Editor

.

Linha Editorial

  • "Mídia Construtiva é também lançar o olhar crítico sobre problemas, apontar falhas, denunciar. Contribuindo para a corrente que tenta transformar o negativo em positivo."

    Leia mais ...
Blog

Do EcoD

Muita gente pensa ou já pensou em aderir às bicicletas como meio de transporte, mas sempre encontra barreiras na hora de pôr a ideia em prática. Por isso, separamos algumas dicas que podem ser aplicadas nos escritórios como forma de tornar esses lugares mais apropriados para os futuros ciclistas.

São cinco dicas que você pode sugerir ao seu chefe ou, se for o chefe, pensar em como torná-las viáveis. É sempre bom lembrar que mais bicicletas nas ruas significa menos carros (o que é bom para o meio ambiente), mais atividade física (o que é bom para a saúde do ciclista) e mais disposição (o que é bom para a empresa).

1 – Locação

Se você ainda for abrir seu negócio, procure fazê-lo em um local que seja de fácil acesso via bike. Pode ser uma locação no centro ou perto de áreas estratégicas, com ruas planas e pouco movimentadas para evitar o trânsito intenso de carros.

Mas se a sua empresa já possui uma locação fixa, não desanime. Confira as próximas dicas e saiba como melhorar a vida dos empregados-ciclistas.

2 – Estacionamento

O próximo passo para tornar sua empresa amiga dos ciclistas é providenciar um local adequado para guardar as bicicletas. O estacionamento deve ser seguro e, de preferência, em um local fechado.

Muitos edifícios empresariais possuem estacionamentos para carros. Converse com a administração do prédio e veja se não há como reservar um local para os ciclistas deixarem suas magrelas em segurança.

3 – Vestiários

Eis um dos maiores problemas quando se fala em ir pedalando para o trabalho. Pensar em chegar ao escritório suado e com os cabelos despenteados não é nem um pouco estimulante. A solução pode ser providenciar um local onde os empregados possam tomar um banho e se trocar antes de pegar no batente.

Não precisa ser um vestiário profissional. Um banheiro com um chuveiro e um local para deixar os capacetes e mochila com a roupa usada já está de bom tamanho. Em edifícios empresariais você ainda pode sugerir um vestiário comunitário – simplifica o processo e ainda estimula que os empregados de outros escritórios adotem o hábito.

4 – Incentivos financeiros

Contribua financeiramente com que adota a bicicleta como meio de transporte. Aqui no Brasil as empresas são obrigadas a pagarem pelo transporte de seus empregados – o que pode sair caro para os cofres das companhias.

Por isso, ao adotar a bike, os custos com transporte de empregados tende a cair drasticamente. Ainda assim, apóie que usa a magrela para ir ao trabalho. Vai sair mais barato para a empresa e mais vantajoso para os empregados.

5 – Converse com os empregados e veja o que ele precisam

Essa é a parte mais importante das dicas e fundamental para se ter um bom ambiente de trabalho. E quando se trata de tornar a empresa um local amigo dos ciclistas, ela se torna ainda mais significativa.

Por isso, reúna seu pessoal e converse com eles sobre a possibilidade de adotarem a bicicleta como meio de transporte. Veja quais as suas dúvidas e necessidades e adapte-as à realidade da empresa. Muitas vezes as pessoas só precisam saber que possuem a aprovação do chefe para mudar seus hábitos.

* Com informações do Planet Green

No corre-corre de um grande centro urbano, as pessoas parecem não notar umas as outras, mas um acidente no trânsito faz com que se interliguem por um breve momento. É o que acontece quando um anônimo atropelado ganha a atenção de inúmeros passantes. Não especificamente pela possibilidade da sua morte, que fatalmente acontece, mas pelo pedido inesperado que ele faz a um jovem que corre em seu socorro: um beijo, desejo prontamente atendido. A inusitada cena dos dois homens se beijando em meio ao caos da cidade grande é flagrada por dezenas de pessoas munidas de aparelhos celulares e o caso ganha repercussão imediata nas redes sociais.

Esta parcela de modernidade, com imagens compartilhadas em tempo quase real na Internet, não estava presente na obra original de Nelson Rodrigues, a peça “O Beijo no Asfalto”, escrita em 1961, mas faz parte da encenação pernambucana assinada pelo diretor Claudio Lira, que será apresentada no Teatro Barreto Júnior nos dias 25 e 26 de maio, às 20h. A montagem estreou no Rio de Janeiro em agosto de 2012, integrando o projeto “Nelson Brasil Rodrigues: 100 Anos do Anjo Pornográfico”, iniciativa da Funarte.

Em seguida, foi apresentada em Recife, dentro do Festival Janeiro de Grandes Espetáculos. Fomentada pela Funarte, a peça inicia em maio sua turnê. Nos dias 18 e 19 será apresentada em Natal, depois João Pessoa (21 e 22) e Recife (25 e 26). Também está confirmada sua participação no Porto Alegre em Cena (07, 08 e 09 de setembro).

Esta versão de “O Beijo no Asfalto” respeita o texto original, mas não teme acrescentar detalhes contemporâneos à trama, como a referência às redes sociais e as inserções de imagens em vídeo, num paralelo ao imediatismo atual da mídia, suprimindo ainda todas as referências ao universo carioca. Tanto que a história passa a acontecer no centro de qualquer grande cidade.

A trama mostra a reviravolta que acontece na vida do jovem Arandir, que socorre um desconhecido atropelado e, atendendo a um pedido deste à beira da morte, lhe dá um beijo na boca. Um repórter presencia o fato e vê no ato de um homem beijar outro homem a possibilidade de ganhar dinheiro. O caso ganha grande espaço na imprensa, sendo explorado com extrema crueldade tanto por jornalistas quanto por policiais sem ética e que não temem invadir a privacidade familiar.

A partir deste embaraçoso ato de misericórdia – um beijo na morte – presenciado por um repórter sensacionalista, um escândalo social se avoluma. Explorando o caso, Amado Ribeiro, o tal jornalista, e Cunha, um delegado corrupto, destroem a reputação de Arandir, um homem puro até então, e de sua família, levando todos a um desfecho trágico e surpreendente.

A exploração da imprensa é tanta, que a história ganha outros contornos, retratando os dois homens como amantes em um crime passional. A partir daí, a vida do jovem se transforma num inferno e nem mesmo sua mulher, Selminha, acredita que ele é inocente, ainda mais diante das insinuações do pai dela, Aprígio, que sempre manteve o pé atrás com o genro. Há referências reais a toda esta história.

“A peça aborda algo que eu quero dizer e me incomoda muito: essa imprensa que manipula a opinião pública e, principalmente, o ranço preconceituoso que as pessoas mantêm até hoje. Não só na questão da homossexualidade, mas num âmbito mais geral”, diz o encenador Claudio Lira, que ressalta como grande qualidade da escrita rodriguiana esse revelar tão cru da hipocrisia na sociedade.

Com “O Beijo no Asfalto”, Lira promove um retorno às suas origens no palco, ainda como ator. “No início da década de 1990, fiz um curso com Almir Rodrigues, grande ator e diretor, hoje afastado da cena por problemas de saúde, e passamos muito tempo estudando as obras de Federico García Lorca e Nelson Rodrigues. O objetivo era unir seus dois universos num espetáculo, mas o projeto não se concretizou. Em 2010, consegui encenar “Um Rito de Mães, Rosas e Sangue”, adaptação minha a partir das três tragédias rurais de Lorca, espetáculo ainda em atividade; e, agora, consigo mergulhar numa das obras de Nelson, o que é uma grande honra para mim, pois o considero um dos maiores dramaturgos do Brasil”, comemora.

Com vários outros trabalhos como encenador, em peças como “Alheio”, “Versos do Nós” e “Maçã Caramelada”, Claudio Lira diz que teve muita dificuldade em construir as cenas mais violentas propostas por Nelson – há embates terríveis entre Arandir e seus opositores – e, como traço de sua própria personalidade, resolveu dar à montagem um caráter mais clássico e psicológico, tanto que incorporou um inédito coro uníssono ao desenrolar da história, com personagens que usam máscara neutra sem personalidade individual e mais coletiva, numa áurea mítica, sensorial e, por que não, poética.

Tais figuras, vestidas com ternos, funcionam como um bloco de gente que, se não comenta a ação verbalmente, como na tragédia grega, acompanha o desenrolar dos acontecimentos enquanto presença crítica e, por vezes, participativa. Assim como a sociedade que rumina opiniões, muitas vezes clandestinamente nas redes sociais. São figuras sem identidade revelada, mas prontas para julgar fatos e pessoas.

Originalmente, toda a história acontece durante um dia e meio, portanto, as cenas desenrolam-se como quadros de um videoclipe, em sucessão vertiginosa, pontuada por trilha sonora que mescla sons urbanos a melodias originais, concebida por Adriana Milet, e inserções de vídeo – algumas em tempo real – da videomaker Tuca Siqueira.

