Editor

.

Linha Editorial

  • "Mídia Construtiva é também lançar o olhar crítico sobre problemas, apontar falhas, denunciar. Contribuindo para a corrente que tenta transformar o negativo em positivo."

    Leia mais ...
Blog
Terça, 27 Abril 2010 19:23

Ação anti-bullying em Olinda

Escrito por

Envolver toda comunidade dentro e fora da escola numa ação anti-bullying. Esse é um dos principais objetivos da mobilização realizada pela Escola Municipal Dona Brites de Albuquerque que acontece nesta quarta-feira (28), a partir das 15h, na Praça do Carmo, em Olinda.

Durante toda a tarde serão realizadas palestras, formação de grupos de estudo, aulas interdisciplinares atividades de teatro, dança, música, confecção de cartazes e painel interativo, entre outros.

De acordo com a diretora da escola, Carla Layme, o tema foi trabalhado com todas as turmas da escola, da Educação Infantil a Jovens e Adultos. “Estamos levando a discussão para além dos muros da escola para conscientizar a sociedade sobre os efeitos do bullying na vida das pessoas e inibir as atitudes de violência”, acrescenta.

O projeto pretende ainda promover identificação no meio escolar das diferentes expressões do bullying, que passam despercebidas no cotidiano da sala de aula, possibilitar a escuta e a abertura ao diálogo sobre as questões que envolvem o bullying e refletir sobre os efeitos nas vítimas que sofreram direta e indiretamente sua influência.

energiaDa Redação do Diariodepernambuco.com.br, com informações da repórter Mirella Falcão, no site do Pernambuco.com, em 27.04.10

Os consumidores pernambucanos vão pagar menos pela energia elétrica.A reunião pública da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou um reajuste médio de - 8,70% no valor da tarifa. O desconto começa a vigorar no próximo dia 29 de abril para 2,9 milhões de unidades consumidoras em 185 municípios de Pernambuco e na cidade de Pedra do Fogo, na Paraíba. A reunião foi realizada esta manhã na sede da Aneel, em Brasília. Para os consumidores de baixa renda, a redução é de 14,48% e, para os imóveis residenciais, de 8,87%. Já´para os consumidores de alta tensão, em geral as indústrias, a redução é de 5,96%.

A concessionária Celpe havia pleiteado um reajuste tarifário de 4,65%. Com base no índice proposto, e considerados os devidos componentes financeiros, haveria uma redução média de -9,33% (negativo) nas tarifas percebidas pelos consumidores. De acordo com a Celpe,  percentuais negativos refletem, entre outros fatores, a redução do custo da distribuidora com a compra de energia da Termopernampuco em razão da queda do dólar e do preço do gás.

A diferença entre o índice apresentado e o efeito percebido pelo consumidor deve-se à consideração de componentes financeiros — diferenças a maior ou a menor relativas a períodos anteriores — que não fazem parte da base econômica da tarifa, e que cuja movimentação pode alterar essa percepção.

Os percentuais de reajuste das distribuidoras aprovados pela ANEEL não seguem, necessariamente, apenas a variação da inflação. O índice de reajuste é resultado da composição das variações do IGP-M no período de um ano — índice previsto no contrato de concessão para atualizar a parcela de custos gerenciáveis da tarifa (Parcela B) — e dos itens de custos não gerenciáveis (Parcela A), como a compra de energia, os custos de transporte e os encargos setoriais.

Mais informações sobre os processos de reajustes tarifários podem ser consultadas no endereço eletrônico da Aneel (www.aneel.gov.br), perfil espaço do consumidor, na cartilha "perguntas e respostas sobre tarifas de distribuidoras de energia elétrica".

 

Terça, 27 Abril 2010 18:54

Mobilização: 1 gol pela educação

Escrito por

educaA ONG Centro das Mulheres do Cabo promove pelo quarto ano consecutivo mobilização em prol da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, dentro da Semana de Ação Mundial, que este ano tem como tema "1 Gol pela Educação".

Na edição 2010, que acontece no próximo dia 1º de maio, a ONG promove uma caminhada e partidas de futebol, reunindo comunidade e jogadores do Cabo de Santo Agostinho, município da Região Metropolitana do Recife.

A mobilização começa com uma caminhada, a partir das 8h, que segue do Largo da Estação para o Estádio de Futebol Gileno de Carli - Destilaria do Cabo. A partir das 9h30, estão programados jogos amistosos entre as equipes juvenis masculinas e femininas das escolinhas comunitárias de futebol do município. O evento será encerrado com uma partida entre times juvenis da Liga Desportiva com os Juniores do Cabense Futebol Clube.

A ONG Centro das Mulheres do Cabo participa da mobilização desde 2007, quando promoveu a Semana de Ação Mundial, com palestras, debates e mobilização comunitária pelo Direito à Educação de Qualidade.

Em 2008 foi a vez do “Forinho de Educação” que reuniu mais de 100 crianças das comunidades de Pirapama e Barbalho para discutir “Que Escola Queremos”.

Já em 2009, houve um debate na Escola Ana Maria – Pirapama, para falar sobre a importância da educação, com a participação de alunos, familiares, gestores e lideranças da comunidade.

Educação - A mobilização realizada pela ONG Centro Mulheres do Cabo faz parte da Semana de Ação Mundial, iniciativa da Campanha Global pela Educação, que desde 2003 acontece simultaneamente em mais de 100 países como uma grande pressão internacional da sociedade civil sobre líderes e governos para que cumpram os tratados e as leis nacionais e internacionais no sentido de garantir educação pública de qualidade para todas e todos.

Por 2010 ser um ano de Copa do Mundo a campanha trouxe como tema “1 GOL Pela Educação para Todos e Todas” e está contando com a parceria da FIFA, que vem mobilizando o mundo futebolístico para dar visibilidade a campanha internacionalmente.

No Brasil, a Semana de Ação Mundial é coordenada pela Campanha Nacional pelo Direito à Educação, que produz e distribui materiais de apoio e realiza inúmeras atividades junto com diversos parceiros.

