Editor

.

Linha Editorial

  • "Mídia Construtiva é também lançar o olhar crítico sobre problemas, apontar falhas, denunciar. Contribuindo para a corrente que tenta transformar o negativo em positivo."

    Leia mais ...
Blog

Foto: A Prefeitura do Recife lança na próxima segunda-feira, no Cinema São Luiz, às 19h, a campanha de prevenção ao uso do crack e você está convidado para essa sessão!

Os cineastas Antônio Carrilho, Camilo Cavalcante, Kátia Mesel, Kleber Mendonça Filho, Marcelo Lordello, Marcelo Pedroso, Neco Tabosa e Tuca Siqueira produziram vídeos para sensibilizar a população sobre o tema.

Na ocasião, também será lançado o hotsite da campanha com seções informativas de como ajudar o usuário.

Saiba mais sobre a campanha <a href=Cineastas pernambucanos foram convidados pela Prefeitura do Recife a produzir vídeos de meio minuto para a campanha 30 segundos contra o crack. Os vídeos foram lançados no último dia 5 de maio, em evento realizado no Cinema São Luiz, pelo prefeito Geraldo Júlio. Inédita no país, a campanha será veiculada nas emissoras de TV locais. Os vídeos também podem ser acessados pela internet (confira aqui o link).
Idealizada pela Secretaria de Segurança Urbana do Recife, a iniciativa é uma das ações do Plano Municipal de Atenção Integrada ao Crack e outras Drogas e do Pacto Pela Vida do Recife. O projeto contou com a parceria da ONG holandesa Fundação Van Leer, voltada para a defesa dos direitos de crianças e adolescentes, e do Centro Josué de Castro.
Segundo o prefeito Geraldo Julio, a ação reforça o comprometimento da gestão no combate ao uso de drogas e faz parte de um conjunto de ações do Pacto pela Vida do Recife. “No início do meu governo lançamos o Pacto, e que somado a outras atividades que a prefeitura desenvolve tem uma atuação integrada de combate às drogas. Não só ação de polícia, mas ações de prevenção, são extremamente importantes. Aqui juntamos vários cineastas para realizar filmes que certamente vão tocar muitas pessoas. De maneira inovadora no Brasil, lançamos essa campanha audiovisual na esperança de somar forças para vencer esta guerra”, declarou o gestor.
Para o projeto foi destinado o valor de R$ 10 mil por filme, fruto da parceria com a Fundação Van Leer e o Centro Josué de Castro. Além do material audiovisual, também foi produzido um site para reforçar a campanha (www.30scontraocrack.com.br), que contém seções informativas de como ajudar ao usuário junto aos endereços e telefones dos Centros de Atenção Psicossocial (Caps) especializados no tratamento da droga.
“Oito olhares formam um discurso muito maior do que um único, então a ideia foi investir nessa multiplicidade. O resultado além de abrangente é múltiplo, então com isso conseguimos chegar a diferentes parcelas de público, e esse é o objetivo do projeto, comunicar com o maior número de pessoas possível”, ressaltou o jornalista André Dib, curador do projeto.
Nomes conhecidos do cinema local como Antônio Carrilho, Camilo Cavalcante, Kátia Mesel, Kleber Mendonça Filho, Marcelo Lordello, Marcelo Pedroso, Neco Tabosa e Tuca Siqueira, foram os responsáveis pela concepção dos nove filmes que irão ser veiculados gratuitamente em todas as emissoras de TV de Pernambuco. De acordo com o secretário de Segurança Urbana do Recife, Murilo Cavalcanti, os vídeos irão permitir que este debate chegue de forma mais direta às pessoas.
“Queremos promover a reflexão nas escolas, nas casas, alertando e orientando as pessoas sobre os perigos do crack. A linguagem que os cineastas utilizaram vai ser muito facilmente absorvida pelos jovens, e vai ser um mecanismo de alerta muito importante para a sociedade”, destacou.
POLÍTICA DE ENFRETAMENTO – Em novembro de 2013, o prefeito Geraldo Julio instituiu o Plano Municipal de Atenção Integrada ao Crack e outras Drogas, o primeiro do tipo lançado por uma gestão municipal. A iniciativa reúne 14 secretarias e toda a sociedade civil em um grande esforço conjunto, cuja meta é promover a qualificação e a ampliação do atendimento da rede de assistência social. Entre as ações está a implantação de dois núcleos do Programa Atitude Municipal, com previsão de atendimento de 2,7 mil pessoas por mês e acolhimento a 130 usuários.
Além disso, serão feitas ampliações dos Centros de Referência da Assistência Social (Cras) de oito para 18 até 2016. Já o número de Centros de Referência Especializada da Assistência Social (Creas) subirá de três para seis no mesmo período. Também serão erguidos mais dois centros que cuidam de pessoas em situação de risco e vulneráveis – atualmente dois já estão em funcionamento.
Também estão previstas parcerias com a rede complementar não governamental para acolhimento, tratamento e reinserção social de 120 usuários de crack, álcool e outras drogas; bem como a ampliação do número de Casas de Acolhida. Funcionam atualmente dez unidades no Recife. Até 2016, o município passará a contar com 23, o que significa um aumento de 289 para 490 acolhimentos.

Taíza Brito e Gerard Sauret

Quem lotou o auditório da Livraria Cultura, na última quinta-feira (24 de abril), no Bairro do Recife, para prestigiar a II Mostra Sesc de Literatura e Oralidades, foi brindado com um breve, mas potente show de Silvério Pessoa e do grupo occitano La Talvera. O espetáculo, chamado ForrOccitània, é de um hibridismo transbordante, com originais misturas de instrumentos e ritmos tradicionais do Sertão pernambucano e do mundo rural do sul da França. Mais um resultado das inúmeras e frutíferas pesquisas do cantor oriundo de Carpina, na Mata Norte.

Antes do show, Silvério explicou algumas de suas experiências transitando entre esses dois territórios sonoros: o Nordeste e a Occitania. Abordou como seu interesse transcende a dimensão estritamente musical e direciona-se para a busca da espiritualidade nas manifestações musicais de cá e de lá.

O legado de mais de dez anos de pesquisas entre o Brasil e a França pode ser avaliado em função da riqueza do material gerado: dois CDs gravados; uma tese de mestrado, o livro Nômade, com selo das Edições Bagaço; muitos shows aqui (com pouca divulgação) e na Occitânia (mais prestigiados), além de um farto material fotográfico e memórias que bem poderão render outro livro.

O CD ForrOccitània, foi gravado por Silvério e a Talvera, na França, em 2012. E é ainda inédito no Brasil. Já o CD Collectiu (coletivo, em Português), lançado em 2011, é fruto da gravação de Silvério com La Talvera (uma faixa) e outras bandas occitanas, ao longo dos últimos anos.

Ao assistir ao pocket show de Silvério e La Talvera, imagina-se que se o músico pernambucano poderia receber maior apoio e divulgação do trabalho. A apresentação, caso ampliada, caberia bem em um grande palco no Marco Zero. Uma aposta na qual valeria apena investir. Vale ressaltar que não há problema no espaço da Livraria Cultura, com boa infraestrutura para o show no formato apresentado, nem no evento organizado pelo Sesc, dentro do proposto pela mostra.

No palco, a cumplicidade entre os músicos é total, resultando numa explosão de sons das culturas nordestina e occitana. De um lado, Silvério e dois componentes de sua banda (bateria e guitarra), e do outro três integrantes do grupo La Talvera - Daniel Loddo (acordeom, craba – um chamativo instrumento feito do corpo de uma cabra –, cavaquinho, percussão), Céline Ricard (voz, flauta) e Fabrice Rougier (clarinete). Os demais integrantes do grupo occitano infelizmentenão puderam vir ao Brasil por restrição orçamentária.

CONEXÕES CULTURAIS

Na apresentação, Silvério disse que encontrou na Occitania “uma atmosfera, uma geografia, uma cultura, uma religiosidade e um povo semelhante ao que aprendeu a conviver na economia da cana-de-açúcar”, em Carpina.

“Quando conheci os integrantes de La Talvera, anos atrás, uma grande amizade se efetivou e começamos a sonhar juntos sobre a possibilidade de realizar não só um show, mas um projeto. Que pudéssemos vivenciar a cultura um do outro e desta convivência fazer música, trocar experiências, criar algo coletivo e ao mesmo tempo afirmar nossas músicas e identidades”, explica.

La Talvera, originária da cidade de Cordes Sur Ciel, de fato, é mais do que uma banda. É uma associação que trabalha para a preservação do patrimônio musical occitano. Suas atividades vão desde a pesquisa etnomusicológica, a edição, a difusão, a criação e a formação. Uma cultura de resistência diante da pressão globalizadora do mundo atual.

Melhor que falar sobre Silvério e ForrOccitània, é ouvir as canções, algumas das quais podem ser acessadas no site do músico aqui. Voltadas, sem dúvida, como diz Silvério, para aqueles que acreditam que as culturas que lutam por reconhecimento, fortalecem suas identidades, numa festa que sempre vai continuar. E que esta festa possa um dia ser reconhecida e vista por um público maior em Pernambuco.

