com temas diversos para movimentar o espaço da Ludoteca. O funcionamento será de terça a sábado com agendamento no horário das 9h às 12h e das 14h às 17h. Informações e agendamentos pelo: (81) 3228.3228.

Sobre o Museu:

O Museu da Abolição – Centro de Referência da Cultura Afrobrasileira – é uma instituição pública federal sem fins lucrativos de acesso gratuito que tem como missão prestar serviços à sociedade através do resgate, valorização e reconhecimento do patrimônio material e imaterial dos afrodescendentes, contribuindo para o fortalecimento da cidadania do povo brasileiro.

Situado no Sobrado Grande da Madalena, edificação tombada pela Diretoria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (atual IPHAN) como Patrimônio Nacional em 28 de novembro de 1966, o Museu da Abolição foi inaugurado em 1983, e depois de ter sido fechado à visitação por duas vezes, reabriu suas portas ao público em 2005 com o objetivo de ser um museu totalmente integrado à sociedade.
Hoje, o Museu da Abolição apresenta uma exposição fruto de um trabalho de construção coletiva iniciado em 2005 junto aos segmentos da sociedade que defendem os valores e reconhecimento da cultura afrobrasileira.


SERVIÇO:

INAUGURAÇÃO DO NOVO ESPAÇO DA LUDOTECA NO MUSEU DA ABOLIÇÃO
DIA: 22/11/2014
LOCAL: MUSEU DA ABOLIÇÃO
HORÁRIO: 15H
PROGRAMAÇÃO INCLUIRÁ: abertura solene, jogos, oficinas de contação de histórias e de penteados afro, além de apresentações culturais do grupo de Ogans e bailarinos do balé afro Majê Mole

O bairro de Santo Antônio, na região central do Recife, ganhará uma nova cara. Importante área da cidade, onde se localizam o Palácio do Campo das Princesas, o Palácio da Justiça e o Teatro de Santa Isabel, o bairro agora será uma das referências na área de economia criativa. O governador de Pernambuco, João Lyra Neto, enviou à Assembleia Legislativa de Pernambuco projeto de lei autorizando a cessão por parte do Governo do Estado de dois imóveis para o Núcleo de Gestão do Porto Digital. Os locais poderão pelo prazo de 10 anos, ser utilizados para captação e instalação de empresas de tecnologia da informação e comunicação, além de atividades ligadas à gestão, administração e revitalização dos imóveis cedidos. O projeto de lei já foi distribuído para as comissões específicas daquela Casa Legislativa.

Os imóveis cedidos pelo Estado estão situados na Praça do Diário, sem número, e na rua Marquês do Recife, número 32. No primeiro, funcionou durante muitos anos como sede do jornal Diário de Pernambuco, e foi adquirido pelo estado há cerca de dez anos, quando o periódico mudou de endereço. Já o segundo abrigou o antigo Instituto de Administração Financeira da Previdência e Assistência Social (Iapas). Juntos, os imóveis possuem potencial construtivo de 10 mil metros quadrados.

"Essa iniciativa é um importante passo na perspectiva de requalificar a região da Guararapes e seu entorno, contribuindo com o esforço que a Prefeitura do Recife também tem feito para a revitalização de suas áreas centrais degradadas a partir de atividades economicamente sustentáveis", destacou o governador João Lyra Neto.

O antigo prédio do Diário de Pernambuco sempre foi uma área de concentrações políticas e de luta pela democracia. Na ditadura Vargas, o advogado Demócrito de Souza Filho e o carvoeiro Manoel Elias foram assassinados nas escadarias do prédio, durante um comício que teve o sociólogo Gilberto Freyre como orador principal. O imóvel foi adquirido ainda na gestão Jarbas Vasconcelos/Mendonça Filho, e sua destinação vinha sendo estudada desde então.

O diretor presidente do Porto Digital, Francisco Saboya, afirmou que a restauração dos dois imóveis e sua transformação em edifícios empresariais ajudarão a atrair novos empreendimentos, solucionando ainda uma grande lacuna do polo. "Vamos suprir um problema real que temos no Porto, que é a insuficiência de imóveis no Recife para dar conta da nossa estratégia de expansão. Estamos perdendo empregos na área de Tecnologia da Informação por conta dessa insuficiência, inclusive. Esses imóveis atenderão a uma demanda real e existente, e hoje represada. E também ajudará a dinamizar aquela área do bairro de Santo Antônio, requalificando a região do ponto de vista urbano", explicou.

Segundo Saboya, a expectativa para a restauração dos prédios é de "dois anos, no máximo", e poderá provocar mudanças na atual estrutura do Porto Digital. "Diante do potencial desses edifícios, vamos considerar a possibilidade da transferência do Porto para o imóvel onde esteve sediado o Diário de Pernambuco, por ser um grande polo, e também por todo o valor simbólico do imóvel. Será uma decisão a ser tomada pelo conselho, obviamente, no momento adequado. Mas a área locável desses dois imóveis é similar à área que temos hoje", relatou Saboya. A sede do Porto Digital fica no Bairro do Recife, no prédio onde funcionava o Bandepe.

PORTO DIGITAL - Fundado em julho de 2000, o Porto Digital foi reconhecido como o maior parque tecnológico do Brasil em faturamento e número de empresas. Hoje, são 250 empresas instaladas no porto, sendo três incubadoras (Cais do Porto, Portomídia e CESAR), duas instituições de ensino, quatro entidades empresariais, entre outros. O Porto Digital colabora para a geração de 7.100 empregos diretos, proporcionando um faturamento anual de R$ 1 bilhão.


As metas de crescimento do Porto Digital preveem a geração de cerca de 13 mil novas vagas até 2022, totalizando 20 mil empregos nas áreas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e Economia Criativa. Da mesma forma, a expectativa é dobrar o faturamento das empresas nesse cenário, contribuindo para a atração líquida de receita para o Recife de estimados R$ 1,32 bilhões por ano, já a partir de 2020.