Mais informações podem ser obtidas no site da campanha:  www.campanhaeducacao.org.br

Da Agência Estado

Quatro países em desenvolvimento se reuniram na África do Sul neste domingo para discutir um acordo global obrigatório sobre mudanças climáticas que, segundo eles, precisa ser finalizado até o ano que vem. Os ministros do Meio Ambiente de Brasil, África do Sul, Índia e China se encontraram na Cidade do Cabo para debater sobre como acelerar o processo de conclusão de um acordo do tipo, exigindo que as nações ricas reduzam as emissões de carbono e combatam o aquecimento global.

Em pronunciamento conjunto, os ministros afirmaram ter sentido "que um resultado legalmente obrigatório deveria ser concluído em Cancún, no México, em 2010; ou, no máximo, na África do Sul em 2011", referindo-se aos encontros da Organização das Nações Unidas (ONU) para o clima. "A falta de tais acordos afeta mais os países em desenvolvimento do que os desenvolvidos", criticaram.

Os ministros pediram ainda que as nações desenvolvidas acelerem o estabelecimento de um fundo de US$ 10 bilhões para ajudar os países pobres "a desenvolver, testar e demonstrar abordagens de implementação prática tanto para adaptação quanto para a atenuação" destes problemas.

O último encontro das Nações Unidas sobre o tema, realizado no ano passado em Copenhague, foi criticado por não chegar a um novo tratado que limitasse a emissão dos gases causadores do efeito estufa.

Quatro países em desenvolvimento se reuniram na África do Sul neste domingo para discutir um acordo global obrigatório sobre mudanças climáticas que, segundo eles, precisa ser finalizado até o ano que vem. Os ministros do Meio Ambiente de Brasil, África do Sul, Índia e China se encontraram na Cidade do Cabo para debater sobre como acelerar o processo de conclusão de um acordo do tipo, exigindo que as nações ricas reduzam as emissões de carbono e combatam o aquecimento global.

Em pronunciamento conjunto, os ministros afirmaram ter sentido "que um resultado legalmente obrigatório deveria ser concluído em Cancún, no México, em 2010; ou, no máximo, na África do Sul em 2011", referindo-se aos encontros da Organização das Nações Unidas (ONU) para o clima. "A falta de tais acordos afeta mais os países em desenvolvimento do que os desenvolvidos", criticaram.

Os ministros pediram ainda que as nações desenvolvidas acelerem o estabelecimento de um fundo de US$ 10 bilhões para ajudar os países pobres "a desenvolver, testar e demonstrar abordagens de implementação prática tanto para adaptação quanto para a atenuação" destes problemas.

O último encontro das Nações Unidas sobre o tema, realizado no ano passado em Copenhague, foi criticado por não chegar a um novo tratado que limitasse a emissão dos gases causadores do efeito estufa.

apenalPor Tatiana Félix, da Adital

Na semana passada, após anúncio feito pelo deputado Eliseu Padilha (PMDB-RS), presidente da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados em Brasília, de que encaminharia 21 projetos que tratam da redução da maioridade penal para votação no Congresso, as entidades que atuam na defesa dos direitos de crianças e adolescentes, se manifestaram e pressionaram os parlamentares para que retirassem da pauta a votação de tais propostas.

Segundo Mário Volpi, oficial de projetos do Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, a manifestação foi bem sucedida, já que conseguiram “que o assunto fosse retirado da pauta neste ano”. Ele disse que, com isso, conseguiram mais tempo para trabalhar essa questão junto à sociedade brasileira.

Isso porque, muitos acreditam que reduzir a idade penal seria a solução para a redução da violência. “O que nós temos trabalhado é a ideia de que o tema da idade penal é revertido por um conjunto de mitos. Um deles é que o aumento da pena reduziria o delito”, declarou. “A redução da idade não muda a situação do delito”, afirmou.

Ele disse que os vários projetos que propõem a redução da maioridade penal “não reconhecem a adolescência como uma fase especial da vida”. “Baixar a idade penal implica em entregar o adolescente mais cedo ao sistema penal e ao mundo do crime”, alertou. Mário ressalta que, antes de tudo, é preciso investir em políticas públicas que beneficiem adolescentes e jovens nas áreas da educação, trabalho e saúde.

Outro ponto importante seria investir em segurança pública. A ideia é evitar que esses adolescentes em situação de vulnerabilidade social cometam infrações e delitos, entrando para o mundo do crime. Em último caso, se investiria em medidas socioeducativas, aplicadas após o ato infracional.

Segundo ele, as medidas socioeducativas apresentam resultados bastante positivos, sobretudo, se aplicadas na comunidade de origem do infrator. “Queremos uma medida nacional socioeducativa”, informou. Uma das alternativas é evitar que adolescentes ingressem em sistemas prisionais de adultos.

Ele criticou duramente o modelo brasileiro dizendo que “parece que o país não aprende com essas experiências e pega o exemplo dos Estados Unidos, que tem um sistema prisional altamente punitivo, mas, apresenta três vezes mais delitos”.

Em carta enviada aos parlamentares, o Instituto de Estudos Socioeconômicos (INESC), disse que “a redução da idade penal não representa o fim da violência”. De acordo com estudos do Fundo das Nações Unidas para a Infância, o Unicef, a juventude “é mais vítima do que agente da violência”.

O Conselho Federal de Psicologia lista uma série de motivos pelos quais não se deve reduzir a idade penal. Entre as justificativas estão a necessidade de garantir educação de qualidade e efetivar a responsabilização dos atos infracionais cometidos por adolescentes através de medidas socioeducativas.

Além disso, a entidade defende que punir sem se preocupar com o motivo que leva o indivíduo a realizar uma infração, tem como efeito o aumento da violência. A ideia seria buscar o motivo que leva o jovem ou adolescente à cometer tais atos e aplicar tratamento específico.

Segunda, 26 Abril 2010 21:11

Celular incorporado à paisagem

Escrito por

2674744466_25a723f101_o

 

Na semana passada a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) divulgou que o Brasil já tem quase 180 milhões de telefones celulares. Os dados também apontam que em março passado houve mais de dois milhões de linhas habilitadas.

