Editor

.

Linha Editorial

  • "Mídia Construtiva é também lançar o olhar crítico sobre problemas, apontar falhas, denunciar. Contribuindo para a corrente que tenta transformar o negativo em positivo."

    Leia mais ...

s_3551As prefeituras das 12 cidades que vão sediar os jogos da Copa do Mundo de 2014, entre elas a do Recife, vão receber um guia contendo sugestões de projetos de segurança pública para ajudá-las na preparação para o evento esportivo. É o Guia da Copa Segura, documento que será elaborado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e que deverá ficar pronto até o final do ano.

Segundo o secretário executivo do fórum, Renato Sérgio de Lima, além das experiências de outros países, serão utilizados exemplos de sucesso do Brasil em eventos nacionais. “O Brasil tem larga experiência em organizar eventos de grande porte, como o carnaval, a festa de Parintins e as festas juninas no Nordeste. Todas essas atividades exigem um planejamento muito acentuado das polícias. O nosso objetivo é traduzir como tudo isso pode se transformar [em ações] para uma Copa do Mundo”, afirmou o secretário, ao participar, na segunda-feira (8), do 4º Fórum sobre Segurança Cidadã, evento realizado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), no Rio de Janeiro.

Lima destacou que as experiências sugeridas terão como foco a integração entre municípios e estados, a prevenção da criminalidade, a abordagem policial. Ele ressaltou que uma das iniciativas que deve integrar o guia é o projeto Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Social, desenvolvido no Rio de Janeiro, pelo qual uma rede de serviços é implantada nas comunidades pacificadas pela polícia.

“Esses temas serão abordados para melhorar não só a segurança, mas também as condições de vida das populações das cidades-sede, conectando segurança e desenvolvimento, para que seja um legado”, acrescentou.

De acordo com o secretário executivo do fórum, as sugestões que farão parte do Guia da Copa Segura serão direcionadas aos gestores municipais porque, embora, no Brasil, os estados respondam oficialmente pela pasta de segurança, as prefeituras têm muitas responsabilidades correlacionadas.

“São as prefeituras que organizam os espaços urbanos, que interditam ou não estabelecimentos comerciais, que permitem, por meio de alvarás, o funcionamento de atividades comerciais, o trânsito. Se a prefeitura não estiver alinhada com o estado, as polícias, dificilmente, vão dar conta do recado”, explicou.

Lima informou ainda que, para elaborar o documento, será distribuído amanhã (9), durante o segundo dia do Fórum sobre Segurança Cidadã, um questionário para que os secretários estaduais de Segurança Pública, presentes ao evento, possam definir as demandas de suas regiões relativas à segurança.

Ainda durante o encontro, o representante do BID no Brasil, Fernando Carrillo-Flórez, enfatizou que uma das prioridades do banco, não apenas para o Brasil, mas para os demais países da América Latina, é reduzir os índices de violência e criminalidade, especialmente entre os jovens entre 15 a 24 anos. Segundo ele, estudos do BID indicam que é nessa faixa etária que se concentram os mais elevados índices de homicídio.

“Essa [redução da criminalidade entre jovens] tem que ser uma das prioridades, principalmente por meio de políticas socioeducativas, de prevenção”, afirmou. Ele destacou, no entanto, que está “seguro que o Brasil vai conseguir vencer esse desafio de se preparar para a Copa”.

Publicado em Viva Brasil
Sexta, 02 Julho 2010 03:00

Foi tudo um sonho

songPor Cesar Vanucci *

“Só o impossível é digno de ser sonhado.”

(Abgar Renault)

Sonhei, madrugada dessas, um sonho lindo de viver. Só que impossível, como nos versos do “The impossible dream”, dos compositores Mitch Leigh e Joe Darion, trilha musical da peça “O homem de la Mancha”.

Trago aqui um sumário dessa manifestação onírica, como qualquer outra pontilhada de lances desconexos, no caso específico de um surrealismo capaz de desparafusar cuca de fundamentalista religioso. Na intrigante trama deste meu sonho, os dirigentes de nosso planeta azul viram-se, de repente, tocados pelos eflúvios mágicos da maravilhosa festa popular promovida pelos africanos em seu maltratado território.

