Editor

.

Linha Editorial

  • "Mídia Construtiva é também lançar o olhar crítico sobre problemas, apontar falhas, denunciar. Contribuindo para a corrente que tenta transformar o negativo em positivo."

    Leia mais ...

O Cineforum do Instituto Cervantes exibe neste sábado (23) o documentário "Balseros". A projeção começa às 16h com entrada gratuita. Após o filme, o professor boliviano, Jorge Daniel Marchant vai conduzir um debate comparando a história dos protagonistas do filme em 94, com a realidade vivida hoje por Yoani Sánchez.

“Balseros”, documentário dos jornalistas espanhóis Carles Bosch e Josep Domènech Graell, revela sete anos da vida de refugiados cubanos que abandonaram seu país em 1994, na busca pelo sonho americano. A imparcialidade e riqueza de detalhes merecem destaque. O filme mostra como, depois de terem sobrevivido a um naufrágio, os refugiados conseguiram sobreviver ilegalmente nos Estados Unidos.

O evento é aberto ao público e as vagas são limitadas. Maiores informações, na secretaria do Instituto Cervantes do Recife através do O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. ou no telefone (81) 3334-0450.

SERVIÇO:  

Cineforum do Instituto Cervantes:

“Balseros”

Data: 23/02/13

Hora: 16h

Local: Instituto Cervantes do Recife (Av. Agamenon Magalhães, 4535 – Derby)

Entrada: Gratuita

SINOPSE:   Após os distúrbios civis ocorridos em Havana, no verão de 1994, Fidel Castro anunciou que Cuba não iria mais impedir os que quisessem abandonar a ilha. O anúncio gerou uma onda de construção de embarcações improvisadas para chegar aos Estados Unidos por mar, mas o então presidente Bill Clinton decretou que os refugiados não seriam autorizados a entrar no país, fazendo com que eles desembarcassem no campo de refugiados de Guantánamo.   A equipe de repórteres que registrou, desde os primeiros planos, um grupo de sete refugiados, os reencontra anos mais tarde, e nos mostra o que aconteceu na vida de cada um deles neste período.

-------

Com informações da Esquerda.net

Na última terça-feira (19/02), o despejo de Aurelia Rei, na cidade galega de Corunha, na Espanha, por atraso de um mês no pagamento do aluguel, foi evitado por uma manifestação com cerca de duzentas pessoas, convocadas pela Plataforma ‘Stop Despejos’ e que contou com a presença de um eurodeputado do Bloco Nacionalista Galego e de outros militantes da esquerda. Estão cada vez mais corriqueiras ações desta natureza do país, seja por atraso nos aluguéis ou não pagamento de parcelas de hipotécas imobiliárias. Isso em função da incapacidade financeira de muitas pessoas, afetadas pela crise que afeta não só a Espanha,mas toda a Europa, gerando situações constrangedoras como esta.

Houve alguns empurrões com os agentes policiais locais e nacionais presentes, mas os manifestantes ganharam ânimo após a chegada dos bombeiros chamados para abrir caminho ao despejo e forçar a entrada da casa da octogenária.

Mesmo ameaçados disciplinarmente, os bombeiros recusaram-se a abrir a porta da casa. Segundo o ‘Diario Vasco’, um deles empunhou um cartaz da Plataforma ‘Stop Despejos’, em solidariedade com o protesto.

Mais tarde, outro bombeiro tentou entrar na casa, mas acabou impedido pelas pessoas que se encontravam do lado de dentro. Tanto esse bombeiro como os policiais presentes ouviram uma vaia.

Solidariedade madrilena e catalã

Após ser divulgada a notícia, os bombeiros da Comunidade de Madri afirmaram o “total apoio” à atitude dos colegas galegos e se recusaram a colaborar com futuros despejos em Madri.

 A seção das ‘Comisiones Obreras’ dos bombeiros madrilenos sublinhou que eles não são “fantoches da banca nem dos seus servidores no governo” e que o seu dever é “prestar serviço à cidadania”.

Do lado dos bombeiros catalães, a seção sindical da UGT anunciou que os representantes sindicais estão de acordo em “apenas realizar a abertura de casas em situações de emergência, como diz a lei”.

Com informações do Pernambuco.com

O eleitor que não votou e não justificou a ausência nas três últimas eleições podem ter o seu título cancelado. Para regularizar a situação, esses eleitores devem comparecer ao cartório eleitoral no período de 25 de fevereiro a 25 de abril portando documento oficial com foto, título eleitoral e comprovantes de votação, de justificativa eleitoral e de recolhimento ou dispensa de recolhimento de multa. Em Pernambuco 51,5 mil eleitores estão irregulares. No Recife, o número também é alto, cerca de 10 mil eleitores não estão em dia com a Justiça Eleitoral.

Desde a última quarta-feira (20), a relação das inscrições passíveis de cancelamento está disponível nos cartórios eleitorais para consulta pelos interessados. O eleitor também pode verificar se o seu documento está sujeito a cancelamento no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na opção “Serviços ao eleitor”. 

A Justiça Eleitoral ressalta que não será expedido qualquer tipo de notificação ao eleitor, seja de forma impressa (correspondência) ou eletrônica (e-mail), sobre a situação do título. O não comparecimento ao cartório eleitoral para comprovação do exercício do voto, da justificativa de ausência ou do pagamento das multas correspondentes implicará o cancelamento automático do título de eleitor, que será efetivado de 10 a 12 de maio de 2013.

Se um eleitor deixou de votar no primeiro e no segundo turno de uma mesma eleição, já serão contadas duas eleições para efeito de cancelamento. Além disso, poderão ser contadas faltas às eleições municipais, eleições suplementares e referendos. Não serão computadas as eleições que tiverem sido anuladas por determinação da Justiça. Os eleitores no exercício do voto facultativo – menores de 18 anos, maiores de 70 anos e os analfabetos – não serão identificados nas relações de faltosos. As pessoas com deficiência para as quais o cumprimento das obrigações eleitorais seja impossível ou extremamente oneroso também não terão o título cancelado.

Eleições anteriores

A atualização cadastral ocorre sempre no ano posterior às eleições. Em 2011, 1.395.334 eleitores tiveram seus títulos cancelados por não terem votado nem justificado a ausência nas três últimas eleições realizadas até 2010. Em 2009, o total de títulos cancelados foi de 551.456, isso para os eleitores que completaram, nas eleições municipais de 2008, três eleições sem votar ou justificar a ausência. Em 2007, 1.640.317 documentos foram cancelados. Em 2006, ano posterior ao referendo realizado em 2005, a Justiça Eleitoral retirou dos seus cadastros 569.899 títulos eleitorais. Já em 2005, foram cancelados 1.081.721 documentos, após o registro das ausências ao pleito de 2004.

Consequências

Quem não regularizar a situação do título eleitoral a tempo de evitar o cancelamento do registro poderá ser impedido de obter passaporte ou carteira de identidade, receber salários de função ou emprego público e obter certos tipos de empréstimos e inscrição.

A irregularidade também pode gerar dificuldades para investidura e nomeação em concurso público, renovação de matrícula em estabelecimento de ensino oficial ou fiscalizado pelo governo e obtenção de certidão de quitação eleitoral ou qualquer documento perante repartições diplomáticas a que estiver subordinado.