Esta foto, de Teresa Maia, retrata bem os efeitos da expansão, especialmente nas áreas rurais, como registrou em viagem ao interior de Pernambuco. O celular plenamente incorporado à paisagem.  

Segunda, 26 Abril 2010 20:29

Os símbolos da reciclagem

Escrito por

Por Éricka Melo

Reciclar é simples quando se entendem os símbolos contidos nas embalagens dos produtos. Eles parecem confusos, mas estão nas embalagens dos produtos para orientar o consumidor em todas as etapas da coleta seletiva.

lixo_no_lixo

Lixo no Lixo – esse símbolo é usado em produtos com vida útil curta, que compramos quando estamos na rua, como pacote de salgadinhos, bolacha, latas e garrafas de bebidas. O conselho é simples: se não tem como reciclar, pelo menos jogue no lixo.

 

A reciclagem é umas das alternativas para o tratamento do lixo urbano e contribui diretamente para a conservação do meio ambiente. Ela trata o lixo como matéria-prima que é reaproveitada para fazer novos produtos e traz benefícios para todos, como a diminuição da quantidade de lixo enviada para aterros sanitários, a diminuição da extração de recursos naturais, a melhoria da limpeza da cidade e o aumento da conscientização dos cidadãos a respeito do destino do lixo.

Abaixo, alguns símbolos de reciclagem com seus respectivos significados.
simbolos_da_reciclagem

 

Por Taíza Brito

Agora quem pressiona a Prefeitura do Recife pela melhoria dos serviços são os funcionários da Unidade de Saúde da Família (USF) José Bonifácio dos Santos, no Morro da Conceição, também pertencente ao Distrito Sanitário III.

Há oito dias, os funcionários que trabalham no local resolveram suspender os atendimentos por conta da precariedade da infraestrutura da unidade.

Morro2Em documento enviado ao Conselho Municipal de Saúde, no último dia 22 de abril, a equipe da USF diz “sentir-se envergonhada de oferecer infraestrutura tão problemática e sem nenhuma qualidade aos comunitários!”

E completam: “Estamos em constante luta para a concretização desse projeto que não é só um sonho, mas a concretização de um direito há tanto negado a essas pessoas que tanto necessitam”.

Na carta, a equipe da USF relata a situação da unidade ao Conselho Municipal de Saúde do Recife, solicitando providências:

Morro1“Infiltrações e rachaduras abrem-se em diversas partes do prédio, comprometendo sobremaneira o funcionamento do posto, especialmente em dias de chuva, quando por muitas vezes nos vemos obrigados a suspender todos os atendimentos. Paredes que vazam corrente elétrica, piso escorregadio, baldes espalhados pelo corredor e atendimentos de acolhimento ou mesmo consultas realizadas em corredor ou sala de curativos, fazem parte de nossa triste rotina.

Também é de conhecimento da Secretaria de Saúde e dos comunitários do Morro da Conceição que a mudança de prédio de nossa atual Unidade de Saúde vem sendo planejada antes mesmo de sua inauguração, que se deu no ano de 2003, e desde então vimo-nos obrigados a prestar atendimento em prédio antigamente usado como banheiro público.

O próprio orçamento participativo priorizou em 2006 a reforma do CSU (Centro Social Urbano do Morro da Conceição) para transformação do prédio nas futuras instalações da dita USF. Desde então, inúmeras reuniões ocorreram com esclarecimentos e promessas da gestão, mas sem encaminhamento concreto com data de início e término das obras.

Vale ressaltar que a USF Morro da Conceição é uma unidade-escola que recebe estudantes das várias áreas de saúde, e é uma das três USF do DSIII escolhida para receber estudantes da Residência Multiprofissional em Saúde da Família e de Medicina de Família e Comunidade - UPE. Trabalhando assim, para proporcionar atendimento compromissado com a saúde e defesa da vida das pessoas. Recife, 22 de abril de 2010”.

Agora, resta saber se a equipe da USF Morro da Conceição e a comunidade conseguirá que suas reivindicações sejam atendidas. 

alto_jos_do_pinhoPor Taíza Brito

Pressão popular é uma ótima receita para sensibilizar gestores a responderem às demandas que prejudicam o bom andamento de serviços públicos. Bem o sabem os moradores do Alto José do Pinho, na Zona Norte do Recife.

Cansados de reivindicarem melhorias nas ações do Programa de Saúde da Família (PSF) no bairro, 480 pessoas compareceram à reunião para a qual a Associação União dos Amigos do Alto José do Pinho convidou representantes do Distrito Sanitário III, que gerencia a área.

Os frutos da reunião com a gerente do distrito, Geórgia de Albuquerque, realizada em 28 de fevereiro passado, estão sendo colhidos agora pelos moradores. Que no encontro expuseram uma lista de ações que se faziam necessárias para melhorar o atendimento no PSF Irmã Denise, entre elas a necessidade de aumento do número de profissionais para atender ao público.

Quase dois meses depois, a comunidade comemora o fato de terem passado a contar com os serviços de três médicos, ao invés de um, e de um dentista e a atenção de uma recepcionista (antes que atendia eram os agentes de saúde).

Os moradores também conseguiram a volta da farmácia ao PSF, onde podem receber remédios controlados. No caso dos remédios de uso comum, a requisição deve ser levada ao Posto da Praça do Trabalho, na Avenida Norte, mais próximo do que o Posto Albert Sabin, na Tamarineira, onde antes eram obrigados a ir.

Além disso, as pessoas que moram em ruas sem a cobertura do PSF vão poder ser atendidas no PSF da Bomba do Hemetério (comunidade vizinha), que deve estar sendo inaugurado em breve.

A comunidade aguarda ainda que sejam cumpridas as promessas de colocar um coordenador no PSF, seja melhorado o atendimento ao público por parte dos funcionários e diminuição do tempo de marcação de consultas, o que chega a demorar mais de um ano.