Sentiram-se sacudidos pela bela proposta de confraternização universal implícita nas reações de milhões de criaturas que, em todos os continentes, acompanharam os jogos da Copa com borbulhante entusiasmo e que se surpreenderam vinculadas por poderosa egregora que põe à mostra perfeita sintonia de sentimentos nobres.

Inspirados no exemplo dessas multidões, de nacionalidades, etnias e credos diferentes, eles, os dirigentes do mundo, resolveram então, sob a égide da ONU, convocar a humanidade para participar de um histórico encontro. Reservaram para o encontro um estádio imenso, em forma de “calabash”. Ou seja, com configuração idêntica à daquele maravilhoso prodígio arquitetônico plantado em Joanesburgo.

Colocaram de lado idiossincrasias ideológicas, chovinismos nacionalistas, pruridos racistas, juntando no gramado, à volta de mesa de dimensões colossais, todos os chefes de Estado, líderes religiosos, políticos, militares, cientistas, pensadores de escolas de múltiplas tendências.

Passando por cima de suas até então incontornáveis diferenças culturais, políticas e comportamentais, em reunião presidida pelo legendário Nelson Mandela (apontado no passado por políticos e mídia intolerantes como perigoso terrorista), firmaram compromissos solenes com o objetivo sagrado de fazer, rapidamente, deste um mundo bem melhor pra se viver.

Os debates correram em atmosfera amena e cordial, com o diálogo franco neutralizando os desencontros das ideias. Foram acompanhados pelo povão que lotava as arquibancadas de infinitas dimensões. Os anúncios das decisões tomadas arrancavam explosões de júbilo. O colorido das vestes e o alarido de vozes em milhares de idiomas faziam do ecumênico evento o mais extraordinário espetáculo de movimentação popular jamais contemplado pelo olhar humano.

Valendo-se de expedientes místicos e eletrônicos, bolados por estudiosos em transcomunicação e física quântica, os promotores do encontro obtiveram permissão pra trazer, de outras latitudes existenciais, personagens de presença fulgurante na história da construção humana, ainda hoje, mesmo após haverem partido primeiro, preocupados com os rumos das coisas. Esses personagens compuseram torcida à parte, emitindo jatos de energia, sabedoria e luminosidade sobre a mesa dos debates.

Deu para registrar, entre outras, as presenças, num trecho do interminável palco do sonho ora relatado, de Francisco de Assis, Einstein, Gandhi, Tereza de Calcutá, João XXIII, Luther King, Teilhard de Chardin, Albert Schweitzer. Mas havia muitas outras figuras admiráveis. Do time brasileiro deu pra localizar, por exemplo, o marechal Rondon, JK, Helder Câmara, Chico Xavier, dra. Zilda, Sobral Pinto, todos ardentemente empenhados em passar lições humanísticas que ajudassem as lideranças terrenas a tomarem juízo e usar melhor os dons com que foram aquinhoados.

A melodia envolvente na abertura do conclave foi composta, no sonho narrado, por craques que já emigraram, também, para outros patamares de vida. Debussy, Vila Lobos, Ary Barroso, Tom Jobim, Cole Porter e George Gershwin, os autores, pelo que o alto-falante informou.

Outra coisa incrível, só explicável mesmo pelas metamorfoses singulares inerentes aos sonhos: a execução da música produzida pelo admirável consórcio de talentos ficou a cargo, vejam só, do gigantesco coral das vuvuzelas. Só que o maravilhoso som propagado foi, na verdade, o de uma orquestra de violinos invisível.

Hora de falar das resoluções aprovadas. Os donos do mundo firmaram pacto em torno de algo muito mais completo do que, simplesmente, a redução dos armamentos. Resolveram proscrever a guerra. Decidiram redirecionar a fábula de dinheiro gasto com artefatos bélicos para programas universais de saneamento básico e disseminação da educação.

