Editor

.

Linha Editorial

  • "Mídia Construtiva é também lançar o olhar crítico sobre problemas, apontar falhas, denunciar. Contribuindo para a corrente que tenta transformar o negativo em positivo."

    Leia mais ...
Terça, 04 Setembro 2012 13:16

Comunicação consciente

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

Por Hiram Firmino, da Revista Ecológico

Primeira mulher na América Latina a presidir, durante sete anos, um megagrupo multinacional (Young & Rubicam), e há 15 anos sócia-presidente do Grupo Full Jazz de Comunicação, a paulista de nascimento e mineira de coração Christina Carvalho Pinto não apenas impressiona. Como descreveria Guimarães Rosa, seu escritor e guru predileto, ela encanta. Não foi à toa que a Fundação Dom Cabral, na virada do milênio, elegeu o Grupo Full Jazz como o melhor exemplo de inovação empresarial no país. Se a FDC visitar o Grupo hoje, verá que a inovação ali só avançou.  

Considerada uma das maiores lideranças do Brasil em inovação e revitalização de marcas e setores, Christina revisitou a capital do seu estado afetivo (“Vocês não têm ideia da magia que Minas tem sobre mim; inspira, provoca…”). A convite de Alexandre Michalick, criador e presidente da Academia de Ideias, com sede na Agência Perfil de Cacá Moreno, ela se reuniu com um pequeno grupo de empresários, políticos, jornalistas e publicitários, para falar sobre o papel revolucionário da mídia como instrumento valioso, capaz de mudar a mente ainda hoje suicida e não sustentável da humanidade errante sobre o planeta em desequilíbrio ambiental. De maneira simples, convincente e até espiritual, ela explicou porque “Revitalização”, tema central de sua palestra, tal como “Sustentabilidade”, é “a chave dos novos tempos”.  

Poderosa em sua comunicação, Christina antecipou porque o nome futuro e mais apropriado da Economia Verde, uma das pautas centrais da RIO + 20, será Economia do Amor. E comprovou, ao falar de sua experiência como “estrategista de criação”, de uma nova maneira de se viver, compartilhar e ser feliz sem destruir o planeta – e não apenas como publicitária -, porque é também considerada a “Dama da Nova Comunicação” do Brasil.

A Revista ECOLÓGICO também foi convidada para ouvir sua palestra e divulga aqui os principais trechos de sua mensagem e esperança. Confira!  

Empresária, estrategista, comunicadora e, acima de tudo, revolucionária, Christina Carvalho Pinto também é líder da plataforma multimídia Mercado Ético, a mais completa do mundo sobre sustentabilidade. Neste projeto, ela se associou à economista evolucionária Hazel Henderson, uma das mentes mais geniais do planeta com foco na reconstrução macroeconômica global.

Christina é também fundadora e presidente da Conteúdos com Conteúdo, empresa que cria e produz conteúdos inovadores e transformadores para todas as mídias, com mais de 200 programas de TV produzidos e veiculados. É sócia também da The Key, consultoria para empresas e marcas voltadas a prosperar na nova economia.  

Em 2005, Christina foi eleita “Uma dos Dez Maiores Empreendedores Brasileiros”, pela revista Empreendedor. Em 2006, em votação aberta pela internet, foi eleita “A Profissional de Maior Significado para a Criação Publicitária no Brasil nos últimos 20 anos”. Foi eleita duas vezes, em 2004 e 2007, como “A Mulher Mais Influente do Brasil no Setor de Marketing e Publicidade”, pelos assinantes da revista Forbes e do Jornal Gazeta Mercantil.

É embaixadora brasileira do “Women´s Forum for Economy & Society”, na França. Duas vezes indicada para o Prêmio “Femme D´Affaires”. Coleciona centenas de outros prêmios nacionais e internacionais, a exemplo de “Profissional da Década”, pela Associação Brasileira dos Colunistas de Marketing e Propaganda (Abracomp).   Conduz, semanalmente, o programa “Novos Tempos”, que vai ao ar pela TV Climatempo, sobre tecnologias limpas, novos modelos mentais, novos comportamentos e estilos de vida, empregos verdes, energias renováveis e investimento sustentável.

