Editor

.

Linha Editorial

  • "Mídia Construtiva é também lançar o olhar crítico sobre problemas, apontar falhas, denunciar. Contribuindo para a corrente que tenta transformar o negativo em positivo."

    Leia mais ...
Blog

A festa de lançamento da campanha Natal Sem Fome dos Sonhos em Paulista, na Região Metropolitana do Recife, neste sábado, dia 15, a partir das 16h, a Praça João Pessoa, será o quarto grande momento de convite à solidariedade realizado pelo Comitê da Ação da Cidadania Pernambuco Solidário convidando a população a fazer doações de alimentos e água.

Diante do agravamento da seca, a prioridade de distribuição dos donativos serão as famílias atingidas pela seca, mas sem esquecer os mais pobres da Região Metropolitana do Recife e da Zona da Mata Sul. O ato começará com um Ato Ecumênico de Oração pela Paz diante de uma mesa com pães e frutas de 100 metros de comprimento na esperança de que não falta comida em nenhuma mesa no Natal e todos os dias do ano. O encerramento da festa será com um ato cultural com capoeiristas e a banda gospel Rema.

Esta é a quarta mobilização de rua promovida pelo Comitê da Ação da Cidadania Pernambuco Solidário nesta 19ª edição da campanha Natal Sem Fome dos Sonhos, que foi idealizada pelo sociólogo Herbert de Souza, o Betinho e estimulada no Estado pelo arcebispo emérito de Olinda e Recife Dom Helder Câmara.

Dia 3 de novembro a festa aconteceu em Águas Belas, no Agreste Meridional onde o rebanho bovino foi praticamente dizimado pela estiagem, dia 1º de dezembro, aconteceu o lançamento  em Olinda e no último domingo, dia 9 foi a fez da maior e mais tradicional mobilização no Parque Treze de Maio, centro do Recife

Em 2012 a mobilização já arrecadou mais de 100 toneladas de alimentos e água. Mais de 30 toneladas já foram distribuídas por mais de 20 cidades do Agreste e Sertão e de aproximadamente 50 comunidades da Região Metropolitana do Recife. Com o agravamento da seca, a mobilização não tem data para acabar e os pontos de recebimento de donativos no Parque de Exposições do Cordeiro e na Estação Central do Metrô também abrirão aos sábados e domingos pela manhã.

Para doações acima de 50 quilos, os voluntários do Comitê farão a coleta sob agendamento pelo telefone (81) 3226 0063 . Para doações em dinheiro, as contas da instituição são: Banco do Brasil, agência 3234-4, conta 5633-2 ou Bradesco, agência 1055-3, conta 9640-7.

Mais informações com o coordenador geral do Comitê da Ação da Cidadania Pernambuco Solidário pelo telefone (81) 9979 9716 .

Sexta, 14 Dezembro 2012 19:36

Dicas de presentes sustentáveis para o Natal

Escrito por

Do CicloVivo

 

Ao longo do ano, o CicloVivo garimpou diversos produtos sustentáveis que estão disponíveis para a venda no Brasil. Neste Natal, que tal fazer compras mais verdes? Separamos presentes para todos os gostos e bolsos!

 

Ecojoias  

Para as mulheres que não vivem sem joias, a designer baiana Carol Barreto elaborou uma linha de acessórios ecológicos produzidos a partir de materiais reciclados. Além de comporem um estilo único, as ecojoias também propagam consciência ambiental na sociedade, alertando as pessoas sobre a necessidade de reciclar e reutilizar os materiais. Elas são vendidas na Mazorca Webstore, a partir de R$ 29,90.

 

 

Móveis de papelão

Em vez de móveis convencionais, que tal presentear a família com opções de papelão? A empresa paulistana Cartone Design desenvolve uma coleção de móveis duráveis elaborados com o material.  Além de uma linha que vem com bancos, mesas e cadeiras, há também uma linha infantil, que traz banquinhos e mesinhas adaptadas. Os fabricantes garantem que os móveis têm durabilidade mínima de um ano, e a venda é realizada através de contato pelo site da empresa.

Sapatos de material reciclado  

Já que a sustentabilidade anda na moda, não abra mão destes dois recursos na hora de presentear uma mulher moderna: a grife Loulux produz calçados e bolsas utilizando apenas resíduos industriais e materiais reciclados – como sobras de couro, retalhos de tecidos metalizados e camurças.   Criada pelo gaúcho Cristiano Bronzatto, a marca possui uma loja virtual e também comercializa os produtos em lojas presenciais itinerantes. Fundada em 2005, a grife conta com mais de sete mil itens, que custam, em média, de R$ 100 a R$ 200.

Bicicleta elétrica

Conquistando um espaço cada vez maior no Brasil, a bicicleta elétrica ainda divide opiniões. No entanto, é certo que as bikes carregadas na tomada podem se tornar um meio de transporte eficiente para as grandes capitais. Apresentada no Programa CicloVivo, a Evolubike comercializa uma linha completa de bicicletas elétricas, com opções dobráveis e de alto desempenho, que custam de R$ 1.500 a R$ 3.390. Porém, o presente não é indicado para menores de 16 anos.

Relógio de madeira

Produzidos apenas com madeira e sem substâncias tóxicas, os relógios WeWood são um presente especial para os mais descolados. Parceira da American Forests Global Releaf, a primeira ONG de reflorestamento implantada nos EUA, a WeWood planta uma árvore a cada relógio vendido. Disponíveis em várias cores e tamanhos, os modelos são comercializados virtualmente, e seus preços variam de R$ 369,90 a R$ 449,90.  

Banco imobiliário sustentável  

O tradicional jogo de tabuleiro ganhou uma versão verde, em que as peças foram produzidas com plástico biodegradável, derivado de cana-de-açúcar. O cenário é inspirado nas reservas naturais do país; em vez de moedas, agora é a vez dos créditos de carbono, que são utilizados nas aquisições de negócios sustentáveis, como empresas de reflorestamento, agricultura orgânica e reciclagem. O jogo, que desperta a consciência ambiental dos participantes, é recomendado para promover a interação entre adultos e crianças. Fabricado pela Estrela, o jogo custa em média R$ 70.

O projeto URBAL (programa de cooperação descentralizada da União Europeia, dirigido a governos (locais e regionais) da União Europeia e da América Latina) lança nesta terça-feira, 4 de dezembro, na Livraria Cultura, no Bairro do Recife, série de cadernos sobre segurança e prevenção da violência. Os sociólogos José Luiz Ratton e Gerard Sauret, que assinam textos nos cadernos, proferem palestra no evento, que têm início às 17h. 

Editados em português e em espanhol, os três cadernos têm como proposta compartilhar o conhecimento adquirido pelo projeto sobre segurança no momento em que o URBAL encerra suas atividades em Pernambuco. Além de Luiz Ratton e Gerard Sauret, há textos assinados, entre outros, por especialistas na área como Luis Eduardo Soares, Hugo Acero e entrevistas a Renato Sérgio de Lima e Eduardo Pazinato.

Segundo os coordeadores do URBAL, o formato dos cadernos, que alia pequenos textos e entrevistas a atores estratégicos, pretendem contribuir para difundir de forma simples e acessível ideias, conceitos e experiências exitosas no combate à violência na América Latina. URBAL - Atualmente, o programa encontra-se em sua terceira fase de execução (2008-2012). URB-AL III tem como objetivo geral contribuir para incrementar o grau de coesão social e territorial entre coletividades subnacionais na América Latina.

Seu objetivo específico é consolidar ou promover, apoiando-se em parcerias e troca de experiências, processos e políticas de coesão social que se possam converter em modelos de referência capazes de gerar debates e indicar possíveis soluções aos governos que desejem impulsionar dinâmicas de coesão social. URB-AL III conta com 20 projetos que desenvolvem ações na América Latina.