Deliberaram colocar os veículos de terra, mar e ar das forças armadas a serviço dos atendimentos de saúde e a empregar os contingentes militares exclusivamente em ajuda humanitária. Optaram pela eliminação dos gases tóxicos causadores do "efeito estufa” no prazo de um ano. Prazo idêntico ficou estabelecido para a erradicação da pobreza.

Firmaram protocolos para que a indústria de carros passasse a produzir apenas veículos que usem combustível não poluente. Ordenaram aos cientistas engajados em pesquisas bélicas que desloquem o foco da atenção para estudos com o fito exclusivo de debelar todas as formas de agressões à vida. Determinaram, também, que, os preços dos produtos farmacêuticos sejam os da farmácia popular.

Deu pra observar, ainda, por rápidos instantes, o Barack Obama, o Benjamin Netanyahu e o Almadinejad a trocarem, sorridentes, calorosos abraços, com direito a tapinhas nas costas. Os desdobramentos do encontro bem que prometiam, como se vê, render mais histórias alvissareiras. Mas, infelizmente, não deu pra chegar lá.

Como na bela canção de Mário Lago, foi tudo um sonho, acordei.

 * Jornalista (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. )

Publicado em Artigos

camisinhaUma parceria inédita entre os governos do Brasil e da África do Sul levará um ônibus com 30 mil camisinhas e fôlderes sobre prevenção da aids e outras doenças sexualmente transmissíveis, para a fase final da Copa do Mundo de Futebol. Entre os dias 1º e 18 de julho, o veículo circulará pelas cidades de Joanesburgo, Soweto, Alexandra e outras comunidades próximas, situadas na província de Gauteng. O slogan da ação é "Marque um gol - Brasil e África do Sul no campo de batalha contra a aids".

Durante a mobilização, cerca de 2.500 jovens sul-africanos serão treinados para multiplicar informações sobre formas de transmissão do HIV e importância do uso do preservativo. Na África do Sul, 18% da população está infectada pelo HIV. No Brasil, esse percentual é de 0,6%. "Aproveitando que o País será sede da próxima Copa do Mundo, queremos compartilhar um pouco da nossa experiência na prevenção do vírus da aids", explica Mariângela Simão, diretora do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais brasileiro.

O ônibus percorrerá as cidades sul-africanas diariamente, das 10h às 18h, horário local. A ação é direcionada aos jovens, mas qualquer pessoa pode ter acesso aos preservativos e materiais informativos. Todas as camisinhas destinadas à distribuição foram produzidas no Brasil, na primeira fábrica do mundo a utilizar látex nativo, a Natex, localizada no município de Xapuri (AC). A atividade conta com apoio das organizações não governamentais Bridges of Hope - que atua na área de aids em mais de 70 países - e da WakeUp - especializada em montar redes sociais de jovens em locais de eventos esportivos ao redor do mundo.

O lançamento oficial da iniciativa está marcado para o dia 2 de julho, às 15h, no horário de Joanesburgo (20h em Brasília). Estarão presentes o ministro da Saúde da África do Sul, Aaron Motsualedi, o embaixador brasileiro no país sede da Copa, José Vicente de Sá Pimentel, e a governadora da província de Gauteng, Nomvula Paula Mokonyane. A cerimônia acontecerá na Public Viewing Area do bairro de New Town, um espaço organizado pelo governo local para as pessoas assistirem aos jogos do campeonato.

Serviço

Lançamento do ônibus da prevenção da aids

Local: Public Viewing Área, Mary Fitz Gerald Square, New Town, Joanesburgo

Data: 2 de julho de 2010

Hora: 15h em Joanesburgo (20h em Brasília)

Publicado em Viva Mundo
Sexta, 18 Junho 2010 15:43

O exemplo que vem da Seleção

seleo



 De quatro em quatro anos, assistimos o Brasil se unir em torno de um objetivo: incentivar a seleção canarinha na conquista da Copa do Mundo. Porém, os preparativos já começam bem antes do apito inicial do mundial. De olho no técnico, os torcedores cobram bons resultados do time, debatem em programas de rádio, televisão e na mesa de bar, a melhor estratégia, o melhor time. Nada passa despercebido, do atento torcedor.