A iluminação é assinada por Luciana Raposo e o cenário, figurinos e adereços pela dupla Claudio Lira e Andrêzza Alves. A produção executiva é de Andrêzza Alves e Renata Phaelante. “É esta sobreposição de elementos cênicos – dos figurinos masculinizados, das projeções em vídeo, da trilha musical quase constante, da luz forte que nos remete aos cortes cinematográficos e ao cenário composto por várias portas giratórias em 360 graus – que me interessa ao contar esta história, algo que eu quero dizer, tendo como molho o sarcasmo presente em Nelson ao tirar chacota da sociedade”, complementa o encenador.

À medida que homens e mulheres precisam se adaptar às evoluções do mundo moderno, o corpo humano sofre com as consequências de uma má qualidade de vida. A rotina agitada, o sedentarismo e a má postura são algumas das principais causas das dores nas costas, problema comum que já atinge 85% da população, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

“A nossa disposição corporal sofre com a agitação do dia a dia, já que ficamos durante longos períodos sentados no carro, no trabalho e em viagens, o que favorece o encurtamento da musculatura anterior”, explica Maurício Corrêa, fisioterapeuta do Centro de Bem-Estar e Fisioterapia Levitas.

De acordo com o profissional, os problemas recorrentes da má postura, além de prejudicar o nosso cotidiano, também podem trazer consequências mais específicas à saúde. “Precisamos ter mais atenção com o eixo central do esqueleto, pois as deficiências nessa região podem nos deixar vulneráveis a diversas lesões na coluna, principalmente as osteomioarticulares (que comprometem o osso) no dorso”, alerta.

 Segundo o fisioterapeuta, há diversas atividades que podem ajudar na correção da postura incorreta: “Existem exercícios específicos para desenvolver o equilíbrio muscular e a flexibilidade, como por exemplo o pilates e as aulas posturais. Geralmente as atividades são realizadas em grupo e o fisioterapeuta aplica técnicas derivadas do RPG, com o objetivo de encontrar desequilíbrios musculares e articulares, e depois prescrever treinos que atendam diretamente a área do corpo que está comprometida, respeitando a individualidade e necessidades posturais de cada pessoa”, explica.

Para evitar e aliviar as dores recorrentes da má postura, o profissional aconselha reservar alguns minutos todos os dias para exercitar a musculatura. “Com dez minutos diários é possível adquirir uma nova qualidade de vida”, enfatiza Maurício, que dá dicas de exercícios que podem ser feitos em casa, após acordar, ou antes, de deitar.

• Deite de barriga para cima com os membros estendidos. Coloque a palma das mãos voltada para cima e apoie toda a coluna lombar no chão. Fique na posição durante cinco respirações seguidas.

• Respire profundamente e quando inspirar o ar aumente mais a curvatura lombar, movimentando apenas o quadril para cima, sem perder o apoio do colchão. Expire o ar e apoie toda a região da coluna lombar. Faça os movimentos de forma lenta e ampla, para adquirir mais forma e mobilidade articular. Repita o exercício por cinco minutos. A mesma sequência pode ser feita pela manhã, ao acordar, e à noite, antes de dormir.

 Vale destacar que após algumas respirações, é preciso observar o posicionamento da cabeça para que ela esteja alinhada com o corpo durante todo o exercício, desenvolvendo a consciência corporal. E para quem possui maior disponibilidade e tempo livre, o profissional recomenda investir em mais alguns exercícios de alongamento muscular, como ensina a seguir.

• Deite e segure um lençol com as duas mãos. Passe o lençol pela planta do pé e puxe até sentir o alongamento da parte de trás das pernas e joelhos. Respire sempre profundamente durante a execução do exercício.

• Segure uma das pernas e flexione. Abrace esta perna de modo que o joelho se aproxime do peitoral. A outra perna deve permanecer estendida. Reveze os exercícios entre as duas pernas.  O fisioterapeuta ainda indica realizar semestralmente avaliações posturais, pois desta forma é possível diagnosticar com mais precisão o alinhamento dos segmentos corporais do indivíduo e, com orientação de um profissional, prescrever atividades que sejam adequadas para cada caso.    

O Museu Franciscano de Arte Sacra do Recife recebe, de 9 de maio até o dia 10 de junho, a exposição “Santiago de Compostela: O caminho Francês”.  A exposição faz parte das celebrações da 11ª Semana Nacional dos Museus, comemorada em maio. A mostra gratuita que retrata as paisagens deste roteiro turístico é uma realização da Fundação Artístico Cultural Iberoamericana (FACI), com o apoio do Instituto Cervantes.

No museu estarão expostos 48 desenhos do arquiteto espanhol José Maria Plaza Escrivá - que foram produzidos no próprio caminho francês, com bico de pena- e um mosaico da arquiteta brasileira, Sandra Paro, que retrata a Catedral de Santiago de Compostela.

A abertura da exposição será às 19h desta quinta. Na ocasião, haverá a apresentação da IIIª Mostra de interpretação em instrumentos históricas, com Luciana Câmara. Para conferir a apresentação de abertura, haverá a distribuição de senhas gratuitas antecipadamente, no local. Inclusive, a música tem um papel importante na exposição, que é adornada por composições cedidas pelo maestro da Capela de Música da Catedral de Pamplona, Don Aurelio Sagaseta.

Quem deseja ter uma prévia da mostra, pode acessar o vídeo com a exposição virtual no Youtube (http://youtu.be/EUGrLC-vxJw), que mostra um pouco da obra dos arquitetos. Maiores informações através do telefone da FACI (81) 3467-1249 ou do Museu Franciscano (81) 3224-0994.

Serviço:

Exposição: “Santiago de Compostela: O caminho Francês”.

Abertura: 09/05/13 – 19h

Entrada Gratuita. Distribuição de senhas antecipadamente.

Visitação: de 10/05/2013 a 10/06/2013

Horário: Segunda a sexta (8h30 às 11h e 14h30 às 17h) / Sábados (8h às 11h)

Local: Museu Franciscano de Arte Sacra (Capela Dourada)

Rua do Imperador D. Pedro II, s/n Recife

Entrada Gratuita.

Da EcoD  

Se estresse e tristeza são sentimentos que volta e meia aparecem em sua vida, talvez tudo que você precisa seja se mudar para um lugar mais “verde”. Um estudo produzido pelo Centro Europeu para Meio Ambiente e Saúde Humana, publicado em abril, constata que quem mora próximo da natureza tem mais qualidade de vida e, portanto, são mais felizes, do que quem mora nas grandes cidades.

A pesquisa foi baseada em dados de mais de 10 mil pessoas que se mudaram para áreas verdes, coletados entre 1991 e 2008. Os pesquisadores concluíram que, após a mudança, as pessoas demonstraram menor cansaço mental, menores índices de depressão e mais qualidade de vida.  

Os cientistas compararam ainda o impacto da transição com outros fatores que incrementam o bem-estar das pessoas. Assim, morar próximo da natureza representa ter um terço da felicidade que se sente ao se casar, por exemplo. Assim, nenhuma surpresa ao ver que as melhores cidades para se viver são também as mais verdes.

Do CicloVivo

Conhecer as principais ameaças que as árvores da zona urbana estão expostas é um bom começo para preservá-las. Muitas vezes, as irregularidades nas plantas são bem perceptíveis, e pode ser fácil pedir que as autoridades competentes façam reparos nas árvores.  

Além de serem importantes elementos para compor a paisagem das cidades, é comprovado que as árvores das praças, parques e calçadas aumentam a qualidade de vida das pessoas, melhorando não só o ar e equilibrando temperaturas, mas também estabelecendo uma relação mais ampla do homem com a natureza, além de promover maior interação entre as pessoas. É preciso ficar atento aos inimigos mais perceptíveis que ameaçam as árvores na zona urbana:  

Fique de olho na fiação elétrica  

Em primeiro lugar, os galhos das árvores que servem como “caminho” para a rede elétrica precisam estar podados, para que as folhas não atrapalhem os fios de alta tensão que passam por ali.   Outra estratégia é perceber se a árvore está equilibrada: caso esteja com peso distribuído de forma irregular, este pode ser um dos fatores que levem a árvore a cair, mesmo fora da época de fortes chuvas. O problema se agrava quando ocorre a queda da árvore que está muito próxima da fiação da rede elétrica, podendo acontecer uma interrupção no abastecimento de energia.  

Tome cuidado com o cimento  

O material de construção é um dos maiores inimigos para o crescimento das árvores nas zonas urbanas: além de empobrecer o solo, o cimento ainda sufoca as raízes das plantas, diminuindo a capacidade de sustentação e fazendo com que as árvores fiquem mais baixas e mais frágeis.   Fungos à vista  

Os fungos se alastram nas árvores não só por influência do clima úmido, mas também por podas mal feitas e por pregos inseridos nos troncos e galhos, que são portas de entrada para cogumelos e outras espécies. Se as autoridades responsáveis não forem acionadas a tempo, os fungos invadem o interior das árvores, deixando-as fracas e doentes.  

Ao observar irregularidades em alguma árvore na zona urbana, procure sempre o órgão responsável pela gestão ambiental de sua cidade.