Sexta, 22 Fevereiro 2013 13:08

Top 10: Jogos educativos on-line e gratuitos

Escrito por

Do EcoD

O que representa uma lousa e um piloto para um jovem que já nasceu acostumado a ver a informação obedecer ao toque do dedo? Com crianças cada vez mais dispersas, tornar o aprendizado mais interativo e além das quatro paredes virou necessidade prioridade.

A boa notícia é que professores e pais já contam com um bom aliado para auxiliar na educação dos jovens: os jogos on-line. Sim, já se foi o tempo em que os games eletrônicos eram os vilões dos estudos. Atualmente, existem uma ampla gama de jogos que educam ao mesmo tempo que entretêm os pequenos.

Para ajudar na tarefa de separar o joio do trigo, o EcoD selecionou dez jogos educativos on-line, listados pelo Portal do Aprendiz, e o melhor: gratuitos! Conheça-os.

Em Português

Cidade Verde - Versão brasileira do premiado game City Rain, neste jogo o aluno é um prefeito que deve construir sua cidade visando a sustentabilidade, ao atender às necessidades sociais e econômicas com preocupação ambiental. Os desafios lúdicos abrangem temas como mobilidade, coleta de lixo, tratamento de esgoto, desmatamento, consumo e gestão pública de gastos.

Olimpíadas de Jogos Digitais e Educação (OJE) - Iniciativa da Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco, a OJE é uma rede social com sete jogos que procuram estimular as habilidades cognitivas e colaborativas dos participantes. Há desde enigmas inspirados no Enem a jogos de realidade alternativa. Foi considerado o melhor jogo educativo da Games Show 2012, a maior feira de jogos da América Latina.

Ludo Primeiros PassosO Ludo Educa Jogos é um portal, desenvolvido em parceria com Fapesp, com diversos jogos educativos gratuitos. O Ludo Primeiros Passos é um desses, voltado para auxiliar a alfabetização de crianças. O jogador precisa conduzir o seu carro até o final do tabuleiro, vencendo desafios.

Contra a Dengue – Também parte do Ludo Educa Jogos, o Contra a Dengue ensina práticas para erradicar o mosquito, auxiliando na conscientização. O jogador deve eliminar o mosquito causador da doença em diversos cenários e com diferentes desafios em cada fase.

Mito da Caverna – Direcionado a estudantes do 1º ao 5º ano do ensino fundamental, o Mito da Caverna foi construído com base nos Parâmetros Curriculares Nacionais. O jogo, em 3 um Guia do Professor, que orienta como o jogo pode ser usado como prática educadora, e um sistema para avaliação e acompanhamento do aluno.

Em inglês

Climate Challenge - Neste jogo, o jogador vira o “presidente da Europa” e deve assim promover políticas públicas para cumprir a meta de reduzir as emissões de carbono até 2100. Em paralelo, o jogador deve verificar se há água, energia e alimentação suficiente para a população, controlando seus gastos.

September 12th – Utilizado como forma de discutir o terrorismo em sala de aula, no game, as bombas não só matam, mas causam danos colaterais. Os mortos inocentes se transformam em terroristas e o jogador vai percebendo que não é possível ganhar atirando. A mensagem principal do jogo on-line é que violência gera violência.

Way – O jogador começa sozinha, mas acaba dependendo de outro jogador, de qualquer lugar do mundo, para continuar e completar os desafios, estimulando o senso de colaboração entre dois estranhos.

Elude – Com a intenção de demonstrar que a depressão é um sentimento complexo que representa uma falha de conexão com o mundo exterior, o game mostra ao jogador como a ascensão e queda de humor podem ser vivenciados em diferentes perspectivas.

Closed World – No ambiente virtual, construído para explorar a questão LGBT, o participante precisa desconsiderar os rumores de que existem demônios na floresta e superar as dificuldades de uma relação proibida.

Quinta, 21 Fevereiro 2013 16:58

O bebê abandonado, minha amiga e eu

Escrito por

Foto: Guga Matos/JC Imagem

 

*Por Taíza Brito

Escrevo sob a emoção advinda de três circunstâncias: a notícia do abandono de um bebê embaixo de um viaduto no Recife, o depoimento de uma grande amiga que ao nascer foi abandonada de maneira semelhante e o fato de eu ter dado à luz recentemente.

O bebê abandonado – O recém-nascido, do sexo masculino, foi encontrado por um morador da Ilha do Joaneiro na noite de quarta-feira (20), às 20h, embaixo do viaduto localizado no bairro do Espinheiro.  A criança vestia uma roupa branca e o cordão umbilical estava amarrado com um pedaço de tecido. Chorando bastante, foi levado ao Posto de Policiamento Ostensivo (PPO) e de lá encaminhado pelos policiais militares ao Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (Imip), onde recebeu cuidados e passa bem.

A notícia choca, dá um nó na garganta e faz pensar o que leva uma mãe a cometer um ato desta natureza. As respostas podem ser muitas. Desde simplesmente rejeitar a criança ou realmente não ter condições de criá-la, seja por carência emocional, financeira, social ou tudo junto. Talvez nem saiba que já há instrumentos que permitem entregar à Vara da Infância, de maneira legal, o filho que a mãe alega não poder criar.

A minha amiga – Foi abandonada ao nascer, em junho de 1967, em Garanhuns, como relatou hoje no Facebook, ao saber do ocorrido com o bebê. Não tem vergonha disso. Pois encontrou no lar que a acolheu muito amor e o teto que lhe deu condições de caminhar pela vida de cabeça erguida sem se lamentar ou se fazer de coitadinha.

Hoje, jornalista de fibra, trabalha com afinco, tem muitos amigos e distribui afeto a quem tem o prazer de compartilhar de sua existência. Sabe, mais do que muitos de nós, que esta criança abandonada pode ter um futuro digno. E que o tenha.

Eu – Tendo como rotina nos últimos quatro meses cuidar do meu terceiro filho, que nasceu em outubro passado. Fiquei bastante impactada com a notícia. Primeiro com a situação do bebê. Deixado em um lugar ermo, frio, sujo, exposto a perigos que poderiam tê-lo vitimado. Depois, pensei na mãe, que cometeu um crime aterrador pelo fato de abandonar um recém-nascido. Mas que ao mesmo tempo pode estar vivenciando muita dor.

Finalmente, lendo o relato de minha amiga, nas redes sociais, respirei esperança. Por mais cientes de que vivemos em um mundo no qual a violência campeia, acredito que ainda é maior a nossa capacidade de escrever um novo destino desde que tenhamos fé no porvir. Ela, que sobreviveu ao abandono, é exemplo de que é possível dar novo rumo à vida. Que hoje sorri esperançosa para este menino salvo e cuidado por estranhos. Que se renova a cada vez que acreditamos na humanidade.

*Com reprodução de foto de Guga Matos, do JC Imagem

Quarta, 20 Fevereiro 2013 16:53

À espera de um novo João XXIII

Escrito por

Por Cesar Vanucci *

“A mensagem de Roma é humilde como uma quadra popular e grandiosa como uma catedral de verdades eternas.”