Se um décimo dessa energia fosse voltada para fiscalizar e debater os problemas do Brasil, certamente teríamos um país não só bom de bola, mas também bom de educação, saúde, habitação, saneamento básico.  Ah, se os políticos fossem exigidos, da mesma forma que o técnico da seleção....  E se os brasileiros cobrassem as ações políticas como cobram as futebolísticas...

Certamente torcer pela seleção é importante, faz parte da nossa tradição, mas poderíamos aprender com esse exemplo de união, que além da seleção, existe um país que também precisa de fiscalização, cobrança e torcida. O Brasil, assim como a seleção, ainda pode ser um país vencedor, com menos injustiças e desigualdade social, depende não só dos políticos, mas de toda a sociedade. 

Publicado em Blog

Para dar as boas-vindas à Copa do Mundo deste ano, os embaixadores da Boa Vontade do PNUD Didier Drogba e Zinedine Zidane lançaram uma campanha televisiva contra a pobreza: um apelo para que os cidadãos do mundo façam parte do time que vai vencer o flagelo.

“No combate à pobreza não pode haver espectadores”, disse Drogba, artilheiro do Chelsea, da Inglaterra, e capitão da seleção da Costa do Marfim. “Todos precisamos entrar em campo para melhorar a vida de milhões de pessoas necessitadas no mundo.”

O anúncio público será transmitido em vários idiomas durante os jogos na África do Sul e tem como objetivo reforçar a importância de alcançar os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) até 2015.

O vídeo de Zidane e Drogba também pode ser acessado na nova página de futebol e ODM do PNUD, que proporciona às pessoas a oportunidade de participar do combate à pobreza.

“A Copa do Mundo une pessoas de todos os países para torcer pelas suas seleções nacionais, e nós precisamos do mesmo tipo de paixão para acabar com a fome e a pobreza”, disse Zidane, ex-capitão da seleção francesa. “Temos apenas alguns anos até a meta de 2015 para realizar os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio; portanto, precisamos de agir agora mesmo”, completou.

A campanha foi produzida pelo PNUD com a supervisão criativa de Mark Titus, diretor da empresa August Island Pictures de Seattle, nos Estados Unidos. Todos os custos de produção foram doados pela August Island Pictures e Freestudios em Genebra. A Sony Corporation, patrocinadora oficial da Fifa, vai ajudar com a transmissão da campanha pela TV.

A nova página contra a pobreza foi produzida gratuitamente pela HUGE, agência digital baseada em Nova York. Outros parceiros-chave incluem a Major League Soccer USA, a liga de futebol profissional norte-americana, o Seattle Sounders Football Club e a Fundação da ONU.

O PNUD agradece o tempo e os esforços despendidos pelas seguintes organizações: Bad Animals, Blue Goose Productions, HUGE, Hotel Intercontinental Geneva, Hotel du Golf Sonnenmoser, Jason Brown Worldwide, Lenz Erwin Design, Light Press, PegLeg Pictures, Pump Audio e Red Jet Films.

Publicado em Viva Mundo

copaPor Vinicius Konchinski, da Agência Brasil

Foi aberta nesta terça-feira (15) em Joanesburgo, na África do Sul, a primeira iniciativa do governo federal para a promoção da Copa do Mundo de 2014: a Casa Brasil. O local é um espaço de exposições voltado à atração de turistas e investidores estrangeiros para o país.

Em uma área de mais de 3 mil metros quadrados (m²), localizada em uma das áreas mais nobres de Joanesburgo, todas as 12 cidades-sede do Mundial do Brasil estão representadas. Estandes, instalações artísticas e uma exposição sobre futebol que custaram R$ 10 milhões têm como objetivo consolidar o país como um dos principais destinos turísticos do mundo durante os próximos anos.

“Aqui é o pontapé inicial para 2014 e a chance de o Brasil se tornar um grande destino turístico”, afirmou o ministro do Turismo, Luiz Barretto, uma das autoridades brasileiras presentes no evento.