 

Confira a seguir a programção completa de La Talvera no Brasil nos próximos dias:

 

- 25 de abril: conferência-show na UFPE

- 26 de abril: show com Silvério Pessoa em Arcoverde

- 28 de abril: conferência-show na Universidade de Belo Jardim

- 29 de abril: Master Class de clarinete no conservatório de música do Recife

- 30 de abril: conferência-show na Universidade de João Pessoa

O Comitê da Ação da Cidadania Pernambuco Solidário em parceria com a Arquidiocese de Olinda e Recife e o Comitê Nacional de Resgate do Dia de Ação de Graças (DNAG) farão do Parque da Jaqueira, no Recife, o quartel general da solidariedade pernambucana, a partir deste sábado, dia 26 de abril, com o mote “Dividindo Gratidão e Multiplicando Solidariedade”.

A proposta é que todos os finais de semana até novembro, equipes de voluntários se revezem no trabalho de recolher donativos como alimentos não perecíveis, água mineral e ração animal, que serão distribuídos com famílias carentes de todo o Estado, com prioridade para aquelas que convivem com a estiagem no Agreste e Sertão. A concentração dos voluntários começa às 10h diante da capela.

De acordo com os organizadores, a ideia é retomar o mutirão solidário que aconteceu no local ao longo de 2013 e que arrecadou centenas de toneladas de donativos, distribuídas nas cidades mais atingidas pela seca.

Mais informações com o coordenador do Comitê da Ação da Cidadania Pernambuco Solidário, Anselmo Monteiro, pelos telefones (81) 9979 9716, (81) 9114 9716 e (81) 3226 0063; ou com a assessora do DNAG, Patrícia Rocha, pelos telefones (81) 3252.6008 e (81) 9115.6115.

O cantor Silvério Pessoa (PE) faz apresentação com o grupo francês La Talvera, nesta quinta-feira, a partir das 19h, no auditório da Livraria Cultura, no Bairro do Recife. O evento acontece dentro da Mostra Sesc de Literatura e Oralidades, iniciado no Recife na última terça-feira (22), que segue até o próximo domingo (27), com programação no Laboratório Ascenso Ferreira, localizado no Sesc Santa Rita, no auditório da Livraria Cultura e no Hall do Paço Alfândega.
A segunda edição da mostra conta com duas novidades: A introdução do teatro como uma das linguagens apresentadas e a promoção da acessibilidade para deficientes auditivos e visuais. Cida Pedrosa e Sennor Ramos são os curadores da exposição.
Na abertura da mostra, nesta quarta-feira, 23, a “Cia do Tijolo”, de São Paulo, faz uma interpretação da obra de Patativa do Assaré com o espetáculo “Cante lá que eu canto cá”, que traz uma seleção de poemas de Patativa musicados e declamados. A apresentação acontece no hall do shopping Paço Alfêndega, a partir das 19h. Uma série de debates também acontece na Livraria Cultura do Paço Alfândega, com audiodescrição e interpretação em libras.
Ao longo dos dias de programação outros destaques são o encontro do rapper Zé Brown com o DJ Beto, numa mistura de hip-hop com repente nordestino e a apresentação do poeta e contador de histórias Jessier Quirino, que acontece no domingo, dia 27, a partir das 19h, na Livraria Cultura. O encerramento será com o espetáculo Papel de bodega, de Jessier Quirino (PB).
Confira a programação::

22 a 25 - terça a sexta-feira, 9h às 12h - Oficina de Repente com Antônio Lisboa (RN). Local: Laboratório de Autoria Literária Ascenso Ferreira

23 - quarta-feira
19h - Cante lá que eu canto cá - Apresentação da Cia do Tijolo (SP).
Local: Hall do Paço Alfândega

24 - quinta-feira
19h - Manifestações da oralidade. Cristiano Ramos (PE) conversa com Jussara Salazar (PE) e Silvério Pessoa (PE) (Atividade com interpretação em libras e audiodescrição)
20h30 - Forroccitania - Apresentação de Silvério Pessoa (PE) & La Talvera (França)
Local: Livraria Cultura

25 - sexta-feira
19h - Embolando o rap - Apresentação de Zé Brown (PE) e DJ Beto (PE)
19h40 - Histórias do improviso - Lindoaldo Campos (PE) conversa com Ésio Rafael (PE), Geraldo Amâncio (CE) e Josivaldo Custódio (PE) (Atividade com interpretação em libras e audiodescrição)
Local: Livraria Cultura

26 - sábado
17h - A voz por escrito - Allan Nascimento (PE) conversa com Homero Fonseca (PE) e Inácio França (PE)(Atividade com interpretação em libras e audiodescrição)
18h30 - Hora da merenda
19h - Conversa de pé de parede, com Anchieta Dali (PE) e Paulo Matricó (PE). Mediação: Maviael Melo (PE) (Atividade com interpretação em libras e audiodescrição)
Local: Livraria Cultura

27 - domingo
17h - Assim me contaram, assim vos contei - Contação de histórias com Giba Pedroza (SP) e Chico Perosa (PB). Mediação de Emanuella de Jesus (PE). (Atividade com interpretação em libras e audiodescrição)
18h - Hora da merenda
19h - Papel de Bodega - Apresentação de Jessier Quirino (PB)
Local: Livraria Cultura

 

Serviço:

II Mostra Sesc de literatura e oralidades
Quando: 22 a 17 de abril 
Onde: Laboratório Ascenso Ferreira - Sesc Santa Rita (Rua cais de Santa Rita, 156, São José); Livraria Cultura (Rua Madre de Deus, s/n, Paço Alfândega); Paço Alfândega (Cais da Alfândega, 35, Bairro do Recife).
Informações: (81) 3224-7577 Ramal 214; (81) 2102-4033

 

Confira a programação completa no site: www.sesc-pe.com.br/

Quarta, 16 Abril 2014 13:01

Arca de Livros chega no Rio Capibaribe

Escrito por

Arca dos Livros, uma coleção com 10 livros e um CD com canções ligadas aos temas das publicações será lançada com grande show de animação na capital pernambucana no próximo dia 23, data em que se comemora o Dia Internacional do Livro, às 14h, no Bar e Restaurante Catamaran, no Forte das Cinco Pontas

Apresentar de forma lúdica e divertida para crianças e adolescentes a importância da leitura na criação e recriação do cotidiano, tendo em vista que o hábito de ler estimula a criatividade, integração, socialização e o conhecimento. É com essa perspectiva que os autores, Fred Braga, educador, compositor e músico da Vouler Edições e Produções; e a psicopedagoga e contadora de histórias, Vera Nóbrega, da Cia. Quantos Contos, lançam no próximo dia 23, em homenagem ao Dia Internacional do Livro, o projeto Arca dos Livros, composto por uma coleção de 10 livros infantis e um CD com 10 canções, todos tendo como tema os livros e a leitura. Cada livro contém a letra e a partitura da música referente ao tema. O lançamento acontece a partir das 14h, no Restaurante e Espaço Catamaran, próximo ao Forte das Cinco Pontas, com uma grande festa aberta para a garotada que incluirá atividades de recreação com pula-pula, cama elástica, piscina de bolas, pintura de rosto, entre outras. Mas, a atração principal da tarde ficará por conta da chegada da Arca dos livros pelo Rio Capibaribe trazendo um grande show de animação com músicos, contadores de histórias e os personagens dos livros. O projeto tem elaboração da Bureau de Cultura e Turismo e conta com incentivo do Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura (Funcultura). O acesso ao evento é gratuito.

Os volumes trazem como temas principais a valorização do livro e o desenvolvimento do gosto da leitura pelas crianças. “Ao longo de alguns anos, realizei muitas pesquisas e percebi que não havia até o momento nenhuma obra que valorizasse o livro como objeto, como veículo. Daí surgiu à idéia de lançar essa coleção fazendo uma alusão ao livro”, conta o autor Fred Braga. Cada edição segue um padrão e conta uma história diferente em que sempre figuram o autor, o livro, o conteúdo, o professor, a livraria, a biblioteca, a escola, entre outros. Cada um dos 10 livros corresponde a uma das dez músicas-temas do CD. “Todas são alegres, dançantes e estimulantes para crianças e adultos. Os arranjos e a instrumentação foram produzidos por músicos experientes e as letras são entoadas por cinco cantores profissionais, sempre acompanhados por um coro com 16 vozes infantis”, ressalta. Os livros e as canções foram criados por Fred Braga e Vera Nóbrega, sendo as ilustrações assinadas pelo publicitário carioca que fixou residência na cidade de Olinda, Rodrigo Boente.

A coleção é formada pelos livros: O livro é lindo que mostra o trabalho de um velhinho que conta histórias para algumas crianças em praça pública, tirando os livros de um saco de tecido que carrega nas costas. Porém, uma das crianças nunca chega próximo ao grupo e, um dia, depois de ter sumido por um tempo, o contador de histórias reaparece e presenteia a menina que observava à distância, ensinando a magia dos livros. O segundo livro intitulado Abra a janela, relata a história de Gabriel, um menino que é internado num hospital e encontra na leitura uma forma divertida de brincar e se entreter e entrar no mundo mágico dos livros. O terceiro exemplar da coleção se chama Livro é livro que apresenta as novas tecnologias utilizadas na leitura através de uma comparação entre pai e filho sobre o livro digital e o de papel. No quarto livro, intitulado A carta, a neta e a avó redescobrem os encantos de escrever cartas. No quinto livro, cujo título diz: É preciso ler, as crianças vão poder vivenciar as dificuldades de leitura em uma sala de aula e aprender

sobre a importância da leitura no ambiente educacional. O sexto livro sob o tema Transforma, apresenta aos leitores o processo de transformação da natureza, fornecendo conhecimentos sobre o Pau Brasil, sua história e o cultivo de suas mudas levantando uma discussão em torno do uso das árvores no processo de reciclagem para a produção de papel e livros, além de outros objetos. O sétimo exemplar, A casa do meu amigo narra a história de uma menina que todos os dias chega em casa contando histórias de seu amigo da escola e a mãe, curiosa sobre esse amigo, vai até a escola e descobre que esse amigo tão falado pela filha é nada a mais, nada a menos que o livro. Em Quero ser um livro, o autor conta de forma divertida o sonho de um caderno chamado Branquinho que quer se tornar um livro. Em Livrem os livros, as crianças conhecerão a história de Marquinho que vai até a biblioteca da escola onde há um livro encantado que fala com ele e pede sua ajuda para mobilizar os alunos a libertarem os livros que estão presos nas prateleiras e precisam ser abertos e lidos para serem livres. Por fim, o último exemplar da coleção, o Arca dos livros mostra uma contadora de histórias narrando a história da Arca de Noé para as crianças no ambiente de uma biblioteca pública fazendo com que eles percebam que o local é como uma Arca dos Livros, capaz de preservar o conhecimento da humanidade, assim como Deus preservou os animais na Arca de Noé.