(Alceu Amoroso Lima, o Tristão de Ataíde)

 

Bento XVI sai de cena de forma surpreendente. Deixa de sua passagem pela cátedra de Pedro o registro de uma atuação sem a reluzencia de seus predecessores mais próximos. A decisão que tomou, reconhecendo-se despojado de condições físicas e psicológicas para dar continuidade à missão que lhe foi atribuída, causou compreensível comoção. Trouxe à tona, sem dúvida, sua grandeza de caráter e, também, seu estilo discreto e sua visão extremamente racional das coisas deste mundo. Mas a renúncia ficará lembrada, lá na frente, como ato invulgar que provocou apenas rastro efêmero de estupefação. Não como um instante histórico em que teria ocorrido a ruptura de uma obra pessoal pontilhada de realizações, por meio das quais a Igreja teria dado avanços de monta na propagação da mensagem evangélica.

Bento XVI adquiriu notoriedade pelo conservadorismo entranhado e brilhantismo teológico de feição imobilista. Será, assim, merecidamente celebrado como eficiente burocrata da fé. Nunca como alguém predestinado a ascender, a qualquer tempo - como aconteceu, por exemplo, com seu antecessor próximo, João Paulo II -, a um lugar entre os luminares do pensamento religioso de todos os tempos.

É bastante sugestivo, quando se analisa o ato inesperado de Bento XVI, a identificação, por ele próprio admitida, que tinha com o Papa Celestino V, cujo tumulo visitou em Áquila, nos Apeninos, em 2009, quando do terremoto que atingiu a região. Esse Celestino V, lá por volta de 1294, aos 80 anos, resolveu abdicar das funções pontifícias. Recolheu-se a um mosteiro, entregando-se à meditação mística. Sua renúncia, 719 anos transcorridos, é o precedente mais próximo que se tem da decisão tomada por Ratzinger.

A humanidade inteira sabe. Há uma mensagem de Roma a ser transmitida a todos os homens, em todas as latitudes. Todos, mesmo os não católicos, se dão conta da importância dessa mensagem. Ela chega do fundo e do alto dos tempos. É mensagem de sabedoria. Dá voz, como lembra Tristão de Ataíde, ao amor contra o ódio, à justiça contra a exploração, à paz contra a violência, à esperança contra o desespero. O mesmo autor resume de forma lírica o teor desse recado: ele é humilde como uma quadra popular e grandioso como uma catedral de verdades eternas.

Essa mensagem não pode abrir mão, obviamente, dos valores essenciais da fonte original. Mas também não pode, por outro lado, em nome de dogmas e preconceitos rançosos, alguns de cunho nitidamente maniqueísta, instituídos pela mera vontade humana, olvidar os desafios novos, as alternativas de comportamento social nascidas da abertura da consciência humana para a realidade de um mundo em ebulição.

Para a Igreja, como depositária da mensagem, e para o personagem elevado à cátedra suprema do magistério encarregado de transmitir a mensagem, voltam-se naturalmente as expectativas e esperanças de uma humanidade confusa, sufocada pela estridência de estranhas propostas econômicas, políticas, sociais em voga, ávida por orientação que a ajude encontrar os caminhos seguros da paz, da concórdia e do bem-estar social. Por essa razão, a escolha do sucessor de Bento XVI galvaniza atenções. O que as multidões passam, então, a aguardar é a escolha de um Papa que seja capaz de empreender um diálogo sereno, respeitoso, amadurecido com todas as vertentes do pensamento religioso moderno, estabelecendo as bases duradouras de uma convivência universal saudavelmente ecumênica. É a escolha de um Pontífice que se proponha a reavaliar posicionamentos da Igreja acerca de temas candentes, como a sexualidade na vida moderna, a distribuição justa das riquezas sociais, a necessidade de mudanças na ordem econômica, as transformações comportamentais da sociedade e tantos outros desafios relevantes, alguns deles no próprio âmago da instituição, como o celibato sacerdotal, a ordenação de mulheres, por aí. O que a sociedade humana espera é a designação de um sucessor de Pedro que se mire no esplendoroso exemplo de João XXIII. Um Papa que soube promover, a seu tempo, a mais arrojada experiência de abertura empreendida até então nos domínios da Igreja, reabastecendo de esperança a eterna mensagem, na tentativa de torná-la mais atraente para ser ouvida mais longe.

* O jornalista Cesar Vanucci (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. ) escreve para o Blog Viva Pernambuco semanalmente.

Confiram texto do CicloVivo, que mostra a experiência do pequeno norte-americano Vanis Buckholz, que além de colaborar com o meio ambiente, destina 25% de seus lucros a uma ONG que protege famílias de sem-terra.

 

Aos sete anos de idade, o norte-americano Vanis Buckholz criou a My ReCycler, uma empresa de reciclagem na cidade de Corona del Mar, na Califórnia. O garoto, que desenvolveu o projeto na escola há três anos, doa parte dos lucros de sua empresa para uma ONG que protege famílias desabrigadas.

Buckholz, que hoje tem dez anos, levou a sério a ideia sustentável que surgiu na sala de aula. O menino ficou surpreso com a quantidade de lixo que poderia ser reaproveitada, e, então, começou a separar os resíduos produzidos em sua casa. Não demorou muito para que o jovem passasse a coletar o lixo da vizinhança – e, a partir daí, a ideia deu cada vez mais certo.

O garoto diz que sua família deu um grande apoio à iniciativa. “Meus pais me ensinaram a nunca poluir, então, recolher lixo era algo que sempre fizemos. Mas, agora, faz parte do negócio”, conta Buckholz, que também recolhe resíduos encontrados em parques, praias e vias públicas.

A primeira coisa que o jovem empreendedor fez com o dinheiro arrecadado nas operações da My ReCycler foi comprar uma bicicleta adaptada com um reboque para transportar o lixo. Como aumentou o número de clientes, hoje Buckholz coleta os resíduos na caçamba de uma picape, comprada com o dinheiro gerado por sua empresa.

Além de colaborar com o meio ambiente, o garoto mais sustentável da costa oeste dos EUA destina 25% de seus lucros à Project Hope Alliance, uma organização não governamental que apoia famílias de sem-terra no Condado de Orange, também na Califórnia. Com informações do Care2.

O Núcleo de Tecnologia, Comunicação e Idiomas, da Secretaria de Educação de Olinda (Nteci) está disponibilizando 75 vagas para curso básico de espanhol. As inscrições podem ser feitas até a próxima sexta-feira (22), no próprio Núcleo, Rua 15 de Novembro, nº 135, de 8h às 20h. As aulas iniciam na segunda (25/02).

O curso é gratuito e direcionado a pessoas com idade a partir de 16 anos. No ato da inscrição o interessado deve apresentar cópias e originais da identidade e do comprovante de residência. Estão sendo disponibilizadas 20 vagas para o horário da manhã, 40 para tarde e 15 para noite.  Outras informações podem ser obtidas pelo telefone: 3305.1072.

Quarta, 20 Fevereiro 2013 15:19

Combater drogas e alcoolismo

Escrito por

* Por Paiva Netto

Dia Nacional de Combate às Drogas e ao Alcoolismo. Evidenciar essa data, celebrada em 20 de fevereiro, é valioso para a saúde em geral, em particular a de nossos jovens. É desde cedo que se aprende como é ingrato o destino que as drogas e o álcool apresentam às criaturas. As lamentáveis consequências saltam aos olhos de todos.

 Basta ver quantas vítimas no trânsito, a infelicidade no seio das famílias, os altíssimos custos que acarretam ao sistema de saúde. Apenas para citar o álcool, segundo o Ministério da Saúde, estima-se um número de dependentes entre 10% e 15% da população mundial.