“Não estamos contra a Prefeitura do Recife, mas em favor da comunidade. E unidos conseguimos mostrar que os serviços do PSF estavam aquém da demanda e prejudicando as famílias, o que foi constatado pelos gestores”, enfatiza Marcos Antônio da Silva, presidente da Associação União dos Amigos do Alto José do Pinho. 

A comunidade agradece!

Domingo, 25 Abril 2010 05:50

Respeito à faixa ainda gera polêmica

Escrito por

pedestrenafaixaCom informações de Adriana Bernardes, do Correio Braziliense

O sinal de vida acolhido pelos pedestres e motoristas brasilienses há 13 anos está prestes a virar referência para o resto do país. Um projeto de lei em que tramita em caráter terminativo na Comissão de Constituição e Justiça do Senado sugere a inclusão, no Código de Trânsito Brasileiro (CTB), da obrigatoriedade de o pedestre, ao chegar na faixa, balançar o braço para cima e para baixo pedindo passagem ao motorista.

A ideia partiu da deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB-AC). Se aprovada pela CCJ, a proposta alterará o Artigo 69 do CTB. O texto atual recomenda ao pedestre que, antes de iniciar a travessia, leve em conta a visibilidade, a distância e a velocidade dos carros. Devem ainda optar sempre pela faixa ou passagem a ele destinadas, quando essas se encontrarem a uma distância de até 50 metros. Ao texto, a deputada acrescentou a necessidade de sinalização com o braço da intenção de travessia a via.

Mesmo não sendo brasiliense, a vendedora Cleuma Rodrigues, 29 anos, diz que ser exemplo para o resto do Brasil é motivo de orgulho. A amiga Roseane Fonseca, 24, estoquista, concorda. “Acredito que essa lei poderá reduzir os acidentes. Mas é preciso que todos fiquem mais atentos, porque ainda tem muita gente morrendo sobre a faixa”, alerta Roseane. “A verdade é que, mesmo em Brasília, nem todos motoristas respeitam e nem todos os pedestres fazem o sinal de vida”, reconhece Cleuma.

A advertência da vendedora é prudente, pois há muitos motoritas que nõa respeitam a faixa. Em Pernambuco, por exemplo, só no município de Petrolina, no Sertão, é que se pode ver motoristas parando na faixa quando um pedestre atravessa. No Recife, a cena é rara, mas pode ser vista em frente à entrada do Shhopping Plaza, em Casa Forte. 

Educação - O senador Cristovam Buarque (PDT) é um defensor da proposta de incluir o sinal de vida no código. Ele lembra que no DF não foi necessária a edição de uma lei porque o respeito à faixa e o sinal de vida foram adotados, especialmente, em virtude de uma ampla campanha educativa. “Sobretudo o Correio Braziliense, a Rede Globo e a Polícia Militar tiveram um papel decisivo”, destacou. “Fizemos campanhas nas escolas, colocamos os policiais nas ruas para ensinar motoristas e pedestres sobre a travessia segura”, relembra o senador que, à época, era governador do DF pelo Partido dos Trabalhadores.

No entanto, Cristovam reconhece que a medida só terá efeitos práticos se os estados e municípios se empenharem para que ela seja cumprida. Caso contrário, será mais uma lei a ficar apenas no papel. “Considero (a lei) importante porque vai chamar a atenção do Brasil para o tema. Mais do que salvar vidas, o respeito à faixa gera um clima de civilidade. No Brasil, a sensação é de que o motorista é rei e o pedestre, escravo”, defende.

Exemplo - Estudo divulgado pelo Departamento de Trânsito (Detran) no início de abril revela que o condutor respeita a faixa. Das 820 travessias observadas, 88% dos motoristas deram prioridade para quem estava a pé. No entanto, um dado preocupa. O número de mortes e acidentes fatais sobre a faixa aumentou em 2009: foram 12 e 11 respectivamente, o maior já registrado desde o início da campanha há 13 anos. Ao divulgar o estudo, o diretor geral do Detran, José Antônio de Araújo, anunciou que seria colocado em prática um plano de ação para conscientizar a população. Além disso, a partir de maio, os motoristas que desrespeitarem a travessia serão multados.

 Nascida no interior do Ceará, a diarista Margarida Sabino, 36 anos, enxerga a faixa como um território seguro para travessia. “Em cidade pequena, nem faixa tem”, pontua ela. Ao saber da tentativa do Congresso de tornar o sinal de vida obrigatório em todo o país, ela acredita que os pedestres de outras cidades vão sentir a mesma segurança que ela. “Acho que vai ser bom para todo mundo”, diz, confiante.

Especialista em segurança no trânsito, Eduardo Biavatti acredita que, mais importante que alterar a legislação, é fazer cumprir as regras já existentes. Ele usa justamente o exemplo da capital para reforçar o argumento. “O sinal de vida nunca foi obrigatório em Brasília. Na época, houve uma campanha intensa, um engajamento muito forte da mídia e a fiscalização do comportamento do motorista”, destacou.

O artefinalista Leon Denis Paulo da Silva, 22 anos, acha interessante a proposta de mudança no Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Ele acredita que a aprovação da lei pode deixar todos mais atentos, mas, sem campanha educativa, de pouco valerá. “Tenho notado que motoristas e pedestres estão relaxados. É preciso alertar para que ninguém esqueça das suas obrigações”, defende.€

Domingo, 25 Abril 2010 05:01

Nunca silencie

Escrito por

 
bocaLeitores do Blog Viva Pernambuco. Não resisti. Havia recomendado no post anterior que acessacem o link que leva ao boletim do Imagens e Vozes da Esperança (IVE). E mantenho a recomendação, visto que o material é muito bom. Neste post trago agora a reprodução (um aperitivo do conteúdo) de um dos textos contidos no informe do IVE, feito por John Jay Chapman, no discurso de formatura para a turma de 1900 do Hobart College, que traz uma mensagem importante para todos nós: Nunca silencie. Boa leitura:

"Quando me pediram para falar nesta ocasião, fiquei imaginando o que eu teria a dizer a vocês jovens que estão se formando. E penso que tenho algo a lhes dizer. Se desejarem ser úteis, nunca tomem um rumo que os silencie. Recusem aprender qualquer coisa que implique conivência, seja uma secretária ou um sacerdócio, um honorário legal ou uma cátedra na universidade. Mantenham o poder de falar não importa que outro poder possam perder. Se puderem seguir esse rumo, e enquanto o seguirem, vocês serão uma bênção para este país. Se vocês se afastarem desse caminho se tornarão carrascos desencorajadores, mudos e encapuzados.