Estudos mostram que investimentos em saneamento resultam em economia direta em serviços de saúde. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada R$1,00 investido em saneamento, economizam-se R$ 4,00 em sistemas de saúde. Segundo Davi Gasparini Fernandes Cunha, Doutor em Ciências (Programa de Hidráulica e Saneamento) - EESC/USP e autor do livro Engenharia Ambiental, lançado pela Elsevier, do ponto de vista corretivo, é necessário tratar aqueles que adoeceram como resultado direto ou indireto do déficit de saneamento e remediar e revitalizar rios, córregos, lagos e reservatórios poluídos.  

O Brasil se mostra preocupado com o assunto e segundo o autor, existem projetos “interessantes”, como por exemplo, a Política Nacional de Recursos Hídricos (1997), a Política Nacional de Saneamento Básico (2007), a Política Nacional de Resíduos Sólidos (2010), entre outros. Porém, ele acrescenta que para mudar a realidade são precisos esforços em diferentes áreas.

“As universidades têm diversos papéis importantes, dentre eles o de desenvolver pesquisas e formar recursos humanos que ofereçam subsídios para o aperfeiçoamento e otimização das estruturas de saneamento (por exemplo, estações de tratamento de água e esgoto e sistemas de coleta de efluentes). As OSCIPs (Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público), como o Instituto TrataBrasil, podem contribuir para mobilizar e informar a população para que o país possa atingir a universalização do acesso ao saneamento básico. Entidades do setor de saneamento e recursos hídricos, como a ABES (Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental) e a ABRH (Associação Brasileira de Recursos Hídricos), também têm sido bastante atuantes na área”.

O papel do Poder Público, por sua vez, é o de investir em obras de saneamento básico para aumentar os índices de cobertura de água potável e esgoto tratado. Tais obras, além de beneficiarem diretamente as famílias, geram empregos e contribuem para o desenvolvimento social. Segundo Davi, o diálogo entre essas diferentes esferas, partindo-se do compromisso do Poder Público com o saneamento, deve permitir ampla participação popular, o que garante legitimidade ao processo decisório e aumenta as chances de sucesso.  

Em 2010, 2,5 bilhões de pessoas no mundo não possuíam estruturas adequadas de saneamento básico, conforme divulgou a ONU (Organização das Nações Unidas). O saneamento engloba um conjunto de ações que devem garantir à sociedade, acesso à água potável, serviços de coleta e tratamento de esgoto sanitário, gerenciamento dos resíduos sólidos, infraestrutura de drenagem urbana e controle de doenças. Há algum tempo, o homem tem percebido que a água é um recurso finito e dotado de valor econômico e que é preciso fazer alguma coisa para que as gerações futuras não sofram.  

“Quando se fala em garantir o acesso à água para as presentes e futuras gerações, há que se levar em conta ações em duas frentes: preventiva e corretiva. Investimentos na prevenção do problema, por exemplo, evitando que um manancial se torne poluído, promovendo coleta e tratamento de esgotos e investindo em programas que considerem a bacia hidrográfica como unidade físico-territorial básica para a gestão dos recursos hídricos pode trazer reflexos positivos sobre a saúde da população e, assim, aliviar a demanda por serviços médico-hospitalares”, finalizou o especialista.  

Com informações da Assessoria de Imprensa do Instituto Cervantes

O Instituto Cervantes do Recife recebe a exposição Interfaces Brasil-Espanha, da artista plástica Vera Sato. A abertura será nesta sexta-feira (03), a partir das 19h. A exposição, que foi exibida no Palácio de Maldonato, na Espanha, ano passado, estará aberta ao público de segunda a sábado até o dia 3 de junho, com entrada gratuita.

São 25 trabalhos que trazem representações simbólicas da memória e patrimônio culturais do Brasil e da Espanha.  Mesclando o figurativo e o abstrato, as peças que retratam um pouco da vivência da artista na Espanha são trabalhadas em diferentes técnicas, como litografia, óleo, acrílico e aquarela. 

Através da pesquisa da identidade dos dois países, num estudo comparativo e interdisciplinar, Vera foi construindo uma narrativa a partir do imaginário, das representações simbólicas, da memória e do patrimônio das duas culturas.

“Fui armando um quebra-cabeças, juntando peças, articulando-as numa bricolagem, formei um painel que teve como resultado essa exposição. É também um processo de construção e desconstrução", explica a artista.

Com mais de 100 exposições no currículo, Vera Sato já exibiu sua arte na Alemanha, Argentina, Espanha, Estados Unidos, França, Grécia, Itália, República Tcheca e Romênia.

O Instituto Cervantes fica na Av. Agamenon Magalhães, 4535, no Derby. Maiores informações, através do telefone (81) 3334-0450 ou no e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .

Serviço:

Exposição Interfaces Brasil – Espanha, de Vera Sato

Abertura: 03/05/13 - 19h

Horário de visitação:   Segunda a sexta – 10h às 20h   Sábados – 10h às 14h

Lugar: Instituto Cervantes do Recife

(Av. Agamenon Magalhães, 4535, Derby)

Entrada: Gratuita

No próximo dia 8 de maio o Cine É Proibido Cochilar, iniciativa da Representação Regional Nordeste, dará início à sua nova programação, repleta de curtas que dialogam com as mais diversas expressões culturais de Pernambuco. O primeiro filme a ser exibido é “Festa da Lavadeira – Sou do povo, sou da festa”, dirigido por Teta Barbosa. O vídeo, com roteiro de Amin Stepple, apresenta registros artísticos e religiosos dessa manifestação cultural que ocorre todo 1º de maio, desde 1987.

A obra foca na importância de se preservar e valorizar as culturas populares, mostrando depoimentos de moradores da Praia do Paiva, região onde a festa era realizada.   O filme foi realizado com o patrocínio da Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura (SID/MinC), através do Fundo Nacional de Cultura (FNC).

Já a Festa da Lavadeira está entre os selecionados do Prêmio Culturas Populares 2007 – Edição Mestre Duda – 100 Anos de Frevo desenvolvido pela SID/MinC. Também foi reconhecida pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan/MinC) como o melhor projeto da Região Nordeste para a divulgação e difusão da Cultura Popular.  

As sessões do Cine É Proibido Cochilar agora acontecem sempre às 19h das quartas-feiras, no prédio da Representação Regional Nordeste, no Bairro do Recife.

Serviço:  

Quartas de Maio no Cine É Proibido Cochilar  

Auditório da Representação Regional Nordeste  

Rua do Bom Jesus, 237, Bairro do Recife - Recife  

Informações: (81) 3117.8439 | 3117-8460

Com informações da Secretaria de Defesa Social

Pela primeira vez na história, Pernambuco celebrou um dia inteiro sem que fosse registrada uma única morte violenta. O fato aconteceu na última segunda-feira (29/04), quando os 184 municípios do Estado zeraram os índices contabilizados pelo Pacto pela Vida. O anúncio foi feito nesta terça-feira (30/04), na sede da Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag), pelo governador Eduardo Campos, em companhia do secretário de Defesa Social, Wilson Damázio, e dos comandantes da Polícia Militar e da Polícia Civil.

"É algo muito importante. Pernambuco conquista um resultado histórico no enfrentamento à violência. Essa é uma vitória da sociedade pernambucana, que deve nos estimular. Sabemos que há muitos desafios pela frente ainda, mas estamos motivados a continuar, e vamos seguir em frente buscando repetir essa marca", disse o governador.

Atualmente, 43 municípios estão com a contagem zero desde o início do ano, entre eles, Limoeiro, Triunfo e São José do Egito. Já o Recife, nos primeiros quatro meses de 2013, registrou 52 dias com zero homicídio. Para Eduardo Campos, uma série de ações se soma para a conquista deste resultado, como o Programa Patrulha nos Bairros, o trabalho integrado com o Poder Judiciário, a Defensoria Pública, artistas, entre outros.

 "O fundamental aqui é a articulação, é não deixar germinar aquela política de todo mundo achar que o responsável é o outro e ninguém se sentir responsável. É importante ter um bom diagnóstico, uma ação articulada, fazer um mix de varias ações, ter governança sobre isso e ação articulada do aparelho de estado. É apostar na transparência da gestão", explicou o governador.

O Pacto pela Vida celebra seis anos no próximo dia 8 de maio, quando o Governo deve realizar um balanço das ações e próximos passos para continuidade da redução dos índices de violência. Vale ressaltar que a estatística oficial vem sendo registrada desde janeiro de 2004.

Por Paula Furlan, do Consumidor Moderno Consciente

A obesidade é o problema nutricional de maior crescimento em todo o mundo e casos de obesidade infantil vêm crescendo em ritmo alarmante. Mas como montar e ensinar crianças a preparar um prato nutricionalmente perfeito? Alunos do curso de pedadogia da Unesp/Univesp do Polo Jaboticabal, elaboraram um software intitulado Lanche Saudável, indicado a crianças do último ano do Ensino Infantil, e que também pode ser utilizado por educandos do primeiro ciclo do Ensino Fundamental.  