As iniciativas que têm por finalidade tratar humanamente dos que caíram nessas armadilhas do vício ou cuidar da prevenção contra esses males merecem todo o apoio e incentivo. Combater o que faz mal às pessoas é também legítima caridade.

BONIFÁCIO, KENNEDY, SHAW E O MUNDO INVISÍVEL

John Fitzgerald Kennedy (1917-1963), em seu discurso diante do Parlamento, no dia 28 de junho de 1963, em Dublin, Irlanda, afirmou que “George Bernard Shaw, falando como um irlandês, sugeriu uma nova perspectiva à vida. ‘Algumas pessoas’, ele disse, ‘veem as coisas e perguntam: Por quê? Mas eu sonho com coisas que nunca existiram — e questiono: Por que não?’”.

E, como um descendente de imigrantes irlandeses, prossegue JFK: “É esta a qualidade do povo irlandês: a notável combinação de esperança, convicção e imaginação — que, mais do que nunca, é preciso ter. Os problemas do mundo não podem ser resolvidos por céticos ou cínicos, cujos horizontes se limitam às realidades evidentes. Precisamos de homens capazes de imaginar o que nunca existiu e de questionar ‘por que não?’”.

Ora, essas também são qualidades do nosso bom povo brasileiro, iluminado de esperança, por pior que seja a conjuntura. Numa hora de satisfação, exclamou o notável José Bonifácio de Andrada e Silva (1763-1838), o Patriarca da Independência: “Os brasileiros são entusiastas do belo ideal, amigos da sua liberdade”. Ditas todas essas coisas, fica claro aos que “têm olhos de ver e ouvidos de ouvir” que o aprendizado neste mundo ainda é incompleto.

O entendimento hodierno da Vida Espiritual é semelhante ao da Lei da Gravitação Universal, de Newton (1643-1727), com as presentes contribuições de Einstein (1879-1955). Apenas como argumento, poderíamos dizer que não adiantaria simplesmente negá-la, porquanto nosso saber científico contemporâneo não alcançou por inteiro todas as leis que a regem.

Realmente, é necessário reiterar o ensinamento: a reforma do social começa no Espiritual. Ponto de vista que viemos discutindo e desenvolveremos no transcurso das explicações do Evangelho-Apocalipse de Jesus, em Espírito e Verdade pelo prisma do Seu Mandamento Novo, “amai-vos como Eu vos amei”.

José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor.

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. www.boavontade.com

Da Assessoria de Imprensa do Coletivo Lugar Comum

 

Iiniciativa é do Coletivo Lugar Comum, com apoio do Funcultura, e trará para a cidade a artista Adriana Fernandes, musicista, pesquisadora e professora adjunta do Departamento de Artes Cênicas da Universidade Federal da Paraíba

 

Estão em curso as inscrições para a primeira oficina aberta dentro do projeto “A Voz e Movimento”. Os interessados precisam preencher a ficha de inscrição até o dia 25 de fevereiro. A seleção será feita a partir do currículo e carta de intenção. Mais informações podem ser obtidas no site do Lugar Comum: www.coletivolugarcomum.com ou pelo email O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. . A oficina, que é gratuita, acontece de 4 a 7 de março, das 19h às 22h, na sede do grupo artístico Coletivo Lugar Comum, na Rua Madre de Deus, 170, sala 202, no Recife Antigo.

O objetivo proposto pela professora Adriana Fernandes é estimular e sensibilizar bailarinos e atores para a relação corpo-voz-som-movimento, a partir de elementos como a respiração, audição, fonação e cinestesia. Esta é a primeira oficina aberta a ser realizada pelo Coletivo Lugar Comum em 2013 dentro da proposta do projeto, que trará ainda o ator-pesquisador Carlos Simioni, do LUME Teatro, em agosto.

A pesquisa “A Voz do Movimento”, iniciada em janeiro de 2013, aborda a improvisação como ferramenta para aperfeiçoamento da expressividade do corpo-artista, propondo a integração entre movimento e produção vocal. Ao todo, durante um ano, serão realizadas várias atividades práticas e teóricas sobre a criação em dança a partir da improvisação e da exploração da expressão vocal aliada ao movimento.

Além dos encontros semanais reunindo os integrantes do Lugar Comum, o projeto envolve os ensaios abertos e a realização de duas oficinas coletivas como espaços para troca de saberes entre profissionais de várias linguagens, abertas a participantes de outros grupos artísticos em atividade no estado de Pernambuco.

O acompanhamento permanente das atividades, através da produção de registros (textos, fotos, vídeos) pelos bailarinos-pesquisadores do Lugar Comum, pode ser feito pelo blog avozdomovimento.wordpress.com. Ao final da pesquisa será apresentada uma criação artística assinada pelos integrantes do Coletivo, desenvolvida ao longo do processo com base no tema trabalhado. A Voz do Movimento: da inquietude, do silêncio, da voz, do movimento, do corpo do agora, agora, momento e ato, som que dança, nasce a inspiração, criação, comunicação, troca, tudo se tocando, entrelaçado, artista e público, se existindo enquanto a arte da improvisação se desenha no inusitado espaço, permitindo outras percepções.  

Descrição dos elementos a serem trabalhados na oficina de Adriana Fernandes:

Respiração: compreensão biológica do processo; músculos, ossos e órgãos envolvidos; treinamento dos diversos tipos de respiração em acordo com os diversos estados emocionais e posições corporais;

Audição: compreensão de elementos básicos relacionados aos princípios sonoros: altura, duração, intensidade, timbre; compreensão de elementos básicos de composição sonora; relação corpo e som – paralelo, oposição, semi-oposicão (ou semi-paralelo);

Fonação: compreensão do processo de emissão vocal; utilizando-se dos elementos apreendidos em audição transpor para a voz o “cargo” de emissão sonora; composição vocal-corporal a partir de altura, duração, intensidade e timbre;  

Cinestesia: combinação dos elementos trabalhados anteriormente tendo como foco e origem da atividade o movimento corporal; exercícios de criação artística a partir de sugestões dadas pela professora.

 

Com informações da Assessoria de Imprensa da Cabra Fulô

 

Produções A Cabra Fulô Produções enviou 800 DVDs a 115 escolas públicas de Pernambuco e a 22 bibliotecas públicas do país contendo o e-book Loubo Amor, uma adaptação do conto Os Desastres de Sofia, de Clarice Lispector. Junto foi um convite para que alunos, orientados pelos professores, desenvolvam o seu próprio e-book.

O tema sugerido é “Mudar o mundo em 2013” e o produto final deverá ser um documento em formato .pdf (para o caso de um livro composto apenas de imagens e textos, sem interatividade) ou em formato .swf (para o caso de um livro interativo, como o próprio “Loubo Amor”).

O resultado desses laboratórios criativos em sala de aula deve ser enviado para o email da Cabra Fulô (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. ) para que este seja incluído em uma plataforma de distribuição de e-books. Dentro de um mês, a equipe entrará em contato com as instituições de ensino e pesquisa para avaliar o interesse no desenvolvimento da atividade proposta. A expectativa é que se desenvolvam pelo menos cinco ebooks em cinco escolas diferentes.

Loubo Amor é um e-book interativo, através do qual o leitor pode se divertir e compreender de forma lúdica como algo que fere pode ser também aquilo que conforta. O projeto tem incentivo da Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe) e foi finalizado em 2012.