Como questão prática, omitir-se simplesmente em ocasiões em que nenhuma opinião é pedida ou esperada de vocês, ou levantar uma suspeita não declarada, os tornará cúmplices duma iniqüidade palpável. Tentem levantar uma voz que seja ouvida daqui até bem distante e observem o que surge para abafar o som. Não é um sargento alemão nem um policial russo. É a nota de um amigo de seu pai oferecendo-lhe um lugar em seu escritório. É o aviso para que pense na polícia secreta. Porque, se qualquer um de vocês, jovens senhores, quiser se fazer ouvir a milhares de quilômetros de distância, terá de fazer uma fogueira de sua reputação e se tornar um inimigo próximo de muitos homens que lhe desejariam o bem.

 Já testemunhei dez anos de jovens que se lançam ao mundo com suas mensagens e que quando descobrem como o mundo é surdo pensam que têm que poupar forças e esperar. Acreditam que em breve serão capazes de alcançar alguma pequena eminência da qual possam se fazer ouvir. "Daqui a alguns anos", raciocinam eles, "terei obtido uma posição e então usarei meus poderes para o bem." Chega ano seguinte e com ele uma estranha descoberta. O homem perdeu seu horizonte de pensamento. Suas ambições se evaporaram; ele não tem nada a dizer. Dou-lhes esta única regra de conduta. Façam o que quiserem, mas falem sempre. Sejam isolados, sejam odiados, sejam ridicularizados, sejam ameaçados, duvidem, mas não se deixem calar. O tempo do julgamento é sempre. Agora é o tempo marcado.

Do livro, Manifesto da Economia Digital (Levine, Locke, Searls, Weinberger), publicado no boletim eltrônico do Imagem e Vozes de Esperança de abril de 2010. 

Domingo, 25 Abril 2010 03:57

Leitura que ilumina!

Escrito por

Por Taíza Brito

A equipe que produz o site www.ive.org.br, do movimento Imagens e Vozes da Esperança, envia periodicamente boletins eletrônicos a quem está cadastrado na sua home. Os informes trazem notícias sobre eventos, livros, sites, publicidade e propaganda, jornalismo, fotojornalismo, rádio, entre outros, sempre selecionados a partir do olhar da mídia que constrói.

No informe deste mês de abril, enviado no último dia 24, e que pode ser acessado pelo link http://www.ive.org.br/boletins2010/abril/extra_abril.htm, a equipe do IVE recomenda, entre outros sítios na internet, a visita ao Blog Viva Pernambuco, o que muito nos orgulha, visto o trabalho admirável que eles fazem.  O IVE também está mantendo o mesmo indicativo de acesso ao Viva Pernambuco em sua home. Agradecemos pelo apoio e por acreditarem em nosso trabalho.

Recomendamos àqueles que querem ter acesso aos boletins do IVE que se cadastrem, pois os informes – extremamente bem cuidados – reforçam a compreensão de que temos a capacidade de produzir positividade e de passá-la adiante.

Na edição deste mês, também é  possível ver uma foto belíssima, do site Obvios, intitulada “Brincadeira de crianças palestinas”, feita em Belém, em 2007. Também ter acesso a um texto, escrito em 1900, mas atualíssimo, escrito por John Jay Champman para a turma do Hobart College, que incentiva às pessoas a manterem sempre suas opiniões em primeiro lugar.

Além disso, há informe a palestra que a Brahma Kumaris vai realizar em São Paulo, no mês de maio, com o tema “Ações que transformam a vida”, com a participação de Christina Pinto de Carvalho, do Grupo Full Jazz Comunicação, e de Mohini Panjabi.

O conteúdo do boletim eletrônico é variado e o melhor e acessá-lo para conferir as demais informações:  http://www.ive.org.br/boletins2010/abril/extra_abril.htm.

Leitura que ilumina!

budaMeditação, educação, diálogo inter-religioso e ecologia são os temas que o Centro de Estudos Budistas Bodisatva (CEBB) e o Mestrado de Ciências da Religião da Unicap trazem para o público no I Ciclo de Debates Budismo e Diálogos Contemporâneos, que acontece de segunda (26) a sexta-feira (30), no Recife.

O evento, que antecede a exposição internacional Relíquias do Buda, tem como objetivo mostrar como diferentes setores da sociedade, desde professores universitários até permaculturistas e educadores, podem se reunir para conversar sobre como é possível efetivarmos já as transformações que desejamos no nosso mundo.

Confira a programação do evento, que também pode ser acessada pelo site www.cebb.org.br

Segunda - Palestra: Buda e seus ensinamentos

O Lama Padma Samten realizará uma palestra sobre "A visão do Buda no mundo contemporâneo" evidenciado como a vida e ensinamento do Buda histórico podem ser extremamente úteis na nossa realidade atual.  O Lama, fundador do CEBB e aluno de Sua Eminência Chagdud Tulku Rinpoche, vem dedicando sua vida a realizar pontes entre os diversos ramos do conhecimento para que trabalhem no sentido de uma cultura de paz.  A palestra acontecerá às 20h, no Libertas Socializante, Rua Rodrigues Sete, nº 158, Casa Amarela. A contribuição sugerida é de R$ 20. Mais informações em (81) 9737-1415, com Zita ou no email O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Terça - Palestra: Meditação qualidade de vida

O consultor organizacional Antônio Carlos Valença, praticante de meditação cristã; o professor da UFPE José Policarpo Júnior, praticante da meditação tibetana e o médico homeopata Gillate Mokudô, praticante da meditação zazen, falam sobre os benefícios da meditação em suas vidas. O evento é aberto ao público e acontece na Livraria Cultura, a partir das 16h.