Serviço:

O que: Lançamento "Cadernos sobre segurança e prevenção da violência na América Latina" Data: Terça-Feira, 4 de dezembro, às 17h Palestrantes: Gerard Sauret e José Luiz Ratton Local: Auditório da Livraria, Paço Alfândega - R. Madre de Deus, s/n - Recife http://www.urbalpernambuco.org/

Sobre os palestrantes:

Gerard Viader Sauret: formado em Sociologia e Antropologia pelas Universidades de Barcelona (UB) e Autônoma de Barcelona (UAB), respectivamente, e mestre em Saúde Coletiva (área de concentração em Epidemiologia) pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Desde junho de 2007 ocupa o cargo de gerente de análise criminal e estatística na Secretaria de Defesa Social de Pernambuco (GACE/SDS-PE). Também tem sido professor de especialização em Políticas Públicas de Segurança (FACIPE)

José Luiz Ratton: possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Minas Gerais (1993), Mestrado em Sociologia pela Universidade Federal de Pernambuco (1999) e Doutorado em Sociologia pela Universidade Federal de Pernambuco (2003). Atualmente é Pesquisador e Professor da Universidade Federal de Pernambuco (Programa de Pós-Graduação em Sociologia), Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE e Coordenador do NEPS/UFPE (Núcleo de Estudos e Pesquisas em Criminalidade, Violência e Políticas Públicas de Segurança da UFPE). Foi Assessor Especial do Governador de Pernambuco para a área de Segurança Pública (entre janeiro de 2007 e agosto de 2012). Tem experiência na área de Sociologia e Ciência Política, com ênfase em Sociologia do Crime e da Violência, Políticas Públicas de Segurança, Sociologia do Direito e Sociologia da Juventude. Livros Publicados: Violência e Crime no Brasil Contemporâneo (1996) e Polícia, Democracia e Sociedade (2007), em co-autoria com Marcelo Barros, As Ciências Sociais e os Pioneiros nos estudos sobre crime, violência e direitos humanos no Brasil (2011), em co-autoria com Renato Lima. É conselheiro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Bolsista de Produtividade CNPQ II.

Terça, 27 Novembro 2012 17:38

O racismo faz mal à saúde

Escrito por

Por Fabiana Frayssinet, da IPS

Entre a emergência de uma parturiente negra e uma branca, o médico brasileiro escolhe a branca porque “as negras são mais resistentes à dor e estão acostumadas a parir”. As convenções culturais e sociais brasileiras “imputam ao negro condições de estereótipo, que fazem com que não tenha as mesmas garantias de tratamento da saúde que um branco”, disse à IPS a psicóloga Crisfanny Souza Soares, da Rede Nacional de Controle Social e Saúde da População Negra. Estes estereótipos refletem um racismo que faz mal à saúde e que uma campanha tenta extirpar do sistema hospitalar brasileiro.

Dos 192 milhões de brasileiros, metade se reconhece como negra. A Mobilização Nacional Pró-Saúde da População Negra, foi lançada este ano por organizações de afro-brasileiros, com apoio do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA). Sob o lema “Vida longa, com saúde e sem racismo”, o objetivo da campanha é a saúde integral em todas as fases da vida, incentivando a sociedade, e em particular o sistema sanitário, a combater a discriminação para reduzir os altos índices de mortalidade da população de origem africana.

“Praticamente, todos os índices de saúde da mulher negra são piores do que os da branca. Em uma consulta sobre câncer de mama, as negras são menos apalpadas do que as brancas; e recebem menos anestesia no parto”, afirma Crisfanny. O Ministério da Saúde, que desde 2006 impulsiona uma política nacional integral para este grupo de população no contexto do Sistema Único de Saúde (SUS), realiza estudos para detectar este tipo de situação.

“A ideia de que a população negra é mais resistente à dor e tem melhores condições de conviver com a doença está presente em todo o sistema de saúde, desde os técnicos de enfermagem até os médicos”, afirmou Deise Queiroz, coordenadora da Articulação de Jovens Negras, da Bahia. Ela conhece bem isso, especialmente porque sua mãe, que sofre de diabete e pressão alta, deve recorrer com frequência ao sistema público de saúde. Segundo a ativista, o SUS, que foi um modelo de democratização do serviço de saúde, hoje não consegue atender tanta demanda, e “as atitudes racistas ficam mais evidentes”.  

 A Constituição determina que a saúde é um direito universal e o Estado tem o dever de proporcioná-la. O SUS estabelece que “todas as pessoas têm direito ao tratamento de qualidade humanizado e sem nenhuma discriminação”. Entretanto, o racismo se infiltra aberta ou sutilmente. “Ele se incorpora nas condições de vida da população, na organização dos serviços de saúde e na formulação de políticas”, explicou à IPS a representante auxiliar do UNFPA no Brasil, Fernanda Lopes. “Por isto é necessário construir políticas específicas de equidade”, afirmou.

Um estudo epidemiológico do Ministério da Saúde apresenta informação específica para ajudar a preencher esses vazios, ao comparar indicadores como assistência pré-natal por raça, cor e etnia. Também analisa outros aspectos, como o direito e o acesso a planejamento familiar, que é mais precário entre as afrodescendentes. Precisamente este aspecto é o centro do informe mundial do UNFPA, apresentado no dia 14, com o título Sim à Opção, não ao Acaso – Planejamento da Família, Direitos Humanos e Desenvolvimento.

Por exemplo, 19% das crianças nascidas vivas são de mães adolescentes brancas entre 15 e 19 anos. Contudo, a incidência de gravidez em adolescentes é de 29% entre as jovens afro-brasileiras da mesma faixa etária. Além disso, enquanto 62% das mães de crianças brancas informavam ter realizado sete ou mais consultas pré-natais, apenas 37% das mães de recém-nascidos mulatos e negros realizaram essa quantidade de exames antes do parto.

A mortalidade infantil também apresenta disparidades. O risco de uma criança negra ou mulata morrer antes dos cinco anos de idade por doenças infecciosas e parasitárias é 60% maior em relação a uma criança branca. E o de morte por desnutrição é 90% superior. O estudo também constatou que morrem mais grávidas afrodescendentes do que brancas por causas vinculadas à gestação, como hipertensão.  

 “Dizem que os piores índices sanitários da população negra se deve ao fato de a maioria ser pobre e, por isso, mais vulnerável”, apontou Crisfanny. Porém, não se pode negar outras variáveis estritamente racistas, advertiu. “Se em um hospital vemos dois jovens baleados, é mais fácil o imaginário cultural colocar o branco no papel de vítima, enquanto o negro estaria ali porque se envolveu em um crime”, ressaltou a psicóloga, afirmando que às vezes essa referência “faz com que um profissional estabeleça prioridades no atendimento”.

Outra preocupação se refere às doenças prevalentes na população afrodescendente, como anemia falciforme, diabete mellitus Tipo II e hipertensão, que o sistema sanitário não está preparado para abordar de maneira específica. As mulheres negras têm 50% mais possibilidades de desenvolver esse tipo de diabete, com o agravante de a hipertensão arterial entre elas ser duas vezes maior do que na população em geral.  

O mesmo ocorre com a anemia falciforme, que poderia ser detectada nos recém-nascidos. Segundo a Mobilização Nacional Pró-Saúde, cerca de 3.500 crianças brasileiras nascem a cada ano com essa enfermidade, fazendo dela a doença genética de maior incidência no país. “A população negra morre, em geral, mais cedo, e suas mortes por causas evitáveis são mais frequentes”, pontuou Fernanda. Por isso, uma política para combater a discriminação na saúde “chega para minimizar o impacto das desigualdades históricas mediante estratégias de ação afirmativa”, acrescentou.

O UNFPA contribui com o governo e o movimento negro para fortalecer essa política e a formação profissional que deve acompanhá-la. “O desafio é responder por que, em um país onde a população negra representa 50,3% do total, temos um quadro sanitário tão diferenciado” entre negros e brancos, admite o Ministério da Saúde

Nesta terça-feira (27/11), o Projeto Que Maravilha! leva ao Centro Cultural Correios, no Recife Antigo, a última leitura dramatizada do texto Mistério das Figuras de Barro, de Osman Lins, pernambucano de Vitória de Santo Antão e reconhecidamente um dos maiores escritores do século XX. A apresentação acontece às 20h, com entrada gratuita.

A peça mescla aspectos fantásticos e crítica social e mergulha nas venturas e desventuras do ofício do artista e seu papel no mundo. Para dirigir Mistério das Figuras de Barro, a Duas Companhias convidou o autor, ator e diretor Sebastião Simão Filho, fundador da Cia Máscaras de Teatro. Em cena estarão Carlos Ferrera, Fábio Calamy, Cláudio Malaquias e Sandra Possani.

Graças a uma parceria com a Botticelli, ao final das apresentações, o público poderá conversar com os artistas num momento de troca descontraído, regado a vinhos e muitas boas histórias. A Duas Companhias, grupo teatral responsável pelo projeto, também está sorteando os calendários confeccionados em comemoração aos oito anos do grupo e mudas de plantas para a plateia.   Depois do sucesso dos ciclos de leituras teatrais Que Absurdo!, resgatando peças do Teatro do Absurdo, em 2010 e do Que Comédia!, trazendo autores da Commedia Dell´Arte, em 2011, a Duas Companhias, de Livia Falcão e Fabiana Pirro, está finalizando esta semana o ciclo Que Maravilha!, mais uma vez em parceria com o Centro Cultural Correios, realizado toda última segunda e terça de cada mês, com entrada gratuita, desde agosto. Desta vez os textos trazidos à luz foram todos de autores pernambucanos. O primeiro foi com “Um Paroquiano Inevitável”, de Hermilo Borba Filho.