Os idealizadores César Martorelli da Silveira, Clorivaldo de Oliveira Júnior, Marcos Juinthi Koba Morise, Sandra Possebon Gatti e Tais Maria Otsuko utilizam a tecnologia como ferramenta educativa. “É um tema de grande importância para os pequenos”, relata Otsuko, que também afirma que a iniciativa em desenvolver este software vem da necessidade apontada por recentes pesquisas que evidenciam um aumento de casos de obesidade infantil – fato que pode levar um indivíduo a ser tornar um adulto acima do peso e, por consequência, comprometer sua saúde. Segundo Morise, o objetivo principal deste recurso didático é mostrar para a criança, de uma maneira descontraída, a importância de variar a alimentação ao mesmo tempo em que se come de uma forma saudável.

O jogo funciona da seguinte forma: um prato deve ser elaborado a partir de diversos alimentos disponíveis, que estão divididos em tipos como frutas, saladas, carnes, leite e laticínios, guloseimas etc. Finalizada a montagem, a criança recebe uma análise daquela refeição, que alerta para a existência de algum tipo de alimento em excesso ou em falta. “Em alguns casos, se a alimentação for considerada ideal, a criança recebe um elogio por ter feito as escolhas corretas”, explica Otsuko. Ainda, cada jogador tem um avatar, que pode mudar de humor, emagrecer ou engordar de acordo com as refeições escolhidas pela criança.  

Para Otsuko, é importante que um educador repense a metodologia de ensino, que deve ser menos ‘conteudista’. A tecnologia, segundo ela, pode ajudar neste processo, pois faz parte do dia a dia das crianças que costumam gostar de jogos de computadores, videogames, tablets e celulares desde muito pequenos.

“Tivemos o cuidado de adequar a faixa etária das crianças às atividades do software, que ficaram coloridas, simplificadas, intuitivas e bastante funcionais”, reitera.  

De acordo com Morise, unir tecnologia e educação é fundamental, e este trabalho deve ser explorado cada vez mais. Ele afirma, ainda, que o uso de jogos eletrônicos deve ser visto como ferramenta auxiliar de aprendizagem na abordagem teórica dos conteúdos em sala de aula.  

Esta necessidade é compartilhada pelo colega de grupo Clorivaldo de Oliveira Junior, que vê a educação lúdica posicionada em destaque. “A partir disto, o software Lanche Saudável é fantástico por ser extremamente concreto e didático, e aliar ao ensino o uso de mídias digitais, tão reais e presentes no dia a dia das crianças”, finaliza. O jogo está disponível em: http://sourceforge.net/projects/lanchesaudavel.

Festival da Caravana Tapioca reúne atrações circenses no Parque da Jaqueira e em Olinda, de quarta-feira até domingo

 

Por Tatiana Meira, do Pernambuco.com (www.pernambuco.com)

 

Ela vem de escola de circo. Ele é palhaço e músico. De tanto comer uma das iguarias típicas da gastronomia pernambucana, o casal de namorados paulistanos Giulia Cooper e Anderson Machado ganhou um apelido que acabou se tornando marca registrada da trupe, a Caravana Tapioca. Ao lado da também atriz-palhaça Marina Duarte, do Recife, eles promovem o 1º Festival de Circo a Céu Aberto, desta quarta-feira até domingo.

Inspirados nos festivais de verão da Europa, Giulia – que no palco é a palhaça Nina – e Anderson (o Cavaco), levam atrações locais e nacionais ao Parque da Jaqueira, até a sexta-feira, a partir das 20h; e ao Pátio do Carmo, em Olinda, neste caso à tarde, no sábado (16h) e domingo (15h). Tudo gratuito, com lona para os artistas e arquibancadas que comportam 100 e 140 lugares, respectivamente, para acomodar com mais conforto o público preferencial (crianças e idosos).

Em Olinda, ainda estão agendadas duas noites de números circenses e um show de encerramento.

A visão da Caravana Tapioca passa longe da máxima de que os espetáculos e artistas de rua são “coitadinhos”. “É uma ocupação lúdica e positiva do espaço urbano. Se estamos na rua, é por opção. Não é porque não estamos numa sala ‘formal’ que as montagens não possuem qualidade”, pondera Giulia Cooper. Eles estão na programação com Cavaco e sua pulga adestrada, no sábado.

A gratuidade dos espetáculos ao ar livre também é um dos pontos defendidos por Marina Duarte para que o festival ocorra “a céu aberto”. “Outra questão é que a rua é um lugar desafiador. Sujeito a provações, ao improviso, aonde você testa sua verdade cênica”, acredita Marina, da Papelão

PROGRAMAÇÃO

1º Festival de Circo a Céu Aberto - Gratuito

Bate-papos

Onde: Centro Cultural Correios – Av. Marquês de Olinda, 262, Bairro do Recife.

Informações: (81) 3224- 5739 e 3424-1935.

Quinta-feira, às 14h, sobre Produção Cultural Circense

Com Robson Mol (BA) e convidados (João Carlos Artigos, do Teatro de Anônimo/RJ, Alexsandro Silva, da Cia. 2 Em Cena de Teatro, Circo e Dança/PE, Danielle Hoover, da Luni Produções/PE e Fátima Pontes, da Escola Pernambucana de Circo/PE)

Sexta, dia 26/04, às 14h, sobre Circo na Praça: A Arte de Rua no Brasil

Com Marina Duarte (PE) e convidados (Anderson Machado, da Caravana Tapioca/PE, Irmãos Becker/SP e Coletivo Nopok/RJ)

Espetáculos

Parque da Jaqueira (Recife)

Quarta-feira, dia 24, às 20h

A-laS-pi-pe-tuá! (Seres de Luz Teatro/SP) - Recria o clima da chegada dos artistas mambembes e sua parafernália, tratando de recuperar o espírito das trupes tradicionais. Com Mafalda Mafalda (Andrea Macera) e Jasmim (Lily Curcio).

Quinta-feira, às 19h30

Brincadeiras de Palhaço (Trupe Circense Irmãos Santana/PE) - Três palhaços mambembes viajam por cidades nordestinas apresentando sua arte, levando alegria para crianças e buscando sua felicidade. Com Anderson Santana, Allison Santana e Jaqueson Santana.

20h30 - Intermezzo (Teatro de Anônimo/RJ) - Com base na clássica arte da palhaçaria, dos saltimbancos e suas habilidades atemporais, com números de magia, acrobacia, dança e equilíbrio que são lapidados permanentemente.

Sexta-feira, dia 26

19h30  - Besteiras (As Aventuras de um Giullare Moderno) - Cia. Circo Godot de Teatro/Itália/Brasil) - Trovador popular moderno que ganha a vida recreando o público com jogos de mão, equilibrismo e mímica.

20h30 - Circo do Só éu!!! (Barracão Teatro/SP) - O majestoso Circo do Sol recebe proposta muito mais lucrativa e decide cancelar, de última hora, a apresentação do espetáculo. Zabobrim, o palhaço, vem até o público para tentar apresentar sozinho. Concepção, Criação e Direção: Esio Magalhães (Zabobrim).   Praça do Carmo (Olinda)

Sábado, dia 27

16h - Cavaco e Sua Pulga Adestrada (Caravana Tapioca/PE) - No enredo, Cavaco, um antigo dono de circo que acabou falido ao perder todos seus artistas, decide reconstruir sua carreira com a pulga Maria. Criação, roteiro, atuação e cenografia: Anderson Machado (Cavaco). Direção: Helder Vasconcelos. Trilha sonora original: Adriana Milet. Figurino: Luciano Pontes.

18h - No Pocket – Um Espetáculo Para Todos os Bolsos (Coletivo Nopok/RJ) - Espetáculo de circo que utiliza as “charlas” clássicas, a música, a dança e a comédia física na criação de “gags” e cenas cômicas.

20h - Noite de Variedades Circenses com convidados (Apresentador Cavaco/PE). Atrações: Feeling, com Lumineiro; Karatê, com Trupe Irmãos Atada; Dirty dancing, com Coletivo Km2; A Palhaça é a Mãe!, com Trupe Puxincói, Teatro e Variedades; Malabarismo na velocidade da luz, com Irmãos Becker.

Domingo, dia 28

15h - Palco Aberto (com participação do Coletivo Nopok/RJ)

16h - Bang Bang a Pastelana (Trupe Irmãos Atada/SP)

18h - Circo Malabarístico (Irmãos Becker/SP)

20h - Noite de Variedades Circenses com convidados (Apresentador Cavaco/PE). Atrações: A lição, com Cia. 2 Em Cena de Teatro, Circo e Dança; Tudo se encaixa, com Lumineiro; Um dia de mágico, com Rapha Santacruz; JanisTANTANJoplin, com Cia. Animeé/As Levianas; Chapelando, com Irmãos Becker.

21h30 - As Severinas (show de encerramento/PE)

Nesta quarta-feira (24/04), o Cine É Proibido Cochilar, iniciativa da Representação Regional Nordeste do Ministério da Cultura, apresenta o curta "Maracatu Atômico Kaosnavial", dos cineastas pernambucanos Marcelo Barroso e Afonso Oliveira. O filme, exibido às 12h30 e 18h30, traça uma trajetória do cantor Jorge Mautner e do mestre Zé Duda, que apresentam suas respectivas bagagens musicais, promovendo uma troca de vivências e referências artísticas.