E, como tudo hoje precisa ser bastante atrativo, sobretudo, quando se trata de publicações voltadas para o universo infantil, que está, cada dia mais conectado com a interatividade dos meios digitais, a Arca dos livros também já ganhou versão 3D e traz as imagens em realidade aumentada para que educadores, pais e contadores ao utilizarem em suas atividades recreativas e educacionais, permitam que as crianças experimentem outra realidade sensorial. O aplicativo, criado pela RApp`s Studio (uma startup incubada no Instituto de Tecnologia de Pernambuco) em formato pop-up tem versão para android e está disponível gratuitamente no google play. Para isto, basta comprar o título e baixar o aplicativo no smartphone ou tablet e curtir um novo mundo. O app já é um sucesso e foi um dos vencedores no último mês do 16º Encontro dos Usuários de Internet, realizado nacionalmente pela Localweb.

O projeto Arca dos livros prevê a publicação de 500 coleções. Dessas, 200 coleções serão distribuídas gratuitamente em bibliotecas públicas do Estado de Pernambuco, brinquedotecas de hospitais públicos infantis, bibliotecas comunitárias da Região Metropolitana do Recife, ong`s que

desenvolvam trabalhos com crianças e pessoas com deficiência e a Fundarpe. Os demais exemplares serão comercializados a preços acessíveis ao público em geral. O preço de lançamento da primeira tiragem da coleção é de R$ 40,00. Além disso, o projeto irá realizar quatro ações educativas de contação de história, utilizando os livros publicados e o CD em hospitais, escolas e ong`s voltadas ao público infantil com o objetivo de estimular o hábito da leitura e permitir momentos lúdicos a crianças em situação de vulnerabilidade social.

A publicação é um projeto da estreante Vouler Edições e Produções, que se lançou no mercado editorial na Bienal do Livro de Pernambuco, no ano passado, e tem como proposta a integração multimídia do conhecimento com o entretenimento. A frente da direção executiva está o pernambucano Fred Braga, ex-professor do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE), compositor e músico. Segundo ele, as publicações serão bem diversificadas e produzidas em vários formatos de mídia como livros impressos, e-books, álbuns musicais, DVDs, vídeos, jogos eletrônicos, aplicativos, palestras, shows e peças teatrais.

Para o próximo ano, a idéia é lançar um DVD de animação das músicas da Arca dos Livros, que já se encontram em fase de produção. Também já está produzindo o espetáculo teatral “O reino da arca”, inspirado na obra e no hábito da leitura, com co-autoria assinada pelo diretor de teatro, Lúcio Lombardi, com mais de 40 anos de experiência na área. Outra proposta já em andamento é a publicação da coleção em braile e em áudio livro.

SERVIÇO:

LANÇAMENTO COLEÇÃO ARCA DOS LIVROS EM HOMENAGEM AO DIA INTERNACIONAL DO LIVRO
DIA: 23/04/2014
LOCAL: RESTAURANTE E ESPAÇO CATAMARAN, PRÓXIMO AO FORTE DAS CINCO PONTAS
HORÁRIO: DAS 14 ÀS 17H30
ATRAÇÕES: BRINQUEDOS, RECREAÇÃO, RECEPÇÃO DA ARCA DOS LIVROS, CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS, SHOW MUSICAL E SESSÃO DE AUTÓGRAFO COM OS AUTORES FRED BRAGA E VERA NÓBREGA.
PREÇO LANÇAMENTO DA COLEÇÃO: R$ 40,00

ACESSO GRATUITO

Segunda, 14 Abril 2014 19:49

Seis perguntas do consumo consciente

Escrito por

Do Instituto Akatu
O consumo de produtos e serviços acontece de modo automático e muitas vezes impulsivo. É comum não pensarmos em nada além da compra do objeto de desejo em si. Conhecer só essa parte e não o todo da história envolvida no consumo leva as pessoas a não se darem conta do seu poder de transformar a sociedade, a economia e o meio ambiente com as escolhas que fazem.
O ato de consumo consciente começa com uma análise prévia da necessidade: é realmente preciso comprar ou trocar? Decidido que sim, o consumidor se informa sobre os impactos individuais, sociais, econômicos e ambientais do produto que deseja. Depois decide sobre qual o local ou serviço que usará para comprar e escolhe o fabricante de acordo com a sua responsabilidade socioambiental na produção. Por fim, faz um uso otimizado do produto para ele ter uma vida útil mais longa e gastar menos recursos (como energia e água), e define uma forma de descarte adequada. Só assim – tomando decisões conscientes em cada uma dessas fases, o consumidor poderá comparar e escolher a melhor opção.
Essas etapas podem ser resumidas num roteiro com seis perguntas que ajudarão você a consumir conscientemente e, assim, ajudar a construir uma sociedade de bem-estar com “o suficiente, para todos, para sempre”.Conheça o passo a passo e divulgue para seus amigos!
SEIS PERGUNTAS DO CONSUMO CONSCIENTE
1. Por que comprar?
Pergunte-se, antes da compra, se você realmente precisa do produto ou se está sendo estimulado por propagandas ou impulso do momento, que podem levá-lo a comprar mais do que necessita ou pode comprar. É importante lembrar os limites planetários e o que realmente é importante na vida de cada um. Isso muitas vezes vai significar “ter” algo não material no lugar do material, como dedicar mais tempo a atividades com a família e os amigos.
2. O que comprar?
É neste momento que definimos qual produto queremos comprar, ao analisar o que as opções disponíveis oferecem e escolhendo as características que realmente atendem às nossas necessidades. Atributos demais que nunca serão usados são puro desperdício. Busca-se definir também a qualidade e durabilidade do produto, suas características de segurança no uso e outros critérios que permitam selecionar sua escolha.
3. Como comprar?
Devo comprar à vista ou a prazo? Conseguirei manter as prestações pagas em dia? Vou comprar perto ou longe de casa? Como vou buscar e levar minhas compras? De carro, ônibus, bicicleta, a pé? Em sacolas plásticas, sacolas duráveis, caixas de papelão? Fazer compras de bicicletas no final de semana com a família pode ser divertido e uma ótima experiência para todos.
4. De quem comprar?
Ao escolher a empresa fabricante do produto a ser comprado, é importante considerar as características de produção, o cuidado no uso dos recursos naturais, o tratamento e a valorização dos funcionários, o cuidado com a comunidade e a contribuição para a economia local. Assim, o consumidor pode reconhecer com suas escolhas as empresas que melhor cuidam da sociedade e do planeta, além de atender às características definidas na etapa “o que comprar?”.
5. Como usar?
É essencial encontrarmos formas de usar de maneira consciente os produtos e serviços adquiridos de modo a evitar a troca sucessiva de itens sempre que algo novo surge no mercado ou entra na moda. Alguns exemplos: ser cuidadoso no uso, usar os produtos até o final da sua vida útil, consertá-los se quebrarem antes de pensar em comprar um novo, desligar aparelhos eletrônicos quando não estão em uso e usar apenas a água necessária nas diversas atividades domésticas.
6. Como descartar?
É o momento de se perguntar se o que se quer descartar não tem mais nenhuma utilidade, seja para você ou para outras pessoas. Caixas e embalagens podem se transformar em brinquedos para as crianças, e roupas antigas com nova costura, móveis reformados e eletrodomésticos consertados podem ser doados ou trocados. Quando realmente não houver novos usos para o produto, deve-se descartar os resíduos de maneira correta, buscando enviar o que for possível para a reciclagem. E sempre lembrar que não existe “jogar fora”: o “fora” é o nosso planeta, onde todos vivemos.

Por Maria Dias, produtora cultural, Recife

 

A primeira vez que me deparei com o trabalho do fotógrafo e publicitário Miguel Igreja foi em dezembro de 2011. Na ocasião, ele já buscava meios para levar sua ideia de Galeria Móvel Sustentável com instalações de arte em bikebanner para Rio+20. Acompanhei sua trajetória e, a cada idéia exposta, eu percebia o desenho dos princípios e valores da Carta da Terra.

Como mobilizadora voluntária da Carta em Pernambuco não pude deixar de me envolver neste trabalho que causou impacto no Rio de Janeiro durante a Rio+20. Em meio a ONGs e intensa folheteria na Cúpula dos Povos, vi a Galeria Móvel compartilhar informações via QR Code, mostrando ao mundo belas imagens de Pernambuco e a própria Carta, sem dano algum para o Planeta, sendo um dos trabalhos registrados pelos Caçadores de Bons Exemplos; com a equipe do Espaço Ciência - fazendo link entre arte, ciência e o compromisso com as futuras gerações; e, na SBPC, dialogando com estudantes e mestres...