Quem quiser contribuir com a Campanha Natal Sem Fome 2014 pode fazer a partir desta quarta-feira, 5 de novembro, quando acontecerá lançamento oficial, na Estação Recife do Metrô. Participarão do evento os voluntários da ação da Cidadania Pernambuco Solidário, a cantora Lourdinha Oliveira e a Up Town Blues Band.
Representantes da Arena Pernambuco firmaram primeira parceria da campanha deste ano, convocando os torcedores a doarem alimentos não perecíveis nos jogos deste final de semana, quando o Naútico enfrentará o Santa Cruz, no sábado, e o Sport jogará contra o Flamengo, no domingo.
A ideia é chamar a atenção do público, promover a paz nos estádios e a solidariedade com doação de alimentos como símbolo do torcedor consciente, sem esquecer que milhares de pessoas seguirão para o estádio de Metrô e que devem ajudar a preservar os equipamentos do transporte público.
Esta é a vigésima primeira edição em Pernambuco da Campanha Natal Sem Fome dos Sonhos, que arrecadará alimentos não perecíveis até o final do ano. O que for arrecadado será distribuído em comunidades carentes de todo o Estado.
Na lista dos primeiros a receber donativos estão comunidades dos municípios de Buíque, Poção, Águas Belas, Lagoa do Ouro e Belo Jardim, além do Coque (Recife), V8 (Olinda), Viana (Camaragibe) e Engenho Maranguape (Paulista).
Além da Arena Pernambuco, voluntários estão a postos para receber doações na Estação Recife do Metrô, de segunda a sexta, das 9h às 17h, e no Parque da Jaqueira aos sábados e domingos, numa parceria com o Comitê de Resgate do Dia Nacional de Ação de Graças (DNAG), que este ano será dia 27 de novembro.
Mais informações com Anselmo Monteiro pelos telefones (81) 9979 9716 e (81) 9114 9716 ou na Ação da Cidadania Pernambuco Solidário pelo telefone (81) 3226 0063.

Em momento de profundo encantamento, Cristina Moreno inspirou a todos durante sua passagem pelo Arquipélago de Fernando de Noronha, na abertura da Exposição Pernambuco, Cultura, História e Mar, de Miguel Igreja, no último dia 25 de outubro, na sede do Projeto Tamar. O projeto, que está na terceira e última etapa, tendo passado por Recife e Olinda, leva belas imagens de Pernambuco em uma galeria móvel que circula em bicicletas conduzidas por artistas plásticos e músicos.
Com um diálogo bastante provocador, inspirada nos princípios norteadores deste valioso documento, ela destacou a importância das artes para estimular o cuidado como prática necessária a toda ação humana e nos convidou "a buscar uma convivência socioambiental, pacífica e sustentável".

" Saber e não fazer ainda é não saber!"
Com esta frase, Cristina convocou à mobilização e ao compromisso de inserir em nosso cotidiano o respeito à vida; a integridade ecológica; a justiça social e a cultura de paz como condição indispensável para o futuro que precisamos, sinalizando que a arte é um excelente instrumento de conexão entre as pessoas e a Carta da Terra!

Em sintonia com a abordagem da representante da Carta da Terra no Brasil, Maria Dias, produtora do projeto, destacou a importância da cultura na ampliação das consciências, estimulando o diálogo como via promotora da sustentabilidade planetária.

Miguel Igreja falou sobre a importância da Galeria Móvel Sustentável como espaço para mobilização e compartilhamento das artes, mostrando que, através de nossas atividades podemos desenvolver caminhos que contribuem para tornar o planeta um lugar melhor, mais justo e solidário.

Encerrando o evento, um pocket show com os artistas ciclistas da Galeria Móvel presenteando Noronha com o lirismo e a poesia musical expressa em suas artes!

Da Assessoria de Imprensa

A Orquestra Criança Cidadã vai se apresentar para o Papa Francisco, na Itália, no próximo dia 31 de outubro. O concerto privado para o Santo Padre será realizado às 12h, na Sala Clementina, localizada no Vaticano. O convite veio da organização Catholic Fraternity, Associação Privada de Direito Pontifício, que vai promover, de 30 de outubro a 2 de novembro, sua 16ª Conferência Internacional, com o tema “Louvor e adoração para uma nova evangelização”. Será a primeira vez que um projeto sociomusical brasileiro se apresenta para um Papa.

Os pernambucanos realizarão inserções musicais ao longo da Conferência e, no segundo dia de evento, farão uma sessão musical reservada para o Pontífice. Sob a regência do maestro Nilson Galvão Jr. e com os solos da mais famosa violinista japonesa, Yoko Kubo, algumas das obras a serem executadas são “Concerto de Brandenburgo nº 3”, de J.S. Bach, “As quatro Estações”, de Vivaldi, e trechos da “Serenata”, composta por Tchaikovsky.

Após a passagem pela Itália, no dia 4 de novembro os meninos do Coque fazem performance em Lisboa, para o primeiro-ministro de Portugal, Pedro Passos Coelho, no Palácio de São Bento, sede do Parlamento do país, às 18h. Assim como na Itália, será a primeira vez que a Orquestra se apresenta em solo português. O repertório desse concerto dará lugar a temas brasileiros, entre eles, “Lamento Sertanejo”, de Dominguinhos, e um medley em homenagem a Sivuca e a Jackson do Pandeiro.

Convidados – O concerto da Orquestra Criança Cidadã para o Papa Francisco será prestigiado por várias autoridades pernambucanas. Entre os convidados, estão o governador do Estado, João Lyra, o governador eleito, Paulo Câmara, e seu vice, Raul Henry, além do presidente do Tribunal de Justiça de Pernambuco, Frederico Neves, do corregedor-geral de Justiça, Eduardo Paurá, e empresários japoneses e brasileiros parceiros da Criança Cidadã.

Catholic Fraternity – O tema da 16ª conferência da organização internacional, sobre evangelização, foi inspirado na Primeira Carta aos Coríntios em que são relatadas conversões na época da Igreja Primitiva durante orações carismáticas. Entre os tópicos a serem discutidos no evento, estão profecia, discernimento, conversão, adoração e proclamação do Evangelho. Com exceção do momento no Vaticano, o restante da conferência acontecerá no Instituto Madonna del Carmine, localizado em Ciampino, Roma, Itália.

Da Rede Imagem e Vozes da Esperança


Em 16 de agosto de 2014, 17 profissionais do Imagens e Vozes de Esperança  se encontraram para um chá informal na Aponte Empreendedorismo Socioambiental com o intuito trocar impressões, fortalecer caminhos e desfrutar a presença física de pessoas tão especiais que compartilham um ponto em comum.

 

De Nova York, Judy Rodgers - fundadora do Images and Voices of Hope - enviou uma mensagem especial parabenizando pelo encontro. Compartilhou que esse ano o IVE está se concentrando na chamada “narrativa restaurativa”, uma abordagem de mídia que aborda a capacidade de resistência, recuperação e restauração de um sentido de totalidade em tempos de interrupção. O grupo foi convidado por ela, então, a refletir sobre o tema.