Filmado em 2011 e apresentado ao público no Cine PE de 2012, a obra teve sua produção sediada na Zona da Mata Norte de Pernambuco, e une o universo do maracatu e o tropicalismo.

A sintonia de Mautner com o Maracatu Estrela de Ouro, representante do Movimento Canavial, é algo que veio crescendo desde o primeiro contato estabelecido no Festival Canavial de 2006, na cidade de Nazaré da Mata, em Pernambuco. Desde então, estes ícones passaram a fomentar uma relação de retroalimentação que resultou numa profusão de liberdade poética e estética, tendo um CD e o filme como um de seus frutos.

O filme será exibido em duas sessões: A primeira, às 12h30, e a segunda, às 18h30. O público que optar por comparecer às 18h30 terá a oportunidade de bater um papo com os cineastas.

Serviço  

"Maracatu Atômico Kaosnavial"  

Data: 24/04 - Quarta-feira

Local: Cine É Proibido Cochilar - Rua do Bom Jesus, 237 - Bairro do Recife - Recife

Horário: 12h30 e 18h30

Informações: (81) 3117.8439

O espetáculo Corpos Compartilhados, do Coletivo Lugar Comum, inicia uma série de 10 apresentações gratuitas pelo Recife e Região Metropolitana em espaços alternativos. As primeiras encenações dentro do projeto, aprovado pelo Funcultura, acontecem nesta quinta (25/04) e sexta (26/04), às 19h, na Associação Comunitária da Muribeca, em Jaboatão dos Guararapes.

São ao todo quatro solos que propõem uma maior aproximação entre o público e os corpos dos bailarinos, todos utilizando a poesia como parte da criação e inspiração dos movimentos: Topografias do Feminino, de Liana Gesteira; OSSevaO, de Silvia Góes; Valsa.me, de Cyro Morais e Pé de Saudade, de Maria Agrelli. Corpos Compartilhados será encenado também em Olinda, Cabo, Camaragibe, Recife e São Lourenço da Mata.

A circulação continua em maio, dias 8 e 10, às 19h30, na Escola Municipal José Collier, em Camaragibe. Dias 9 e 24 de maio tem apresentações no Recife, dentro da programação do Festival Palco Giratório, em parceria com o Sesc, sempre às 18h, no pátio do Centro Apolo-Hermilo, ambas com recurso de audiodescrição. Dia 9 o público poderá conferir as performances Valsa.me e Topografias do Feminino e no dia 24 de maio, OSSevaO e Pé de Saudade.

 Ainda em parceria com o Festival Palco Giratório, o Coletivo Lugar Comum vai promover duas oficinas: Corpo e Voz (dias 2 e 3 de maio, das 14h às 17h) e Corpo e Poesia (dias 16 e 17 de maio, das 14h às 17h). As oficinas, direcionadas a pessoas com e sem deficiência visual, também contarão com recursos de audiodescrição e serão realizadas na sala de dança do Instituto dos Cegos. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo telefone: 81.9606.7758 ou através do site www.coletivolugarcomum.com.

O trabalho de consultoria e desenvolvimento do projeto de acessibilidade é da VouVer, da atriz Andreza Nóbrega e da psicóloga Liliana Tavares, ambas consultoras em acessibilidade e audiodescritoras. “LEVE, que também é um espetáculo do Coletivo Lugar Comum, foi o primeiro espetáculo de dança em Pernambuco a contar com o recurso da audiodescrição, durante uma das apresentações do Palco Giratório, em 2010. Depois o mesmo LEVE foi o primeiro a realizar uma temporada inteira com esse pensamento que integra a arte e a acessibilidade comunicacional com audiodescrição na concepção de cada uma das sessões. Agora é a vez do Corpos Compartolhados”, diz Andreza Nóbrega.

Ela diz que em teatro já há mais iniciativas, mas em dança ainda são poucos os grupos que se concentram no debate. “Mas tudo isso vai mudando aos poucos. A orientação sobre a importância da acessibilidade ressaltada nos próprios editais, como é o caso do Funcultura, tem feito os coletivos e artistas planejarem seus espetáculos com essa prioridade”, completa Liliana Tavares.

“A audiodescrição em dança tem que dançar com o corpo na cena, porque é movimento”, destaca Andreza com o brilho nos olhos de quem fala com paixão sobre a sua luta e suas conquistas. Para Liliana “é um processo muito rico. Cada obra é nova, cada trabalho é único, seja teatro, ópera, dança, cada espetáculo é único”.  

Corpos Compartilhados é composto de quatro solos de dança contemporânea criados por artistas do Coletivo Lugar Comum a partir de um pensamento de performance. Os trabalhos são Topografias do Feminino, de Liana Gesteira, sobre o corpo-território da mulher, com seus significados, sensações e simbologias; OSSevaO (expressão de O Avesso espelhado), de Silvia Góes, poetizando sons e lapidando letras num corpo-palavra que se mostra no desnudamento do seu avesso; Valsa.me, de Cyro Morais, um convite para a dança de um corpo que traz marcas de diferentes amores vivenciados; e Pé de Saudade, de Maria Agrelli, que compartilha com o público a sensação da saudade como parte inextricável do próprio corpo. Todos têm em comum a proposta de discutir em seus corpos memórias e vivências de outros.

Segunda, 22 Abril 2013 19:47

Movimento Pró-Criança completa 20 anos

Escrito por

O Movimento Pró-Criança inicia as comemorações dos seus 20 anos com a realização de um evento nesta terça (23), a partir das 15h, aberto ao público, no auditório da sede do Pró-Criança dos Coelhos (Rua dos Coelhos, 317, em frente ao IMIP). Durante o encontro será apresentada a marca comemorativa em homenagem às duas décadas da instituição, além do balanço social e prestação de contas da gestão financeira da ONG do último ano. A abertura terá apresentação do Coral Pró-Criança.

Fundado em 27 de julho de 1993 pela Arquidiocese de Olinda e Recife, o MPC tem como objetivo promover o direito à cidadania das crianças, adolescentes e jovens em situação de risco ou abandono, na jurisdição dos municípios que compõem a Arquidiocese de Olinda e Recife ou a quem esta delegar, através de educação complementar e da oferta de oportunidade de inclusão social.

Através dos projetos realizados nas suas três unidades (Piedade, Coelhos e Recife Antigo) ao longo de 2012, o Pró-Criança beneficiou diretamente 1.335 crianças, adolescentes e jovens, além de 880 pais e/ou responsáveis.As atividades realizadas ao longo deste exercício, também contemplaram a parceria com a Universidade Federal Rural de Pernambuco para validação da nova missão, visão de futuro e valores do MPC e a análise do seu impacto no sistema institucional e os desdobramentos sobre as atividades gerais da organização.

No exercício de 2012 o Movimento Pró-Criança contou com o apoio de mais de 60 parceiros, compreendendo instituições públicas e privadas, nacionais e estrangeiras, empresas públicas e privadas e pessoas físicas.

Além destes, há 367.063 pequenos contribuintes que através de suas contas de energia elétrica (CELPE) e de água (COMPESA) têm efetivado as suas contribuições. No último ano essas contribuições representaram 66,59% do total da receita da instituição. Se acrescentarmos a esses números outros pequenos parceiros engajados através do Sistema de Telemarketing, Sistema Telemar Norte e Leste S/A, e outras contribuições avulsas, esse percentual se eleva para 80,33% do orçamento total do MPC.

O corpo técnico-administrativo que deu suporte as atividades do MPC neste período contou com a colaboração de 107 servidores, envolvendo 35 profissionais de nível superior (pedagogos, educadores, psicólogos, assistentes sociais, etc.), pessoal de nível médio e básico, além de 19 estagiários e 52 voluntários. Visando manter o sistema de capacitação dos seus funcionários, o MPC deu continuidade ao Projeto Auxílio Educação, através do pagamento de 50% das despesas com instituições ou mensalidades de seminários e cursos de curta e longa duração (Especialização, Mestrado, etc.). Em 2012 o investimento neste programa foi de R$ 42.229,40 (1,27% das despesas administrativas), tendo beneficiado 30 funcionários.

Da mesma forma foi investido no ano em assistência médica para valorização do quadro funcional do MPC o valor de R$ 248.389,19, representando um percentual de 5,91% das despesas administrativas.

O relatório que será apresentado nesta terça ressalta também a continuidade do Programa de Voluntariado do MPC, integrada com a Rede Pernambuco Voluntário, que conta com mais de 30 instituições, tendo realizado com o apoio do Pró-Criança, até dezembro de 2012, treze capacitações, onde foram preparadas 275 pessoas para realizar trabalho voluntário em diversas instituições integrantes da rede em Pernambuco.

No último ano de 2012, o Movimento Pró-Criança foi homenageado pela ONU e pelo Governo Brasileiro entre as instituições nacionais que mais vêm contribuindo através de seus projetos para os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.