E como é importante buscar em nossas práticas cotidianas ações que enalteçam O Respeito a Vida; A Integridade Ecológica; A Justiça Social, e, A democracia e A Cultura de Paz. Temos como missão divulgar a Carta, difundir seus princípios interdependentes e reeducar nosso olhar, facilitando o acesso de todos a aspectos do desenvolvimento humano como Arte, Cultura, Educação para Sustentabilidade, muitas vezes esquecidos na acelerada corrida para o crescimento.

Bem!

O resultado positivo desta iniciativa chegou para mim em forma de reconhecimento e valorização da Galeria Móvel na recente inclusão de seu modo de registrar a vida como prática essencialmente sustentável (Carta da Terra em Ação) pela página da Iniciativa da Carta Internacional em sua website oficial:

http://www.earthcharterinaction.org/content/articles/1021/1/Mobile-photo-exhibition-inspired-by-the-Earth-Charter/Page1.html

Parabéns a todos e principalmente a Pernambuco por ter um registro de iniciativas locais em tão valiosa página promotora do Desenvolvimento Sustentável!

Até o próximo dia 6 de abril, quatro prédios de destaque na cidade patrimônio de Olinda receberão iluminação azul em alusão ao Dia Mundial de Conscientização do Autismo. Mercado Eufrásio Barbosa, Academia Santa Gertrudes, Igreja do Carmo e Palácio dos Governadores serão os monumentos iluminados na cor símbolo do trabalho de alerta e conscientização sobre esta síndrome, que, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), atinge a cerca de 70 milhões de pessoas em todo o mundo, afetando a maneira como esses indivíduos se comunicam e interagem com a sociedade. Em várias cidades do mundo, monumentos são iluminados em azul nesta semana.

Em Olinda, as luzes serão acesas após uma palestra no Palácio dos Governadores, promovida pela Prefeitura Municipal, através da Secretaria de Educação, em parceria com a Associação de Amigos do Autista – Grupo de Estudo sobre Transtornos Invasivos do Desenvolvimento (AMA-Getid). Com o tema “Autismo: desvendando os mitos”, o evento tem como palestrantes a presidente da AMA-Getid, Ana Cláudia Albuquerque, e a coordenadora pedagógica da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae Recife), Silvania Rita de Paiva. A palestra é voltada para educadores, pais de alunos e funcionários municipais, mas aberta a qualquer pessoa interessada em saber mais sobre o Autismo.

O objetivo da ação é informar sobre o que é o autismo e suas características, conscientizar sobre os direitos de inclusão da pessoa autista e fortalecer o senso de cidadania e o sentimento de solidariedade na comunidade escolar e na sociedade como um todo.

DIA A - O dia 2 de abril foi instituído em 2007 pela ONU o Dia Mundial de Conscientização do Autismo, ou Dia A, com o objetivo de conscientizar sobre o transtorno do espectro autista (nome oficial do autismo), que, segundo a própria organização, é mais comum em crianças que AIDS, câncer e diabetes juntos. De acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, a cada 110 crianças uma tem autismo.

Desta terça-feira (11), até o dia 11 de maio, a cidade sedia a exposição fotográfica inédita e publicação do catálogo “Recife [é um] Porto”, no Centro Cultural da Caixa. De autoria do fotógrafo Gustavo Maia, a mostra faz uma verdadeira captura da paisagem portuária do bairro do Recife de 1992 a 2013, período de transformação do velho porto, iniciada com a reforma da Praça do Marco Zero. Há cem anos, o porto e o bairro do Recife passavam por uma grande reforma. Agora, o espaço portuário inicia um novo ciclo que se descobre para a tecnologia, a cultura e o turismo. E é justamente essa transformação que a exposição irá revelar. O lançamento oficial para convidados e imprensa será na terça (11), às 19h30, na Caixa Cultural. A exposição tem acesso gratuito e será aberta para visitação a partir desta quarta (12), de terça a domingo, das 12h às 20h.

“Diante da importância histórica, econômica e social do porto do Recife, que se confunde com a própria cidade, acreditamos ser um momento oportuno de homenagear o Porto, ao mesmo tempo em que promovemos a valorização e preservação da memória do Recife”, considera o fotógrafo Gustavo Maia, autor, entre outros, das imagens do livro “Modernidade Verde – Jardins de Burle Marx”, de Guilherme Mazza Dourado, em 2009. É por isso também que o início da exposição e o lançamento do livro acontece na mesma semana em que a cidade comemora seus 477 anos.

Além das fotografias, “Recife [é um] Porto” compartilha textos e poemas de importantes poetas pernambucanos como Alberto da Cunha Melo, Ascenso Ferreira, Carlos Pena Filho, Mauro Mota, Ângelo Monteiro, Bento Teixeira e Joaquim Cardoso, que abordam temas ligados ao porto. Os textos que compõem a exposição e o catálogo são bilíngües, com traduções em português e inglês. A curadoria da exposição fotográfica é do arquiteto e historiador José Luiz da Mota Menezes. A apresentação do catálogo é assinada pelo poeta e ensaísta Ângelo Monteiro. O projeto é produzido pela Bureau de Cultura e Turismo através da Lei Rouanet e aprovação no edital da Caixa Cultural.

SERVIÇO:

EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA E LANÇAMENTO DO CATÁLOGO “Recife [é um] Porto”, DO FOTÓGRAFO GUSTAVO MAIA
LANÇAMENTO: 11 DE MARÇO
HORÁRIO: 19H30
ONDE: CENTRO CULTURAL DA CAIXA

VISITAÇÃO: DE 12 DE MARÇO A 11 DE MAIO DE 2014
ONDE: CENTRO CULTURAL DA CAIXA, BAIRRO DO RECIFE
HORÁRIOS: TERÇA A DOMINGO, DAS 12H ÀS 20H
ENTRADA GRATUITA

Do Mobilize Brasil

O primeiro passo para um futuro no qual residentes das grandes cidades brasileiras poderão usar os smartphones para planejar itinerários com carros compartilhados será dado no Recife. A capital pernambucana vai ser a primeira cidade do país a implementar um sistema de carros de aluguel, nos moldes das bikes, para viagens de curta e média distância. O serviço funcionará através do projeto PortoLeve e deve ter início em maio.

Até lá, o Porto Digital, que responde pela ação, realiza estudos de trajeto e de custo que vão definir o tempo de uso dos veículos e o valor diário ou mensal a ser pago pelos usuários.

Inicialmente, o objetivo era colocar carros elétricos nas ruas para serem usados pela população. Como o carro elétrico ainda não tem legislação específica para circulação nas vias de grandes cidades nem é ofertado em concessionárias no país, o Porto Digital optou por tirar o projeto do papel com veículos movidos a gasolina e a álcool. A ideia é migrar para os elétricos no segundo semestre deste ano, quando deve sair a regulamentação do uso desses veículos nos país. Serão disponibilizados três carros modelo Fiat 500 para serem compartilhados.

A cor do carro ainda não foi definida, mas ele terá a identidade visual do PortoLeve, usada nas bicicletas do projeto. Cada veículo vai transportar até quatro pessoas. "Devemos trocar pelo próprio Fiat 500 elétrico até o fim do ano", informou o diretor de Inovação e Competitividade do Porto Digital, Guilherme Calheiros. Os carros foram cedidos em comodato (empréstimo sem ônus) pela Fiat. Os recursos do projeto vêm do governo do estado e do Ministério da Ciência e Tecnologia. "O orçamento do sistema ainda está sendo fechado, por isso não sabemos o valor que será cobrado ao usuário".

"Além disso, estamos realizando estudos para definir o tempo de uso de cada carro, que deve variar entre 30 e 60 minutos", completou a gerente de projetos do Porto Digital, Cidinha Gouveia. Caso ultrapasse esse tempo, será cobrado um valor adicional para cada meia hora excedente.

Os carros poderão ser retirados e devolvidos em seis estações: em frente ao C.E.S.A.R., perto do prédio do Porto Digital, no Bairro do Recife; na Estação Central do Recife, no bairro de São José, na Rua Capitão Lima, em Santo Amaro e nos shoppings RioMar e Tacaruna. "A lógica da liberação será a mesma das bicicletas. Como é pioneiro no país, vamos testar se o sistema de carros é viável e se ele será bem assimilado pela população", pontuou Calheiros. Segundo ele, a expectativa é atrair 200 usuários na fase inicial.

Se o Arcebispo Emérito de Olinda e Recife, Dom Helder Câmara, estivesse vivo completaria nesta sexta-feira (sete de fevereiro) 105 anos de idade. Para marcar a data, os admiradores do religioso que era também conhecido pelos codinomes de "Dom da Paz" e "Dom da Partilha", estarão reunidos na Igreja das Fronteiras, no bairro do Dérbi, a partir das 19 horas numa celebração religiosa, que contará com a presença do historiador belga Eduardo Hoomaert, com a participação dos corais da Capela Dourada e Nossa Música.

A celebração também marcará os 30 anos de existência do IDHeC instituição criada pelo religioso e que, atualmente, mantém o acervo das obras produzidas por Dom Helder.

Representantes do Comitê da Ação da Cidadania Pernambuco Solidário também marcarão presença com o Bloco Brinque na Paz e os bonecos gigantes do sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, e do economista Maurício Andrade, criadores, do movimento voluntário de cidadãos.