História - Loubo Amor conta a história de um lobo que vive um louco amor. Uma inspiração às avessas. O lobo-guará é o personagem que conduz a parábola sobre a pluralidade de sentimentos de um ser e os seus muitas vezes questionáveis métodos de aproximar e repelir. O lobo, que pouco se assemelha ao personagem malvado da história Chapeuzinho Vermelho, mostra que mesmo através da amargura, da feiura e da dureza é possível atingir sentimentos como a gentileza, a doçura, a beleza.  

Loubo Amor pode ser baixado gratuitamente aqui. .

Por Taíza Brito

O Índice de Vulnerabilidade Juvenil à Violência (IVJ-Violência), divulgado hoje (19/02) pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) traz números animadores para o Estado. Dos doze municípios pernambucanos elencados no estudo, nenhum foi classificado como detentor de vulnerabilidade alta em 2010, enquanto três foram classificados com vulnerabilidade média (25%), sete com vulnerabilidade média baixa (58,3%) e dois com vulnerabilidade baixa (16,7%).

No estudo pode se constatar que os municípios pernambucanos estão entre os que mais têm contribuído para a melhora do quadro nacional entre 2007 e 2010. Recife, por exemplo, recua (favoravelmente) 71 posições no ranking do IVJ-Violência,  passando do 14º pior lugar na lista, em 2007 (0,522), para o 85º, em 2010 (0,325). Uma redução de 38% no índice. A explicação para a queda no índice provavelmente está nos resultados obtidos em todo Estado pelo Pacto Pela Vida (PPV), programa do Governo estadual que visa à redução de Crimes Violentos Letais Intencionais, desde 2007.

Para mensurar a vulnerabilidade juvenil, o IVJ-Violência congrega num único indicador numérico a média ponderada de três dimensões: homicídios e acidentes de trânsito entre os jovens; freqüência à escola e situação de emprego; pobreza e desigualdade no município.

No período analisado, Jaboatão dos Guararapes passou do 16º lugar para o 90º, recuperando 74 posições (-38% no índice), enquanto Olinda passa do 15º para o 82º lugar (-37%). Mas o caso que mais chama atenção no Estado é o de Paulista, que passa do 71º pior lugar para o 165º (94 posições). O que equivale a uma redução de 40% em seu IVJ, a maior do Estado. Há ainda cidades que apesar de melhorarem seu índice, como Vitória de Santo Antão (-21%), Camaragibe (-20%) e Caruaru (-16%), perderam respectivamente, 11, 9 e 31 posições no ranking nacional. Isto se explica porque outras cidades do País melhoraram seu desempenho mais ainda.

Por outro lado, os municípios de São Lourenço da Mata e Igarassu entraram pela primeira vez no estudo porque só a partir do Censo IBGE-2010 é que superaram os 100 mil habitantes. Logo, não havia dados para esses municípios na edição anterior do estudo, realizada em 2009. Para os outros 10 municípios pernambucanos que entraram no estudo, todos experimentaram melhora no IJV, em proporções que variam de 16% a 40%.

Metodologia - Os 283 municípios do país com mais de 100 mil habitantes são classificados numa escala de 0 a 1 pontos, em que zero representa a situação de menor vulnerabilidade e 1, a de maior. A fórmula foi criada pela Fundação Seade, de São Paulo. E foram utilizados dados consolidados pelo Censo Demográfico/2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Fruto do Termo de Parceria firmado entre a Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP) e o FBSP, o IVJ-Violência demonstra um contexto nacional de melhora dos indicadores sociais entre os dois anos da série analisada e reforça a importância da segurança pública para o maior avanço das condições de vida da população jovem dos 283 municípios com mais de 100 mil habitantes em 2010.

Segundo Renato Sérgio de Lima, conselheiro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e supervisor técnico do indicador, "o IVJ não tem objetivo de isolar o impacto de programas e avaliá-los especificamente. O que há é uma evidência de que (...) para garantir avanços futuros, mecanismos de monitoramento e avaliação da política de segurança pública precisam ser estruturados."

Confira na tabela abaixo o a situação dos municípios pernambucanos:

                                                                  

 

O estudo completo está disponível em:

http://www2.forumseguranca.org.br/arquivos/ivj.pdf

 

Da Assessoria de Imprensa da Faculdade Guararapes

Bullying e violência escolar é tema de uma palestra gratuita, que acontece nesta quarta-feira (20), às 19 horas, na Faculdade dos Guararapes – integrante da rede internacional de universidades Laureate - em parceria com o Instituto Cervantes. O tema será abordado pela doutora em Psicologia, Fuensanta Cerezo Ramírez, que também é professora titular de Psicologia de La Educación de la Universidad de Murcia (Espanha), e tem várias publicações e projetos ligados ao tema.

Durante a palestra, a especialista discutirá o fenômeno bullying, quais fatores o facilitam e as formas de combate e controle de atitudes agressivas, que muitas vezes ocorrem na sala de aula e também no ambiente de trabalho. Também serão analisadas situações de aula na Espanha e no Brasil.

O evento é aberto ao público e os interessados podem se inscrever pelo site: www.faculdadeguararapes.edu.br/site/psicologia.

 

Mais informações pelo telefone: 3461.5555.

A Fundação Altino Ventura,em parceria com a Prefeitura de Abreu e Lima, no Grande Recife, está realizando atendimento em algumas Unidades da Saúde da Família do município até a próxima sexta-feira, dia 22. Estão sendo realizados exames dos Projetos Catarata e Glaucoma para pessoas acima de 50 anos. Para ter acesso aos projetos é preciso, além da idade citada, apresentar carteira de identidade, CPF e comprovante de residência nos postos onde os profissionais da Fundação fazem atendimento, das 8 às 14 horas.

O objetivo do atendimento é prevenir a cegueira e reabilitar a visão por catarata senil, tendo como público alvo pacientes com fatores de risco para glaucoma. São feitos testes de triagem visual para glaucoma e realizados o tratamento clínico e cirúrgico dos casos indicados. O público Alvo são pacientes com idade igual ou superior a 50 anos, com acuidade visual inferior a 20/60.

Mais informações podem ser obtidas com Adriana Cysneiros, coordenadora de Atenção Básica de Abreu e Lima (81) 8612-6505 e na Fundação Altino Ventura através do telefone (81) 3302-4300

Confira dias e locais de atendimento:

Dia 18/02  

USF Embriões (Caetés 1)  

Dia 19/02  

USF Caetés 1 A e B  

Dia 20/02  

USF Caetés 1 A e B  

Dia 21/02  

USF Caetés II  

Dia 22/02  

USF Caetés III Jaqueira  

 

Segunda, 18 Fevereiro 2013 13:28

Estudar faz pessoas serem mais felizes e viverem mais

Escrito por

Do Porvir

Um estudo recente sobre aspectos da educação mostra que quem estuda mais tende a ser mais feliz e ter uma expectativa de vida maior. O levantamento What are the social benefits of education? (Quais são os benefícios sociais da educação?, em tradução livre) foi produzido pela OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) e realizado em 15 países membros da organização – do qual o Brasil não faz parte. “A educação ajuda as pessoas a desenvolver habilidades, melhorar a sua condição social e ter acesso a redes que podem ajudá-las a terem mais conquistas sociais”, dizem os autores da pesquisa.

