Editor

.

Linha Editorial

  • "Mídia Construtiva é também lançar o olhar crítico sobre problemas, apontar falhas, denunciar. Contribuindo para a corrente que tenta transformar o negativo em positivo."

    Leia mais ...
Segunda, 27 Maio 2013 19:46

Ao resgate das hortaliças feias

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

Por Julio Godoy*

As críticas e o grito de alerta pelo desperdício de comida na Europa, por parte da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e de numerosas entidades não governamentais, parecem gerar seus primeiros efeitos, sobretudo em iniciativas privadas. Em Berlim, Tanja Krakowski e Lea Brumsack, especializadas em desenho de produtos e convertidas em cozinheiras, criaram a Culinary Misfits (algo como “inadaptados culinários”) para promover o consumo de vegetais que, por sua aparência, não se enquadram nos critérios estéticos que imperam em supermercados e grandes lojas de alimentação.

Esses tubérculos, hortaliças e outras verduras “não aptas” para o consumo são abobrinhas muito grandes, batatas com formas variadas, como um coração, repolho cujas primeiras folhas foram destruídas por excesso de umidade, ou cenouras com duas ou mais raízes. Embora sejam alimentos em bom estado e de boa qualidade, são descartados para a venda. “Os habitantes das cidades adotaram critérios de consumo completamente equivocados”, opinou Christian Heynmann, um agricultor próximo à cidade de Berlim.

“Uma abobrinha não pode ser maior do que a palma da mão, um repolho com folha marcada pelo excesso de umidade não é comestível e cenouras com três raízes curtas em lugar de uma longa e perfeitamente cônica não têm lugar na cozinha”, afirmou Christian. “Porém, se você abre e come uma abobrinha de 30 centímetros e a compara com outra de dez da mesma colheita, ou uma cenoura com três raízes com outra longa e cônica, verá que têm o mesmo aspecto e o mesmo sabor”, ressaltou ao Terramérica.

Christian colabora com Tanja e Lea fornecendo vegetais que de outra forma descartaria, porque os supermercados e as lojas especializadas não os aceitam para venda. “Criamos a Culinary Misfits para usar estes produtos descartados no cotidiano da cozinha, e mostrar ao público o verdadeiro rosto da natureza, além de desmentir essa falsa concepção que impera na cidade de que os bons vegetais têm de ser simétricos, pequenos e redondos”, detalhou Tanja ao Terramérica. “Queremos que as pessoas aprendam a comer toda a colheita”, acrescentou.

“Não somos cozinheiras profissionais, mas podemos demonstrar ao nosso público que é possível preparar pratos deliciosos com vegetais que não têm boa aparência”, explicou Lea. “Nossa intenção é recriar uma cultura culinária sustentável”. Lea, Tanja e Christian são apenas três rostos deste movimento emergente na Europa, que se rebela diante da insensatez do desperdício de alimentos. Muitos agricultores utilizam vegetais “disformes” para elaborar sucos ou vender para restaurantes vinculados a redes de supermercados.

Tal movimento parece resultado, entre outros, do alarme que causou o informe Perdas e Desperdício de Alimentos no Mundo, que a FAO divulgou em maio de 2011. “Cerca de um terço dos alimentos produzidos a cada ano no mundo para consumo humano se perdem ou é desperdiçado”, afirma o estudo. “Os países industrializados e em desenvolvimento dilapidam mais ou menos a mesma quantidade: 670 e 630 milhões de toneladas, respectivamente”.

Na Alemanha são jogadas no lixo 11 milhões de toneladas de comida por ano, o que representa cerca de 135 quilos por pessoa, segundo dados do Ministério de Proteção dos Consumidores de março de 2012. Cada pessoa em sua casa descarta aproximadamente 81,6 quilos, e o restante é jogado no lixo pela indústria, pelo comércio e por grandes consumidores, acrescenta o Ministério. Frutas e hortaliças, além de raízes e tubérculos, são os alimentos que mais se joga fora.

Com a crise econômica europeia, multiplicaram as pessoas, sobretudo jovens, que recuperam alimentos em bom estado dos depósitos de lixo de supermercados e restaurantes. Isto fez com que governos e organizações supranacionais lançassem campanhas de conscientização. O comissário da União Europeia (UE) para o Meio ambiente, Janez Potočnik, alertou que, se não houver mudança em seus hábitos alimentares e de escolha de seleção de comestíveis, o bloco poderá desperdiçar mais de 120 milhões de toneladas de alimentos em 2020, 30% da produção regional.

Porém, o desperdício de comida foi detectado muito antes. Em 2007 teve início na Grã-Bretanha a campanha Love Food Hate Waste (Ame a Comida, Odeie o Desperdício), conduzida por uma entidade sem fins lucrativos e financiada pelos governos de Escócia, Gales, Inglaterra e Irlanda do Norte, em cooperação com empresas e organizações não governamentais. A iniciativa inclui um rigoroso inventário de alimentos jogados no lixo diariamente nos restaurantes.

Como consequência, muitos desses comércios modificaram rotinas e começaram a reduzir o tamanho dos pratos e das guarnições. Alguns restaurantes, em particular aqueles especializados em serviço de bufês, e que baseavam sua promoção na generosidade das porções, passaram a cobrar um adicional dos clientes que não consomem totalmente os pratos dos quais se servem.

Esses passos e o efeito da inflação alimentar parecem colaborar. Segundo dados do Waste & Resources Action Programme (WRAP – Programa de Ação Sobre Recursos e Resíduos), administrado pela Love Food Hate Waste, o desperdício de alimentos e bebidas nos lares britânicos passou de 8,3 milhões de toneladas para 7,2 milhões, entre 2008 e 2011. A quantidade de alimentos que não foi desperdiçada “tem um volume semelhante ao que seria necessário para encher o estádio de Wembley até o último degrau”, disse ao Terramérica o diretor de projeto e prevenção de resíduos da WRAP, Richard Swannell.

Entretanto, o desperdício e a quantidade de lixo, especialmente de embalagens de comestíveis, seguem sendo enormes, advertiu Richard. “O lixo afeta toda a cadeia de fornecimento, por isso temos que trabalhar com todas as empresas e com os consumidores para reduzir embalagens sem afetar a qualidade e o frescor dos alimentos”, acrescentou. Em outras palavras, não basta comer toda a colheita; também é preciso revolucionar a comercialização, reduzir embalagens e reeducar o público, para que compre somente a quantidade de comida que de fato necessita.

* O autor é correspondente da IPS.

twitter

Apoio..................................................

mercado_etico
ive
logotipo-brahma-kumaris