Também confirmaram presença no ato em homenagem a Dom Helder, o cantor e compositor Tito Lívio e as cantoras Lourdinha Oliveira e Patrícia Cruz.

Após a celebração no pátio da igreja se apresentarão representantes do Bloco Lírico Flores do Capibaribe, e dos maracatus Nação Porto Rico e Várzea do Capibaribe.

Por Priscilla Andrade, do Consumidor Consciente

Dados da pesquisa realizada em parceria pela UN Food and Agriculture Organization (FAO), Stockholm International Water Institute e a International Water Management Institute(IWMI) revelaram que quase metade de todo o cultivo mundial de alimentos é desperdiçado após a sua produção

Seja durante a produção, o transporte ou o consumo, muito alimento que poderia ser utilizado acaba no lixo. E o que não falta no mundo é gente precisando deles. Portanto faça a sua parte e não jogue fora o que ainda pode ser aproveitado. Por meio de mudanças simples de hábito é possível desperdiçar menos. Conheça dez dicas listadas pelo EcoD.

Nos dias de hoje, somos incentivados a consumir o tempo todo. Por isso, muitas vezes compramos mais do que realmente precisamos. Para evitar esse consumo abusivo, uma boa dica é fazer uma lista de compras antes de ir ao supermercado. Isso evita aqueles impulsos de levar coisas desnecessárias, que vão acabar passando da validade e indo parar no lixo.

Reaproveite as sobras do almoço

Sobrou comida do almoço? Então nada de jogar fora. Aproveite o que restou na janta e evite o desperdício. Sobras do frango podem virar uma canja, o feijão pode se transformar em uma sopa, os legumes podem servir para o recheio de panquecas e o arroz pode acabar como o risoto. Vale a criatividade e o talento na cozinha.

Compre a granel

Em vez de comprar alimentos em embalagens padronizadas, experimente comprar somente a quantidade que você precisa. Além de evitar as embalagens descartáveis, você reduz o desperdício ao levar para casa apenas o que precisa. Diversas feiras e supermercado dão a opção de compra a granel, alguns são até mais baratos que os tradicionais. É possível inclusive encontrar alimentos orgânicos vendidos em quantidade individual e com preços bem acessíveis. Outra dica é utilizar embalagens retornáveis (como aqueles sacos plásticos vedáveis) e utilizá-los sempre que for comprar determinado produto.

Compre alimentos perecíveis aos poucos

Alimentos que passam da validade em poucos dias, como frutas, laticínios e condimentos, devem ser comprados aos poucos – à medida que forem necessários. Assim você poupa que eles estraguem, evitando o desperdício de alimento e de dinheiro.

Compras de semana são ideais para esse tipo de situação. Feiras de ruas e pequenos mercadinhos podem fornecer esses alimentos de consumo rápido sem que você precise enfrentar longas filas de supermercado.

Cozinhe em quantidade e congele

Separe um dia para preparar várias refeições para todo o mês ou a semana. Depois basta guardar no freezer e reaquecer no dia de consumi-la. Essa prática ajuda a economizar ingredientes e energia.

Os processos de descongelar e esquentar são mais econômicos do que se você fosse preparar todo o alimento de novo. Cada vez que você vai para a cozinha preparar uma refeição você consome uma enorme quantidade de água, eletricidade (geladeira, microondas, liquidificadores, etc), gás e também de alimentos, já que sempre sobra um pedaço de legume ou um punhado de tempero que termina no lixo. Fazer tudo de uma vez evita esse tipo de desperdício e ainda poupa tempo para os próximos dias.

Use a data de validade como critério

Escolher os itens em um supermercado pode ser uma aventura, e como em todas as atividades que apresentam um pouco de risco, as compras também exigem atenção redobrada. É preciso sempre estar atento aos rótulos, para saber a procedência, composição e mais importante, a data de validade. Assim é possível evitar a compra de produtos que certamente não serão consumidos antes do vencimento e terão como destino o lixo.

Cuidado com a mania dos olhos maiores que o estômago

Colocar no prato somente aquilo que vai comer é outro passo importante. Os pais costumam dar esse recado aos filhos, mas o cuidado deve existir em todas as faixas etárias. Em alguns restaurantes os clientes que desperdiçam comida são obrigados a pagar multas, portanto é melhor repetir, do que jogar fora.

Reaproveite o pão dormido

O que você faz com o pão do dia anterior? Se a sua resposta é “jogo fora”, saiba que existem diversas formas de aproveitar o alimento e evitar o desperdício. O pão dormido pode ser o ingrediente principal de receitas como pudim, rabanada, lasanha, torradas, entre outras. Ele ainda pode ser fatiado ou triturado e guardado no congelador, onde ficará conservado por muito tempo. Depois é só descongelar e utilizá-lo normalmente.

Aproveite todas as partes dos alimentos

Na hora de preparar as refeições, nada de jogar cascas, sementes e bagaços fora. Todas as partes de frutas, verduras e legumes podem ser aproveitadas e são fontes de vitaminas, minerais e outros nutrientes fundamentais para nossa saúde. É fácil encontrar receitas envolvendo essas partes dos alimentos que melhoram nossa alimentação e ainda evitam o desperdício.

Só não deixe de lavar bem os alimentos, especialmente se for usar as cascas – já que essas partes geralmente concentram a maior quantidade de pesticidas. Uma solução é usar alimentos orgânicos que são plantados de forma natural, ou seja, não recebem produtos químicos durante o cultivo.

Não prepare mais comida do que o necessário

Esse mesmo cuidado tido na hora de montar o prato deve ser considerado no momento de preparar a comida. O indicado é preparar alimentar sob medida. As famílias pequenas ou pessoas que moram sozinhas devem levar esse requisito a sério na hora de entrar na cozinha.

Até o final de janeiro estarão abertas as inscrições para o Curso de Recondicionamento de Computadores ministrado pelo Movimento Pró-Criança. No módulo os alunos são capacitados a recondicionar computadores, mouses, monitores, teclados, estabilizadores, impressoras e peças em geral, que se transformam em máquinas novinhas em folha que estão sendo encaixotadas em embalagens artesanais confeccionadas também pelos jovens alunos do Movimento Pró-Criança (MPC) e enviadas gratuitamente para paróquias e outras ONGs. A formatura da primeira turma de jovens capacitados no Curso de Recondicionamento de Computadores aconteceu no início do último mês de dezembro.

Em 2014 serão formadas de quatro a seis novas turmas ao longo do ano. A primeira foi inaugurada no dia 13 de janeiro. Para se inscrever basta procurar o Movimento Pró-Criança, na Rua dos Coelhos, 317, Boa Vista, das 8h30 às 11h30 e das 13h30 às 16h. São necessários uma foto 3 x 4, RG, CPF e comprovante de residência. Informações pelos telefones 3412 8989 ou 3412 8952. O curso completo, voltado para jovens a partir dos 16 anos que cursam ou já cursaram o ensino fundamental, tem duração de 84 horas/aula no total, com aulas de segunda a quinta, das 8h30 às 11h30.

 

O programa completo inclui aulas de capacitação para manutenção de hardware, administração e instalação de sistemas operacionais, eletrônica básica, configuração de redes, sustentabilidade e cidadania. Oitocentos computadores velhos já foram doados por pessoas físicas e empresas para o início dos trabalhos e eles agora estão na fila esperando pelas mãos jovens que darão nova vida útil a estas máquinas enquanto aprendem também um novo ofício.

Em todo o Brasil, seis instituições foram escolhidas para abrigar um Núcleo de Recondicionamento pelo convênio CNPQ/Marista e o Pró-Criança foi uma delas. Qualquer pessoa pode doar seus equipamentos fora de uso para o Movimento Pró-Criança, em qualquer estado. Depois de recuperar e reconstruir as novas máquinas, a equipe do MPC/Marista envia o material que sobra, sem condições de reaproveitamento, para Cingapura, que ao lado da Bélgica e Estados Unidos são os únicos lugares que têm programas eficientes para o recebimento desse refugo da era tecnológica.

Quarta, 15 Janeiro 2014 03:23

Cinco formas de cultivar a felicidade na escola

Escrito por

Tratar de um tema tão subjetivo como a felicidade não é nada fácil. Pela própria diversidade que tal sentimento representa na vida de qualquer indivíduo, discuti-lo exige, ao menos, certa dose de tolerância. No ambiente pedagógico, mesmo sem a inclusão da “felicidade” na grade curricular das escolas, o assunto vem sendo cada vez mais colocado pela sociedade por organizações sociais. No Porvir, já falamos de pesquisas como a do Instituto Akatu e de instituições de ensino como a Escola Caminho do Meio, que ao basear-se no budismo, coloca o sentimento como base de suas práticas. Além disso, com a discussão atual da importância do desenvolvimento de habilidades socioemocionais, como a empatia e a solidariedade, dentro das práticas pedagógicas, o tema também vem ganhando cada vez mais destaque.

Ciente de tamanha importância, Elena Aguilar, especialista norte-americana em educação, resolveu detalhar algumas dicas “simples e práticas” que podem estimular professores a cultivarem a felicidade nas escolas. Em depoimento ao portal Edutopia, Aguilar, que tem experiência como docente em escolas da Califórnia, detalha alguns pontos sobre o assunto. Confira a compilação que o Porvir fez sobre as principais ideias da especialista: são sugestões de colocar mais música nas salas de aulas até de estimular a prática da meditação entre os membros da comunidade escolar.