Neste aniversário de 20 anos do Pró-Criança, há muito o que comemorar, principalmente pela história de tantas vidas que mudaram ao longo destas quase duas décadas. Nomes como o do bailarino Wanderson Wanderley, que pode parecer desconhecido para os pernambucanos, mas na verdade o menino é daqui e está fazendo o maior sucesso na Áustria. Desde 2005 ele mora e trabalha, como bailarino, em Viena. Em 2006 foi contratado para integrar o grupo de dança da ópera “Carmen Cubana”. Agora dá aulas de dança por lá e está ensaiando para novas apresentações. São vidas assim que se misturam com a história do Movimento Pró-Criança e desses cinco senhores incansáveis.  

Há duas décadas o Movimento Pró-Criança, coordenado por um quinteto voluntário de senhores aposentados, de cabelos brancos e muita vontade de viver, vem atuando na Região Metropolitana do Recife, sendo considerada uma das principais estruturas do país no desenvolvimento sócio-educativo de crianças, adolescentes e jovens em situação de exclusão social, segundo pesquisa da Kanitz & Associados.

Através de atendimento e orientação médica, jurídica, psicológica e educacional e qualificação profissional são beneficiadas anualmente milhares de crianças e jovens.   Atualmente cada criança assistida pelo Pró-Criança, que sobrevive graças às doações de empresas e pessoas físicas, representa um investimento mensal de cerca R$ 150,00, garantindo aulas profissionalizantes e de arte, aulas complementares ao programa escolar trabalhadas de forma lúdica para incentivar um maior rendimento na escola, aulas de cidadania, alimentação e transporte. O valor médio varia de ano a ano.  

De acordo com o presidente da instituição, Sebastião Barreto Campello, um voluntário de mais de 80 anos, um dos principais passos que vem com o amadurecimento da maioridade é a realização de novas ações focadas principalmente no pós Pró-Criança. “Estamos em entendimento com financiadores e com o Sebrae, por exemplo, para desenvolver um programa de supervisão de crédito por voluntários para ajudar na abertura do próprio negócio para aqueles alunos que terminam os estudos”, explica. A abertura de vagas no mercado de trabalho através de parcerias também é outra iniciativa.  

O fotógrafo Júnior Santos é outro belo exemplo da luta dos cinco senhores que se destacam nesta matéria, ex-aluno da escola de fotografia do MPC, ganhou uma bolsa graças ao seu talento e está estudando na Suíça.

em a história de Maria Neves, que merece ser contada mil vezes.

Pernambucana da terra estudada por Josué de Castro, como tantos, quando criança ela saía muito cedo de casa com a mãe e os irmãos para pegar mariscos na maré, saíam às vezes sem comer, passavam a manhã inteira trabalhando e quando voltavam cozinhavam o que tinham conseguido juntar para vender e garantir o sustento da família. A mãe morreu quando ela tinha 11 anos. O pai biológico nunca a procurou.

Maria decidiu que ia mudar de vida e via nos estudos a possibilidade de crescer. Aos 12 anos conheceu o Pró-Criança e terminou indo parar em Nova Iorque, onde fez formação de um ano na escola Alvin Ailley, instituição famosa por ter tido como aluna a pop star Madona, entre outras personalidades. Depois Maria voltou pra cá por escolha própria e hoje é professora de dança e coreógrafa no mesmo lugar onde iniciou sua carreira, no Pró-Criança.  

Outras histórias de vidas que mudaram  

A arte como instrumento de mudança já desenhou muitas histórias de sucesso no Pró-Criança. Dos que ficaram por aqui, a bailarina Milze Costa faz parte atualmente do grupo de dança que se apresenta com Novinho da Paraíba e Jaciara Alves trabalha como professora de dança e produtora executiva, dando assistência a todos os cursos da escola de dança do Espaço Cultural Maria Helena Marinho. São histórias que só comprovam que a mudança é possível e que o primeiro passo é acreditar nela. O quinteto de cabelos brancos vem acreditando, trabalhando e comemorando junto com todos os jovens que vão desenhando novos futuros.

Desde 2004 que o Pró-Criança vem mantendo contatos com várias entidades austríacas, através da Organização Rosário da Luz. Em 2008, a chance apareceu para a passista pernambucana Bruna Renata, aluna do Espaço Cultural Maria Helena Marinho, que participou de uma série de apresentações em Viena, na Ferien Messe, a maior feira de turismo da Áustria.

Fundado em 27 de julho de 1993 pela Arquidiocese de Olinda e Recife, o Movimento Pró-Criança atua na Região Metropolitana do Recife e conta com três unidades localizadas nos bairros dos Coelhos, Recife Antigo e Piedade. “Estamos convictos de que, no ambiente dos 19 municípios desta Arquidiocese, existem recursos suficientes para solucionar o grave problema social das crianças “em situação de risco” e “em situação de rua”.

O Movimento Pró-Criança é uma tentativa de organizar estes recursos materiais e humanos, oferecendo a todos a oportunidade de fazer o bem, salvando vidas humanas”, enfatiza Sebastião Barreto Campello, presidente da instituição.  

Para participar das atividades oferecidas pelo MPC, os alunos precisam estar matriculados, em outro turno, numa escola pública regular.  

Projetos em andamento

Jovem Artesão

Objetivo: Formar jovens cidadãos na educação pela arte.

Nº. de Beneficiários: 100

Parceiro: Instituto Ayrton Sena

Parceiro: Coca-Cola   Unidade: Coelhos e Piedade  

Coca-Cola

Objetivo: Profissionalizar jovens no mercado de varejo.

Nº. de Beneficiários: 1155

Parceiro: Coca-Cola   Unidade: Coelhos e Piedade

Decolando na arte da vida

Objetivo: Capacitação de adolescentes e jovens em artes gráficas, plásticas, percussão, dança e corte e costura. (Desenvolvido em dois períodos)  

Nº. de Beneficiários: 210

Parceiro: INFRAERO

Unidade: Piedade

Reuso de Águas  

Objetivo: Captar, filtrar e reutilizar águas da chuva.

Nº. de Beneficiários: 150

 Parceiro: HSBC

Unidade: Espaço Maria Helena Marinho-Movimento Pró-Criança

Vida Nova  

Objetivo: Prevenção junto às crianças em situação de vulnerabilidade a ociosidade e a permanência nas ruas, oportunizando o desenvolvimento dos seus potenciais.  

Nº. de Beneficiários: 50

Parceiro: Governo do Estado

Unidade: Espaço Maria Helena Marinho-Movimento Pró-Criança

Mentoria  

Objetivo: Melhorar a qualidade de vida de crianças e jovens, apioando a Orquestra MPC (EMHM).

Nº. de Beneficiários: 150

Parceiro: Excelsior Seguros  

Unidade: Espaço Maria Helena Marinho-Movimento Pró-Criança

Direitos promovidos, criança com qualidade de vida  

Objetivo: Promoção da Cultura e Educação.

Nº. de Beneficiários: 300

Parceiro: Fundação Mapfre

Unidade: Coelhos e Piedade

Future First-Inventing in our children

Objetivo: Manutenção do Coral EMHM-MPC e Oficina de Reciclagem.

Nº. de Beneficiários: 150

Parceiro: HSBC/LOSANGO, UNINTS e TJ-PE.

Unidade: Espaço Maria Helena Marinho-Movimento Pró-Criança

Serviço:   Movimento Pró-Criança

www.movimentoprocrianca.org.br  

(81) 3412.8989

Por Paula Furlan, do Consumidor Moderno Consciente

A primavera chegou ao Brasil com ares de verão e como nem todo mundo pode aproveitar a brisa do mar ou o frescor de parques arborizados, quando possível apelamos para o ar condicionado.   É notório quão prejudicial para o ambiente e para a saúde das pessoas o uso deste aparelhinho tão querido nos dias quentes, além disso seu consumo de energia desestabiliza qualquer orçamento.   Portanto, para quem não conta com um ar condicionado disponível ou quer usá-lo apenas nos casos de calor mais extremos, algumas dicas podem ajudar a manter seu ambiente mais fresco, ecologicamente correto e, é claro, econômico.

Feche as janelas  

Pode parecer absurdo, mas em dias quentes de verão, abrir as janelas, muitas vezes, torna a sua casa mais quente, e não mais fresca. Abra as janelas apenas à noite, quando o ar é mais frio do lado de fora do que dentro, e feche-as – juntamente com persianas e cortinas – antes que o sol bata no ambiente pela manhã. Quando a noite cair, abra bem as janelas, particularmente aquelas que dão para correntes de ventos, para que possa aproveitar a ventilação. Isso permitirá que o ar fresco da noite circule e evita que uma boa parte do calor do sol entre em casa. Você também pode colocar plantas – especialmente plantas grandes em vasos – na frente de janelas ensolaradas que possam absorver parte da energia do sol.