A futurista Rosa Alegria, da empresa de consultoria  Perspektiva e fundadora do  Núcleo de Estudos do Futuro da PUC-SP (NEF), explicou que a narrativa restaurativa decorre do jornalismo literário. “Através desse tipo de narrativa expomos narrativas pessoais. O acontecimento é trazido mais para perto da realidade. Conta-se o que está sendo visto. Não se esconde o problema. A solução é exposta. Os jornais nutrem com fonte negativa e não transformadora. A transformação vem da luz e não da sombra. Até a planta nasce da luz. Nós somos seres vivos. Como podemos manter a fé se apenas ficamos na sombra?”

Para Liane Alves, jornalista que escreve para a revista Vida Simples, “a matéria pode fechar com uma pergunta e, dessa forma, provocar uma reflexão”. Isto abre o caminho, diz ela. Para Liane “é preciso falar da sombra, de tudo que nos afeta. Não tem que deixar a coisa debaixo do tapete. No começo, o IVE dava mais enfoque ao positivo dos fatos. Hoje o IVE aprofunda a questão. À medida que a sociedade se transforma as questões ficam mais profundas.”

Esse reencontro do grupo mostrou como a rede Imagens e Vozes de Esperança segue conectada, atenta e vibrando para que a comunicação nos diferentes meios aconteça de forma consciente e responsável. Sentimos um grande desejo do grupo para retomar espaços mais frequentes de diálogos e aprofundar no tema da comunicação restaurativa.

Transmídia

Belise Mofeoli - redatora publicitária, roteirista transmídia e escritora de literatura infantojuvenil - falou para o grupo da mais recente criação do IVE em meio digital: a Rede IVE – Brasil que, através de uma integração de diferentes recursos midiáticos (NING, Facebook, Twitter, e-mail oficial, canal de YouTube) possibilitará a conexão direta e interna entre os membros. As redes sociais unificadas possibilitarão contar histórias utilizando-se da transmídia.

Segundo Henry Jenkins, professor no MIT/EUA no livro Cultura da Convergência, “Uma história transmídia se desdobra através de múltiplas plataformas de mídia, cada qual com um novo texto, fazendo uma contribuição distinta e valiosa para o todo”. Belise explica: “Alegoricamente, costumo dizer que a narrativa transmídia se dá como num livro. Em vez de capítulos, utilizamos plataformas diversas, cada qual com uma parte da mensagem e apenas no final da narrativa, o receptor tem a noção do todo. O modo criativo, instigante e fragmentado é que fará com que as pessoas tornem-se fãs da ideia, causa, marca, produto ou história.”

A fim de mostrar que o recurso se aplica a várias situações, desde que sabiamente aplicado, a roteirista exemplificou com séries, produtos e causas que, utilizando narrativas transmidiáticas, tornaram-se sucesso de público. Gibi, vídeo game, série de TV, app, website, livros, redes sociais, livros... eis algumas possibilidades. Belise propôs ao grupo que o IVE passasse a criar campanhas para ONGs parceiras e causas de motivação comum de forma colaborativa e multidisciplinar.

Diretora Executiva na empresa CPM Research, a Dra. Oriana White – que por muitos anos auxiliou ONGs a desenvolverem suas estratégias de comunicação –, opinou que “com o IVE, a gente quer interferir no conteúdo”. Para ela, “não precisamos criar um case, mas indicar boas fontes porque a mídia alimenta a cultura da coisificação, a cultura competitiva.” O comentário recebeu apoio de diversos membros que viram na nova fase do IVE, a missão não de criar novas campanhas, mas de servir de ponte entre pessoas e iniciativas.

IVE como ponto aglutinador

Leno Silva, diretor da LENOorb, colocou para o grupo sua percepção: “Hoje o ser humano não tem valor. Ele começa a ter valor quando entra no mercado. Este é o ponto principal para enfrentar. O grande desafio é ajudar as pessoas a entender que as histórias delas são legais. É canalizar isso. Fazer com que as pessoas se reconheçam, não importa a conta corrente.”

Para Leno, não precisamos sair do zero, mas localizar iniciativas que tenham algo em comum com o IVE. Fazer, na prática, um mapeamento do ecossistema. O IVE tem que ser o ponto aglutinador dessa proposta. Vamos honrar nossa história! As Boas Novas, Play the Call, TED e Mídia Ninja foram algumas iniciativas lembradas.

Necessidade, interatividade e experiência

Paula Ribas, atriz e jornalista que estudou a Comunicação Não-Violenta, compartilhou o pensamento vanguardista de Marshall Rosenberg, fundador dessa nova teoria: “O que nos une é a necessidade”. Com essa bagagem, Paula falou: “A gente pode ser um grupo, mas o trabalho em rede pode gerar frustração. É preciso criar metas, mas não precisa sair fazendo. Meditar mais sobre essa reconexão.”

“As pessoas querem interatividade e experiência”, acrescenta Liane. Para a jornalista, “não adianta criar narrativas paralelas. Existem as ferramentas, mas como utilizá-las? Precisamos dar um passo atrás e nos perguntarmos isso. Uma grande parte da quebra da mídia é porque as pessoas estão fazendo suas próprias narrativas e não querem comprar o que é produzido pelos veículos.”

Próximos passos

As propostas de continuidade foram:

- realizar, em São Paulo, novo encontro do grupo ainda em 2014;

- organizar diálogo do IVE e capacitação em investigação apreciativa na sede de retiros da Brahma Kumaris em Serra Negra no primeiro semestre de 2015;

- fazer um estudo sobre o que mudou do mundo desde o surgimento do IVE, em 1999;

- fazer o mapeamento das iniciativas alinhadas com o IVE

- nos tornarmos pontes entre pessoas e causas afins.

Também estiveram presente

Rachel Añón, jornalista e sócia da ponteAponte, foi a anfitriã do encontro que também contou com a presença de: Carlos Emediato (coordenador da Peace Global Net) Jane Oliveira (designer e colaboradora da Rede Paz), Márcio Comenale (jornalista, dono da Horus Comunicação Integrada e colaborador da assessoria de comunicação da Brahma Kumaris), Ingrid Schrijnemaekers (profissional de marketing e gestora educacional), Edileuza Soares (editora do Computerworld), Irineu Toledo (jornalista, radialista e criador da Radio Positiva), Maria Fernanda Teixeira da Costa (facilitadora de mudança), Emi Tanaka (consultoria responsabilidade social e anfitriã de espaços conversacionais), Wans Spiess (consultora em comunicação digital, grupo TV1 e Secretaria de Comunicação Social do Governo Federal – SECOM), Camila de Oliveira (fotógrafa e produtora audiovisual) e Brígida Fries (representante do IVE em São Paulo e colaboradora da assessoria de comunicação da Brahma Kumaris).