No mês de setembro, a leitura marcou a estreia do veterano ator Cláudio Ferrario como dramaturgo, com o texto inédito “A Peleja dos Mil Anos”. Em outubro o texto apresentado foi “A Dona da História”, de João Falcão, com Livia Falcão e Olga Ferrario em cena.

A cada apresentação, diferentes atores e diretores foram convidados para se integrar ao programa, uma fórmula encontrada pela Duas Companhias para levar ao público vários talentos já consagrados e artistas iniciantes também.  

Serviço:  

Que Maravilha!   Ciclo de Leituras do Teatro Pernambucano

Auditório do Centro Cultural Correios, às 20h

Avenida Marquês de Olinda, 262, Bairro do Recife

Entrada Gratuita

Dia 27 de novembro

O jornalista Félix Filho lança no próximo dia 29 de novembro o livro Além das Idéias – Histórias de vida de Dom Hélder, editado pela Companhia Editora de Pernambuco (CEPE). O lançamento acontece a partir das 19 horas, no Museu do Estado de Pernambuco, na Avenida Rui Barbosa, no Recife.

O livro, editado em parceria com o Instituto Dom Hélder Câmara, apresenta o ex-arcebispo de Olinda e Recife de forma inovadora, através de pequenas histórias, no cotidiano de sua vida, nos relacionamentos com as pessoas, em gestos simples que encantam e relevam sabedoria, bom humor, simplicidade e fé.

Serviço:

Dia: 29/11(quinta-feira)

Hora: 19h

Local: Museu do Estado, Avenida Rui Barbosa, Graças, Recife.

Nesta quarta-feira (21/11), às 16h30, acontece no gabinete do secretário de Defesa Social de Pernambuco, Wilson Damázio, uma reunião que tem como objetivo cobrar uma ação mais eficaz do governo, contra os crimes cometidos referentes aos homossexuais em Pernambuco.

Só este ano, foi assassinado 30 homossexuais no Estado. O caso mais recente é do jornalista e ativista do movimento LGBT, Lucas Fortuna, que foi brutalmente assassinado na praia de Calhetas, na madrugada último domingo (18), no município do Cabo de Santo Agostinho.

O encontro vai reunir o movimento de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Travestis e Transexuais (LGBT) e entidades ligadas aos Direitos Humanos, representantes do Centro de Combate à Homofobia do Governo do Estado, Assessoria Especial do Governador para Diversidade Sexual, Fórum LGBT, Movimento Gay Leões do Norte e o Coletivo de Mulheres Lésbica (Comlés).

No Cabo foram registrados cinco assassinatos em 2012. Os números dos homicídios foram coletados através, das matérias que foram divulgadas pela imprensa pernambucana.

Um termo de cooperação entre os governos de Pernambuco e de Portugal para desenvolvimento de projetos na área de energias limpas, economia verde, gestão de resíduos sólidos e sistemas de mobilidade com veículos elétricos selou encontro entre o secretário estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Sérgio Xavier, e o ministro de Ambiente e do Ordenamento do Território de Portugal, Pedro Afonso Paulo, no último dia 9.

A reunião aconteceu na sede da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco (Semas), Bairro do Recife. Na ocasião o secretário Sérgio Xavier apresentou os principais desafios ambientais pernambucanos, como a questão do avanço do mar, os efeitos do clima sobre o semiárido e a meta de acabar com lixões até 2014, bem como as ações governamentais em curso, a participação do Estado na Rio+20, citando o evento “Pernambuco no Clima”; o Plano Estadual de Resíduos Sólidos, e a meta de implantar um plano de desenvolvimento sustentável em Fernando de Noronha.

“O Governo do Estado tem trabalhado na descentralização da expansão econômica, com polos na Mata sul, Mata Norte, Cidade da Copa e no Interior; e também no fortalecimento dos eixos verdes da economia - energias renováveis, reciclagem, gestão de água, setores criativos , e Portugal poderá ser um grande parceiro no intercâmbio de informações e experiências, visando a abertura de novos mercados sustentáveis no Brasil e na Europa”, frisou Sérgio Xavier, propondo a concretização de um grupo de desenvolvimento de ações denominado ‘Radar da Inovação para a Sustentabilidade’, onde atuariam pessoas criativas de Pernambuco e de Portugal na formulação de novos projetos estruturadores de Economia Verde e Criativa. Ainda em 2012, Sérgio Xavier estará em Portugal onde terá novo encontro com os respresentantes do governo do país para iniciar a implantação das ações.

Já o Ministro do Meio Ambiente português fez um balanço dos avanços em infra-estrutura que o país conquistou nos últimos 15 anos, após sua entrada na União Européia. “Fizemos um esforço para realizar esta estruturação em pouco tempo, e hoje nossos desafios são na área de saneamento e gestão de resíduos, com algumas similaridades com Pernambuco, no que se refere aos consórcios municipais, por exemplo”, informou.Pedro Afonso lembrou que no quesito energias renováveis, as empresas portugueses já adquiriram um know-how que poderá ser compartilhado com empreendedores pernambucanos e brasileiros em geral.  

Também participaram da reunião Alexandra Carvalho, diretora de Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território de Portugal; Adriano Marinho, cônsul de Portugal em São Paulo; Mauro Buarque, presidente da  Associação Nacional de Orgãos Municipais de Meio Ambiente (Anamma); Paulo Coelho, chefe de gabinete do secretário de Estado português; os gestores da Semas Roberto Leandro (Gerente de Articulação) e Benedito Parente (Gerente de Planejamento e Gestão); e Walter Plácido, gestor de negócios da empresa Águas de Portugal, com sede no Rio.

 

Uma arte de cura milenar, que promove saúde e bem-estar, por meio de posturas com as mãos e toques suaves em áreas do corpo, onde a energia vital se concentra. Assim é definido o Jin Shin Jyutsu, sabedoria que foi resgatada através dos estudos do Mestre Jiro Murai no Japão, no início do século XX e que estará disponível para iniciantes e aprendizes com o seminário Jin Shin Jyutsu – Um Caminho de Autoconhecimento e Despertar da Consciência. O seminário ensinará a arte milenar japonesa de auto-aplicação nos dias 23 e 24 de novembro, das 9h às 18h, na sede da Unipaz Pernambuco, na Rua Enéas de Lucena, 244, no Rosarinho. O evento  integra a Formação Holística de Base da Unipaz Pernambuco e traz uma abordagem transdisciplinar. As inscrições podem ser feitas pelos telefones 32442742 e 97251415. Informações no site www.unipazrecife.org.br.

A facilitadora Maria do Rosário Andrade, terapeuta da Unipaz, assegura que o Jin Shin Jyutsu desperta bem estar, vitalidade, dissolve o stress e estimula nossa capacidade natural de regeneração. Considerado um valioso complemento para a Medicina convencional, a prática promove relaxamento profundo e reduz os efeitos do stress, fator desencadeante de muitas doenças do homem moderno, segundo explica a terapeuta.

Ela acrescenta que “o seminário possibilitará ao participante o estudo do Jin Shin Jyutsu, a partir do conhecimento da sua fisio-filosofia e da prática dos principais fluxos energéticos, que despertam o estado de paz e harmonia inerentes ao ser”. O curso será desenvolvido por exposição teórica e vivências.

O conteúdo do seminário aborda a Fisio-filosofia do Jin Shin Jyutsu, fluxos de energia ascendente e descendente, identificação das atitudes que bloqueiam o livre fluxo da energia vital (medo, raiva, preocupação, tristeza e pretensão), conexão com a fonte da vida, travas de segurança da energia, (sistema de alarme, que avisa quando se sai do estado de harmonia), mudras (gestos que selam padrões de energia) que energizam o corpo a mente e o espírito.