Quarta - Palestra: O encontro do meio ambiente com a espiritualidade

O penúltimo debate do ciclo pretende trazer à tona uma visão integral do ser humano, a partir da investigação de como o desenvolvimento sustentável tem relações com a espiritualidade. Surge a partir da experiência de Thomas Enlazador (permaculturista e fundador do Sítio Agroecológico Bicho do Mato), Gustavo Lima (pesquisador da UFPB no campo de budismo e ecologia) e do também pesquisador Lúcio Flávio (teólogo com pesquisas na área de meio-ambiente e espiritualidade). O evento acontece às 17h, no Espaço Loyola da Universidade Católica de Pernambuco, Rua do Príncipe, 526. Térreo do bloco B.

Quinta - Palestra: Os caminhos da educação com o Budismo

A educação é uma área onde diferentes métodos e abordagens tentam dar conta da transformação efetiva dos sujeitos envolvidos nas práticas pedagógicas. Mas é possível uma educação para a liberdade? É essa a questão que irá nortear o debate com participação do professor Alexandre Freitas (Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPE e NEIMFA), Janise Paiva (dançarina e educadora da Pedagogia Waldorf) e Luiz Libório, do Mestrado de Ciências da Religião da Unicap. O evento é aberto ao público e acontece no Espaço Loyola da Universidade Católica de Pernambuco, Rua do Príncipe, 526, térreo do bloco B, das 17h âs 19h.

 Sexta - Palestra: A cultura de paz como um caminho possível

Oo professor Sérgio Douet (Mestrado de Ciências da Religião da UNICAP), e o psicanalista e escritor Antonio Guinho irão receber representantes de várias tradições espirituais para conversarem sobre a paz e o diálogo interreligioso. O encontro se inicia às 7h40 da manhã com uma meditação silenciosa e, às 8h, se inicia a roda de debates, no Centro Rio Ganges, Rua dos Prazeres, 248, Ilha do Leite (próximo à praça Miguel de Cervantes). Mais informações: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. ou (81) 9268-8120.

acaatingaSertão do Araripe, região da Caatinga com unidades de conservação e polo industrial, busca produzir lenha sem afetar áreas nativas

Por Danilo Bueno, da PrimaPagina, no site do PNUD

O desenvolvimento sustentável é um desafio para as entidades que atuam na preservação ambiental no Sertão do Araripe, uma área de Caatinga entre Piauí, Ceará e Pernambuco.

Com cerca de 69 mil quilômetros quadrados, a região abriga diversas unidades de conservação que convivem com cerca de 400 grandes empresas da área de cerâmica e gesso que utilizam uma grande quantidade de carvão vegetal.

O uso intenso desse material faz com que a produção sustentável de madeira deva ser uma prioridade para as empresas da região, segundo especialistas que participaram do Seminário Regional sobre Manejo Florestal Sustentável, realizado na cidade de Crato, no Ceará, em uma parceria entre Fundação Araripe, o Ministério do Meio Ambiente e o PNUD.

Os participantes observam que a dificuldade está em suprir a demanda por produtos florestais e, ao mesmo temo, manter as áreas de mata nativa. A dificuldade é maior quando envolve recursos energéticos, como a madeira, mas também está presente na atividade de extração de plantas (como a janaguba e a fava-d'anta, com importantes funções medicinais, muito procuradas pelas empresas farmacêuticas) e frutas (sobretudo babaçu e pequi).

A região é o principal polo de produção de gesso do Brasil e também conta com indústrias têxteis e cerâmicas que consomem uma grande quantidade de carvão vegetal, que é a segunda fonte de energia mais utilizada na região.

De acordo com o secretário-geral da Fundação Araripe, Stephenson Ramalho, a utilização da lenha remonta à cultura do sertanejo, que recorre ao corte principalmente durante a estiagem, quando a atividade é facilitada.

O sistema de manejo florestal é apontado como uma das soluções para deter os prejuízos ao meio ambiente. Os produtores são incentivados a plantar espécies nativas nos espaços não reservados à proteção ambiental, para utilizá-las como carvão.

Assim, economizam na compra de lenha e consomem os recursos de forma sustentável, sem avançar sobre as áreas protegidas. “Ele age como uma unidade de conservação, ainda que produza a madeira para uso privado”, resume Ramalho.

Os problemas relacionados à questão fundiária e a dificuldade de tramitação dos processos dentro dos órgãos ambientais são alguns dos principais entraves à implantação do sistema de manejo florestal e das possibilidades de extrativismo sustentável como um todo, segundo Ramalho.

A falta de documentação de posse da terra, que é recorrente na região, muitas vezes impede as ONGs de aplicar projetos de manejo florestal.

Sexta, 23 Abril 2010 19:55

Fotos raras do Recife Antigo

Escrito por

arecife

Por Taíza Brito

A Faculdade Santa Maria, no Recife, mantém na sua página da internet (http://www.fsm.com.br/web/portal) um portal cultural com uma série de links interessantes. São notícias sobre eventos, oficinas cursos, além de informações culturais sobre Pernambuco.

Lá é possível, por exemplo, encontrar o ensaio Velhas Fotografias Pernambucanas, organizado por Gilberto Ferrez, no qual é possível ver imagens do Recife feitas entre os anos de 1851 e 1890, ao som de Chico Buarque interpretando a música “Recife cidade lendária”.

Realizado há alguns anos e patrocinado pelo então Grupo Bompreço é um excelente trabalho de resgate da memória pernambucana.

Para chegar à apresentação basta clicar no link “Trabalho dos alunos” e depois no link “Fotos raras do Recife Antigo”.

Vale apena conferir!

Sexta, 23 Abril 2010 18:29

Obama defende energias verdes

Escrito por

Publicado no site O Estadão

"Devemos continuar trabalhando para tornar realidade o sonho de uma economia baseada nas energias limpas e entregar a nossas crianças um mundo mais limpo e seguro do que nos encontramos", disse o presidente em comunicado divulgado pela Casa Branca.