Segundo o estudo, as pessoas que estudam mais são mais felizes porque tem maior satisfação em diferentes esferas de sua vida. Esse nível de satisfação pessoal é de, em média, 18% a mais para que têm nível superior em relação àquelas que pararam no ensino médio.

Em relação ao aumento da expectativa de vida, o estudo mostra que um homem de 30 anos, por exemplo, pode viver mais 51 anos, caso tenha formação superior, enquanto aquele que cursou apenas o ensino médio viveria mais 43, ou seja, oito anos menos. Essa disparidade é mais acentuada na República Tcheca, onde os graduados podem viver 17 anos a mais. Já os portugueses, asseguraram a diferença mais baixa, apenas 3.  

O estudo, divulgado no fim do mês passado, encerra a Education Indicators in Focus, série composta por 10 estudos, apresentados ao longo de janeiro de 2012 a janeiro de 2013, que destacam diferentes aspectos educacionais avaliados da educação básica ao ensino superior. Entre eles, como a crise global afeta as pessoas com diferentes níveis de escolarização, quais países estão dando suporte ao acesso ao ensino superior e qual a variação no número de alunos ao redor do mundo. Os interessados em acompanhar as pesquisas podem acessá-las gratuitamente on-line em três versões: inglês, espanhol e francês.No caso das mulheres, a diferença não é tão acentuada: a expectativa média de vida é de quatro anos a mais para as universitárias. À frente desta tabela estão as nascidas na Letônia, que vivem quase nove anos mais do que as compatriotas que interromperam os estudos no antigo segundo grau.  

Em outro capítulo desse mesmo levantamento, realizado com um grupo de 27 países, a OCDE chegou à conclusão de que 80% dos jovens com ensino superior vão às urnas, enquanto o número cai para 54% entre aqueles que não têm formação superior. Os adultos mais escolarizados também são mais engajados quando o assunto é voluntariado, interesse político e confiança interpessoal. “A educação tem o potencial de trazer benefícios para as pessoas e para as sociedades, e isso vai muito além da contribuição para a empregabilidade dos indivíduos ou de renda”, afirma os autores da pesquisa, que enfatiza ainda a importância do Estado. “Os políticos devem ter em conta que a educação pode gerar benefícios sociais mais amplos desde que haja mais investindo em políticas públicas”.

Sala de aula

Nos países da OCDE, a quantidade média de alunos em sala de aula é de 23, embora o número varie de acordo com cada país. Na Coreia e no Japão chega a 32; enquanto na Eslovênia e Reino Unido não passa de 19 por classe, segundo mostra o estudo How Does Class Size Vary Around the World? (Como a sala de aula varia ao redor do mundo?, em tradução livre), divulgado em novembro de 2012. A pesquisa mostra que entre 2000 e 2009 muitos países investiram recursos adicionais para diminuir o número de estudantes em sala de aula, no entanto, o desempenho melhorou em apenas alguns deles. “Reduzir o tamanho da turma não é, por si só, uma alavanca política suficiente para melhorar o rendimento dos sistemas de ensino, mas, sobretudo, priorizar a qualidade dos professores em relação ao tamanho da classe”, aponta a pesquisa.

É difícil manter uma dieta regrada em dias fora do nosso cotidiano normal. Porém passado os excessos e exageros do Carnaval, agora é hora de voltar para uma alimentação mais saudável. Não é necessário passar vontade ou deixar de saborear as diferentes preparações, desde que seja em pequenas quantidades, dando preferência para os alimentos mais leves e que já fazem parte do dia a dia.  

“O ideal é que os excessos sejam evitados, quando não, é indicado fazer refeições pequenas e leves nos próximos dias. Preferir os alimentos naturais como, frutas, legumes e verduras e abusar dos líquidos”, orienta a supervisora de Nutrição do Hospital e Maternidade São Cristóvão, Fátima Corradini.

“Sucos de fruta a base de água de coco são uma boa opção para desintoxicar, além de refrescantes, são nutritivos. Algumas receitas sugerem verduras como couve ou até mesmo beterraba ou cenoura, que misturados a diversas frutas, enriquecem, dão cor e sabor aos sucos. Mas o líquido é o ator principal na tarefa de desintoxicar, sem deixar de ingerir água, que é fundamental”, afirma a nutricionista.  

Para recuperar a forma e gastar as calorias não desejadas, basta voltar a ter uma alimentação balanceada, reduzir as quantidades e praticar exercícios físicos. O verão favorece o consumo de alimentos mais leves, digeridos facilmente e evitam desconfortos intestinais.   Já para quem extrapolou também na bebida alcoólica, é indicado evitar alimentos ricos em gorduras, que sobrecarregam o fígado, ocupado em metabolizar as toxinas ingeridas na alimentação pesada.  

Do CicloVivo

Estudo realizado pelo Instituto Totum e pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ), da Universidade de São Paulo em parceria com a Fundação SOS Mata Atlântica, estima que cada árvore da Mata Atlântica absorve 163,14 kg de gás carbônico (CO2) equivalente ao longo de seus primeiros 20 anos.

O gás carbônico em excesso no ar é prejudicial, sendo uma das substâncias responsáveis por mudanças no clima. O estudo foi feito com base em análises de amostras do plantio de árvores nativas dos projetos Clickarvore e Florestas do Futuro, programas de restauração florestal da Fundação SOS Mata Atlântica.  

Para fazer a estimativa, foi considerado um plantio médio de 1.667 mudas por hectare. A amostra abrangeu árvores de idades entre 3 a 11 anos, sendo projetada uma expectativa para a idade de 20 anos. “Esta é a segunda etapa do monitoramento dos plantios. Iniciamos o acompanhamento em 2007 somente em quatro áreas do projeto Clickárvore as quais remedimos no ano passado, além de incluir mais quatro áreas do projeto Florestas do Futuro. Isso nos permitiu ajustar a curva de crescimento construída anteriormente, que na época apontava valor de 250kg de CO2e em 20 anos. Para chegar ao resultado da projeção, consideramos idades e espécies de árvores diferentes, no bioma, clima e diversidade da Mata Atlântica”, informa Fernando Lopes, diretor do Instituto Totum.

O estudo também estimou o sequestro de gás carbônico desde o início da implantação dos programas. Ao longo de 11 anos (de 2000 a 2011), o plantio de 23.354.266 árvores do Clickárvore retirou da atmosfera em torno de 1,05 milhão de toneladas de gás carbônico equivalente, ou seja, 7,27 kg de CO2 e por árvore plantada por ano. Já as 3.842.426 árvores do Florestas do Futuro sequestraram 194, 23 mil toneladas de CO2 equivalente, o que corresponde à remoção anual de 10,11 kg de CO2e por árvore, de 2003 a 2011. As diferenças de absorção de CO2e entre as áreas ocorrem devido a fatores diferentes, como espécie, clima e solo, que impactam o desenvolvimento das árvores em cada local avaliado.  

Para assegurar a restauração de uma área degradada com essências nativas, o plantio deve seguir normas, como selecionar espécies adequadas para a região, averiguar a qualidade de sementes e de mudas, preparar o solo para o plantio e cuidar da manutenção da área. Se as normas forem seguidas, os reflorestamentos serão mais eficientes na remoção de gases do efeito estufa da atmosfera, com reconhecimento da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (UNFCCC).  