Sobre a instrutora Maria do Rosário Andrade de Araújo:

Practitioner, Instrutora de Cursos de Auto-Aplicação, Organizadora dos Cursos de Jin Shin Jyutsu, pela Jin Shin Jyutsu Inc, com sedeem Scottsdale, Arizona, Estados Unidos e Terapeuta Floral. --

A publicação, realizada pelo Movimento Pró-Criança com apoio do Instituto HSBC Solidariedade, Excelsior Seguros, Divina Sundown Vitaminas e Espaço Cultural Maria Helena Marinho, será lançada na Fliporto 2012 neste domingo (18), às 18h, na Tenda de Autógrafos

 

O livro “Nós por nós mesmos”, que será lançado na Fliporto 2012 neste domingo (18), traz em suas páginas muito mais do que palavras. É a concretização física de algo que vem nutrindo vidas desde março de 2010, quando a psicóloga Maria Carolina Batista Gomes, responsável pela organização da publicação, iniciou no Movimento Pró-Criança um trabalho voluntário envolvendo alunos da instituição, entre 13 e 17 anos. Jovens bailarinos, percussionistas, violinistas e cantores que agora, a partir deste ano, também têm um livro publicado. Todos estarão na sessão de autógrafos, na Tenda de Autógrafos da Fliporto, às 18h.  

No livro, Elisa, Alysson Rodrigo, Danielle, Yuri, Edinílio, Issac, Breno, José Carlos, Emídio, Polyana, Lucianna, Laryssa e Jéssica falam abertamente a partir de suas experiências no dia a dia de bairros pobres da região metropolitana do Recife sobre temas como violência, profissão, adolescência, amizade, namoro, família, entre outros.

Os depoimentos foram colhidos a partir de trabalhos em sala, nas atividades realizadas pela psicóloga no Projeto Mentoria, uma das iniciativas do Movimento Pró-Criança no desenvolvimento de ações pela educação e profissionalização de jovens e crianças moradores de comunidades pobres do Recife. A riqueza do material fez com que Maria Carolina Batista lançasse depois de sete meses a proposta da organização de um livro junto aos alunos. Eles toparam e em outubro de 2010 iniciaram os passos. Ao longo de 2011 as palavras emocionaram outras pessoas que se dispuseram a ajudar. Foi assim que em 2012, impresso no parque gráfico da Companhia Editora de Pernambuco – CEPE, nasceu o “Nós por nós mesmos”, prontinho para ser lido, discutido e vivido por outros leitores.

Atualmente nem todos os autores fazem parte mais da equipe de alunos do Pró-Criança, alguns, como Alysson Rodrigo, cresceram e já estão no mercado de trabalho; outros vão se especializando em outras áreas, como Laryssa, que está estudando design gráfico e estagiando na área; tem ainda os que seguem na instituição, cantando no Coral Pró-Criança, tocando violino ou percussão na Orquestra Pró-Criança... mas estão todos se preparando com euforia para a tarde de autógrafos em que poderão dedicar aos amigos, parentes e visitantes a realização do seu primeiro livro.

A recente medida de proibição na venda de 301 planos de saúde, divididos em 38 operadoras, tomada pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) - entidade que regula as atividades do setor no país – chamou a atenção para as falhas no sistema. Inúmeras reclamações de mal atendimento e não cumprimento das exigências de contrato, como por exemplo, prazos para consultas, carências e coberturas para atendimento emergencial.  

 “Essa medida vem contemplar a proteção ao consumidor”, afirma o advogado e professor da Faculdade de Direito de São Bernardo, Arthur Luís Mendonça Rollo, coordenador do curso de extensão “Planos de Saúde: carências, reajustes, novos procedimentos e aspectos processuais”, oferecido pela FDSBC.  

Segundo ele, a decisão severa imposta pela ANS, é uma pena administrativa prevista no Código de Defesa do Consumidor, faz com que as práticas abusivas cometidas contra os usuários tenham impacto direto no bolso das operadoras.

“Vários indicadores mostram que está havendo um grande número de reclamações por parte dos usuários”, ressaltou Rollo. Segundo dados da ANS, as empresas que operam planos de saúde foram alvo de 10.144 queixas de beneficiários somente entre os dias 19 de junho e 18 de setembro deste ano.   Para não fazer parte desta estatística, Rollo orienta que o consumidor precisa estar ciente de seus direitos e ficar atento na hora de escolher um plano de saúde. Para o professor da Direito São Bernardo, se um plano de saúde chegou a ser suspenso, isso já é um indicativo para não comprar.  

Além disso, o futuro beneficiário também precisa se informar sobre a rede de atendimento e os médicos credenciados e verificar tudo o que o corretor prometer na hora da venda. “E sempre desconfiar do preço. Preço muito baixo pode indicar qualidade ruim”, conclui  

Por Nana Prado, da Envolverde

A grande maioria dos brasileiros come frutas e legumes abaixo do recomendado e o consumo de carne vermelha está acima do que recomendam os nutricionistas.

A alimentação possui um significado maior do que apenas garantir as necessidades do corpo humano. Na hora das refeições, colocamos à mesa valores sociais, culturais, afetivos e sensoriais. Na maioria das vezes, comer é um momento de prazer e confraternização com amigos e familiares.   O alimento é, assim, muito mais do que uma fonte de nutrientes. Apreciamos as cores e gostamos de sentir a textura e o sabor da comida. Mas isso não é tudo! Saber o que você está consumindo é condição para ter mais qualidade de vida e, também, para contribuir com a sustentabilidade. Isto mesmo! Desde o processo de produção dos alimentos, até o momento que ele chega à mesa muita coisa acontece.

Segundo a nutricionista Monike Gárlipp Picchi, doutoranda em Clínica Médica pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP) e especialista em Fisiologia do Exercício pela Universidade Federal de São Carlos (Ufscar), o consumo excessivo de carnes ocorre em grande parte da população. “A carne vermelha é a mais consumida, seguida pela carne de frango, carne de porco e o menos consumido é o peixe”, conta.

Saúde e qualidade de vida   Alimentos de origem animal, tais como carnes de todos os tipos, leite e derivados, e ovos são nutritivos e boas fontes de proteínas. Segundo o Guia Alimentar para a População Brasileira, do Ministério da Saúde, essas proteínas são completas, o que significa que elas contêm todos os aminoácidos essenciais de que os seres humanos necessitam para o crescimento e a manutenção do corpo.

Já os alimentos de origem vegetal podem ser ricos em proteínas, mas, com exceção da soja, são incompletos, ou seja, não possuem todos os aminoácidos essenciais ou na quantidade adequada às necessidades do ser humano.  

Mas uma dica que vale a pena levar para a mesa é que existem algumas combinações de alimentos que se complementam entre si, tornando a combinação de proteínas de alto valor biológico e completa.  

Por exemplo, as refeições que combinam grãos de cereais e leguminosas são fontes completas de proteínas. Essas combinações têm vantagens. Os cereais e leguminosas são relativamente mais baratos que a carne, são integrais e, em geral, altamente nutritivos e, ao contrário da carne, têm baixos teores de gorduras, inclusive de gorduras saturadas.

O equilíbrio e a harmonia na escolha das fontes proteicas animais e vegetais e a inclusão de grandes quantidades de frutas, legumes e verduras tornam a alimentação saudável em todos os aspectos.

Frutas, verduras e legumes - A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Guia Alimentar para a População Brasileira, do Ministério da Saúde, sugerem o consumo de 400 gramas de frutas, legumes e verduras por dia, no entanto, menos de 10% da população ingere o indicado. Nove em cada dez brasileiros mantêm uma dieta pobre em frutas, legumes e verduras.

Com o aumento da consciência para a preservação ambiental, uma grande quantidade de restaurantes naturais, orgânicos e vegetarianos está se espalhando pelas cidades. Ainda que você não seja vegetariano, experimente os novos sabores e combinações desses restaurantes, aprenda a preparar alternativas interessantes e, ainda mais, incentive o mercado de produtos orgânicos, livre de agrotóxicos e menos agressivo ao meio ambiente.

Clique aqui e conheça Dez Passos Para Uma Alimentação Saudável, do Ministério da Saúde.

Quinta, 25 Outubro 2012 20:36

Adeus ao Mestre

Escrito por

Por Cesar Vanucci *

“Avançar sempre em direção do futuro.”

(Da homilia de Juvenal Arduini, na missa de seus 90 anos de vida em dezembro de 2008)

 

Uma das cabeças pensantes mais bem dotadas deste País acaba de deixar-nos, Mas isso - desolador sinal dos tempos -, não mereceu qualquer registro especial na grande mídia. Juvenal Arduini, o personagem em foco construiu obra pujante como filósofo, sociólogo e teólogo. Pregador eletrizante contagiou saudavelmente gerações universitárias inteiras. Viu suas idéias projetadas em livros esplêndidos, de rico conteúdo humanístico e espiritual, debatidas em simpósios, encontros, ciclos de estudos, aqui e alhures, por pessoas sinceramente empenhadas na busca de explicações acerca do sentido da vida.