1. A ordem é desacelerar

Há uma correlação direta entre os níveis de satisfação física e psicológica e o ritmo em que as pessoas vivem suas respectivas vidas. Assim, quando os indivíduos desaceleram um pouco a velocidade em que executam as atividades rotineiras, eles conseguem desenvolvê-las de forma mais cuidadosa. No universo escolar não é diferente. Dessa forma, tanto alunos como professores podem se beneficiar desse “abrandamento” para que dessa maneira ambos possam melhor lidar com suas relações interpessoais, com seus objetivos de vida e também nos processos de aprendizagem.

Na prática, os docentes, por exemplo, podem estimular esse ambiente menos acelerado do mundo contemporâneo propondo atividades que estimulem uma maior integração com e entre os alunos, além de sugerir momentos de relaxamento e descontração. Para tanto, o professor pode dedicar um tempo extra para uma conversa aberta entre os estudantes durante parte da aula ou propor um jogo lúdico para os alunos que recém ingressam às salas depois do recreio.

2. Vá lá para fora

Estar do lado de fora da sala durante a aula, mesmo que por apenas alguns minutos, pode aumentar o estado de bem-estar dos alunos. As pessoas quando respiram ar puro e entram em contato com o calor do sol, o cheiro do vento, a umidade da chuva acabam se conectando mais com o mundo natural.

Se o clima estiver agradável, por que não propor uma aula ao ar livre? Caso contrário, se o ambiente externo estiver muito frio ou quente, é possível que uma caminhada rápida e silenciosa pelo pátio da escola, por exemplo, possa estimular momentos de satisfação.

Atividades extraclasse e excursões também são válidas. Nessas situações, torna-se mais fácil conversar, aproximar-se dos alunos e aprender mais com eles durante essas saídas.

3. Aperta o play

O efeito da música pode ter o poder de fazer as pessoas (incluindo os alunos) de se sentirem mais felizes. Isso porque, o efeito do relaxamento produzido pela audição de uma canção, por exemplo, pode estimular o melhor funcionamento da pressão arterial, diminuindo assim a ansiedade e tendo repercussões até no sistema imunológico dos indivíduos. Sendo assim, deixar uma música sendo tocada enquanto os alunos chegam à sala logo no início das aulas pode ser uma alternativa para que o professor consiga criar um atmosfera acolhedora e positiva entre o grupo.

4. Sorria mais

Mesmo que você não seja uma pessoa sorridente , tente sorrir com mais frequência. “Caso encontre dificuldades em produzir um sorriso mais genuíno, tente, ao menos, fingir um sorriso mais autêntico”, sugere Aguilar. Segundo ela, até o mais “fake” dos sorrisos tem o poder de inspirar um melhor estado de espírito no ambiente em que ele é produzido.

5. Tá na hora de meditar

De acordo com Aguilar, já há uma “abundância de evidências” sobre como a meditação pode estimular sentimentos de calma e bem-estar entre os praticantes. As escolas podem buscar incorporar a meditação dentro do ambiente educacional. “A ideia é propor que tal prática possa ser incorporada na rotina de professores e estudantes. Tudo isso para estimular ainda mais a criação de um ambiente mais tranquilo propício à aprendizagem e ao bem-estar na rotina diária dos praticantes.”

Zumbis invadem o Brasil em campanha contra o crackCom informações da Revista Exame
A Master Roma Waiteman criou uma campanha informativa sobre o crack para a Associação Parceria Contra Drogas (APCD) e Editora Aymará utilizando zumbis como mote.
Após inúmeras pesquisas do que havia sido feito no país e fora dele, a agência enxergou a falta de uma comunicação consistente, que apresentasse os problemas do crack para milhões de jovens e crianças que ainda não haviam experimentaram a droga.
“A campanha pensada pela agência procura informar numa linguagem apreciada por adolescentes, quais as armadilhas do crack, além de mostrar claramente a droga e ainda explica o mal que ela faz” conta Flavia Waiteman, sócio e VP de criação da Master Roma Waiteman.
No dia 22 de novembro, 60 salas de cinema da rede Cinemark em São Paulo, Brasília, Curitiba, Rio de Janeiro, Manaus e Salvador exibiram o trailer Zombie – A origem, que dá a entender ter sido rodado no Brasil.
Cerca de 100 mil pessoas assistiram ao trailer. Foram mais de 70 mil comentários no Twitter e outros milhares no Facebook e YouTube. A grande maioria partindo dos adolescentes, foco da campanha na expectativa do lançamento do filme. A peça também foi assunto dos principais blogs do país para o público-alvo, como o Não Salvo, Kefera, Superinteressante entre outros.
“O trailer sobre o primeiro filme de zumbis no Brasil deu inicio a uma campanha densa e consistente sobre o crack” relata Waiteman.
“Depois de chamarmos a atenção nas redes sociais apenas com o trailer de um minuto, lançamos o filme de sete minutos com os depoimentos que contam a origem do zombie no Brasil, que é o crack”, explica o criativo.
No dia 29 de novembro, o filme subiu para o canal do youtube onde antes estava hospedado o trailer. No roteiro, personagens caracterizados como zumbis contam histórias reais, retiradas de depoimentos verdadeiros de dependentes quimicos do crack. O filme figurou entre os 10 mais vistos do youtube no final de semana e na categoria Ativismo do canal ficou entre os 3 mais vistos do mundo. Em um final de semana os dois videos já somam 400 mil views, sem compra de mídia.
“Esperemos que esse conteúdo se propague pela rede por muito tempo. E em dois dias apenas ser capa no youtube, com 400 mil visualizações (sem dinheiro de mídia) mostra que o publico gostou do tema” comemora Waiteman.

 

A estratégia de mídia concentrou-se em Cinema, PR e Web.


Ficha Técnica
Cliente: APCD
Título: Zumbi – A Origem
VP/ Criação: Flavio Waiteman
Diretor de Criação: Tiago Frechiani, Hugo Barros
Redação: Erick Moneró, Fabio Nascimento
Diretor de Arte: Fabio Nascimento, Tiago Frechiani
Produção Gráfica: Felipe Lopes
Ilustrador: Guilherme Araújo
Manipulação 3D: Un Mariachi
Produção RTVC: Caio Baldini, Adriana Kordon, Tatiana Martins
Produtora de filme: O2 filmes
Produtora de audio: In Sonoris
Direção de Comercial: RodrigoMeirelles e Kiko Meirelles
VP/Planejamento: Marcelo Romanewicz
Web Design: Jimmy Nisgoski
Estrategia digital: IQ. Digital(Rica Grandi) Não Salvo (SID)
Atendimento: Patrik Shulze, Juliana Berthe, Juliana Cunha
Aprovação: Hiran Castello Branco, Luiz Roberto Ferreira Valente FIlho, Marylin Tatto, Isabel Lopes Figueira, Marcelo Arantes, Ana Paula Piccoli, Selma Costa
Cliente: APCD, Editora Aymará, Greenville.

Atores, esportistas e jornalistas pernambucanos participam da Campanha Natal Permanente da LBV — Jesus, o Pão Nosso de cada dia!, promovida pela Legião da Boa Vontade. A iniciativa visa entregar 900 toneladas de alimentos em cestas a mais de 50 mil famílias em situação de pobreza no Brasil. Cada cesta é composta de arroz, feijão, óleo, açúcar, leite em pó, macarrão, farinha de mandioca e de trigo, fubá, goiabada, gelatina, massa para bolo, extrato de tomate e sal.

Na produção deste trabalho, a LBV recebeu o apoio do fotógrafo Chico Barros e do maquiador Jailson Khalil e de várias personalidades como a pentatleta e medalhista olímpica Yane Marques; o zagueiro Alison, do Clube Náutico Capibaribe; os forrozeiros Cezzinha, Derico Alves e Pequeno; o DJ Fofão; o cantor Neo; os jornalistas Eduardo Moura, Thiago Raposo e Sérgio Dionízio; o radialista Rodrigo Collaço; o ator Petreson Eloy; o cantor Amarelinho do Cavaco, vocalista do grupo Recomeço; os integrantes do grupo Balanço Black; e o saxofonista Chuchu.

A nadadora Joanna Maranhão, medalhista pan-americana, destacou: “Participar da Campanha [da LBV] é uma vitória tão prazerosa quanto vencer nas piscinas. O Natal tem que ser permanente, porque Cristo nasce todos os dias. Só assim teremos um mundo melhor”.

As jogadoras de hóquei sobre patins Anny Fernandes e Marcela Couto, do Clube Náutico Capibaribe, também participaram da sessão fotográfica. “Sempre tive vontade em ajudar com ações solidárias. Amo as crianças e, quando recebi o convite da LBV, fiquei mais alegre ainda”, disse Marcela.

Outro atleta que vestiu a camiseta da Solidariedade foi o atacante André Dias que atua no Santa Cruz Futebol Clube: “Estou extremamente feliz em contribuir. ‘Doe vida, crie esperança e cultive o amor’, esse é o lema da minha vida”, destacou.

A banda Fina Tonelada também aderiu à campanha. “É importante compartilhar o que temos de melhor em nós. Estou honrado de estar com a LBV nessa mobilização”, comentou Mauricinho. Destaque também para outra presença. “Ajudar o próximo é o alimento para a alma, toca o coração quando vemos o sorriso verdadeiro de uma criança. E a LBV faz com que vejamos esses maravilhosos sorrisos. Somos fãs da Legião da Boa Vontade”, disse Nino, integrante do grupo Sem Razão.