A análise de ambos os programas de reflorestamento avaliou oito plantios nas regiões de Penápolis, Valparaíso, Ibaté, Andradina, Salesópolis, Itatiba e Itu, em São Paulo; e uma região no estado do Rio de Janeiro, em Pinheiral. Foram medidas e identificadas 2.496 árvores, de 128 espécies. Para o cálculo de biomassa e do carbono, o relatório considerou as árvores com Diâmetro à Altura do Peito (DAP) igual ou superior a cinco centímetros.  

Segundo Rafael Bitante, Coordenador de Restauração Florestal da SOS Mata Atlântica, o aquecimento global há alguns anos vem sendo pauta nos noticiários e a cada dia, o reflexo desse fenômeno é sentido de maneira mais frequente pela vida na Terra. Diante deste cenário, cada vez mais empresas e pessoas procuram compensar as emissões de CO2, apontado como um dos principais gases causadores do efeito estufa (GEE). “A parceria com o Instituto Totum e a Esalq são fundamentais para contribuir à ciência e subsidiar esforços na mitigação destes efeitos unindo a experiência da Fundação SOS Mata Atlântica na execução de projetos de restauração florestal para compensação ambiental”, destaca.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) está divulgando na sua página na internet a lista atualizada das tarifas residenciais de energia, com o desconto determinado pelo governo federal em 24 de janeiro. As reduções variam de 18% a 25%, dependendo da concessionária. Os valores não contemplam tributos e outros itens que fazem parte da conta de luz, como o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e a Taxa de Iluminação Pública.  

A redução é resultado da renovação das concessões de transmissão e geração de energia que venceriam a partir de 2015, e da redução de encargos sobre a conta de luz. O efeito médio da redução é 20,2%. Para os consumidores residenciais a redução mínima é 18% e, para as indústrias, o desconto pode alcançar 32%.  

A lista com os valores das tarifas pode ser acessada na  página da Aneel.

Quarta, 13 Fevereiro 2013 17:28

Preconceito é que nem tiririca

Escrito por

Por Cesar Vanucci *

“Época difícil, essa nossa, em que é mais  difícil quebrar um preconceito do que um átomo.”

(Albert Einstein)

 

Vamos lá. O que poderá haver em comum entre Taro Aso, Ministro de Finanças do Japão e também vice-primeiro ministro do gabinete governamental do país, o coronel Ubiratan de Carvalho Góes Beneducci, da Polícia Militar de São Paulo, e o delegado Pedro Paulo Pontes Pinho, da Polícia Civil do Rio de Janeiro?

O noticiário dos últimos dias dá conta de que todos eles, tão distanciados no que fazem um do outro, foram pilhados em flagrante delito na prática de execráveis preconceitos, desafortunadamente para o gênero humano, enraizados que nem grama tiririca na convivência social.

O japonês, figurinha manjada pelos seus patrícios em decorrência do destempero verbal num sem número de embaraçosas situações, aprontou contra sua própria e respeitável categoria: a gente idosa. Do alto de seus setenta e lá vai pedrada de vida, esmerando-se na função de defensor intrépido da “lógica de mercado” nas intervenções sociais, considerou razoável a hipótese de se apressar a passagem de pessoas mais velhas, atacadas de enfermidades sem cura, de modo a desonerar os cofres públicos e o sistema de saúde de gastos com cuidados médicos especiais. Noutras palavras, é preciso “chegar-se a uma solução final”, como se dizia nos tempos do nazismo, nessa história de idosos enfermos, que se apegam “enervantemente” ao sopro de vida que lhes resta. Afinal de contas, manter ativo esse esquema assistencial custa um dinheirão e, por conseguinte, traz consideráveis prejuízos ou deixa de trazer justos lucros monetários a quem, tão benevolentemente, banca no interesse público os chamados planos de saúde. Ufa!

Diante da onda de indignação erguida pela boçal manifestação, feita num lugar do mundo em que o envelhecimento é assunto sensível (um quarto da população de 128 milhões é composta de pessoas com idade acima de 60 anos), o Ministro andou ensaiando o que se poderia chamar de recuo. Recolocou a cara de pau diante das câmeras, esboçando pedido esfarrapado de desculpa. Mas o recado desalmado já havia sido certeiramente transmitido ao vivo e a cores, deixando rastro inapagável de desassossego na alma das ruas.

Enquanto isso, aqui deste outro lado do equador, brotavam outras aprontações preconceituosas, a primeira delas com iniludível conotação racista. O acima citado Paulo Ubiratam de Carvalho Góes Beneducci, capitão de polícia, noutro gesto de singular estupidez, expediu uma ordem de serviço aos comandados para ações de policiamento ostensivo numa região de classe média alta de Campinas. Da “ordem de serviço” baixada consta recomendação para que a abordagem em prol da tranquilidade pública, a ser feita com máximo rigor, contemple pessoas “em atitude suspeita, especialmente indivíduos de cor parda e negra.” Ordem dada, ordem exemplarmente cumprida. As diligências militares passaram a ser direcionadas a grupos de jovens entre 18 e 25 anos na periferia, em que fosse anotada a presença “ameaçadora” de cidadãos de epiderme escura... A PM de São Paulo apressou-se em negar o teor racista do documento. Informou, sem convencer, ter havido desatenção na redação do texto, concluindo a “explicação” com dado que adiciona ao episódio toque surreal, tragicômico mesmo: “O próprio capitão Beneducci é pardo e quis apenas expor as características físicas dos suspeitos.” Órgãos de direitos humanos reagiram com veemência, solicitando entre outros esclarecimentos do governo dados estatísticos contendo o perfil étnico das pessoas abordadas em diligências, sobretudo naquelas que registram casos de “resistência seguida de morte”, tão frequentes na crônica policial naquele Estado.

Já a participação do delegado da Polícia Civil carioca, Pedro Paulo Pontes Pinho, nessa sequência desastrada de manifestações desrespeitosas à dignidade humana, consistiu na postagem feita, em redes sociais, de críticas acerbas, de cunho machista, à participação de mulheres nas atividades policiais. Por causa das declarações, ele foi exonerado do cargo. Chamado à responsabilidade, valeu-se novamente da rede social para desculpar-se e dizer-se mal compreendido e injustiçado.

Esses posicionamentos, despojados de bom senso e de respeito humano, são amostras da permanência no relacionamento comunitário de uma espécie de erva daninha. Algo danado de difícil de ser erradicado. São posturas preconceituosas, nos casos citados envolvendo raça, sexo e idade, que costumam medrar insidiosamente no relacionamento social. São que nem grama tiririca. Aquela graminha incômoda que, no versejar roceiro, de um autor talentoso, cujo nome neste momento se me escapa, “a gente pode arrancá, virá de raiz pro ar, mas quá!, um fiapo escondido no torrão faiz a peste vicejá...”

* O jornalista Cesar Vanucci (cantonius1@yahoo.com.br) escreve para o Blog Viva Pernambuco semanalmente.

 

Quarta, 13 Fevereiro 2013 17:06

Economize energia nesse verão

Escrito por

Do EcoD

No verão, os ventiladores, ar condicionados e freezers são acionados para ajudar a aliviar o calor comum desta estação. O problema é que a utilização excessiva de todos eles pode ampliar significativamente o aumento de energia.  No intuito de te ajudar a economizar e ao mesmo tempo não sofrer com o calor, o EcoD separou algumas dicas simples listadas pelo Procel, que podem auxiliar na redução.