Use os ventiladores estrategicamente

Muitas pessoas não sabem otimizar o uso dos ventiladores. Aqui vão algumas dicas para que eles realmente refresquem o ambiente.  Os ventiladores de teto podem criar uma brisa agradável para refrigerar um quarto de forma significativa. Certifique-se de que você tem o ventilador na direção certa, mesmo porque ventiladores de teto também podem ser usados no inverno para criar uma corrente ascendente: no verão, você deve sentir a brisa soprando. E lembre-se, ventiladores de teto servem para refrescar pessoas e não ambientes, portanto, desligue-os quando sair do lugar. Se você estiver comprando ventiladores de teto novos, certifique-se de comprar ventiladores com certificação energética eficiente. Esta escolha pode fazer diferença no bolso a longo prazo.   Ventiladores de chão colocados diretamente na frente de uma pessoa, é claro, ajudam a mantê-la fresca. Borrife água nele e você pode mudar radicalmente a sua temperatura, como a água evapora fora de sua pele, seu corpo libera calor.

Um túnel de vento feito em casa é a terceira opção, se há uma brisa fresca, principalmente à noite, coloque um ventilador virado para um lado da sua casa recebendo o vento, e outro voltado para fora no lado oposto da casa. Você vai maximizar a potência de refrigeração da brisa natural.  

Coma alimentos gelados  

Assim como tomar uma bebida gelada ajuda a refrescar, comer alimentos frios também são aliados do bem estar nos dias quentes e ajuda a manter sua temperatura interna mais baixa em dias quentes. Tente colocar na sua dieta saladas de frutas, especialmente como melancias e melões ou sopas frias. Se quiser comer algo quente, tente usar um grill ou forno de microondas, pois o uso do forno e fogão aquecerá a temperatura da cozinha e você sentirá mais calor. E lembre-se, utensílios de cozinha não são os únicos dispositivos que emitem calor, limitar o uso de eletrônicos e iluminação vai ajudar a manter sua casa com uma temperatura mais amena.

Apague as luzes  

Enquanto a iluminação moderna, como lâmpadas fluorescentes compactas e de LED são mais eficientes, as incandescentes produzem tanto calor quanto luz. Mas, mesmo com lâmpadas que geram menos calor, apagar as luzes é sempre eficiente para economizar energia. O mesmo vale para muitos eletrônicos, então tire das tomadas quaisquer aparelhos que não precisem ficar plugados, pois mesmo em modo standby muitos permanecem quentes.

Tome um banho frio ou vá nadar  

Pode parecer bem óbvio, mas não custa falar novamente: se você está com calor, amenize a temperatura do seu coração ao imergir em água fria. A menos que haja 100% de umidade, a evaporação da água da sua pele esfriara assim que você sair da água. Se não puder fazê-lo, use água e cubos de gelo para manter seus pulsos frios, como os vasos sanguíneos estão muito próximos à pele nesta região, o resfriamento é eficaz como se estivesse esfriando o sangue diretamente.  

Instale toldos  

Assim como persianas e arbustos de trabalho podem ajudar a proteger a sua casa dos quentes raios do sol, toldos podem também ser uma ferramenta que ajuda a economizar dinheiro em contas de energia ao reduzir o calor que sua casa absorve. Este é um investimento que pode valer a pena e até mesmo dar um visual charmoso à casa.

Plante árvores estrategicamente  

Sua casa fica quente porque o sol bate nela implacavelmente em dias quentes de verão. Deixe a natureza ajudar a reduzir suas contas de energia por meio do plantio de árvores nas laterais da sua casa. No verão, suas folhas largas sombrearão sua casa, enquanto no inverno, os ramos nus não vai impedir o calor do sol de chegar às suas paredes.  

* Com informações do The Daily Green

A Biblioteca Carmen de Burgos, do Instituto Cervantes Recife, está promovendo um concurso de fotografia com o tema "Livros, leitura e biblioteca" para celebrar o Dia do Livro e do Direito do Autor. Os interessados deverão realizar as inscrições até o próximo dia 20 de abril. Os vencedores serão conhecidos em 23 de abril, quando se comemora a data.

Serão concedidos três prêmios:

Primeiro lugar: Uma bolsa de estudos (módulo de 90 horas) para um curso de espanhol no Instituto Cervantes Recife + um dicionário do Instituto Cervantes Recife + um diploma de participação.

Segundo lugar: Um curso virtual de espanhol - AVE (Aula Virtual de Español) (módulo de 60 horas)  +  um dicionário do Instituto Cervantes Recife e um diploma de participação. 

Terceiro lugar: Um curso virtual de espanhol - AVE (Aula Virtual de Español) (módulo de 30 horas)  +  um dicionário do Instituto Cervantes Recife +  um diploma de participação.

Para ver as regras do concurso, clique em:  http://recife.cervantes.es/es/biblioteca_espanol/biblioteca_espanol.htm

Prazo de envio das fotografias: até 20 de abril de 2013.  

Comunicação dos ganhadores: 23 de abril, Dia do Livro

Evento integra comemorações do Dia Nacional do Livro Infantil, que acontece nesta quinta (18). Na ocasião, todas as escolas municipais estarão com programação especial.

 

Da Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Olinda

No Dia Nacional do Livro Infantil, Olinda inaugura nova biblioteca escolar. A unidade de ensino Coronel José Domingos, em Ouro Preto, conta agora com um novo espaço de pesquisa e leitura. A Secretaria de Educação do município também vai ampliar o projeto literário da rede, abrindo o acesso das bibliotecas escolares para o público em geral.

A inauguração acontece nesta quinta (18), que também será um dia voltado especialmente para atividades literárias, em todas as escolas da rede. Estão programadas rodas de leitura, exposição de textos dos alunos, feira de troca-troca de livros, apresentações de recitais, oficinas de desenho e pintura.

De acordo com a diretora de Programas e Projetos Educacionais, Josiane Melo, abrir o acesso da biblioteca escolar para a comunidade é ampliar o espaço de leitura e fomentar o desenvolvimento social. “Com a medida, alunos de qualquer rede, professores, pais, curiosos, pesquisadores, poderão usar o espaço para pesquisas e até fazer o empréstimo de livros”, informa. A rede municipal de ensino possui 51 escolas bases, das quais 21 já estão com biblioteca. As demais possuem cantinho de leitura ou biblioteca itinerante.

A escola Coronel José Domingos também inaugura uma Sala de Atendimento Especializado (SAE) com recursos multifuncionais, para apoiar de forma complementar crianças com superdotação ou de forma suplementar aos alunos com deficiência no ensino regular. As salas multifuncionais possuem itens voltados para o atendimento especializado feito com profissional especializado em educação Especial. 

Com informações do site da PCR

 

A Prefeitura do Recife está propondo uma nova missão aos recifenses dentro da campanha "Eu Amo Recife". É um concurso fotográfico realizado por meio do Instagram, aplicativo gratuito para iPhone e Android, que nesta nova etapa sugere que seja fotografado o que o usuário mais curte no seu bairro, utilizando a hashtag #euamorecife02. Cerca de 40 fotos foram compartilhadas nas primeiras horas do concurso,lançado na última segunda-feira, dia 1º de abril.

A campanha educativa intitulada “Eu Amo Recife” foi iniciada com sucesso em janeiro deste ano e a partir desse tema principal estão sendo criados objetivos. Serão 20 até novembro deste ano. O #euamorecife01, lançado no dia 12 de março, data do aniversário de 476 anos do Recife, propôs que os usuários do Instagram fotografassem o que mais amam na cidade. Paisagens, personalidades, monumentos e até destaques naturais foram clicados e compartilhados. Nessa primeira missão foram compartilhadas 2.157 fotos na hashtag #euamorecife01. Até o momento foram 7,1 mil curtidas em fotos e 915 pessoas seguindo o perfil @euamorecife.

“Essa é uma forma das pessoas mostrarem o que há de melhor nos bairros onde vivem, levando um pouco de cada área da cidade por meio da fotografia”, explicou o secretário de Turismo e Lazer do Recife, Felipe Carreras. As fotos postadas com a hashtag #EuAmoRecife (o internauta pode usar todos os caracteres em caixa baixa ou em alta, isso não interfere na participação) serão compartilhadas no www.facebook.com/EuAmoRecifeOficial e na página www.instagram.com/EuAmoRecife. As imagens também serão utilizadas para ilustrar o site oficial da Prefeitura, bem como suas redes sociais. O regulamento está disponível no site da Prefeitura do Recife www.recife.pe.gov.br.

A Prefeitura está organizando a exposição das melhores fotos da primeira missão. A ideia é que essas mostras aconteçam mensalmente de forma itinerante, ou seja, em cada mês será realizada em um dos diversos equipamentos culturais e de lazer do Recife. A expectativa é que no fim do ano outra exposição reúna as três melhores fotos de cada missão. As imagens serão selecionadas por uma equipe formada por repórteres fotográficos da Prefeitura do Recife, integrantes do trade turístico e outros profissionais convidados.