Obama pediu "espírito de comunidade" e lembrou que, nestes 40 anos, os Estados Unidos fizeram progressos com a legislação sobre a não-poluição do ar e da água, e a conservação das paisagens naturais.

O Dia da Terra é celebrado desde que, em 1970, o senador democrata Gaylord Nelson fez um apelo aos americanos para que tomassem ações em favor do meio ambiente. Quatro décadas depois, milhões de pessoas no mundo todo fazem essa mobilização em defesa do planeta.

O presidente assinalou que sua Administração está trabalhando para fazer um "investimento histórico" em energias limpas que não apenas "acreditem no amanhã", mas que sirvam de base para um crescimento econômico a longo prazo.

Obama ressaltou seu compromisso na aprovação de uma legislação "exaustiva" sobre energia e meio ambiente, que "mantenha a salvo nosso planeta", ao passo que invista na inovação necessária para estar na vanguarda da economia do século XXI.

Na próxima segunda-feira, os senadores democratas John Kerry e Lindsey Graham e o independente Joe Lieberman devem apresentar uma proposta bipartidária para promover uma legislação centrada em energia limpa e clima que inclui a criação de 2 milhões de empregos e a redução de 2 bilhões de toneladas de material poluidor.

 

Com informações do site ecoDesenvolvimento

Quatro meses depois da 15ª Conferência das Partes das Nações Unidas sobre o Clima (COP15), o Acordo de Copenhague segue encoberto por nuvens de contestações, informou a Folha de São Paulo. Segundo um grupo de cientistas do Instituto de Pesquisa de Impactos Climáticos de Potsdam, as metas voluntárias e os buracos legais previstos no documento são insuficientes para livrar o mundo de um aquecimento inferior a 3ºC em 2100.

De acordo com artigo dos pesquisadores publicado na edição desta quinta-feira, 22 de abril, do periódico Nature, o mundo chegará à 2020 com emissões anuais de 47,9 bilhões a 53,6 bilhões de toneladas de gás carbônico equivalente (a soma das emissões de todos os gases-estufa convertidas em CO2).

Ocorre que para ter chance igual ou maior do que 50% de manter o aquecimento em um máximo de 2ºC (nível considerado seguro), as emissões anuais precisam ser inferiores a 44 bilhões de toneladas já na próxima década.

Metodologia

Para chegar a esta conclusão, os cientistas Joeri Rogelj, Malte Meinshausen e colegas se basearam nas promessas feitas pelos 76 países que aderiram ao acordo produzido na COP15 até o dia 13 deste mês. Vale lembrar que a cúpula de Copenhague deixou de elaborar um tratado vinculativo, com peso de lei internacional (de cumprimento obrigatório).

"Se nos próximos dez anos o Acordo de Copenhague for tudo o que temos, então teremos travado o mundo numa trajetória de emissões relativamente alta até lá", afirmou Meinshausen ao jornal Folha de S.Paulo. Segundo o cientista alemão, o tratado voluntário é "inadequado para cumprir a meta de 2ºC".

Frouxo

Os cientistas alemães pontuam dois fatores como determinantes para a fragilidade do acordo: o caráter voluntário do texto e a natureza jurídica frouxa do mesmo. Só para se ter ideia, Noruega e Japão são os únicos países ricos que apresentaram propostas de redução de emissões entre 25% e 40% até 2020, em relação aos níveis de 1990 - valores recomendados pelo IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da ONU).

Outro ponto a se considerar é que o Acordo de Copenhague não proíbe o uso de créditos de carbono em excesso gerados no Protocolo de Kyoto. Para Meinshausen, existem 12 bilhões de toneladas de gás carbônico que não corresponderam a um esforço de emissões - esta quantidade nada mais seria do que um truque contábil para facilitar o cumprimento das metas.

Está na hora de os líderes das nações produtivas adotarem uma visão global e a longo prazo. O interesse atual é incompatível com o interesse das futuras gerações. Por isso, é imprescindível que este modelo seja repensado, enquanto há tempo para reverter os efeitos negativos futuros.


 

planta-no-livroNos dias 26 e 27 de abril, acontecerá o II Seminário de Agroecologia de Pernambuco, na Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). O ciclo de debates, que terá como tema central os novos rumos da agroecologia no estado, contará com mais de 300 participantes entre agricultores e agricultoras familiares, agrônomos, técnicos agrícolas, pesquisadores, professores, estudantes e integrantes de instituições governamentais e não governamentais. O evento servirá de base para a Carta do Recife e a Agenda Agroecológica de Pernambuco. O seminário é uma realização do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), UFRPE, Centro Sabiá, Diaconia, FASE, Projeto Dom Helder Câmara (PDHC), Embrapa, Fetape, MST, Fetraf, CUT Pernambuco, Caatinga, ASA Pernambuco, SERTA, Assocene, Consea/PE, Centro das Mulheres do Cabo, Cáritas Nordeste II.

Programação:

Segunda – Feira, 26 de abril

8h as 9h Inscrição, Montagem dos Painéis
9h às 10h
10:00 as 12:00

Cerimônia de Abertura

Conferência – Aprendendo com as experiências e construindo os caminhos da transição agroecológica em Pernambuco
Marcos Antonio Bezerra Figueiredo – UFRPE

14:00 a 16:00 Apresentação de Experiências de Agricultores/as

16:00 a 16:30 Café com ciência
16:30 a 18:30

19:30 a 21:30 Mesa Redonda I – A agricultura agroflorestal como estratégia de produção de alimentos e recomposição da paisagem rural
Jones Pereira– Associação Terra e Vida
Flávio Duarte – Sítio Canaã
Felipe Jalfim – PDHC/MDA)FIDA
Marcelino Lima – Centro Sabiá
Coordenador: Joseilton Evangelista - Diaconia

Palestra – Os desafios e oportunidades da Agroecologia num Planeta em Crise

Miguel Angel Altieri – University of California/SOCLA
Coordenador: Moisés de Melo Santana – DED/UFRPE