Articulista e palestrante de renome internacional, tendo já discursado na ONU e em outros espaços políticos estratégicos, Christina também faz parte de diferentes boards: Carbon Disclosure Project, Ethical Markets, AVAPE – Associação para Valorização de Pessoas com Deficiência e Images & Voices of Hope (diálogo planetário por uma mídia ética e construtiva). Para este último, veja e participe do site em português: www.ive.org.br.   Seu pensamento inovador está destacado em mais de 20 livros de diferentes autores.

 

“TEMOS DE OPTAR PELA NOITE OU PELO DIA”

Nós vivemos a era da confluência e, tal como os iogues que meditam às quatro horas da manhã, quando a escuridão atinge seu ápice e dá lugar à emergência de uma nova claridade. Temos de optar pela noite ou pelo dia. Continuar como somos, dormindo e esticando a escuridão atual dos atos e efeitos que também causamos a nós mesmos, essa escolha é individual. Ela interfere e faz a diferença em tudo que somos, fazemos e influenciamos ao nosso redor. Melhor optar pela claridade, assim nos antecipamos, nos preparamos para o novo dia e para a luz que, inexoravelmente, vai nascer.

 

NÃO EXISTEM MAIS EU, NÓS E OS OUTROS”

As duas ondas principais de pensamento que o setor produtivo viveu foram a revolução agrícola, em que a ordem geral era tão somente “ter que produzir”, não importa onde nem como; e a industrial. A partir da Revolução Industrial, a ordem passou a ser “competir”, a qualquer preço e em uma disputa permanente. Tornamo-nos seres competitivos, qualquer pessoa, profissional, cliente ou produto tem de matar o outro para vencer. Ficamos mais separados ainda do que já éramos. Depois veio a era pós-industrial, na década de setenta. Ela nos ensinou que tínhamos que cooperar uns com os outros para sobreviver individual e coletivamente. A onda que vivemos hoje, chamada de cocriação, é o aprimoramento da cooperação. Sabemos que somos um só e não somos nem estamos separados uns dos outros e da natureza. Não existe mais eu, nós e outros, mas o Uno, o Todo, a Vida. Estamos juntos e temos de criar a realidade que precisamos e queremos ter. Isto é possível. E urgente.

 

“SEM A NATUREZA,TODOS MORREREMOS!”

Sustentabilidade não é um conceito, é um sentimento que nasce de uma profunda apreciação pela vida. A vida do planeta, a vida minha, sua e de todos. Somos parte integrante da natureza. Nós também somos a água que bebemos e que constitui quase 70% de nossos corpos. Somos o ar que os nossos pulmões respiram e nos mantém vivos. Está tudo interligado. Sem a natureza fora e dentro de nós, todos nós morreremos. A diferença entre nós e os demais seres vivos é que somos a única espécie que consegue se expressar de múltiplas maneiras. Essa é a capacidade que temos para influenciar e mudar o nosso destino.

 

 “PASSAREMOS A TRABALHAR PARA GAIA”  

 O novo paradigma que se impõe começa com “bio”: bio-organização, biopolítica etc. Isso nos remete doravante não somente ao entendimento racional do que é a vida, a natureza, o meio ambiente. Mas também sentimental.  Passaremos a trabalhar, liderar ou governar não só para nós mesmos; mas para Gaia, a Grande Mãe Terra, no seu sentido maior, que é a própria Vida. Não apenas a nossa, mas a de todas as espécies com as quais vivemos em total interdependência.

 

“SE O CLIENTE DESTRÓI, TEMOS DE RECUSÁ-LO”

Neste sentimento global que define a sustentabilidade plena que buscamos, as agências de publicidade têm de ver seus clientes também sob essa ótica: como expressões da vida e não mais como aqueles que apenas nos financiam. Se seu produto, fabricação ou processo destrói a natureza, cabe a nós o dever de recusá-lo. Essa é a nova premissa, a pergunta que temos de nos fazer, como mídia e profissionais de comunicação: a quem devemos servir? Antes de criar uma campanha de publicidade para uma marca de bebida, precisamos lembrar que, no Brasil, o alcoolismo já vitima crianças a partir dos 10 anos de idade. Lembrar que crianças e adolescentes são sim vulneráveis aos apelos lúdicos e eróticos que hoje predominam na comunicação desse setor. E que ele é a porta de entrada para as drogas.