Frases na reunião

“O IVE é uma egrégora. Quando estou perdida eu vou para lá”. (Oriana White)

“Os Bahaí’s e a Brahma Kumaris são pilares da Rede Paz. Sempre incluí o IVE nas pautas. Na Conferência Educação do Futuro, realizada em março de 2014 em São Paulo, foi o pessoal do IVE que deu o tom na área da Comunicação”. (Carlos Emediato)

“Não fiz voto de pobreza nem farei. No entanto, estou num estágio de vida em que troco, tranquilamente, o que tem apenas preço pelo que tem, sobretudo, valor.” (Belise Mofeoli)

“Não sou arquiteta, não sou engenheira, mas adoro ponte.” (Rachel Añon)

“Eu parto da simplicidade e isso me aproxima da Brahma Kumaris. A mensagem que chega de manhã tem um efeito milagroso.” (Irineu Toledo)

“O IVE faz parte da minha vida. Não há nada tão transformador. Eu tenho orgulho de fazer parte. O que conserva a gente é a inovação, catalisa a insatisfação. O IVE é um oásis, um oxigênio.” (Rosa Alegria)

“A Investigação Apreciativa busca a essência positiva de uma comunidade. Quando entrávamos nas empresas em busca de soluções as pessoas diziam que éramos loucos. O IVE tem a raiz da Investigação Apreciativa.” (Maria Fernanda Teixeira da Costa)

 

O Imagens e Vozes de Esperança – IVE é um projeto internacional que inspira profissionais de mídia a ter uma visão mais apreciativa e equilibrada dos acontecimentos do mundo. Foi fundado em Nova York, em 1999, como uma iniciativa da Brahma Kumaris World Spiritual Organization, do Center for Advances in Appreciative Inquiry e da Visions of a Better World Foundation. O IVE é promovido globalmente pelo Images & Voices of Hope e no Brasil pela Organização Brahma Kumaris.

Fernando de Noronha será a terceira e última parada da Exposição Pernambuco, Cultura, História e Mar, do fotógrafo Miguel Igreja. A galeria móvel sustentável, que transporta em bicicletas as imagens que compõem a mostra, aportará no arquipélago no próximo dia 25 de outubro, quando será realizado o evento de abertura e o lançamento do catálogo fotográfico que acompanha a exposição, na sede do Projeto tamar,às 20h30. Na ocasião, haverá palestra de Cristina Moreno, da Carta da Terra, que chancela a iniciativa.
Também estão programadas palestras de Miguel Igreja e da produtora cultural Maria Dias, além de pocket show com os músicos Dido Santos, Manuca Bandini, Lara Leal, Juca dos Santos e Dudu Gomes.
Aprovada pelo Funcultura, a galeria móvel circulará em Fernando de Noronha até o dia 12 de novembro, com as bicicletas conduzidas por artistas plásticos e músicos olindenses que se engajaram no projeto na etapa que foi realizada em Olinda, no mês de agosto. A exposição teve sua primeira etapa executada no Recife, em junho, quando circulou pela praia de Boa Viagem e o Parque Dona Lindú. A partir de 26 de outubro até 12 de novembro, as bicicletas vão circular pelos principais pontos da ilha, incluindo a Escola Arquipélago e o Memorial Noronhense.
“Estamos cumprindo nosso objetivo, que é o de tornar a exposição acessível ao maior número de pessoas, propagando e praticando os princípios de sustentabilidade”, explicou o autor das imagens, Miguel Igreja, ao dizer que os banners são doados posteriormente a artesãos de comunidades periféricas do Recife que transformam o material em peças de arte.
Entre os objetivos do projeto está facilitar o acesso à arte e a propagação da cultura pernambucana, em uma mídia ecológica, móvel, sustentável, gerando empregos temporários e revelando a riqueza do patrimônio natural, cultural e histórico de modo integrado, numa apaixonada declaração de amor a Pernambuco. "Além de ser uma ótima opção gratuita para os turistas e noronhenses apreciarem a cultura e os atrativos turísticos do Estado, acredito que essa exposição vai estimular uma convivência em equilíbrio com o meio ambiente por meio da utilização das bicicletas, trabalhando, assim, o conceitos de sustentabilidade através da arte", afirmou o Administrador de Fernando de Noronha, Reginaldo Valença Jr.
A Galeria Móvel Sustentável tem feito muito sucesso por onde passa, desde sua criação em 2012, para participar da Conferência Mundial de Sustentabilidade (RIO+20). Na Rio+20 (junho de 2012), a exposição fez sucesso ao abrir janelas na paisagem do Rio de Janeiro para mostrar ao mundo belas imagens de Pernambuco, compartilhadas também via QR Code e internet, fazendo link entre arte, ciência e o compromisso com as futuras gerações.

Serviço:
Dia 25/10/2014
Horário: 20h30
Local Auditório do Projeto Tamar - Fernando de Noronha
Programação de abertura:
* Palestra de Cristina Moreno sobre a Carta da Terra e sua valiosa contribuição para construção de uma sociedade planetária justa, pacífica e sustentável.
* Maria Dias e a Cultura como 4º Pilar da Sustentabilidade
* Miguel Igreja e sua Galeria Móvel Sustentável – A fotografia como ferramenta de preservação do patrimônio cultural, natural e histórico.
Lançamento do Catálogo Fotográfico durante o evento e pocket show com os músicos Dido Santos, Manuca Bandini, Lara Leal, Juca dos Santos e Dudu Gomes.

Terça, 21 Outubro 2014 18:05

Lar do Nenen realiza 4º Bazar Solidário

Escrito por

Nos próximos dias 28 e 29, das 10h às 19h, no La Cusine Petit Comité, em Boa Viagem, será realizado o 4º Bazar Solidário do Lar do Nenen. A edição é realizada anualmente pela instituição, que atualmente atende 13 crianças com idade entre 0 e 3 anos. No local, estarão à venda artigos para presentes, decoração, roupas para bebê a adulto, bolsas, sapatos, acessórios, entre outros objetos, alguns deles confeccionados pelas voluntárias da instituição, que terão 10% da renda arrecadada revertida para os pequenos. O espaço onde irá acontecer o bazar foi cedido gratuitamente pelos proprietários do La Cusine.

O Lar sobrevive de doações e é uma das entidades sociais de mais destaque no Estado que acolhe crianças em situação de abandono ou risco. A entidade conta com funcionárias que dividem o tempo em quatro turnos, incluindo uma assistente social e alguns voluntários, que prestam a assistência necessária ao cuidado dos pequenos e realizam atividades nas áreas de higiene, alimentação, puericultura e recreação.