O espetáculo de dança Sobre um Paroquiano, inspirado no texto Um Paroquiano Inevitável, de Hermilo Borba Filho, cai na estrada e realiza mais uma circulação estadual por dez municípios pernambucanos. O projeto foi aprovado pelo Funcultura 2012. A caminhada começa por Goiana, às 20h, no Cine Teatro Polytheama, nesta sexta (05/04), com entrada gratuita. Além da apresentação, haverá oficina de dança na cidade coordenada pela Compassos Cia. de Danças e debate com o público antes da encenação, tudo de graça.

A montagem conta com os bailarinos Patrícia Costa, Gervásio Braz, Priscilla Figueiroa, Anderson Rafael, Adriana Ayub e Marcela Felipe, além da presença de Ana Carolina na sonoplastia, interagindo com os elementos da cena. A direção é de Raimundo Branco.  

A circulação, projeto incentivado pelo Funcultura, passará ainda este mês por Triunfo, no dia 20 de abril, às 20h, no Cine Teatro Guarany; será encenado dia 21 em Serra Talhada, no Museu do Cangaço, às 19h e no dia 22 de abril em Buíque, no Salão Paroquial, às 19h30. Em todas as cidades a Compassos Cia. de Danças vai oferecer gratuitamente oficinas de dança-teatro, dança contemporânea e frevo e as inscrições já estão abertas.

Em Triunfo as aulas acontecem dias 19 e 20, em turmas distintas, no Cine Teatro Guarany, dias 19 e 20, das 9h às 12h ou 15h às 18h e ainda uma outra turma no dia 19, das 19h às 21h, na Fábrica de Cultura, onde estão sendo realizadas as inscrições. Em Serra Talhada haverá opções de aulas nos períodos da manhã, tarde e noite, nos dias 20 e 21 de abril, no Museu do Cangaço, onde estão sendo realizadas as inscrições. Dias 21 e 22 será a vez das oficinas de Buíque, em parceria com o SESC LER.

A obra do pernambucano Hermilo Borba Filho, sua linguagem amplamente atual e sempre inovadora e seu namoro apaixonado com a poesia da cultura popular vêm impulsionando as pesquisas artísticas da Compassos Cia. de Danças desde antes mesmo de sua fundação, quando o seu criador, Raimundo Branco, se deparou e assombrou-se eternamente com as palavras, personagens e cenários do dramaturgo pernambucano.

A aproximação da Compassos Cia de Danças com a obra de Hermilo Borba Filho se consolidou há pouco mais de cinco anos. Foi em 2007 que o espetáculo estreou, ainda chamado de Um Paroquiano Inevitável, ganhou vida, refez passos, agregou novos artistas e agora renasce em um novo percurso. Uma família, seus compassos e descompassos diante do absurdo da existência. A poesia agreste e sublime entranhada na convivência entre Mãe, Pai e os filhos Poeta, Atleta e Noivo. E a Noiva. E o misterioso Enéas.

Em três almoços, um espetáculo nasce, uma vida se espelha, com seus desatinos e encontros. Corpo e voz no desnudamento de um cotidiano apinhado de encruzilhadas. Dança, teatro, cinema... artes e afetos desenhados sobre a mesa, repleta de gostos e cheiros, de vida e de morte.  

“Mudamos o título pelo entendimento de que o espetáculo mostra aquilo que a companhia entende por Hermilo e sua obra e não uma transposição direta do texto de Borba Filho para a expressão dançada. Nesta versão, com 50 minutos de duração divididos em “três almoços”, o espetáculo acontece com o texto mais presente na boca dos atores-bailarinos e um amadurecimento do elenco”, destaca Raimundo Branco, que assina a direção e coreografia.

Os bailarinos/atores dançam/interpretam os conflitos de uma família pequeno-burguesa. As relações são marcadas por desentendimentos.  

A movimentação é baseada em ações cotidianas e comportamentos habituais dentro de uma casa, como sentar, deitar, andar, arrumar os ambientes, ir ao banheiro, estar num quarto, lavar as mãos e varrer a casa, aliados a técnicas de dança contemporânea e capoeira. Dessas ações aparentemente corriqueiras, varrer a casa ganha uma dimensão especial, pois, além de ser utilizada como um determinante para ações coreográficas, ainda interfere nos corpos dos bailarinos com uma sonoridade que ambienta o espetáculo. 

A preparação e conscientização técnica do elenco estão sob a responsabilidade de Carlos Ferreira (voz e movimento), Luiz Roberto (clássico),  Fábio Costa (capoeira) e Raimundo Branco (Dança).   A concepção e confecção de figurinos são assinadas por Júlia Fontes e Suzi Queiroz, que fizeram um resgate das roupas entre as décadas de 30 e 60, do século passado.

A iluminação, concebida por Eron Villar, traz para a cena a proposta de envelhecer o local, através da sobreposição de cores, como amarelo e verde e, em determinados momentos, é fundamental o jogo criado entre luz e sombras. A trilha sonora é composta em sua maioria por composições utilizadas no cinema e foi selecionada por Raimundo Branco, que também assina a cenografia. Aliás, o cenário está ligado ativamente à escrita e aos desenhos dançados. Em particular a mesa ao redor da qual acontece o desenrolar das relações tem papel fundamental na obra reescrita.  

“Além da influência da dramaturgia Hermiliana, buscamos referências nos quadrinhos de Neil Gaiman, a partir da “família dos sete perpétuos”, constituída pelos personagens Desespero, Delírio, Morte, Destino, Sonho, Desejo e Destruição. Lars Von Trier também foi uma inspiração com os filmes Dogville, e Dançando no Escuro. O cinema e seus bastidores são uma grande referência na pesquisa da realização de um “cinema ao vivo”, como chamamos os espetáculos de dança e teatro criados a partir do estudo da linguagem cinematográfica”, diz Raimundo Branco.

O espetáculo foi criado para um palco ou espaço cênico em arena ou semiarena, por esta razão, todos os ângulos foram coreografados procurando explorar os possíveis focos de uma câmera de cinema. Com a intenção de oferecer ao espectador o direito de escolher o que deseja ver/assistir.   Sobre um Paroquiano é fruto da pesquisa que a companhia vem desenvolvendo ao longo dos últimos seis anos, em torno do que foi nomeado pela Compassos de dança do cotidiano.

Aliada a técnicas de dança contemporânea, à capoeira e ao teatro, a movimentação é resultado das observações de gestos banais e ações aparentemente corriqueiras, como arrumar a casa, lavar as mãos e varrer o assoalho, recheados de memórias familiares, transformando comportamentos habituais em poesia dançada.

 Ao dialogar com a Literatura como um elemento importante para a construção de trabalhos coreográficos, o projeto divulga também a obra de um grande artista pernambucano: Hermilo Borba Filho

Terça, 02 Abril 2013 20:07

Dez maneiras de economizar água

Escrito por

Do CicloVivo

A água é a base da vida, e neste planeta apenas um por cento de toda a água está disponível para sete bilhões de pessoas e uma infinidade de ecossistemas de água doce. É essa pequena parte de água que temos que usar para satisfazer todas as nossas necessidades de irrigação, indústria, água potável e saneamento e as necessidades de milhares, senão milhões, de outras espécies que compartilham o planeta conosco.

O estilo de vida norte-americano, por exemplo, exige em média 6.814 litros de água por dia, dos quais 70% vão para alimentação. Se cada um de nós aprendermos a conservar um pouco mais esse bem, seria possível obter grandes economias.

O CicloVivo separou dez dicas que Sandra Postel, parceira da “National Geographic Freshwater”, sugeriu. São pequenas e simples mudanças que podem ser adotadas nas rotinas diárias.

1. Escolha um paisagismo apropriado para o clima da região. Plantas nativas e gramíneas que se desenvolvem somente na chuva são as melhores.  

2. Instale chuveiros e torneiras de baixo fluxo. Economizando água quente, você também reduzirá sua fatura energética.  

3. Compre descargas de baixo volume, volume ultra-baixo ou modelos de dois fluxos.  

4. Conserte torneiras com vazamentos. Todas essas gotas desperdiçadas chegam às vezes a até 95 litros por dia.  

5. Coloque a máquina de lavar louça ou máquina de lavar roupa para funcionar somente quando estiverem cheias. Quando for a hora de substituí-las, compre um modelo energeticamente eficiente. Lembre-se, economizando água economiza-se energia e poupando energia poupa-se água.  

6. Coma menos carne, especialmente bovina. Um hambúrguer tradicional pode gastar 2.385 litros para ser produzido.

7. Compre menos coisas. Tudo leva água em sua produção. Então, se comprarmos menos, diminuirem nossa pegada hídrica.  

8. Recicle plásticos, vidros, metais e papel. Compre produtos que podem ser reutilizados e diminua sua quantidade de lixo. Assim, ao mesmo tempo poupa-se água, pois, na produção de novos itens a água é consumida.  

9. Feche a torneira enquanto escova os dentes e lava os pratos e use um minuto ou dois de seu banho, no máximo, para fazer a barba.  

10. Conheça sua fonte de água: rio, lago ou aquífero que abastece sua casa. Uma vez que você o conhece, você se preocupará mais com isso e não vai mais querer desperdiçar água.

twitter

Apoio..................................................

mercado_etico
ive
logotipo-brahma-kumaris