Segundo ele, até 2014, a Copa deve colaborar para um crescimento anual de 10% do turismo nacional. Nesse mesmo período, o número de turistas estrangeiros que visitam o país deve saltar de 5 milhões para 8 milhões.

Para que isso ocorra, o ministro afirmou que o Brasil tem de melhorar a qualidade de seus serviços e de sua infraestrutura. “Temos quatro anos para melhorar o atendimento de nossos hotéis, para ensinar inglês e espanhol para nossos trabalhadores”, disse. “Temos quatro anos também para melhorar a estrutura de nossos aeroportos e a mobilidade urbana.”

De acordo com Barretto, o bom desempenho da economia brasileira ajuda a fazer com que essas necessidades sejam atendidas. “Estamos em um momento bom. O crescimento da economia do país está junto com a necessidade de melhorias.” 

Publicado em Viva Brasil

O PandaLabs, laboratório anti-malware da Panda Security - The Cloud Security Company - relatou o aparecimento recente de uma série de páginas da web distribuindo o antivírus falso, MySecurityEngine.

Todas estas páginas aparecem no topo nos resultados de pesquisas relacionados à Copa do Mundo da África do Sul 2010. De acordo com Ricardo Bachert, diretor geral de consumo da Panda Security Brasil, este tipo de armadilha encontra terreno ainda mais fértil em países como o Brasil e Argentina, onde o movimento de buscas por assuntos relativos à Copa é maior que a média mundial. Entre os sites identificados, o PandaLabs selecionou uma lista que aparece na imagem abaixo: Você pode ver a imagem em: http://www.flickr.com/photos/panda_security/4684251897/.

"Nos últimos dias foi identificado um aumento significativo no número de links maliciosos que utilizaram não só a Copa do Mundo, mas também a final de Roland Garros e as finais da NBA. Com a proximidade do Mundial de Futebol, prevemos um grande aumento de ataques como este ao longo dos próximos dias", concluiu Eduardo D'Antona, diretor geral corporativo e TI da Panda Security no Brasil.

Esta técnica, chamada de ataques Black Hat SEO (Search Engine Optimization), começou a ser utilizada há alguns anos. Desde então, tornou-se cada vez mais sofisticada, conseguindo colocar sites desonestos nas primeiras páginas de resultados das pesquisas.

O sistema é muito simples: Quando os usuários procuram informações sobre grandes eventos, os resultados levam às páginas ilícitas, profissionalmente indexadas para estarem em uma posição alta no ranking. Se os usuários clicarem nos links, eles serão convidados a baixar um arquivo, por exemplo: um codec. Com isso, eles estarão descuidadosamente instalando um antivírus falso.

"Aconselhamos os usuários a tomar todas as precauções necessárias quando visitarem páginas da web através de motores de busca. É importante certificar confiabilidade da fonte, sempre rejeitar todos os downloads e não abrir arquivos provenientes de fontes desconhecidas. Além disso, é recomendado ter uma proteção contra vírus e mantê-la sempre atualizada. Atualmente existem soluções gratuitas como o Panda Cloud Antivirus (www.cloudantivirus.com), que protegem os computadores contra este tipo de ameaça", assinala D'Antona.

Mais informações estão disponíveis no blog do PandaLabs: http://www.pandalabs.com. Como parte de sua política de Responsabilidade Social Corporativa, a Panda Security colabora com entidades como a Special Olympics, WWF e Invest for Children. Para mais informações, visite: http://www.pandasecurity.com/

Publicado em Blog

Da Agência Brasil

Com a Copa do Mundo no Continente Africano, a Organização das Nações Unidas (ONU) quer reforçar a campanha mundial de combate à infecção de bebês com o vírus HIV. Embaixadores do Programa das Nações Unidas sobre HIV-Aids (Unaids) querem que os capitães das seleções de futebol que vão disputar o Mundial assinem um documento de apoio à prevenção da mortalidade materna e de bebês em decorrência da aids.