Entre as atividades desenvolvidas com as crianças, há o banho de sol para os bebês no início das manhãs, refeições, recreação, musicoterapia, além de todos os cuidados com a higiene pessoal. Uma vez por semana, o serviço de pediatria do IMIP está presente na instituição para fazer o encaminhamento, quando necessário, para hospitais, postos de saúde, controle de vacinação e exames laboratoriais.

O Lar do Nenen possui ainda uma nutricionista voluntária, que elabora os cardápios para atender às necessidades de cada criança, conforme a faixa etária e grau de desnutrição. Além disso, também realiza um trabalho direcionado ao acompanhamento biopsicosocial da criança para que todas desenvolvam a afetividade e capacidade de integração. Os interessados em ajudar o Lar do Nenen pode contribuir doando fraldas, leite, material de higiene pessoal e limpeza.

SERVIÇO:

4º BAZAR SOLIDÁRIO DO LAR DO NENEN
DIAS: 28 E 29 DE OUTUBRO
ONDE: La Cusine Petit Comité, em Boa Viagem
HORÁRIO: das 10 às 19h
ENTRADA: GRATUITA
INFORMAÇÕES: 3227.2762/ 3228.0123


Quarta, 08 Outubro 2014 14:32

A magia de Miró em cartaz no Recife

Escrito por

Com informações do NE10


A obra de um dos mais renomados artistas da História da Arte Moderna está à disposição dos pernambucanos, na Caixa Cultural Recife, desde o último dia 7 de outubro. A exposição A Magia de Miró, que fica em cartaz até o dia 7 de dezembro, apresenta trabalhos do pintor espanhol e fotografias registradas pelo curador Alfredo Melgar. A visitação é gratuita.
Superando as fronteiras entre pintura e poesia, o catalão Joan Miró, ícone do surrealismo, explorou as diversas possibilidades de formas e cores, produzindo um mundo particular de sonhos e fantasia. As ilustrações da mostra, sob curadoria do fotógrafo galerista em Paris, Alfredo Melgar, correspondem a diferentes épocas da trajetória artística de Miró, entre 1962 e 1983.

Além de 69 pinturas do artista, o público poderá apreciar 23 fotografias de Miró, em preto e branco, tiradas pelo próprio Melgar em visitas ao ateliê do pintor. Nas imagens, o artista aparece em diversos momentos artísticos e de descontração, revelando um plano mais íntimo e pessoal do catalão.

A Magia de Miró já passou por São Paulo, Curitiba, Rio de Janeiro. Após o Recife, a mostra segue para Salvador.

SERVIÇO
A Magia de Miró na Caixa Cultural
Visitação: Até 7 de dezembro, das 12h às 20h, de terça a sábado, e das 10h às 17h, aos domingos
Praça do Marco Zero, Bairro do Recife Antigo
Entrada Gratuita
Telefone: (81) 3425.1900 | 1915

Do site Ciclo Vivo (www.ciclovivo.com.br)
Sustentabilidade vai além de políticas públicas, preservação do meio ambiente e tudo que está envolvido em uma esfera governamental e social. Apesar do necessário apoio das autoridades, há uma maneira mais fácil de levar o tema para o dia-a-dia: mudar as atitudes e adquirir novos hábitos nos lares, diminuindo o impacto no planeta. Abaixo, seguem cinco dicas de como é possível ajudar o meio ambiente no conforto do lar:
– Está precisando organizar os brinquedos do seu filho ou gostaria de ter puffs para receber seus amigos mais confortavelmente? Que tal criar, a custo quase zero, uma estante de nichos de caixotes de feira e puffs de garrafas pet ou pneu usado? Basta caprichar no acabamento, para que além de úteis, fiquem sofisticados. Os caixotes podem ser decorados com criatividade e os puffs podem ser forrados com tecidos de cores variadas.
– Opte por produtos de limpeza biodegradáveis, eles possuem um impacto bem menor no meio ambiente. Hoje no mercado é possível encontrar desde desinfetantes à detergentes que não possuem em sua composição agentes químicos derivados do petróleo. Outra opção é produzir você mesma seu produto de limpeza. Uma receita simples é misturar ¼ de Bicarbonato de Sódio, 2 litros d’água e ½ xícara de vinagre e está pronto. Agora é só partir para a limpeza.
– Recicle o seu lixo. As sobras de alimentos crus, cascas de legumes, casca de ovos, verduras, borra de café, podem e devem ser tratados no espaço onde eles foram gerados, ou seja, na sua cozinha. Só na cidade de São Paulo o volume de lixo por dia é de 19 toneladas e 52% desse montante é de lixo orgânico. Todo esse resíduo vai para o aterro sanitário aumentando o volume e poluindo o meio ambiente. Para minimizar esse impacto e ainda produzir adubo da melhor qualidade para suas plantinhas, basta construir uma composteira com três baldes sobrepostos e algumas minhocas e em 45 dias você terá húmus e biofertilizante líquido próprio para adubar suas plantas e enriquecê-las de nutrientes, sabor e saúde.
– Plante em qualquer lugar da casa que tenha no mínimo quatro horas de incidência solar e crie ali uma horta vertical. A vantagem é que ela ocupa um espaço mínimo e normalmente você irá utilizar um espaço “improdutivo” da casa: a parede. Nela você pode plantar desde temperos para incrementar seus pratos, até mesmo verduras e legumes para alimentar sua família. Adube sua hortinha com o húmus que produziu.
– Reutilize o máximo possível. Diminuir o consumo é uma das atitudes mais sustentáveis para preservar os poucos recursos naturais que ainda nos resta. Potes de sorvete, caixas de sapato, e até recipientes vazios de xampus e condicionadores podem virar artigos de grande utilidade em seu dia-a-dia. Por exemplo: Aquela horta vertical pode ser construída com latas de leite pintas e penduradas em sua varanda.