Juvenal foi uma dessas criaturas admiráveis, dotadas de sabedoria incomum, que colocam os talentos do espírito a serviço do mundo, aqui e agora! Criaturas importantíssimas na construção humana de todos os dias! Por comunicarem da vida a essência. Por saberem interpretar os sinais. Por saberem olhar as estrelas e dar rumo ao navio. Por trabalharem os melhores impulsos das pessoas. Por saberem também iluminar com jatos de claridade, despejados de mente privilegiada e de coração generoso, os caminhos a percorrer, sobretudo quando se mostrem trevosos e arriscados em função da intolerância, do desamor, da injustiça e da fanatice rancorosa.

Há muita gente por aí, aquinhoada de dons singulares, que não sabe ou não quer deles fazer uso adequado. Se, por acaso, se lhes bate uma idéia generosa, de proveito social, costumam estacar diante das conveniências do jogo mundano dos interesses clandestinos. E a idéia, condenada ao enclausuramento, não ganha força em palavras e muito menos em ações. São desertores da causa social. Aplicam mal os talentos. Acumulam débitos na contabilidade da história. Deixam a bola rolar sem assumir compromisso com as apostas da vida.

Já este nosso Juvenal Arduini que acaba de partir, desfalcando nossos quadros da inteligência e da cultura, revelou-se sempre inteirissimo na postura assumida, com a qual procurou incessantemente refletir a natureza das coisas. Dono de inteligência invulgar, própria dos iluminados, ofereceu-nos um documentário vivo do emprego pertinente e fecundo dos talentos dados por Deus. Pelo vigor das idéias e disposições interiores, pela juventude de espírito.

Tornou-se lenda. Foi personagem magnífico de substanciosos capítulos na história da construção humana. Todos que travaram contato com ele, a qualquer tempo, sabiam disso. Gente de dentro e de fora da Igreja. Gente que compartilhava dos conceitos e concepções que defendia. E até mesmo gente que se contrapunha a esses conceitos, mas que não conseguia se desvencilhar do fascínio de seu verbo e do reconhecimento da universalidade de sua pregação.

Arduini teve participação em eventos decisivos ligados à expansão da consciência e conquistas sociais. Em momentos difíceis, quando valiosos ideais de vida eram colocados sob ameaça, o seu desassombro, autoridade intelectual e moral e serena avaliação dos acontecimentos representaram para milhares de cidadãos, uma âncora firme, um abrigo e um acalento. É inevitável a recordação, sem intuitos de atingir personagens menores, à época encastelados em poderosos bastiões do farisaísmo emborcado na contramão da história, da presença marcante de Juvenal Arduini nas batalhas pelos direitos civis, alvejados impiedosamente por muitos nos chamados anos de chumbo. Ele travou essas batalhas no púlpito, em livros, em salas de aulas, conferências e discursos de formatura. Deixou à mostra, o tempo todo, guarnecido de fé e esperança, inabaláveis crenças cívicas, democráticas, humanísticas no superior destino do homem, desenhado nos desígnios de Deus. Fê-lo com altivez num cenário povoado, na época, por extremismos políticos e religiosos, exasperante insensibilidade social, injustiças e incompreensões, tomadas como referência a cidade de Uberaba e outras cidades mais na região do Triângulo Mineiro.

Gerações inteiras vão guardar, com ternura, as imagens de sua presença cintilante nas pregações da célebre “missa dos universitários”. De sua indormida atuação espiritual num santuário conhecido por Hospital São Domingos, dedicado à celebração perene da vida, fundado, mantido e administrado pelas fabulosas Irmãs Dominicanas.

No livro “Hermenêutica – história e futuro”, um dos muitos suculentos e preciosos frutos de seu talento criativo como escritor, sociólogo, filósofo, pensador de escol, que contempla a vida como refulgente aventura poética, ele nos repassou, com riqueza de pormenores, lances portentosos do trabalho desenvolvido pelas dominicanas no Hospital São Domingos. Falava da “essência borbulhante do fenômeno hospitalar”, do “espaço de esperança”, da “moradia de acolhimento” e da germinação cultural para o bem da verdade que emana da instituição.

Em suma, a história de nossos tempos localizou Arduini a desenvolver monumental trabalho de conscientização social. Fiel à doutrina social da Igreja, comprometido com o amanhã da vida, sintonizado em pensadores vigorosos do porte de Teilhard de Chardin, nosso jovem mestre não fez em vida, até os 94 anos de idade, outra coisa, em vasta quilometragem apostólica, medida em anos-luz, do que ensinar que a salvação do homem não vem dos extremos ideológicos, nem das lateralidades geográficas. Vem do Alto.

Vai fazer-nos baita falta.

* O jornalista Cesar Vanucci (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. ) escreve para o Blog Viva Pernambuco semanalmente.

Exposição “Seguindo a Poesia” está em cartaz no Centro Cultural Correios, com obras em papel machê, fotografias e releituras poéticas dos alunos do Movimento Pró-Criança sobre o trabalho de escritores e artistas como João Cabral de Melo Neto, Clarice Lispector, Antônio Maria, Capiba, Joaquim Cardozo, Luiz Gonzaga e Chico Science, entre outros  

 

“Eu aprendi um bocado de coisas que não sabia. Antes passava por eles e não conhecia, não sabia quem eram, por que estavam ali. Hoje eu reconheço os textos, li os versos, já me empolguei e até comecei a escrever as minhas poesias. Só que tem uns nomes que eu ainda me complico e só decorei o primeiro, como Clarice... Lis... Aspec... não decorei o segundo nome ainda”, diz Thyago Rychard, de 15 anos. Ele é um dos alunos do Movimento Pró-Criança que assina as obras artísticas da exposição Seguindo a Poesia, aberta ao público até o próximo dia 31 de outubro, no Centro Cultural Correios, no Recife Antigo. Em novembro a mostra estará na Fliporto.

Com textos, fotografias e obras em papel machê, a exposição é resultado do contato e dos afetos despertados nos jovens artistas do Pró-Criança a partir do mergulho no Circuito da Poesia, série de esculturas em homenagem a grandes ícones da cultura nordestina espalhadas pela cidade do Recife. Passaram pelo projeto cerca de 60 alunos entre 12 e 15 anos da instituição sem fins lucrativos que promove ações sócio-educativas com crianças e jovens de comunidades pobres.

Entre os artistas presentes e citados na mostra estão Marques de Melo (13 anos), Luiz Gonzaga, Thyago Rychard (15 anos), Antônio Maria, Demison Renato (13 anos), Joaquim Cardozo, Maria Eduarda (14 anos), Capiba, Ericka Beatriz (14 anos), Carlos Pena Filho, Lucas Ribeiro (14 anos), João Cabral de Melo Neto, Naysa Maria (14 anos), Manoel Bandeira, Uiliane Gomes (13 anos), Clarice Lispector, Helaine Grasiele (15 anos), Mauro Mota, Chico Science, Solano Trindade, Ascenso Ferreira... Além de todos esses, a mostra faz uma homenagem a uma outra poeta que não está no circuito, mas que faz parte do dia a dia do trabalho no Pró-Criança, Maria do Carmo Barreto Campello.

A exposição reúne trinta imagens em preto e branco feitas através da técnica pinhole; máquinas fotográficas pinhole confeccionadas pelos próprios alunos do Pró-Criança com latas de leite e caixas de papelão e utilizadas no trabalho; a Caixa Mágica (câmara escura), máquina fotográfica artesanal de 160x70 cm, utilizada durante o projeto e que ficará disponível para que os visitantes possam vivenciar a experiência; textos dos artistas retratados em esculturas pela cidade; esculturas em papel machê confeccionadas pelos jovens artistas do Pró-Criança, promovendo a releitura das obras assinadas pelo artista plástico Demetrio Albuquerque no Circuito da Poesia, incluindo uma réplica em papel machê de Luiz Gonzaga em tamanho natural.  

“No início a gente promoveu uma atividade no Recife Antigo. Estávamos pesquisando arte rupestre e pichações, passamos por Ascenso Ferreira e surgiu a curiosidade, deixei que os meninos fizessem fotos da escultura e a curiosidade de conhecer mais sobre aquele homem cresceu entre eles. Partiu deles a provocação. Tudo começou em 2011. Então unimos o trabalho do curso de fotografia ao de artes plásticas e desenvolvemos a ideia do projeto Seguindo a Poesia”, explica Cristina Albuquerque, professora de fotografia da ONG e que assina o projeto junto com a artista plástica e também educadora do Pró-Criança, Tatiane Souza.