•Tome banho frio: aproveite para tomar banhos frios. Além de aliviar o calor, isso reduz o gasto comum de um chuveiro elétrico.

•Desligue o ar-condicionado quando possível: uma boa hora é meia hora antes do fim do expediente e na hora do almoço. E quando ele estiver ligado, evite deixar portas abertas e a penetração do sol no ambiente, fechando cortinas e persianas.

•Abra as janelas: aproveite a iluminação e ventilação natural.  •Evite abrir a geladeira toda hora: retire de uma só vez tudo o que precisa. Além disso, ela não deve ficar próxima de lugares quentes, como fogão ou janelas que batem sol.

•Nunca deixe seu aparelho “dormir” carregando: dê a carga necessária e retire-os da tomada. Para câmeras digitais que não usam pilhas, aplica-se a mesma regra do celular. Só carregue o tempo necessário especificado no manual.

•Quando não estiver usando, mantenha o computador desligado: dê preferência aos notebooks que consomem menos energia. Não deixe os acessórios do computador (impressora, scanners etc.) ligados sem necessidade.

•Opte por equipamentos mais eficientes: escolha aparelhos com classificação ‘A’ no  •Programa Brasileiro de Etiquetagem do Inmetro, quando for o caso, ou identificados com o Selo Procel, da Eletrobrás.

•Se possível, não use aparelhos elétricos durante o horário de pico: evite o horário de maior consumo de energia, entre 18h e 21h.

Quarta, 06 Fevereiro 2013 20:59

Carnaval e consumo consciente combinam! Quer ver?

Escrito por

Do Instituto Akatu

O Carnaval está chegando! Para os foliões, diversão garantida nos blocos de rua, desfiles e bailes. Para quem gosta de sossego, um feriadão para descansar ou passear. Mas será que é possível aproveitar a festa e contribuir para um mundo mais sustentável ao mesmo tempo? O Akatu preparou dez dicas de consumo consciente, que valem para os foliões de carteirinha e para quem vai curtir outra programação nesse período. São dicas simples e práticas para festejar a data sem culpa.   Confira!  

1. Mais luxo que lixo  

O aumento do turismo e o consumo de bebida e comida no Carnaval geram mais lixo que o normal. O aumento do lixo gera impactos na coleta (que fica sobrecarregada) e no armazenamento nos aterros. Mas o consumidor consciente sabe que um Carnaval bom mesmo tem menos desperdício de comida e de bebida, e tem uso de embalagens retornáveis… Enfim, tem mais luxo que lixo!  

2. E viva o lixo no lixo!

Os blocos e desfiles aumentam a concentração de pessoas nas ruas das cidades. Já imaginou o que acontece quando elas jogam seus papéis, copos, embalagens e tudo o mais na própria rua? O lixo acumulado entope os bueiros e aumenta o risco de enchentes. Nas estradas, os detritos jogados nos acostamentos agridem e colocam em risco o meio ambiente e os animais. Nas praias, o lixo se espalha pela orla, vai parar no fundo do mar e, além de contaminar a água e consequentemente fauna e flora que nela vivem, seu recolhimento é muito trabalhoso. O consumidor consciente pode evitar estes impactos se levar consigo um saquinho para guardar as sobras do que consumiu até encontrar uma lata de lixo.

3. Re-fantasie-se

As fantasias de Carnaval são usadas, em geral, apenas por um dia. Para chegar até o consumidor, uma fantasia utiliza matérias primas, água e energia em sua produção, distribuição e transporte. Que tal reutilizá-las, trocá-las com amigos ou reformá-las? Utilizando a mesma fantasia mais de uma vez, o consumidor consciente dilui ao longo do tempo os impactos negativos ocorridos na produção dos materiais que compõem a fantasia. Além disso, evita que ela seja jogada fora e, assim, aumente a quantidade de lixo produzido desnecessariamente.

4. Excesso?

Só de alegria   A combinação entre calor, comida comprada na rua, álcool e multidão pode ser indigesta. Também o consumo excessivo de bebidas é responsável pela maioria dos acidentes de automóvel e pelo início de diversas brigas de rua. O limite é definido por cada um. O consumidor consciente aproveita a festa protegendo a sua saúde e a de todos.

5. Pé e consciência na estrada  

O turismo aumenta muito nos feriados prolongados. As viagens de carro são bastante comuns e ampliam o tráfego nas estradas, o risco de acidentes e a emissão de poluentes. Mas o consumidor consciente pode se organizar para viajar com o maior número possível de pessoas no carro, diluindo os impactos da viagem. Pode também planejar sua viagem de modo a ter o motor regulado, reduzindo em até 5% o consumo de combustível e emitindo menos gases de efeito estufa. Além disso, pode programar a saída de casa em horários de menos trânsito, reduzindo desta forma o tempo em marcha lenta e emissão maior de carbono. O turismo também pode ter impactos positivos: respeitando os costumes dos lugares visitados e prestigiando a cultura e economia locais, o consumidor consciente contribui para o desenvolvimento da região visitada.

6. Pirataria só na fantasia

Quando o consumidor consciente compra artefatos de festa, CDs e DVDs, ele pode exigir dos fornecedores nota fiscal, evitando a sonegação de impostos e o estímulo à produção ilegal, que alimenta o crime organizado.

7. Desplugue-se  

Antes de viajar ou sair de casa por períodos prolongados para se distrair, o consumidor consciente pode tirar os aparelhos elétricos e eletrônicos da tomada, tais como televisão, DVD, micro-ondas, computador e carregador de bateria, a fim de economizar energia. O modo “stand by” – acionado quando o aparelho está desligado, mas conectado à rede elétrica pela tomada – faz com que o aparelho continue consumindo energia, podendo chegar a até 25% do que consumiria se o equipamento estivesse ligado.

8. Mergulhe na folia, mas deixe a água de fora  

O Carnaval é uma época em que as cidades turísticas enfrentam sérios problemas de abastecimento de água em função do consumo adicional das pessoas que elas recebem. O consumidor consciente pode evitar tais problemas redobrando os cuidados com a água: brincando sem gerar desperdícios, tomando banhos mais curtos e aproveitando o calor para desligar o chuveiro caso demore ao se ensaboar ou para aplicar cremes nos cabelos.

9. Eu quero sossego  

Aqueles que moram em cidades que não são destino de foliões e que não vão viajar podem aproveitar a tranquilidade e o tempo livre em atividades que valorizam o maior convívio com os amigos e com a família. Caminhadas, piqueniques, visitas a parques, museus e centros culturais são algumas sugestões que estimulam o bem-estar e podem ter menos impactos negativos no bolso e no meio ambiente!  

10. O bloco do consumo consciente  

O consumidor consciente também pode divulgar estas dicas para os amigos e familiares, convidando-os a fazerem parte de um movimento por um Carnaval mais sustentável. Espalhar os princípios que o Akatu apresenta aqui é como puxar um trio elétrico, atrás do qual só não vai quem ainda não entendeu que consumo consciente é o jeito mais fácil e acessível a cada um para fazer do mundo um lugar melhor para todos!

twitter

Apoio..................................................

mercado_etico
ive
logotipo-brahma-kumaris