Terça, 30 Setembro 2014 19:13

Aplicativo incentiva o consumo consciente

Escrito por

Do site Consumidor Consciente

Por meio do consu.me é possível localizar estabelecimentos que recebem as melhores notas para preços, atendimento e qualidade do produto ofertado
A eCRM123, empresa de tecnologia focada em relacionamento com consumidores, acaba de apresentar o aplicativo consu.me para celulares e tablets. Através do app os consumidores podem localizar os estabelecimentos que melhor equilibram preço, atendimento e qualidade do produto ofertado. A seleção é feita pelos próprios usuários, que curtem e atribuem notas às empresas nas redes sociais – como hashtags para avaliar –, avaliando os três critérios.
Ao dar uma nota para determinada companhia, é gerada uma média global chamada “índice consu.me” que serve para ajudar as pessoas a consumirem de maneira inteligente e consciente, sempre aproveitando os estabelecimentos que recebem as melhores notas e, assim, evitando decepções.
O consumidor ainda pode ser premiado por sua avaliação, seja ela boa ou ruim. “Por meio do consu.me, ficamos sabendo que uma empresa está sendo observada e recebendo notas por seus serviços prestados”, comenta José Jarbas, CEO da eCRM123 e idealizador do projeto.
O índice consu.me funciona mais ou menos como a bolsa de valores, já que sofre flutuações e fica disponível no site da empresa em forma de gráficos. O consumidor pode reavaliar a companhia após novas experiências boas ou ruins, causando mudança no índice.
“O propósito [do consu.me] é que o consumidor possa conhecer mais lugares para frequentar e comprar, baseado no que realmente interessa, como bom atendimento, preço justo e produtos de qualidade. A grande maioria da população compra um serviço ou produto devido à propaganda que a empresa faz, mas isso nem sempre é a melhor opção”, explica o CEO.
“Algumas pessoas adoram, por exemplo, achar lugares especiais que normalmente são pequenos e escondidos, porém excelentes. Na mesma hora surge a vontade de divulgar para os amigos. Com o consu.me um pequeno restaurante pode ter uma reputação muito maior do que aquela rede que talvez tenha sido boa no passado, mas com a fama, ficou desleixada e despreocupada com o consumidor. E o melhor é que, neste caso, se melhorarem o atendimento o índice pode subir”, completa Jarbas.
O Aplicativo está disponível na Google Play e, em breve, na Apple Store em três idiomas.

Sexta, 29 Agosto 2014 14:46

Será possível consumir sem alienar-se?

Escrito por

Gabriela Leite, do Outras Palavras

Imagine-se entrando em um supermercado para comprar uma garrafa de cerveja. Chegando lá, além de escolher pelo preço ou pelo sabor, você também pode analisar. Rejeita a marca que desrespeita os direitos dos trabalhadores. Evita aquela que faz publicidade machista. Por fim, escolhe a que utiliza ingredientes orgânicos. Na prateleira de cosméticos, pula os que ainda fazem testes em animais. Assusta-se ao perceber que uma das marcas faz parte de multinacional de alimentos. Finalmente, escolhe o creme hidratante da empresa que usa energia renovável.
Essa é a ideia do aplicativo Buycott (um trocadilho de “buy” — comprar, em inglês — com “boycott” — boicote). Criado por Darcy Burner, uma ex-desenvolvedora norte-americana da Microsoft, o programa para celulares ligados à internet baseia-se numa ferramenta do próprio capitalismo: o código de barras… Estimula os usuários escaneá-los, com o próprio telefone. E, ao identificar cada produto, associa seu fabricante a um banco de dados que pode tornar-se cada vez mais completo. Oferece todas as informações disponíveis: desde se o produto utiliza químicos cancerígenos até se a empresa apoia o direito dos transexuais.
O software é participativo. As classificações dos produtos são chamadas de campanhas, e podem ser criadas por qualquer usuário, dentro de algumas categorias. Algumas delas: direitos dos animais, justiça econômica, meio ambiente, comida, direitos humanos, direitos das mulheres. O usuário escolhe participar das campanhas que quiser e, em seguida, pode passar a escolher um produto de acordo com seus princípios pessoais.
No Brasil, ainda é bastante difícil achar produtos que estejam em listas. Isso pode ser rapidamente alterado. Depende apenas de que usuários da internet comecem a registrar produtos e criar campanhas. Isso permitiria diversos tipos de boicote: contra empresas que financiam certos políticos; contra uma indústria que esteja na lista do trabalho escravo; ou alguma marca cujo presidente mostrou-se contra os direitos das mulheres, por exemplo. Para testar, escaneamos o código de barras de dois produtos. O primeiro foi uma câmera Canon. Sobre ela, o aplicativo avisou: “você apoia esta marca por responsabilidade ecológica”, e mostrou que a marca está na lista positiva de “Energia limpa e renovável”. Acessamos seu site e vimos que realmente há uma campanha de reciclagem de toners de suas impressoras, por exemplo.
Já no momento em que fotografamos o código de barras de um cosmético da L’Oreal, o Boycott advertiu: “evite este produto”. Em seguida, explica: a marca faz parte do conglomerado da Nestlé. Por isso, está na lista suja de uma campanha de boicote à multinacional. O movimento adverte que o presidente da empresa, Peter Brabeck-Latmathe, já afirmou que “o acesso à água não é um direito humano”, e sua a indústria rouba a água potável de uma pequena comunidade no Paquistão, deixando seus habitantes passarem sede.
A L’Oreal ainda pertence a outra campanha: a “Long live Palestine, boycott Israel” (“longa vida à Palestina, boicote Israel”). Esta é uma das de mais sucesso nas últimas semanas, como afirma a página de trends do aplicativo — já tem 230 mil seguidores. “A L’Oreal estabeleceu Israel como seu centro comercial no Oriente Médio e aumentou o investimento e atividades manufatureiras”, alerta. Se acreditar que deve haver um boicote econômico a Israel, após o massacre na faixa de Gaza das últimas semanas, o consumidor pode escolher não comprar a marca. Se fizesse isso sozinho, sua ação não seria nem levemente sentida pela marca de cosméticos. Mas, em rede, essa atitude tende a crescrer consideravelmente — e, talvez, pode chegar até a incomodar a gigante Nestlé.
Por séculos, o consumo tem sido uma das bases do processo de alienação capitalista. Ao comprar algo, legitimamos e fortalecemos relações sociais que ignoramos. É como se nossos valores éticos fossem irrelevantes ou impotentes, e devêssemos consumir levando em conta apenas fatores superficiais: preço, aparência, publicidade, suposta “qualidade” do produto. Agora, parece que a tecnologia pode ser utilizada para atitudes distintas. Haverá consciência social suficiente para que elas se disseminem?

A torcida japonesa foi a grande atração do jogo entre as seleções do Japão e Costa do Marfim, ocorrido no último dia 14 de junho, no Recife, pela Copa do Mundo. E não pela forma de torcer. Mas pela civilidade com a qual já são conhecidos no mundo inteiro. O time perdeu por 2 a 1 para a Costa do Marfim, mas os japoneses torcedores foram os grandes vencedores. Ao final da partida, ajudaram a coletar o lixo deixado nas arquibancadas. As imagens correram o mundo nas redes sociais, ganhando apoio e mensagens de respeito à iniciativa. Confira abaixo o texto sobre o assunto publicado pelo site do Ciclo Vivo. 