A entrega em Pernambuco ocorrerá entre os dias 11 e 18 de dezembro. Os interessados em contribuir com doações para essa tradicional mobilização solidária podem ligar para o tel. (81) 3413.8600, acessar a página eletrônica www.lbv.org/natal ou dirigir-se a unidade de atendimento da LBV no Recife, localizada na Rua dos Coelhos, 219 – Coelhos – próximo ao Cais José Mariano.

 

Da EcoD

Em novembro, cadeirantes resolveram fazer um protesto inusitado em Lisboa, Portugal. Eles deram um castigo as pessoas que usam, irregularmente, as vagas de estacionamento destinadas a deficientes físicos e colocaram cadeiras de rodas localizadas no centro de vagas para carros em uma rua portuguesa.

A campanha usa a mesma filosofia de outras que circulam pela internet e ironiza a famosa desculpa de quem estaciona em vagas reservadas: “Fomos ali e não demoramos nada”.

No Brasil, há uma campanha que tenta conscientizar sobre a importância do respeito com os deficientes físicos em estacionamentos de Curitiba desde 2011, que também utilizou a ideia das cadeiras de rodas em vagas de carros.

A mobilização “Esta vaga não é sua nem por um minuto” é uma iniciativa da agência TheGetz e surgiu a partir de um incidente envolvendo a empresária Mirella Prosdócimo e uma motorista por causa do uso indevido das vagas exclusivas e o desrespeito com os cadeirantes.

Mirella, que é tetraplégica, viu uma mulher sem problemas físicos parar o carro na vaga exclusiva para deficientes e sugeriu que procurasse outra. A empresária foi ignorada pela motorista e pela gerência do supermercado, que afirmou que o problema deveria ser fiscalizado pelo Detran e não por eles.

“Precisamos conscientizar as pessoas que vagas especiais são para pessoas com necessidades especiais. Ajude a educar a população repassando esta campanha e dando o bom exemplo nas ruas”, dizem os responsáveis pela iniciativa no perfil oficial da campanha no Facebook.

Para quem apoia o projeto e deseja denunciar quem viola vaga para deficientes em estacionamento, o aplicativo Parking Mobility está disponível gratuitamente na App Store e viabiliza a geração de um relatório que pode ser enviado diretamente as autoridades. Os usuários devem enviar três fotos: uma com a placa do carro, uma da janela da frente e uma da vaga de estacionamento.

Assista ao vídeo da campanha:

Sexta, 06 Dezembro 2013 13:37

Em briga de marido e mulher se mete a colher

Escrito por

Por Juliana Guarexick, da Envolverde

Cerca de 70% das mulheres no mundo sofrem algum tipo de violência no decorrer de sua vida, segundo dados da ONU. Estes números evidenciam que, apesar de estarmos no século 21, ainda sobressaem mentes retrógadas e machistas. A violência de gênero caracteriza-se não somente pela agressão física e sexual, mas também verbal, podendo causar danos emocionais e psicológicos à vítima e aos familiares.

Segundo estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), mulheres jovens são as principais vítimas, e as agressões ocorrem principalmente na rua, com 31%, contra 29% em domicílio e 25% em hospital ou outro estabelecimento de saúde. No Brasil, estima-se que, entre 2009 e 2011, o país registrou 16,9 mil mortes de mulheres por conflito de gênero, ou feminicídios, quando há morte de mulheres em razão de seu sexo.

Sobre este assunto o Dr. Angelo Carbone, advogado especialista em defesa da mulher e da criança, lança o Manual de Sobrevivência da Mulher, baseado em casos já vivenciados em seu escritório. Distribuído gratuitamente, o guia não só orienta as mulheres, mas também todos os que sofrem com agressões que se enquadram, ou não, na Lei Maria da Penha, como crianças, idosos e gays.

Em sua segunda edição, agora mais completa, o manual dá diretrizes claras e mostra que a busca pelos direitos pode ser menos burocrática do que se imagina. “As mulheres podem se defender sem necessidade de um advogado particular”, enfatiza Carbone. Ele explica que a vítima pode buscar ajuda na delegacia do bairro, na delegacia da mulher ou em um fórum mais próximo.

Lei Maria da Penha

Desde 2006, existe uma ferramenta jurídica que cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. É a Lei Maria da Penha, em reconhecimento a esta farmacêutica maltratada por seu marido, que tentou assassiná-la duas vezes em 1983, a primeira com disparos que a deixaram paraplégica.

“A lei foi feita para hoje e para o futuro. É uma lei visionária. Antigamente o filho presenciava o pai bater na mãe, e depois batia em sua própria esposa. Hoje, os filhos veem os pais agredirem a mãe, verbal ou fisicamente, e presenciam o agressor responder pelo crime, às vezes até ser preso”, complementa o Dr. Ângelo.

É preciso muito mais

“Aqui no escritório tenho dois casos: um marido que matou a mulher com uma facada certeira no coração enquanto ela cozinhava, e outra jovem que foi morta na frente dos pais no dia do seu aniversário. Os dois assassinos ainda estão soltos”, relata Carbone.

Apesar dos avanços, casos gravíssimos se repetem diariamente. A sociedade espera passos mais largos e certeiros. “A lei precisa ser difundida nos confins do Amazonas, nas tribos indígenas, por exemplo. Ainda há muitas mulheres que apanham e são mortas por nada”, completa ele.

A cada ano, entre 25 de novembro e 10 de dezembro, a comunidade internacional e as organizações de defesa dos direitos das mulheres realizam 16 dias de Ativismo Contra a Violência Dirigida às Mulheres. Esforços conjuntos como esse são sempre bem-vindos quando se busca combater um problema dessa proporção.

“Existe apenas uma verdade universal, aplicável a todos os países, culturas e comunidades: a violência contra as mulheres nunca é aceitável, nunca é perdoável, nunca é tolerável”, reforça o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon. Quando a briga entre marido e mulher viola os direitos humanos, é preciso que todos metam a colher.

Do Ciclo Vivo

 

O Natal se aproxima e todos já estão enfeitando suas casas. Para te ajudar, o CicloVivo separou dez passo a passos do site Madame Criativa, que de maneira única e com muito bom gosto, reutilizam materiais na decoração natalina.

As autoras do site, que são mãe e filha, acreditam que baixo custo não significa mau gosto e reciclagem não significa pobreza. “Reaproveitar materiais significa inteligência e consciência ambiental. E se a reciclagem for feita com capricho e bom gosto, qualquer projeto pode ficar elegante e chique”, diz Bianca Barreto, que é Artista Plástica e Fotógrafa. Confira as dicas que separamos:

1 – Árvore feita com revista dobrada

A beleza pode estar na simplicidade e esta decoração natalina feita com revista dobrada e pintada com tinta spray é a prova disso. Para fazer a árvore basta retirar a capa e fazer uma dobradura. Depois é só decorar como quiser. Confira aqui o passo a passo completo.

2 – Estrela 3D em papel

A estrela de papel dá um efeito muito legal para a decoração natalina. Com uma folha de papel é possível dar volume a uma estrela. Você pode tanto fazer várias estrelas pequenas para substituir as tradicionais bolas, como fazer uma grande para o topo da árvore. Veja aqui o passo a passo.

3 – Anjinho de rolha

O anjinho feito com rolha pode ser feito até mesmo por quem não tem familiaridade com artesanato e todo o material pode ser encontrado em casa. Você vai precisar de uma rolha e um arame de pedaços de papel alumínio, papel branco ou papel laminado e uma tirinha de renda ou outro tecido. Clique aqui para ver o passo a passo.

4 – Pendentes em papel

Este passo a passo é feito apenas com um quadrado de papel, alguns cortes e um pouco de cola. Você pode abusar da criatividade na escolha dos papéis e das cores para fazer os pendentes. Veja aqui como é simples de fazer.

5 – Duendes de rolo de papel higiênico

Utilizando papelão de rolo de papel higiênico e feltro você pode criar belos duendes de Natal. Crianças podem ajudar nessa decoração, já que eles são muito fáceis de se fazer. Confira aqui o passo a passo.

6 – Festão de pipoca

Se você já enjoou dos seus enfeites natalinos e não quer investir em enfeites novos, inove com um festão baratinho e criativo. Esta é uma ideia muito simples e antiga que mexe com a imaginação da criançada. Veja aqui como fazer.

7 – Porta velas de garrafa

Este porta velas feito com garrafa de vidro fica muito elegante e ainda tem a vantagem de não apagar com o vento. Para fazer a pintura com bolinhas, você pode usar adesivos e tinta spray. Clique aqui para o passo a passo.

8 – Ouriços de palito

Esta decoração natalina é para quem curte o estilo “clean”. Os ouriços são feitos com palitos espetados em um pedaço de sabão. As peças tem glitter prateado no centro para dar brilho e mantém as pontas com madeira aparente. Saiba como fazer aqui.

9 – Flocos de neve de papel

Este é outro tipo de artesanato ideal para fazer com a criançada. Os flocos de neve de papel possuem um desenho único que só é revelado quando ele é desdobrado. Os recortes criam lindas mandalas decorativas. Acesse aqui o passo a passo.

10 – Lanternas com potes de vidro

O porta velas feito com potes de vidro é um objeto decorativo muito singelo, porém encantador. Você vai precisar de potes de vidro, papel, fita de tecido e arame. Veja aqui o passo a passo.

 

Clique aqui para ver outras 10 dicas de decorações natalinas sustentáveis.