Cada um dos meninos escolheu o artista para retratar em papel machê. Uns elegeram pelo nome, outros pela imagem, outros pela obra, uma reunião de afetos e encontros. “A imagem dele é muito bonita e por isso escolhi Antônio Maria”, diz Uiliane Gomes, de 13 anos. “Ah! Porque ele está na Rua do Sol”, declara Naysa Maria, de 14 anos, que assina a escultura de Capiba. “Clarice é a que eu mais gosto. Ela é muito sincera”, explica Thyago Rychard (15), chamando a escritora pelo primeiro nome, com a intimidade de quem não aprendeu ainda a dizer o sobrenome, mas nem se incomoda com isso.   “Quem entrar no espaço da exposição vai conhecer os poetas vai conhecer os poetas, o Pró-Criança, os jovens artistas e o Circuito da Poesia”, completa Cristina. A entrada é gratuita. É só chegar.

ais de 30 mil amostras de organismos marinhos descobertos na parte do oceano que banha as regiões Norte e Nordeste do país passaram a ser reunidas no Museu Oceanográfico da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). A unidade, inaugurada no último dia 23, no Recife, Pernambuco, é a primeira desse tipo na região e a quinta no Brasil.

Universidades federais do Rio de Janeiro e de São Paulo, por exemplo, já mantêm essas estruturas de pesquisa. O espaço é utilizado para concentrar descobertas de ecossistemas marinhos, analisar as características e monitorar espécies. A necessidade desse tipo de laboratório, que tem sido patrocinado pela Petrobras, ganhou impulso com a exploração petrolífera em águas profundas.

A proposta é que os pesquisadores consigam mais informações sobre a biodiversidade da região. Essas análises vão permitir, por exemplo, uma melhor avaliação do impacto ambiental provocado pelas atividades da indústria de petróleo. O trabalho dos pesquisadores é uma demanda da estatal e de outras empresas do setor que precisam fazer análise de impacto antes de começar o trabalho de perfuração em busca de petróleo.

O museu em Recife reúne coletas feitas nos últimos 60 anos, em expedições brasileiras e estrangeiras pela costa brasileira. “A gente já armazenava aqui [no Recife] o que é raridade em todo o Brasil, mas armazenávamos em estantes inadequadas e perdíamos muito material. No museu, agora, temos armários deslizantes compactadores que ocupam menos espaço e onde cabe muito material”, disse a pesquisadora do Departamento de Oceanografia da UFPE, Sigrid Leitão.

A unidade em Pernambuco, que custou R$ 1,5 milhão para ser construída e equipada, será utilizada por especialistas de várias áreas e de outras universidades, inclusive estrangeiras. Algumas amostras reunidas no museu da UFPE são partes de espécies que são encontradas apenas nas regiões Norte e Nordeste, como crustáceos, corais e estrelas-do-mar que escolhem águas mais quentes como habitat.

Curador da coleção instalada em Pernambuco, Jesser Fidelis, afirma que recentemente, com a atividade petrolífera, o volume de material entregue às equipes da universidade pernambucana tem aumentado. “Temos recebido muito material para análise. Alguns materiais têm vindo inclusive de outras regiões, como da Bacia de Campos e muitas têm chance de ser o primeiro registro no Brasil”, disse.

Fidelis afirma que os pesquisadores ainda não conseguiram avaliar todas as mais de 30 mil amostras reunidas no museu. A estimativa é que esse material represente cerca de 3 mil espécies novas de crustáceos, ouriços do mar e corais, entre outros. “Ainda temos muito material que não foi analisado e não tem como estimar, mas acreditamos que pode dobrar o número de espécies [ainda não catalogadas no país]”, calculou o pesquisador.

Em apenas um dos grupos de análise, cerca de 70% do material colhido recentemente nas regiões de exploração de petróleo representam espécies que ainda não tinham sido identificadas na parte brasileira do oceano

O Projeto Que Maravilha! leva ao Centro Cultural Correios, no Recife Antigo, a leitura dramatizada do texto A Dona da História, que será encenado por Livia Falcão e Olga Ferrario, nesta segunda (29) e terça (30), com entrada gratuita, sempre a partir das 20h. A peça de João Falcão, diretor, roteirista, dramaturgo e compositor pernambucano, se desenrola quando uma mulher resolve conversar com seu passado (ela mesma 20 anos mais jovem) e reinventa sua história.

Livia Falcão e Olga Ferrário, mãe e filha na vida real, encarnam na cena a Carolina e a Carolina jovem, num texto bem-humorado que nos leva a uma reflexão sobre o tempo e seus contratempos. A direção é de Duda Maia, formada pela Escola de Dança Angel Vianna (RJ), ex-bailarina da Lia Rodrigues Companhia de Dança e que desde 1996 desenvolve um trabalho de preparação corporal e direção de movimento para teatro, além de direção e codireção de espetáculos, ao lado de nomes como o próprio João Falcão e Lucio Mauro Filho.

Graças a uma parceria com a Botticelli, ao final das apresentações, o público poderá conversar com as atrizes num momento de troca descontraído, regado a vinhos e muitas boas histórias. A Duas Companhias, grupo teatral responsável pelo projeto, também está sorteando os calendários confeccionados em comemoração aos oito anos do grupo e mudas de plantas para a plateia.

Depois do sucesso dos ciclos de leituras teatrais Que Absurdo!, resgatando peças do Teatro do Absurdo, em 2010 e do Que Comédia!, trazendo autores da Commedia Dell´Arte, em 2011, a Duas Companhias, de Livia Falcão e Fabiana Pirro, está realizando este ano o ciclo Que Maravilha!, mais uma vez em parceria com o Centro Cultural Correios, toda última segunda e terça de cada mês, com entrada gratuita. Desta vez os textos trazidos à luz são todos de autores pernambucanos e a estreia em agosto foi com “Um Paroquiano Inevitável”, de Hermilo Borba Filho. No mês de setembro, a leitura marcou a estreia do veterano ator Cláudio Ferrario como dramaturgo, com o texto inédito “A Peleja dos Mil Anos”. Em novembro o projeto Que Maravilha! apresentará a peça O Mistério das Figuras de Barro, de Osman Lins.  

Toda última segunda e terça de cada mês, até novembro, a cada apresentação, diferentes atores e diretores convidados para se integrar ao programa, uma fórmula encontrada pela Duas Companhias para levar ao público vários talentos já consagrados e artistas iniciantes também.

Serviço:  

Que Maravilha!   Ciclo de Leituras do Teatro Pernambucano  

Auditório do Centro Cultural Correios, às 20h

Avenida Marquês de Olinda, 262, Bairro do Recife

Entrada Gratuita

Dias 29 e 30 de outubro

Lista preliminar tem 49 pernambucanos mortos e desaparecidos. Com divulgação, comissão espera que sociedade civil possa contribuir

 

Do Portal G1 Pernambuco

A Comissão Estadual da Memória e Verdade Dom Helder Camara (CEMVDHC) divulgou, na última quarta-feira (10), a lista preliminar com nomes de 49 pernambucanos mortos e desaparecidos durante o regime militar. A solenidade acorreu na Faculdade de Direito do Recife, na Boa Vista, no centro do Recife.

A lista é formada por pernambucanos vitimados, no estado e em outros locais do País, por agentes públicos. A maior parte tem envolvimento com os grupos ANL, PCB, APML, Colina, PCdoB, VPR, PCBR, PCR, Ligas Camponesas e UNE. Com a divulgação dos nomes, a CEMVDHC espera que a sociedade civil e entidades representativas possam contribuir com o esclarecimento dos casos, fornecendo documentos, fotografias ou vídeos.

"Além de casos emblemáticos, há nomes de pessoas desconhecidas, muitos camponeses, cujas mortes passaram despercebidas. Essa lista é preliminar e tende a aumentar, principalmente com a inclusão de vítimas de atentados durante o regime militar", explicou o coordenador da Comissão, Fernando Coelho.

A Comissão, instalada em junho deste ano, terá dois anos de trabalho, com possibilidade de prorrogação por igual período. O material pode ser entregue na sede da Secretaria Executiva de Justiça e Direitos Humanos, Rua Benfica,133, Madalena. Outras informações pelo telefone (81) 3183.3186.

O evento foi aberto ao público. A estudante Anatália Silva, de 22 anos, esteve presente. "Não é tarefa apenas da Comissão investigar esses casos, é papel de toda a sociedade civil ajudar dando informações, principalmente sobre vítimas menos conhecidas. A gente quer o resgate do que aconteceu, mães ainda querem enterrar seus filhos. Eu não tenho ligação com ninguém que morreu ou desapareceu, mas sou uma jovem que quero estar engajada nisso", disse.