Por Thaís Teisen, do CicloVivo, publicado originalmente em 17/06/2014
A estreia do Japão na Copa do Mundo não foi das melhores em termos de futebol, mas a torcida japonesa deu uma lição de civilidade ao mundo. Após a partida, parte dos torcedores orientais ajudou a coletar o lixo deixado nas arquibancadas.
Mesmo tendo perdido o jogo para a Costa do Marfim por 2×1 e de virada, a torcida japonesa não se deixou abater pelo resultado desfavorável. Depois do apito final e com as arquibancadas quase vazias, o que se viu foi um exemplo de cultura e cidadania, com torcedores ajudando a manter a limpeza do estádio após a grande festa.
As imagens dos japoneses com sacos de lixo nas mãos e recolhendo as embalagens do chão foram compartilhadas nas redes sociais e a iniciativa ganhou reconhecimento mundial. O fã clube Nora Guardiola, do Barcelona, replicou as fotos em seu perfil no twitter e tocou fãs do time catalão.
Um dos comentários destaca que ações como essas são raras. “Difícil de acreditar que ainda existam pessoas tão maravilhosas como essas neste mundo moderno”, disse um dos fãs. Em geral, as mensagens são de respeito às pessoas e à iniciativa.
O jogo aconteceu em Recife, no último sábado e contou com a presença de mais de 40 mil torcedores. O exemplo japonês serve de incentivo a torcidas em todo o mundo, para que o espetáculo do esporte seja ainda mais completo.

Passada mais de uma semana do início da Copa do Mundo no Brasil, muitos se perguntam sobre de que forma o evento pode contribuir para a conservação do tatu-bola, mascote oficial do evento. A imagem estilizada do animal, batizado de Fuleco, que atrai principalmente as crianças, está em toda propaganda do evento. Mas há algo concreto sendo feito em defesa deste animal de origem nordestina? O texto abaixo, da Agência Brasil, traz informações sobre estas questões.


Por Andreia Verdélio, da Agência Brasil
Com o início da Copa do Mundo no Brasil, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) promove o Plano de Ação Nacional (PAN) para a conservação do tatu-bola, mascote oficial do evento. O PAN Tatu-bola tem como objetivo a redução do risco de extinção do Tolypeutes tricinctus, o tatu-bola-do-Nordeste, e a avaliação adequada do estado de conservação do Tolypeutes matacus, o tatu-bola-do-Centro-Oeste.
O tatu-bola faz parte de um grupo de 11 espécies de tatu existentes no Brasil e é primo do tamanduá e das preguiças. As principais ameaças à sobrevivência são, principalmente, a caça predatória e destruição do habitat causadas pela expansão da agropecuária, intensificada na última década.
Ele ganhou esse nome pois tem três cintas móveis no dorso, que o permite fechar completamente sua carapaça, formando uma bola. Esse é seu mecanismo de defesa contra predadores naturais.
O T. tricinctus, espécie exclusivamente brasileira, vive nos ambientes da caatinga e cerrado e integra a Lista Oficial das Espécies da Fauna Brasileira Ameaçadas de Extinção, classificada como “em perigo”, e a Lista Vermelha da União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN), na categoria “vulnerável”.
A meta do ICMBio, durante os cinco anos de vigência do plano, é reduzir o risco de extinção do T. tricinctus, elevando-o, pelo menos, à categoria de “vulnerável”.
Já o T. matacus habita o Pantanal e áreas vizinhas de cerrado, porém é mais comum na Bolívia, Argentina e no Paraguai. Com o PAN, essa espécie será mais bem estudada, uma vez que se encontra na categoria Dados Insuficientes, por falta de informações em sua área brasileira.
Para atingir a meta, foi criado um Grupo de Assessoramento Estratégico e estabelecidas 38 ações, em seis objetivos específicos: atualizar as áreas de ocorrência das espécies de tatu-bola e avaliar suas principais ameaças; mobilizar as comunidades locais e a sociedade em geral, sobre a importância da proteção da espécie; ampliar o conhecimento sobre a biologia e a ecologia para o direcionamento de estratégias de conservação; ampliar, qualificar e integrar a fiscalização para coibir a caça; reduzir a perda de habitat nos próximos cinco anos e promover a conectividade entre as populações do tatu-bola-do-Nordeste.
Os PANs são instrumentos de gestão para troca de experiências entre entidades com o intuito de orientar as ações prioritárias para conservação da biodiversidade. É uma ferramenta definida pelo governo a partir do Programa Pró-Espécie, instituído em fevereiro deste ano, que busca minimizar ameaças e o risco de extinção de espécies.
Existem, no momento, 44 planos de conservação de espécies ameaçadas sendo implantados pelo ICMBio em todas as regiões do Brasil, envolvendo 362 tipos de animais dos biomas marinho, Caatinga, Cerrado, Amazônia, Pampa e Pantanal.
O PAN Tatu-bola foi anunciado formalmente em 22 de maio, Dia Internacional da Biodiversidade, com outras medidas do Ministério do Meio Ambiente para a preservação de espécies ameaçadas, incluindo o tatu-bola. O pacote de ações de proteção da fauna brasileira foi publicado no Diário Oficial da União.
A elaboração do PAN Tatu-bola foi coordenada pelo ICMBio, com o apoio da Associação Caatinga e do Grupo Especialista em Tatus, Preguiças e Tamanduás da IUCN e colaboração de representantes de outras 15 instituições. O plano será coordenado pelo Centro Nacional de Pesquisa e Conservação do Cerrado e Caatinga, com coordenação executiva da Associação Caatinga.

Taíza Brito

Quem estiver tiver a oportunidade de passar pelo Parque Dona Lindu, a praia de Boa Viagem ou no Recife Antigo entre os dias 12 e 30 de junho, no Recife, irá se deparar com uma galeria móvel, na qual estarão à mostra, impressas em telas, as fotografias que compõem a Exposição Pernambuco: Cultura, História e Mar. Assinadas pelo fotógrafo Miguel Igreja, as imagens que retratam a beleza do Estado e a da gente da terra serão transportadas em bicicletas, dando oportunidade a que um número maior de pessoas tenham acesso à mostra.

A exposição no Recife é a primeira etapa do projeto, que conta com incentivo do Funcultura, e terá mais duas edições, uma em Olinda, em julho, e outra em Fernando de Noronha, no mês de setembro. Haverá também a edição de um catálogo com as imagens, que terá parte dos exemplares distribuídos em bibliotecas públicas do Estado.