 

“NÃO SOMOS LINEARES, MAS SERES QUÂNTICOS”

Não existe mais lugar para pensamento linear. Nós não somos lineares. Somos quânticos. Como criadores de nossas realidades, podemos mudar e expandir essa nova consciência de mundo. A humanidade hoje, principalmente os jovens, vive um processo de desencanto pelo cientificismo. Esse desencanto não é, de maneira alguma, pela ciência, mas pela visão estreita de que só o mundo material pode nos completar em termos de conhecimento.   Neste momento, queremos mais. Queremos ampliar nossa consciência da realidade e criar novas realidades, muitas vezes intangíveis.

 

“SEREMOS MENOS GANANCIOSOS E EGOÍSTAS”

A busca de um sentido para a vida e de um sentimento de unidade maior consigo e com os outros já começou. É o declínio do materialismo. Isso nos fará menos gananciosos, consumistas e egoístas. Saberemos conviver, cada vez mais, com quem pensa diferente da gente.

 

“MERGULHAREMOS NO CORAÇÃO HUMANO”

A questão ambiental e o sentimento da sustentabilidade estão nos fazendo ver e agir no mundo além das nossas nacionalidades. Os novos tempos possibilitam um mundo sem fronteiras, por isso as novas linguagens da comunicação precisam ser mais universais. E o único jeito de ser mais universal é mergulhar mais profundamente no coração do ser humano.

 

“CHEGA DE DOMÍNIO DO MEDO”

Continuar na escuridão, sob o domínio do medo, significa manter nossa voracidade competitiva. Ser autor e vítima ao mesmo tempo. É geral a exaustão provocada pela exigência de resultados num prazo cada vez mais curto e enlouquecedor. Não precisamos viver com esses punhais sobre as nossas cabeças. Podemos progredir criando novos modelos econômicos, novos estilos de vida, novos produtos e marcas mais amigáveis com o todo.  

 

“SOMOS RESPONSÁVEIS PELOS HORRORES DA MÍDIA”

O papel da comunicação é crucial nesse novo contexto. Para falar em sustentabilidade também teremos que rever, com igual sentimento, todas as nossas cadeias produtivas.   A cadeia produtiva do estrategista, do profissional de marketing, do criativo, do construtor de conteúdos midiáticos, é a cadeia da produção de ideias. Precisamos rever a forma como construímos nossas ideias e as consequências do que produzimos, para os indivíduos e a coletividade. Somos todos responsáveis pelos horrores com que a mídia lambuza, todos os dias, nossos olhos, nossos ouvidos, nossa alma.Temos que sair do papel passivo de audiência para o papel ativo de cidadãos que, de fato, escolhem conscientemente o que querem ver e ouvir. E contribuir para a criação de uma mídia mais criativa, mas inspiradora e elevada.

 

“MENOS SANGUE E MENOS VULGARIDADE”  

A vulgarização do ser humano, de seus sentimentos e seus valores já chegou ao limite e não pode prosseguir mais. A mídia também precisa entender isso. As pessoas não querem nem precisam ser mantidas nesse patamar alienante de desinformação. Queremos entretenimento, gargalhadas, risos e lágrimas; queremos crescer e melhorar.  Queremos menos vulgaridade, menos sangue e mais vida.