Comissão Dom Helder  - A CEMV foi instalada pelo governo estadual no último dia 1°de junho. Até o momento, já ocorreram cinco sessões públicas. As duas primeiras foram relacionadas com o caso do padre Henrique. No dia 30 de julho, foi ouvido Jorge Tasso de Souza, que atuou como advogado da assistência de acusação, ao lado do irmão Fernando Tasso. No dia 16 de agosto, foi o padre José Ernanne Pinheiro, assessor político da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, quem falou.

A terceira sessão, no dia 30 de agosto, foi voltada para os casos de Fernando Santa Cruz e Eduardo Collier. Na ocasião, foram ouvidos Rosalina de Santa Cruz Leite e Marcelo de Santa Cruz Oliveira, irmãos de Fernando Santa Cruz, e Maria do Rosário Collier do Rêgo Barros (irmã de Eduardo Collier Filho).

No dia 10 de setembro, a Comissão Estadual recebeu a Comissão Nacional da Verdade, para debates e explanações de casos. A última ouvida foi a de José Ferreira dos Anjos, ex-major Ferreira.

Confira a lista:

1. ALBERTINO JOSÉ DE OLIVEIRA - Presidente das Ligas Camponesas de Vitória de Santo Antão, PE  

2. ADAUTO FREIRE DA CRUZ/CELESTINO ALVES DA SILVA - Presidente do Sindicato Rural de Goiana, PE

3. ALMIR CUSTÓDIO DE LIMA/ CEGO - Filiado ao Partido Comunista Brasileiro Revolucionário

4. AMARO LUIZ DE CARVALHO - Filiado aos partidos Comunista Brasileiro, Comunista do Brasil e Comunista Revolucionário

5. ANATÁLIA DE SOUZA ALVES MELO/ANATÁLIA MELO ALVES/ MARIA LÚCIA DOS SANTOS/ MARINA - Filiada ao Partido Comunista Brasileiro Revolucionário

6. ANTONIO HENRIQUE PEREIRA NETO/ PADRE HENRIQUE

7. ANTÔNIO BEM CARDOSO - Atuante na Ação Libertadora Nacional

8. EMANUEL BEZERRA DOS SANTOS - Filiado aos partidos Comunista Brasileiro e Comunista Revolucionário

9. EUDALDO GOMES DA SILVA/ SILVINHO/ JOSÉ/ ZACARIAS - Atuante na Vanguarda Popular Revolucionária

10. EZEQUIAS BEZERRA DA ROCHA

11. EVALDO LUIZ FERREIRA DE SOUZA/ SÉRGIO - Atuante na MNR e militante do VPR

12. FERNANDO AUGUSTO DA FONSECA/ JOÃO MACABEU/ GIL/ COMPRIDO/ JOÃO/ CLÁUDIO/ FERNANDO/ SANDÁLIA/ MAGRÃO/ SARDINHA - Dirigente Estadual do PCBR em Pernambuco

13. GILDO MACEDO LACERDA - Atuante na Ação Popular (AP) e Ação Popular Marxista-Leninista

14. IVAN ROCHA AGUIAR - Atuante no Movimento Estudantil e vice-presidente da União dos Estudantes de Palmares, PE

15. JOÃO LUCAS ALVES - Atuante no comando de Libertação Nacional

16. JOÃO MENDES ARAÚJO - Atuante na Ação Libertadora Nacional

17. JOÃO ROBERTO BORGES DE SOUZA - vice-presidente da União Estadual dos Estudantes da Paraíba   18. JONAS JOSÉ ALBUQUERQUE BARROS

19. JOSÉ BARTOLOMEU RODRIGUES DE SOUZA/ TROPI/ CARLOS/ TEL - Filiado ao Partido Comunista Brasileiro Revolucionário

20. JOSÉ CARLOS NOVAES DA MATTA MACHADO/ FERNANDO/ HILÁRIO/ ALBERTO/ NANDO/ ALOÍSIO - Atuante na Ação Popular (AP) e Ação Popular Marxista-Leninista

21. JOSÉ INOCÊNCIO PEREIRA - Sindicalista rural

22. JARBAS PEREIRA MARQUES - Funcionário na Livraria Moderna, no Recife  

23. JOSÉ MANOEL DA SILVA/ CIRINO/ MANÉ/ GORDO - Atuante na Vanguarda Popular Revolucionária

24. JOSÉ RAIMUNDO DA COSTA - Atuante na Vanguarda Popular Revolucionária

25. LUIZ GONZAGA DOS SANTOS

26. LUÍS JOSÉ DA CUNHA - Atuante na Ação Libertadora Nacional

27. LOURDES MARIA WANDERLEY PONTES - Filiada ao Partido Comunista Revolucionário

28. LUÍS (ALBERTO) ANDRADE DE SÁ E BENEVIDES - Filiado ao Partido Comunista Brasileiro Revolucionário

29. MANOEL LISBOA MOURA - Filiado ao Partido Comunista Revolucionário

30. MARIANO JOAQUIM DO NASCIMENTO (ou da SILVA)/ LOYOLA - Atuante na Ação Popular, filiado ao Partido Comunista do Brasil, integrante do Comitê do PC do B e da Vanguarda Armada Revolucionária

31. MIGUEL PEREIRA DOS SANTOS/ CAZUZA - Filiado ao Partido Comunista do Brasil

32. MÍRIAM LOPES VERBENA - Filiado ao Partido Comunista Brasileiro Revolucionário

33. ODIJAS CARVALHO DE SOUZA/HILTON ALENCAR DE ARAÚJO/ NEGUINHO/ BAIANO/ CIRO/ CARLOS - Filiado ao Partido Comunista Brasileiro Revolucionário

34. PAULINE PHILIPE REICHSTUL - Atuante na Vanguarda Popular Revolucionária

35. RANÚSIA ALVES RODRIGUES/ FLORINDA/ NUCE/ OLÍVIA - Filiado ao Partido Comunista Brasileiro Revolucionário

36. RAIMUNDO GONÇALVES FIGUEIREDO/ JOSÉ SEVERO - Atuante na Vanguarda Armada Palmares, PE

37. RAMIREZ MARANHÃO DO VALE - Militante do Partido Comunista Brasileiro Revolucionário, Movimento Estudantil Pernambucano e PCBR

38. SEVERINO VIANA COLON - Militante do Comando de Libertação Nacional

39. SOLEDAD BARRET VIEDMA - Militante da Vanguarda Popular Revolucionária  

40. AMARO FÉLIX PEREIRA/ PROCÓPIO - Filiado ao Partido Comunista Revolucionário e ao Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Barreiros, PE

41. ANTÔNIO FERREIRA PINTO/ ANTONIO ALFAIATE - Filiado ao Partido Comunista do Brasil e aos movimentos populares pré-64, contra a sonegação especulativa dos alimentos, em Duque de Caxias (RJ)

42. DAVID CAPISTRANO DA COSTA - Filiado ao Partido Comunista Brasileiro

43. EDGARD DE AQUINO DUARTE - Atuante, provavelmente, na VPR

44. EDUARDO COLLIER FILHO/ ULISSES/ DUDA/ ANJO BARROCO - Atuante da Ação Popular Marxista-Leninista

45. FERNANDO AUGUSTO SANTA CRUZ OLIVEIRA - Atuante na Ação Popular Marxista-Leninista 

46. HIRAN DE LIMA PEREIRA/ JOSÉ VANILDO DE ALMEIDA - Filiado ao Partido Comunista Brasileiro

47. JOÃO MASSENA MELO - Dirigente do Partido Comunista Brasileiro

48. RUY FRAZÃO/ LUIS ANTONIO SILVA SOARE - Atuante na Ação Popular e Partido Comunista Brasileiro

49. UMBERTO ALBUQUERQUE CÂMARA NETO - Atuante na Ação Popular Marxista Leninista

Quinta, 11 Outubro 2012 13:07

Banho de Argila na praia de Itapuama

Escrito por

Por Taíza Brito

O fotógrafo Miguel Igreja apresenta hoje em seu bom dia aos leitores do Blog Viva Pernambuco imagem em primeiro plano de banhista depois de imersão em argila na praia de Itapuama, no Cabo de Santo Agostinho, no Litoral Sul. Uma boa opção para o feriadão. Bom dia a todos!

Quinta, 11 Outubro 2012 12:46

Reciclagem evitaria que ouro fosse parar no lixo

Escrito por

Da EcoD  

A reciclagem evitaria que fossem parar no lixo algo em torno de 228 kg de ouro, 1,7 mil kg de prata e 81 mil kg de cobre na Argentina, apenas em 2011. A estimativa foi divulgada no relatório Mineração e Lixo Eletrônico, produzido pela Organização Não Governamental Greenpeace, e se refere somente aos metais preciosos presentes em um tipo de lixo eletrônico: os celulares.