Na etapa recifense, que tem início na manhã da próxima quinta-feira, 12,  a exposição circulará de segunda a sábado no Parque Dona Lindu e no calçadão de Boa Viagem,  e aos domingos no Recife Antigo.

A exposição, inspirada em princípios da Carta da Terra, foi concebida para a RIO+20, em junho 2012 e lá foi executada com muito sucesso. Transportadas em bicicletas, as telas, em formato de banners, serão substituídas por outras, com novas imagens, no décimo dia do evento.

"A praia e as ruas são espaços democráticos e o período da Copa do Mundo é mais uma oportunidade de compartilhar imagens do nosso rico patrimônio natural, cultural e histórico com pessoas do mundo inteiro", destaca Miguel Igreja, que recebeu reconhecimento da Carta da Terra, em seu site mundial, pela idealização da galeria móvel.

O reconhecimento se deve ao fato de no projeto serem trabalhados os conceitos de sustentabilidade através da arte, da estética, da cultura e da história do povo pernambucano, inspirados nos valores que regem a Carta da Terra. "O documento serve como referência para mobilizar ações de preservação ambiental e promoção do desenvolvimento sustentável. E no nosso projeto a imagem é veiculada como ferramenta de preservação", explica o fotógrafo.

A primeira versão da exposição, financiada com recursos do próprio autor, fez grande sucesso durante a Conferência Mundial para Sustentabilidade, Rio+20, em junho de 2012, no Rio de Janeiro. "Numa ação inédita, totalmente sustentável, que encantou milhares de pessoas que frequentaram a Cúpula dos Povos e as praias do Leme e Copacabana, a experiência culminou numa aprendizagem coletiva com estímulo ao uso de mídias sustentáveis e novas tecnologias para o fomento da arte e da educação ambiental como meios que levam a transformação", conta Miguel Igreja.

Além da RIO+20, a exposição fez sucesso na 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, em julho de 2013. O fotógrafo também levou o projeto para a Fliporto 2012, em Olinda, com a exposição da Galeria Móvel Sustentável na EcoFliporto, na Praça do Carmo, onde acontece a festa literária. Desde a Rio+20, um catálogo vem sendo compartilhado, via QR Code, evitando o uso de papel.

O projeto mantém uma parceria solidária com o Projeto Luz no Empreendedorismo, da Celpe, para reutilização dos banners por parte das artesãs que transformam o material em pufs, jogos americanos, bolsas, porta moedas, cortinas, entre outras peças.

CARTA DA TERRA

A Carta da Terra é uma declaração de princípios éticos fundamentais para a construção, no século 21, de uma sociedade global justa, sustentável e pacífica.  Busca inspirar todos os povos a um novo sentido de interdependência global e responsabilidade compartilhada voltado para o bem-estar de toda a família humana, da grande comunidade da vida e das futuras gerações. É uma visão de esperança e um chamado à ação. A Carta da Terra se preocupa com a transição para maneiras sustentáveis de vida e desenvolvimento humano sustentável. Integridade ecológica é um tema maior. Entretanto, a Carta da Terra reconhece que os objetivos de proteção ecológica, erradicação da pobreza, desenvolvimento econômico equitativo, respeito aos direitos humanos, democracia e paz são interdependentes e indivisíveis. Consequentemente oferece um novo marco, inclusivo e integralmente ético para guiar a transição para um futuro sustentável. A Carta da Terra é resultado de uma década de diálogo intercultural, em torno de objetivos comuns e valores compartilhados. O projeto da Carta da Terra começou como uma iniciativa das Nações Unidas, mas se desenvolveu e finalizou como uma iniciativa global da sociedade civil. Em 2000 a Comissão da Carta da Terra, uma entidade internacional independente, concluiu e divulgou o documento como a carta dos povos.

O site da Revista Época traz um texto com uma história que toca qualquer mãe. Assinado por Rafael Ciscati, a matéria publicada no último dia 7 de maio com o título “A beleza de uma mãe - com todas as marcas da maternidade”, mostra como a fotografia ajudou a americana Jade Beall a se recuperar de uma depressão pós-parto.
Em seu novo livro, Bodies of Mothers (algo como Corpos Maternos, em tradução livre), a ser lançado no próximo domingo, 11, Jade fotografa mães belas e reais – com todas as marcas e mudanças da maternidade. O texto mostra como a ideia do livro surgiu.
“A fotógrafa americana Jade Beall não se reconhecia depois do parto. Seu filho era uma graça – lindo, e saudável. Mas o corpo de Jade mudara. Ao contrário de algumas celebridades, como Kate Middleton, os quilos que Jade ganhara durante a gravidez não desapareceram de uma semana para a outra. Havia marcas em lugares novos, manchas desconhecidas. Ela já não se reconhecia no espelho. Pior: sentia-se feia”, conta o repórter.
O texto mostra que Jade passou por uma severa depressão pós-parto, alimentada pelo sentimento de que ela era uma mãe ruim, ao sentir-se mal justo em um momento em que deveria estar radiante. E que para lidar com seus sentimentos, Jade decidiu fotografar, fazendo um autorretrato e publicando no seu blog a foto sem tratamento – Jade nua (literalmente), sem Photoshop.
“A resposta, conta, foi quase imediata: mulheres do mundo inteiro passaram a procurá-la para ser fotografadas daquele jeito, franco e sem truques. Mostrando que a beleza de uma mulher, seja ela mãe ou não, muitas vezes foge do padrão defendido pelas fotos de revistas e imagens de TV”, continua o texto da revista.
“Com isso, muitas mulheres foram ao estúdio de Jade. Outras enviaram fotos que elas próprias tiraram. A boa recepção estimulou Jade a criar o A Beautiful Body Project, um projeto fotográfico destinado a encontrar a beleza real: aquela que incluiu marcas e cicatrizes, aquela que se permite contar histórias deixadas na pele”.
Parcialmente financiado por crowdfunding, que em português pode ser traduzido como micromecenagem, quando pessoas fazem pequenas doações através de uma campanha para financiar projetos, o de Jade prevê uma série de livros e a criação de uma plataforma digital para as fotografias.
O primeiro livro, Bodies of Mothers (algo como Corpos Maternos, em tradução livre) chega às livrarias no próximo domingo (11), dia das mães. Além das fotos, ele traz depoimentos das 80 mulheres fotografadas. Muitas delas, como Jade, detestavam seus corpos. Aos poucos, aprenderam a apreciar as histórias contadas por cada marca.
Um grande estímulo a nós, mães com tantas marcas!

Pagina 1 de 76

twitter

Apoio..................................................

mercado_etico
ive
logotipo-brahma-kumaris