Terça – feira, 27 de abril
8h às 10h Mesa Redonda II – A contribuição e perspectivas do ensino, pesquisa e extensão em Agroecologia na formação profissional

Miguel Rangel Altieri – University of California/SOCLA
Angelo Bras Fernandes Callou – UFRPE
Francisco Roberto Caporal – ABA e DATER/SAF/MDA
Amaury da Silva Santos – Embrapa Tabuleiros Costeiros/ABA NE
Coordenador: Ruy Carlos do Rêgo Barros Ramos - IPA

10h às 10h30 Café com ciência

10:30 a 12:30 Mesa Redonda III – A multifuncionalidade do espaço rural e a construção de processos de organização político-social de jovens e mulheres
Cristina Buarque – Secretaria Especial da Mulher PE
Marli Almeida – Casa da Mulher do Nordeste
Maria de Lourdes da Silva – ASS. Quilombola Conceição das Crioulas
Jovem da Comunidade Quilombola Conceição das Crioulas
Coordenadora: Hulda Helena Coraciara Stadtler- Nega/UFRPE

12:30 a 14:00 Almoço
14:00 a 16:00 Grupos de Trabalho

16:00 a 16:30 Café com ciência
16:30 a 18:30 Mesa Redonda IV – As políticas públicas para agricultura familiar de base agroecológica no Estado de Pernambuco

Guilherme Cassel - MinistroMDA
Ranilson Ramos - Secretário de Agricultura e Reforma Agrária PE
Deputada estadual Ceça Ribeiro – Comissão Meio Ambiente /ALEPE
Antônio Barbosa - ASA
Doriel Barros – Fetape
Jaime Amorim - MST
Coordenador: Jorge Roberto Tavares de Lima - UFRPE

18:30 a 19:00 Plenária e Cerimônia de Encerramento
- Carta do Recife e Agenda Agroecológica de Pernambuco

Quinta, 22 Abril 2010 15:17

Celeiro de cidadãos

Escrito por

agivaniaPor Taíza Brito

A união em torno da defesa do território, das raízes quilombolas, da igualdade racial, potencializada pelas ações da Associação Quilombola de Conceição das Crioulas, tem rendido a formação de pessoas com extremo senso de direito e cientes dos seus deveres perante a comunidade.

Isso fica perceptível ao emendar conversa com os moradores de Conceição das Crioulas, seja entre aqueles que se envolvem direta ou indiretamente nas ações da AQCC. Os nomes são muitos e vão de jovens e adultos.

Por isso não é de se estranhar que um de seus moradores – não por acaso uma mulher – ocupe uma posição de destaque em Brasília. Trata-se de Givânia Maria da Silva, que recentemente foi tema de reportagem do Diario de Pernambuco, escrita pelo jornalista Josué Nogueira.

Na matéria foi mostrado que não é à toa que Givânia ocupa hoje a coordenadoria de Regularização de Terras Quilombolas do Instituto Nacional de Reforma Agrária (Incra).

No texto, o jornalista reconhece: “A descendência que carrega é evidenciada na pele, no cabelo, na alma. O discurso arrojado não deixa dúvidas. A moça não foi parar na coordenadoria de Regularização de Territórios Quilombolas, do Incra, por acaso”.

Na matéria, Givânia lembra que há bem pouco tempo Conceição das Crioulas só dispunha de médico “de quatro em quatro anos, em ano de campanha”. “Só tínhamos o direito de estudar até a quarta série. Fui a primeira da comunidade a concluir o ensino médio e a primeira a ter um curso superior. Essa percepção nos levou a concluir que éramos capazes e que podíamos avançar mais. O que nos faltava era oportunidade”, conta.

Com essa certeza Givânia assumiu papel na política partidária, com respaldo da comunidade. “Fui indicada para representar o quilombo no Legislativo (pelo PT)”. Ela foi candidata a vereadora de Salgueiro em 1996, tendo ficado suplente por apenas um voto. Na segunda vez que se candidatou foi a mais votada do município. Reeleita em 2004, concorreu à primeira suplência de senador em 2006.

Graduada em Letras pela Faculdade de Ciências Humanas do Sertão Central, atualmente faz mestrado na Universidade de Brasília em políticas públicas e gestão da educação. “Não acho que sou referência, mas sei que contribuí. Fui instrumento enquanto educadora, enquanto membro de movimento popular, portadora de um mandato e hoje em Brasília. Entendo isso como uma missão”, assevera com simplicidade carregada de autodeterminação que parece correr no sangue de quem nasce em Conceição das Crioulas.

 

Quinta, 22 Abril 2010 15:10

AQCC comemora 10 anos de lutas

Escrito por

PA170223Por Taíza Brito

Os dez anos de existência da Associação Quilombola de Conceição das Crioulas serão comemorados em julho com uma semana de atividades na comunidade, que culminarão no dia 17, data de fundação da entidade.

Além de apresentações culturais, com a participação de grupos de outras comunidade quilombolas de Pernambuco, haverá uma apresentação especial do grupo de teatro da AQCC, que vem fazendo apresentações periódicas na praça de Conceição das Crioulas.

O segredo da força organizativa da AQCC vem da forma como é organizado o trabalho, por meio de comissões temáticas que priorizam as áreas de Patrimônio, Educação, Saúde e Meio Ambiente, Geração de Renda, Juventude, Mulheres e Comunicação.

A Associação também acompanha os passos do processo de reconquista das terras pertencentes à comunidade. Até agora o INCRA já fez a identificação, a demarcação, a titulação das terras e o levantamento das famílias existentes. “Falta penas indenizar os fazendeiros para que o nosso território seja desocupado. É uma luta árdua, demorada, mas na qual estamos envolvidos com todas nossas forças”, reafirma Cida.

Pernambuco – Atualmente há 120 comunidades quilombolas no Estado, sendo que 80 delas constam no Cadastro Geral de Remanescentes de Comunidades Quilombolas do Governo Federal. Destas 21 estão com processo de titulação abertos no Incra.

twitter

Apoio..................................................

mercado_etico
ive
logotipo-brahma-kumaris