De acordo com informações das Nações Unidas no Brasil, a cada 90 minutos – duração de uma partida de futebol – quase 80 recém-nascidos são infectados com o vírus no mundo. Em 2008, 430 mil bebês foram infectados, sendo 90% na África Subsaariana.

A iniciativa da ONU tem o apoio do ex-capitão da seleção da Alemanha Michael Ballack, e do jogador do Togo Emmanuel Adebayor – ambos embaixadores do Unaids. Jogadores das equipes de Camarões, do Paraguai, do Uruguai e da África do Sul – país sede da Copa – assinaram o documento.

Publicado em Viva Mundo

TORCIDA-BRASILEIRANa véspera da abertura da Copa do Mundo, 600 cardiologistas estarão reunidos na capital federal. Na pauta do XVII Congresso de Cardiologia de Brasília,o tema Morte Súbita estará em destaque

Quando a seleção calça as chuteiras, o coração dos brasileiros vai à boca. Chavões à parte, estudos recentes mostram que, de fato, existe uma ligação entre competições importantes e o aumento no número de emergências cardíacas - como a chamada Morte Súbita, tema de destaque do XVII Congresso de Cardiologia de Brasília, que começa nesta quinta-feira (10/06).

"As arritmias são a principal causa da intercorrência, elas estão por trás de 90% dos casos", destaca Dr. Luiz Leite, presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia - Regional DF.

O destaque dado ao tema pela Comissão Organizadora do Congresso tem fundamento: estimam-se que mais de 200 mil pessoas sejam acometidas por Morte Súbita a cada ano no Brasil. Estudo encomendado pela Sociedade Brasilieira de Arritmias Cardíacas (SOBRAC) e pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular (SBCCV) revelou, ainda, que os homens são mais vulneráveis, representando 60% dos casos.

"Um dos focos do Congresso de Brasília será a identificação dos riscos para morte súbita nas pessoas assintomáticas e a indicação dos principais tratamentos disponíveis", adianta Dr. José Roberto Barreto, que preside o encontro.

Em campo - A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) está mesmo atenta. A entidade vai promover o estudo "Emoção e Coração na Copa do Mundo" para avaliar a variação dos batimentos cardíacos entre os torcedores durante os jogos da seleção brasileira na África do Sul.

Quatro hospitais com Unidade Coronariana participarão da pesquisa - no Distrito Federal, o Instituto Brasília de Arritmia (IBA) coordenará estudos que serão realizados no Hospital Brasília e no Hospital do Coração do Brasil. O total de eventos cardíacos do mês de maio e sua gravidade serão correlacionados com crises de arritmia, angina, infartos e derrames durante os jogos na Copa do Mundo.

Os resultados da pesquisa serão comparados com o estudo "Cardiovascular Events During World Cup Soccer", feito por pesquisadores da Universidade Ludwig-Maximilians, em Munique, na Copa de 2006. O levantamento analisou 4.279 infartos e mostrou que o risco de um ataque cardíaco ou outro problema cardiovascular em homens foi três vezes maior nos dias em que a seleção alemã jogou. Considerando a paixão do brasileiro pelo futebol, a expectativa é que por aqui as ocorrências sejam ainda mais expressivas.

Para entender a morte súbita - Durante os momentos mais tensos, a adrenalina eleva os batimentos cardíacos e favorece a constrição dos vasos, aumentando a pressão arterial. É por isso que fortes emoções, como aquela vivida pelos torcedores mais passionais, elevam o risco de problemas cardíacos. Além dos ânimos exaltados, o consumo de bebidas alcoólicas e alimentos salgados podem colaborar para os quadros de emergência.

Para os portadores de arritmias, o risco de Morte Súbita é maior. Contudo, pessoas saudáveis, atletas, e aquelas sem histórico de doenças cardíacas na família podem ser acometidas por Morte Súbita. "Para reverter o quadro, é necessário restabelecer ou reorganizar o ritmo cardíaco com o uso de desfibriladores. Como 95% das intercorrências acontecem fora do ambiente hospitalar, o socorro deve ser acionado imediatamente, caso um indivíduo perca a consciência subitamente", ressalta Dr. Luiz Leite.