O documento aponta que cerca de 10 milhões de aparelhos celulares foram descartados no país em 2011. Cada argentino produz, em média, três quilos de lixo eletrônico anualmente, sendo que destes, metade termina em lixões e apenas 10% destina-se ao manejo adequado de resíduos – número mais alto que outros países vizinhos, como o Chile, que recicla de 1,5% a 3%.

Se a geração de lixo eletrônico é problemática na Argentina, em terras brasileiras a situação não é diferente. Em 2010, o Pnuma (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente) apontou o país como líder na geração de lixo eletrônico per capita entre os países emergentes: meio quilo por ano, à época.  

Mineração Urbana -  O ouro é utilizado para fabricação de componentes eletrônicos devido às suas propriedades de condução e estabilidade. No entanto, o material é encontrado em quantidades mínimas dentro de celulares ou computadores, cerca de 0,025% do total. A prática de retirar metais preciosos de aparelhos eletrônicos ainda é incipiente nos países latino-americanos, inclusive no Brasil, mas é bastante difundida em nações desenvolvidas.

A mineração urbana, como é conhecida, tem sido constantemente estimulada, pois evita a contaminação ambiental de dois modos (segundo o relatório):   1) Permite recuperar metais ou materiais que são cada vez mais escassos (como o ouro e a prata) e cuja obtenção, por meio da mineração, gera um alto impacto ambiental e social;   2) Ao mesmo tempo, freia o impacto que estes resíduos geram no ambiente ao degradar-se em lixões ou aterros, contaminando os lençóis freáticos, o solo e o ar.

Cerca de 90% de todos os materiais presentes em equipamentos eletrônicos podem ser reciclados ou reutilizados, sendo que 3% são substâncias altamente tóxicas, como o mercúrio, o cádmio e o amianto – daí a importância de levar esses materiais a postos de coleta em vez de simplesmente jogá-los no lixo.

Além dos metais citados no relatório, a reciclagem do lixo eletrônico permite a obtenção de materiais como a platina, alumínio, aço e o plástico e os oriundos das terras raras – situados na China, que detém 97% das reservas conhecidas, sendo assim mais um importante fator para estimular a reciclagem.

Leia aqui o relatório na íntegra (em espanhol).

Durante a edição deste ano da Fliporto, feira literária que acontece em Olinda no próximo mês de novembro, e mais uma edição do Arte em Toda Parte, o fotógrafo e publicitário Miguel Igreja apresentará duas exposições simultâneas.Uma delas será realizada pelo Ateliê da Barbearia, instalado no Espaço Cultural Terraço de Olinda, entre os dias 14 e 25 de Novembro de 2012. 

No mesmo período, estará circulando nas ladeiras do Sítio Histórico de Olinda, a mesma exposição fotográfica Itinerante, em bykebanners, realizada com muito sucesso por Miguel Igreja, na edição da Rio+20, na capital carioca.

Depois de lançar o seu primeiro CD no final de 2011 e preparando o lançamento do primeiro DVD do grupo para o final deste ano, o Coral do Movimento Pró-Criança recebeu convite da Companhia de Ópera do Recife (CORE) e será a atração musical do Projeto Salão de Saraus de outubro, com show no Salão Nobre do Teatro Santa Isabel, neste domingo, dia 14, às 17h, com entrada gratuita, em homenagem ao Dia das Crianças  

 

O Teatro Santa Isabel e a Companhia de Ópera do Recife (CORE) se uniram desde 2010 numa parceria que vem aproximando música e poesia e formando novas plateias através do Projeto Salão de Saraus. São vários espetáculos de música erudita, recitais e concertos ao longo do ano e neste domingo (14) o Coral do Movimento Pró-Criança será a atração musical do evento, a convite da CORE.

É a segunda vez que o grupo participa do projeto este ano, mais uma conquista para os meninos e meninas de bairros pobres, alunos da ONG Movimento Pró-Criança, que vêm mostrando seu talento e consolidando a realização de muitos sonhos, como a gravação do primeiro CD, lançado no final do ano passado e o DVD que está em produção e deve sair até o final de 2012.

O evento também contará com um recital de poesias intercalando o repertório do Coral, com a participação do ator e escritor Luciano Pontes, autor de vários livros infantis, recitando poemas dele mesmo e de outros autores que escrevem para crianças como Fernando Paixão, Elias josé , José Paulo Paes, Leo Cunha, Lenice Gomes e Roseana Murray.

A apresentação começa às 17h, com a participação especial de Fabiano Menezes (violoncelo), Rachel Casado (piano) e Mário Mendes (violino) e a entrada é gratuita. Os ingressos serão distribuídos na bilheteria do teatro a partir das 16h.

O repertório musical deste domingo terá músicas de Chico Buarque, Toquinho, Luiz Gonzaga e Zé Dantas, Pixinguinha, Cleiton e Cledir e canções internacionais como Hino ao Amor, de Edith Piaf; Amigos para Sempre, de Andrew Lloyd Webber e Don Black; Volare, de Domenico Madrugo e o Cânone de Mozart.   No Coral estão nomes como Carlos Alessandrino, de Dois Unidos; Crislainny da Conceição, do Cabo; Elisa Gabriela, da Estância; Raianderson Ferreira, de Caixa D´Água; Fernanda Alcides, de Joana Bezerra...

Na primeira vez que ouviram suas vozes gravadas em uma das faixas do primeiro CD do Coral Pró-Criança, os 29 meninos e meninas não esconderam a emoção e muitos deles acabaram em lágrimas e risos que se misturavam.

Agora o sonho vai ganhando novas asas. Desde outubro de 2005 regendo e ensinando o grupo, o maestro Otávio Góes conta que o trabalho, que vem recebendo elogios pela qualidade musical, não se encerra nas vozes, mas é refletido na vida e nos passos das crianças. “Nesses mais de cinco anos de convivência, é muito bom ver o quanto, através da música, vamos conseguindo mudar o comportamento de crianças antes consideradas difíceis e nos relatos deles comemoramos as novas delicadezas descobertas também nas relações lá fora”, conta Otávio, que assina a direção musical, regência e preparação vocal do grupo. O Coral também conta com o talento do pianista Arthur Tenório na preparação dos meninos, ensaios e apresentações.

O CD teve apoio financeiro do SESI e apresenta 16 músicas, transitando por um repertório que passa pelo popular, erudito, internacional e MPB. As gravações aconteceram no estúdio Carranca e os arranjos do disco foram do maestro Crisóstomo Santos, regente da Orquestra do Pró-Criança.

A coordenadora da unidade Pró-Criança dos Coelhos, onde está localizada a sede do coral, Roseângela Almeida, foi a responsável pelos contatos para liberação dos direitos autorais. Ela conta que foram muitas belas surpresas no caminho. “Quando tentamos a primeira vez a liberação da música “Como é grande o meu amor por você”, de Roberto Carlos, a gravadora que detém os direitos nos desanimou, dizendo que era muito difícil conseguir, que ele nunca tinha cedido os direitos da música gratuitamente a ninguém. Depois de um tempo me ligaram de volta, dizendo que numa decisão inédita o rei Roberto Carlos, pessoalmente, tinha concordado e que os direitos para gravação da sua música pelo Coral Pró-Criança estavam totalmente liberados”, emociona-se Roseângela.  

“Dona Zezita, viúva de Capiba, nos recebeu na casa dela, em Surubim e delicadamente nos deu a liberação para gravarmos “Eh! Uá! Calunga”, a preferida do mestre Capiba pelo Dr. Sebastião (Sebastião Barreto Campello, presidente do Movimento Pró-Criança)”, diz Otávio Góes.   “A minha ideia é criar um grupo oficial e fazer apresentações nos quatro cantos do mundo”, completa Otávio. Os alunos recebem aulas de dicção, articulação, técnica vocal, respiração, além do cruzamento de linguagens com outras expressões artísticas.  

Otávio Góes já foi professor da Universidade Federal da Paraíba, UFPE e Conservatório de Olinda, como cantor de óperas e corais já se apresentou na França, Portugal e várias cidades do Brasil. “A música me levou duas vezes para a Europa e através dela realizei muitos sonhos, é o exemplo que levo para os meninos. Com eles pode acontecer a mesma coisa. Hoje no trabalho que desenvolvo com eles, sou movido por muito amor e principalmente muita fé”.  

twitter

Apoio..................................................

mercado_etico
ive
logotipo-brahma-kumaris