 

“VIRAMOS SERES CINDIDOS ATÉ NO VESTIR”

 A mídia continua sombria. Essa doença da disseminação em massa dos aspectos mais trágicos da existência, somada à paixão pela vulgaridade, de tanto se repetir acabou se instalando na tela mental das chamadas audiências. Isso faz de nós seres cindidos, desconectados de nós mesmos. Não sabemos mais quem somos, o que queremos, quanto devemos pesar, o que devemos comer e como devemos nos vestir. Isso tudo vem sendo ditado por terceiros. A obediência a esses ditames, desprovida de reflexão, é uma das causas mais profundas dos estados depressivos que se multiplicam em todas as idades e classes sociais. Uma situação insustentável, em todos os sentidos dessa palavra.

 

“UMA NOVA MÍDIA PODE RECUPERAR NOSSA ESTIMA”

Tudo se traduz em escolha e sentimento. Nós, criadores de estratégias e conteúdos de comunicação, temos o poder de reconstruir o papel da mídia numa direção belíssima, colocando fim à hipócrita disseminação de tudo o que fere a vida. A mesma mídia, que em tantos momentos nos destrói, terá um papel fundamental, a partir de agora, no resgate da nossa autoestima perdida, das nossas raízes culturais, dos valores pelos quais vale a pena viver.  

 

“NÃO QUEREMOS VER SÓ TIRIRICA NA TV”

Um novo ser humano está sendo forjado. Ele se reconectará consigo, com o outro e com o universo. Não quer ver só Tiririca na televisão. Ele também quer a música de Marcus Vianna e imagens de encantamento e beleza no horário nobre, no jornal, na novela, no programa de auditório. Estamos migrando para isso, até pórque é imperativo contribuirmos para essa migração. Passando da era da informação para a do conhecimento, da consciência e sabedoria, nesta ordem. É só uma questão de tempo.

 

“A VIDA É FEITA DE ESCOLHAS. NÃO SE PODE DEIXAR DE FAZÊ-LAS”

Os grandes mestres chineses nos ensinam que sábio é aquele que fala sim ou não. Mas em Minas, Guimarães Rosa nos ensinou uma visão ainda mais mágica: “Ou é, ou é”. A vida é sempre um “sim” para alguma coisa. Toda escolha é, no fundo, um tipo de sim…e é tão amplo!

 

“QUANDO A TERRA TREME, A HISTÓRIA MUDA”

Essa pressão por um novo posicionamento nosso, como profissionais de uma comunicação inovadora, libertadora e consciente, vem não apenas de nossos próprios insights, mas também do que Jung chamou de “o poder do inconsciente coletivo”.  Nos últimos seis meses aconteceram mais terremotos do que em toda a história da humanidade. Só que esses terremotos não estão ocorrendo apenas nas placas tectônicas: estão ocorrendo, de forma paralela e simultânea, na mente de todos nós. A Terra treme, a casa cai, a história muda!

 

“TODA SEPARAÇÃO RESULTA EM MUTILAÇÃO”

Inteireza é voltar a nós mesmos, ao que sentimos, ao que a voz interior nos diz para fazer e quase sempre não obedecemos. É fazermos o mesmo com o planeta, nos conectarmos de verdade, nos aconchegarmos no colo de Gaia. Qualquer separação aqui resulta em mutilação. Por isso é tão desconcertante olhar para os lados – e muitas vezes para nós mesmos – e ver o quanto estamos carentes e saudosos de nossa inteireza.

 

“EU COMI MUITO SAL PARA ENTENDER ISSO”

 Assim como nunca se devastou tanto, nem nunca tivemos tantos seres humanos morrendo de fome, também nunca tivemos tantas possibilidades de rápida disseminação das novas ideias e visões. A tecnologia é uma amiga imperdível para nos ajudar nessa mudança de paradigma. Nesse cenário, já não faz sentido nos acomodarmos no papel antigo de publicitários. Eu comi muito sal até entender que cada ideia minha afeta centenas de milhões de pessoas. Por isso não faço propaganda de nada que possa ferir a vida. Minha profissão hoje? Uma mente estratégica e criativa a serviço da criação de um novo tempo.  

 

Para saber mais sobre sua trajetória, acesse:

 www.fulljazz.com.br;   www.mercadoetico.com.br.  

 Mais informações:

 O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter

Apoio..................................................

mercado_etico
ive
logotipo-brahma-kumaris