Segunda, 25 Novembro 2013 17:55

“Jovem é quem caminha com a ideia”

Escrito por

Por Thaís Herrero, da Página 22

“Baseado em minha experiência clínica de mais de 45 anos, constatei que as pessoas reagem de forma diferente às crises. Alguns caminham com a ideia, outros se mantêm estruturadas. Quem caminha com a ideia eu chamo de jovem, sem critério de idade. Tenho 79 anos e me considero muito jovem, estou desestruturando tudo para reestruturar. Quem é estruturado eu chamo de velho, também sem critério de idade. Conheço tantos velhos de 30 anos que já chegaram à verdade final e não têm mais dúvidas, não querem mudar nada no seu relacionamento afetivo, na profissão.”

O texto acima foi escrito por Paulo Gaudencio, médico psiquiatra, em sua página do Facebook em 2 de outubro. Aproveitando o ensejo da reportagem “Telefone sem fio”, fomos entrevistá-lo para saber mais sobre as relações intergeracionais e a juventude sem idade.

Atualmente, Gaudencio atende e uma clínica em Pinheiros, na cidade de São Paulo. Quarenta e quatro anos atrás, no entanto, atendia todo o Brasil. Ele foi apresentador do programa “Jovem Urgente” da TV Cultura. Era uma espécie de terapia em grupo em que jovens presentes na plateia discutiam suas preocupações do momento. Gaudencio ficava em uma cadeira giratória bem no meio do palco circular.

Foram temas as liberdades femininas, relações familiares, religião e até desenvolvimento sexual. Esse último desagradou o governo militar que o tirou do ar alegando que se tratava de um programa sobre sexualidade, como conta o ex-apresentador em seu blog.

O contato próximo com a juventude permitiu que Gaudencio desenvolvesse um olhar crítico sobre as mudanças que aconteceram desde aqueles tempos. A família e sociedade dos anos 1960 eram diferentes desse início de século XXI. Em entrevista a PÁGINA22, ele se lembra que, naquela época, as mulheres ainda tinham como função a educação dos filhos e o cuidado com a casa. Aos poucos, o cenário se transformou e, hoje, devido à maior liberdade para elas e à entrada maciça no mercado de trabalho, os homens também mudaram seu papel da família.

“Agora, os homens têm mais interesse pelos filhos. Como a mulher também trabalha fora, não é mais a única responsável pela educação deles”, diz. O resultado disso, para ele, foi uma possibilidade de pais e filhos mais próximos. “Quando eu era criança, a relação com pai e mãe era muito hierárquica e distante”, lembra

Para o médico psiquiatra, essa possibilidade de abertura não isenta os conflitos de diálogo entre quem nasceu e viveu em épocas diferentes. Ele acredita que os pais até tentam entender seus filhos, mas no fundo, bem no fundo, muitas vezes continuam com as mesmas ideias. “A psicologia oriental fala muito sobre a necessidade de mudar as ideias no coração, mais do que na cabeça. Por isso, acho que as gerações mais velhas não conseguem mudar muito”, reflete.

Gaudencio, no entanto, não é de todo pessimista. Retomando seu texto do Facebook, explica mais sobre o que é “ser jovem” em sua opinião. “Jovem é aquele que está sempre buscando uma verdade final, sem parar. Quando a gente chega a um ponto, as ‘verdades do mundo’ caminham, mudam. E o jovem também caminha e se renova”.

Parte da juventude que Gaudencio tem dentro de si fez com que ele mantivesse seu site, blog e Facebook ativos. Como não tem afinidade com os sistemas de publicação e com o computador, escreve tudo no papel para que a secretária transcreva. “E peço sempre a ajuda do filho da vizinha para consertar minha internet”, diz entre risos.

Sobre como os jovens deveriam se comportar sobre as gerações mais maduras, é enfático: “Os mais velhos têm sabedorias e experiências que são exatamente o que os jovens devem querer alcançar”.

“Jovem é quem caminha com a ideia”  

Thaís Herrero, da Página 22

“Baseado em minha experiência clínica de mais de 45 anos, constatei que as pessoas reagem de forma diferente às crises. Alguns caminham com a ideia, outros se mantêm estruturadas. Quem caminha com a ideia eu chamo de jovem, sem critério de idade. Tenho 79 anos e me considero muito jovem, estou desestruturando tudo para reestruturar. Quem é estruturado eu chamo de velho, também sem critério de idade. Conheço tantos velhos de 30 anos que já chegaram à verdade final e não têm mais dúvidas, não querem mudar nada no seu relacionamento afetivo, na profissão.”

O texto acima foi escrito por Paulo Gaudencio, médico psiquiatra, em sua página do Facebook em 2 de outubro. Aproveitando o ensejo da reportagem “Telefone sem fio”, fomos entrevistá-lo para saber mais sobre as relações intergeracionais e a juventude sem idade.

Atualmente, Gaudencio atende e uma clínica em Pinheiros, na cidade de São Paulo. Quarenta e quatro anos atrás, no entanto, atendia todo o Brasil. Ele foi apresentador do programa “Jovem Urgente” da TV Cultura. Era uma espécie de terapia em grupo em que jovens presentes na plateia discutiam suas preocupações do momento. Gaudencio ficava em uma cadeira giratória bem no meio do palco circular.

Foram temas as liberdades femininas, relações familiares, religião e até desenvolvimento sexual. Esse último desagradou o governo militar que o tirou do ar alegando que se tratava de um programa sobre sexualidade, como conta o ex-apresentador em seu blog.

O contato próximo com a juventude permitiu que Gaudencio desenvolvesse um olhar crítico sobre as mudanças que aconteceram desde aqueles tempos. A família e sociedade dos anos 1960 eram diferentes desse início de século XXI. Em entrevista a PÁGINA22, ele se lembra que, naquela época, as mulheres ainda tinham como função a educação dos filhos e o cuidado com a casa. Aos poucos, o cenário se transformou e, hoje, devido à maior liberdade para elas e à entrada maciça no mercado de trabalho, os homens também mudaram seu papel da família.

“Agora, os homens têm mais interesse pelos filhos. Como a mulher também trabalha fora, não é mais a única responsável pela educação deles”, diz. O resultado disso, para ele, foi uma possibilidade de pais e filhos mais próximos. “Quando eu era criança, a relação com pai e mãe era muito hierárquica e distante”, lembra

Para o médico psiquiatra, essa possibilidade de abertura não isenta os conflitos de diálogo entre quem nasceu e viveu em épocas diferentes. Ele acredita que os pais até tentam entender seus filhos, mas no fundo, bem no fundo, muitas vezes continuam com as mesmas ideias. “A psicologia oriental fala muito sobre a necessidade de mudar as ideias no coração, mais do que na cabeça. Por isso, acho que as gerações mais velhas não conseguem mudar muito”, reflete.

Gaudencio, no entanto, não é de todo pessimista. Retomando seu texto do Facebook, explica mais sobre o que é “ser jovem” em sua opinião. “Jovem é aquele que está sempre buscando uma verdade final, sem parar. Quando a gente chega a um ponto, as ‘verdades do mundo’ caminham, mudam. E o jovem também caminha e se renova”.

Parte da juventude que Gaudencio tem dentro de si fez com que ele mantivesse seu site, blog e Facebook ativos. Como não tem afinidade com os sistemas de publicação e com o computador, escreve tudo no papel para que a secretária transcreva. “E peço sempre a ajuda do filho da vizinha para consertar minha internet”, diz entre risos.

Sobre como os jovens deveriam se comportar sobre as gerações mais maduras, é enfático: “Os mais velhos têm sabedorias e experiências que são exatamente o que os jovens devem querer alcançar”.

A partir desta terça-feira, 26 de novembro, Olinda passa a contar com um novo modelo de lixeira. A Secretaria de Serviços Públicos começa a instalar, pelo Varadouro, novos coletores inspirados no padrão parisiense. As lixeiras têm estrutura de ferro galvanizado, ou seja, não enferrujam e são chumbadas ao chão. A adoção deste modelo foi realizada com o objetivo de evitar roubos e vandalismo, o que vinha ocorrendo com os equipamentos de plástico, usados convencionalmente.

Cada lixeira possui 40 cm de profundidade. Sacos plásticos serão acoplados a estrutura de ferro, o que irá facilitar o recolhimento dos resíduos pelos agentes da limpeza urbana. Neste primeiro momento, em nível de experiência, será implantado um total de 80 unidades, nos seguintes bairros: Varadouro, Carmo, Bairro Novo e Casa Caiada. Entretanto, se os objetivos da adoção deste novo modelo forem atingidos, a meta da Secretaria de Serviços Públicos é distribuir pela cidade 500 novas lixeiras até abril do próximo ano.

Manoel Sátiro, Secretário de Serviços Públicos, afirmou o seguinte: “estamos preparando a cidade para a implantação do sistema de multas para quem joga lixo na rua, que pretendemos colocar em vigor já partir do próximo ano”. As novas lixeiras são cerca de 20% mais baratas que as de plástico e possuem maior resistência e durabilidade.

Além das lixeiras, mas duas caixas estacionárias, vulgarmente chamadas de coletoras, foram colocadas em pontos críticos da PE-15, ou seja, locais em que a população costuma jogar lixo indevidamente. Agora a cidade conta 22 dessas caixas, que têm capacidade de 5.000 litros, porém, até março de 2014 a Secretaria de Serviços públicos pretende instalar mais 10 unidades do equipamento.

twitter

Apoio..................................................

mercado_etico
ive
logotipo-brahma-kumaris