Desfibrilador é lei - Desde 2005, locais com grande aglomeração instalados no Distrito Federal - como shopping centers, estádios de futebol e teatros - são obrigados por lei a ter desfibriladores. O equipamento é capaz de reverter paradas cardíacas sem maiores dificuldades para o operador.

"Qualquer pessoa pode manipular o equipamento com facilidade, sem riscos para si ou para a vítima, pois ele funciona identificando o tipo e o grau da arritmia praticamente sozinho", relata o presidente da SBC - DF. "O aparelho só age se houver problema cardíaco e é o melhor método para reverter a chamada morte súbita", completa. O socorro imediato no atendimento às vítimas de parada cardiorrespiratória aumenta muito as chances de sobrevida de um paciente. São os primeiros 10 minutos que salvam. 

Publicado em Viva Brasil

copasOs brasileiros que pretendem acompanhar os jogos da Copa do Mundo de Futebol de perto não devem esquecer da vacinação contra febre amarela. A apresentação do Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP) é obrigatória para a entrada de viajantes na África do Sul, país sede da competição.

"Segundo informação oficial do governo da África do Sul, quem não possuir esse documento internacional de saúde pública será impedido de entrar no país", salienta a gerente de orientação ao viajante da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Karla Baeta.

Para emissão do CIVP é necessário estar com a vacina válida (a proteção dura 10 anos) ou vacinar-se pelo menos dez dias antes da data da viagem em um serviço de vacinação. Lembre-se de observar se o cartão nacional de vacinação está completamente preenchido e sem rasuras.

O atendimento para emissão de CIVP nos postos da Anvisa pode ser agilizado se o viajante realizar o pré-cadastro (www.anvisa.gov.br/viajante) no Sistema de Informações de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegário da Anvisa. O sistema também apresenta uma lista dos Centros de Orientação ao Viajante de todo o país, nos quais o certificado pode ser emitido.

Além de gerenciar a emissão dos certificados de vacinação internacional, o sistema apresenta informações sobre as medidas preventivas de saúde e exigências sanitárias que os viajantes devem estar atentos antes de saírem do Brasil. "Ao acessarem o sistema, em menos de dez minutos, os viajantes podem obter uma orientação adequada e desfrutar de uma viagem mais segura", explica Karla.

Mais orientações - De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), os viajantes que vão à África do Sul também devem estar atentos aos riscos de contágio por Influenza A H1N1, cólera, malária, sarampo e febre do Rift Valley. "É fundamental que o viajante esteja com o calendário nacional de vacinação em dia, incluindo todas as vacinas indicadas para a sua faixa etária. Esta é a forma mais eficaz e segura de prevenção contra uma série de doenças e ainda pode impedir que doenças já eliminadas no Brasil voltem a ocorrer, como por exemplo, o sarampo", diz a gerente de orientação ao viajante da Anvisa.

Para as doenças transmitidas por mosquitos, a dica é utilizar repelentes nas partes mais expostas do corpo. A escolha de hotéis que possuam proteção contra insetos, como ar-condicionado e telas de proteção nas portas e janelas, também é uma forma de evitar essas doenças.

Cuidados básicos de higiene, como lavagem constante das mãos com água e sabão, não podem ser esquecidos. Outra recomendação diz respeito à alimentação: os viajantes devem evitar o consumo de alimentos crus ou mal cozidos e a ingestão de água não tratada ou de procedência desconhecida.

Ao retornar para o Brasil, caso apresente febre ou outros sintomas, o viajante deve procurar imediatamente um serviço médico. O profissional de saúde deve ser informado sobre o roteiro de viagem do paciente.

Serviço:

Para que Anvisa emita o Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia é necessário:

 - documento oficial de identificação com foto ou certidão de nascimento para menores de idade.

- cartão de vacina com nome, fabricante e lote completo da vacina, data da vacinação, assinatura e nome do vacinador e identificação da unidade de vacinação.

Publicado em Blog
Pagina 1 de 2

twitter

Apoio..................................................

mercado_etico
ive
logotipo-brahma-kumaris